Arquivo para Lula

Seja apenas diferente

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 08/10/2014 by Joe

Seja diferente

Pense em ser diferente e fique rico; pense em ser o melhor e fique frustrado.

Você já deve ter visto aquele famoso comercial de televisão onde a Pepsi pedia para as pessoas beberem de dois copinhos brancos marcados apenas com as letras A e B. Em um dos copinhos havia Pepsi e no outro as pessoas tinham Coca-Cola. Após experimentarem os dois copinhos, elas – sem saberem qual era o copinho de Coca e qual era o copinho de Pepsi – escolhiam a Pepsi (pelo menos era o que aparecia no comercial).

No final do teste, a Pepsi anunciava:

– “Tá vendo? A voz do povo é a voz de Deus, e a voz do povo tá dizendo que Pepsi é melhor que Coca-Cola”.

No teste do quem é o melhor, a Pepsi faturou, mas no teste da rua, do boteco, do restaurante, do supermercado, quem ganha sempre é a Coca-Cola. Apesar do esforço centenário da Pepsi em virar o jogo, a Coca-Cola continua nadando de braçada nos tonéis de cola.

O erro da Pepsi é tentar ser melhor que a Coca-Cola. Não vai rolar. Marketing não é sobre ser o melhor – tanto porque melhor é muito relativo. Marketing é sobre ser diferente. Vence quem for percebido como diferente e não quem for percebido como melhor.

Seja diferente! Tenha coragem e seja diferente; ainda que diferente signifique tecnicamente que você seja pior que o seu concorrente. Lembre-se: pior também é relativo.

Mesmo que o resto da empresa diga que o negócio é Six Sigma, Qualidade Total, benchmarking, corte de custos, eficiência da máquina administrativa – nada contra essas práticas – se você quer liderar algum mercado, seja apenas diferente.

No mundo das pessoas perfeitas, o melhor produto talvez vença. O fato é que não vivemos no mundo perfeito (ainda bem), mas no mundo real, onde o melhor produto não ganha nunca. No mundo real quem ganha é quem é diferente. Vence sempre quem é diferente e não quem é melhor.

A estratégia de ser melhor que o concorrente é que leva você a fazer seis coisas porque o concorrente faz cinco coisas. Leva você a oferecer seis lugares porque o concorrente oferece cinco. Leva você a vender por 98 reais porque o concorrente vende por 99 reais.

Pare de pensar sobre ser melhor que os outros. Vence sempre quem é diferente. O melhor morre estressado; o diferente vive, cresce, sorri, respira e se diverte.

O mundo dos negócios é coisa para maluco. Então, seja maluco! Aproveite o momento quadrado em que vivemos para ser maluco.

Estamos cercados de pessoas conservadoras. A juventude de vinte e poucos anos é ultra conservadora. Pergunte para eles o que eles querem mudar, e você vai obter uma resposta do tipo, “eu quero mudar a versão do meu ipod, eu quero mudar o tamanho da televisão do meu quarto, eu quero mudar de nariz, de namorada, de carro”.

Aproveite essa maré de conservadorismo em que vivemos que diz que devemos levar tudo com calma, sem provocar rupturas, desentendimentos, blá blá blá, e seja louco, maluco, esquisito, diferente.

Por onde começar?

100% das inovações que você vai provocar na sua vida vão acontecer porque você tá p. da vida com alguma coisa. Mudanças não têm nada a ver com análise de mercado, estratégia e planejamento. Inovação e mudanças têm a ver com raiva, sangue quente. Steve Jobs tava p. da vida com os fabricantes de CDs jurássicos por não terem a capacidade de inventar alguma coisa prática para ajudá-lo a carregar os milhares de CDs que ele tinha na sua casa; então ele foi lá e inventou o iPod.

Portanto, comece por mudar as coisas que te deixam p. da vida.

O mundo em que vivemos tá muito quadrado. O discurso da direita é igual o discurso da esquerda que é baseado no discurso do centro. Os ambientalistas querem as mesmas coisas que os presidentes das instituições financeiras. O roqueiro cabeludo canta a mesma letra de corno cantada pela dupla sertaneja. O teu avô quer a mesma coisa que você. Até com a sogra você já tá concordando 100%. Para complicar, o bandido tem cara de polícia, o político tem cara de padre, o padre tem cara de político.

Que mundo chato!

Saudades dos anos oitenta. A década das Diretas Já, o único movimento de mobilização nacional que realmente conseguiu alguma coisa nas últimas décadas. Saudades dos anos oitenta, a década dos grupos musicais bregas que tinham alguma coisa interessante para dizer além de cantar música de corno. “Tô P. da Vida” foi título de música cantada aos domingos no Faustão, Gugu e outros bichos…

Bom, deixa eu baixar a minha bola e tirar o meu time de campo. O negócio agora é teamwork, democracia, inteligência emocional, relações interpessoais, politicagem, tapinha nas costas, six sigma, flip chart, visão, missão, valores, planinho, tudo certinho, tudo combinadinho, tudo coloridinho.

Boa sorte para você! Eu quero ver qual será a bela desculpa que você vai dar para os seus filhos quando eles te perguntarem qual foi a inovação que você criou naquela “empresa que tinha que atender as necessidades dos clientes, colaboradores, trabalhar pelo bem estar social, desenvolver produtos de qualidade que atendesse as necessidades dos nossos acionistas, visando o comprometimento de todos os nossos colaboradores com a excelência da execução dos nossos serviços embasado pelos projetos coordenados pelo comitê para assuntos que não tem nada a ver com nada”.

A pergunta é: quais mudanças você deveria provocar no mundo perfeito que você vive?

Quebra tudo! Foi para isso que eu vim! E você? Nada menos que isso me interessa!

By Ricardo Jordão Magalhães, revolucionário, presidente e fundador da BIZ REVOLUTION (www.bizrevolution.com.br) onde ele ajuda as pessoas e as empresas a se transformarem em verdadeiras Empresas de Marketing focadas nos objetivos dos seus clientes.

Polvo na cachaça

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/01/2011 by Joe

Quando falamos em frutos do mar, logo pensamos na variedade de produtos provindos das águas salgadas, nem sempre muito conhecidos, o que leva muita gente a torcer o nariz e dizer “eu não como isso”, mesmo antes de experimentar!

Na categoria “frutos do mar” temos os mariscos, crustáceos, moluscos e outros pequenos animais marinhos, com exceção dos peixes. Todos eles excelentes fontes de nutrientes, vitamina B (essencial para a formação dos glóbulos vermelhos e  manutenção do sistema nervoso), zinco (produção de proteínas, cicatrização e  desenvolvimento dos orgãos do aparelho reprodutor), além de outras vitaminas e sais minerais, incluídas aí as vitaminas B1, B2, niacina, além de selênio, cálcio, magnésio e iodo.

Vale ainda lembrar que os frutos do mar, tais como: lula; siri; caranguejo; camarão; lagosta etc, com exceção dos peixes, são riquíssimos em sódio. Reduzir o consumo desses alimentos é indispensável para quem precisa manter uma dieta moderada de consumo de sódio.

De todos esses frutos do mar, o que causa um certo “nariz torcido” é o polvo. Esse molusco octopode (que possui 8 braços) ainda é visto com estranheza, talvez pelo seu aspecto um tanto bizarro.

Mas, na gastronomia, é uma carne que possui um sabor delicioso, exótico, além de ser muito nutritivo.

A receita deste sábado é bem simples e pode ser saboreada como prato principal, ou como aperitivo.

Espero que gostem e enviem seus comentários, sugestões e preparo e variações da receita!!

Polvo na cachaça

Ingredientes

1 polvo inteiro (2 kg) já limpo
1 ½ xícaras (chá) de cachaça
2 folhas de louro
sal a gosto

1 cebola cortada em fatias finas
6 tomates maduros cortados em cubinhos
2 dentes de alho bem picados
½ xícara (chá) de folhas frescas de manjericão
azeite de oliva a gosto
sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo

Numa panela média, coloque o polvo, a cachaça, o louro e um pouquinho de sal. Tampe e deixe em fogo alto por 10 minutos, mexendo umas 2 vezes até que ele fique rosado e comece a enrolar.

Abaixe o fogo e cozinhe na própria água (ele solta água) por, mais ou menos, 1 hora, até que esteja bem macio. Se secar demais, coloque um pouco de água e espete os tentáculos com um garfo para testar.

Quando estiver no ponto, tire do fogo, escorra, deixe amornar, descarte a pele excedente (principalmente a que envolve a cabeça). Separe os tentáculos e corte o restante em pedaços do tamanho de uma mordida.

Regue o fundo de uma frigideira grande com azeite, junte o polvo em pedaços, deixe dourar de todos os lados, transfira para uma tigela e reserve.

Regue a mesma frigideira com um pouco mais de azeite, junte a cebola, espere começar a dourar. Adicione o alho, aguarde perfumar e então acrescente o tomate, sal, pimenta. Misture bem, aguarde uns 5 minutos até que o tomate esteja macio e perfumado, e junte o manjericão.

Coloque o polvo na frigideira, misture bem e sirva com arroz branco. Acompanhe com um bom vinho branco (Sauvignon Blanc).

Precisa-se de matéria-prima

Posted in Atualidade with tags , , , , , , , , , , on 28/08/2009 by Joe

CorrupçãoA crença geral anterior era que Collor não servia, bem como Itamar e Fernando Henrique. Agora dizemos que Lula não serve. E o que vier depois de Lula também não servirá para nada. Por isso estou começando a suspeitar que o problema não está no ladrão e corrupto que foi Collor, ou na farsa que é o Lula. O problema está em nós. Nós como POVO. Nós como matéria-prima de um país.

Porque pertenço a um país onde a “esperteza” é a moeda que sempre é valorizada, tanto ou mais do que o dólar. Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família, baseada em valores e respeito aos demais.

Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nas calçadas onde se paga por um só jornal e se tira um só jornal, deixando os demais onde estão. Pertenço ao país onde as “empresas privadas” são papelarias particulares de seus empregados desonestos, que levam para casa, como se fosse correto, folhas de papel, lápis, canetas, clipes e tudo o que possa ser útil para o trabalho dos filhos … e para eles mesmos.

Pertenço a um país onde a gente se sente o máximo porque conseguiu “puxar” a TV a cabo do vizinho, onde a gente frauda a declaração de imposto de renda para não pagar ou pagar menos impostos.

Pertenço a um país onde a impontualidade é um hábito. Onde os diretores das empresas não valorizam o capital humano. Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e depois reclamam do governo por não limpar os esgotos.

Onde fazemos “gatos” para roubarmos luz e água e nos queixamos de como esses serviços estão caros. Onde não existe a cultura pela leitura (exemplo maior é nosso atual Presidente, que recentemente falou que é “muito chato ter que ler”) e não há consciência nem memória política, histórica e nem econômica.

Onde nossos congressistas trabalham dois dias por semana para aprovar projetos e leis que só servem para afundar aos que nada tem, encher o saco dos que tem pouco e beneficiar só a alguns .

Pertenço a um país onde as carteiras de motorista e os certificados médicos podem ser “comprados”, sem fazer nenhum exame. Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no ônibus ou no metrô, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não ceder o lugar.

Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o pedestre. Um país onde fazemos um monte de coisa errada, mas nos esbaldamos em criticar nossos governantes. Quanto mais analiso os defeitos do Fernando Henrique e do Lula, melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem “molhei” a mão de um guarda de trânsito para não ser multado. Quanto mais digo o quanto o Dirceu é culpado, melhor sou eu como brasileiro, apesar que ainda hoje de manhã passei para trás um cliente através de uma fraude, o que me ajudou a pagar algumas dívidas.

Não. Não. Não. Já basta!.

Como “matéria-prima” de um país, temos muitas coisas boas, mas nos falta muito para sermos os homens e mulheres que o nosso país precisa.

Esses defeitos, essa “esperteza brasileira” congênita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até converter-se em casos de escândalo, essa falta de qualidade humana, mais do que Collor, Itamar, Fernando Henrique ou Lula, é que é real e honestamente ruim, porque todos eles são brasileiros como nós, eleitos por nós. Nascidos aqui, não em outra parte …

Me entristeço. Porque, ainda que Lula renunciasse hoje mesmo, o próximo presidente que o suceder terá que continuar trabalhando com a mesma matéria-prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos. E não poderá fazer nada … Não tenho nenhuma garantia de que alguém o possa fazer melhor. Mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá. Nem serviu Collor, nem serviu Itamar, não serviu Fernando Henrique, não serve Lula, nem servirá o que vier.

Qual é a alternativa? Precisamos de mais um ditador que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror?

Aqui faz falta outra coisa. E enquanto essa “outra coisa” não começar a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados, igualmente sacaneados!!!

É muito gostoso ser brasileiro. Mas quando essa brasilidade autóctone (quem/o que que é natural da terra) começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, aí a coisa muda …

Não esperemos acender uma vela a todos os Santos, a ver se nos mandam um Messias. Nós temos que mudar; um novo governador com os mesmos brasileiros não poderá fazer nada. Está muito claro isso … Somos nós os que temos que mudar.

Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda nos acontecendo: desculpamos a mediocridade mediante programas de televisão nefastos e francamente tolerantes com o fracasso. É a indústria da desculpa e da estupidez.

Agora, depois deste texto, francamente decidi procurar o responsável; não para castigá-lo, mas para exigir-lhe (sim, exigir-lhe) que melhore seu comportamento e que não se faça de surdo, de desentendido …

Sim, decidi procurar o responsável e estou seguro que o encontrarei quando me olhar no espelho …

Aí está … não preciso procurá-lo em outro lado …

E você, o que pensa?….

Nota do Blog:

O texto acima já roda pela Internet há alguns anos. A princípio, ele foi atribuído a João Ubaldo Ribeiro (assim como tantos outros) mas o mesmo já desmentiu a autoria. Pesquisando no Google descobri que ele também é atribuído a outros autores e que existe, inclusive, uma versão portuguesa idêntica, na qual políticos daquele país são citados e fatos são narrados de forma semelhante (berço é berço, né?).

O que importa é que o texto se mantém atual e assim continuará enquanto permanecermos acomodados, apenas olhando, passivamente, essa grande pizzaria que se tornou o nosso país. Em vários posts anteriores eu venho perguntando até quando ficaremos passivos, como se tudo isso estivesse acontecendo na Argentina, como se não tivéssemos nada a ver com isso …

Um país tão rico, com recursos naturais abundantes, não merece ter um povo tão banana, tão bunda-mole que só se interessa por carnaval, reality-shows e futebol. Leia, reflita e lembre-se que as próximas eleições estão chegando. Vamos desperdiçar mais essa oportunidade de trocar as fraldas da política brasileira?

By Joe.

Cartão vermelho

Posted in Atualidade with tags , , , , , , , , , , , , on 27/08/2009 by Joe

Cartão vermelhoOntem (25/08/09) Eduardo Suplicy, Senador do PT pelo Estado de São Paulo, protagonizou na tribuna do Circo Senado Federal, do qual faz parte, mais um espetáculo deste teatro dos horrores em que se transformou o Brasil. Utilizando-se do recurso que é usado com muita freqüência por Lula, deu cartão vermelho ao Presidente da Casa, José Sarney e bateu boca com Demóstenes Torres, que questionou por que Suplicy não dava cartão vermelho também ao presidente Lula.

À noite, no Jornal da Globo, Arnaldo Jabor nos presentou com uma crônica (vide abaixo) muito feliz, questionando onde andam os intelectuais e a “sociedade civil organizada” que não faz nada. A impressão que se tem é que a “sociedade civil organizada” está tão apática quanto a “sociedade civil desorganizada” (leia-se: povo).

O movimento estudantil, que sempre levantou sua voz contra a ditadura militar, parece estar vendida, calada, fazendo até passeata a favor de Lula.

Os movimentos sindicais parecem estar seguindo a mesma direção, caminhando e cantando e seguindo o governo petista (aliás, cadê aquele Lula que conhecemos nos movimentos sindicais, tão radical quanto a própria ditadura da época?).

E os artistas, os cabeças pensantes que, naquela época, se mostravam tão fortes e corajosos, enfrentando toda a ira das forças armadas, a ponto de correrem risco de desaparecerem de um dia para o outro, como aconteceu a tantos professores, amigos e parentes?

Cadê Chico, Caetano, Gil, Vandré, e outros tantos que lutaram com o poder de seus versos e canções? Cadê os caras-pintadas, como o próprio Jabor lembrou em sua crônica? Cadê você, trabalhador sofrido, assaltado em cinco meses de seu mísero salário por ano para sustentar esse circo?

Será que todos só tem olhos para os reality-shows, as novelas e os jogos de futebol que só servem para anestesiar ainda mais o nosso já tão combalido ânimo?

Confesso que estou assustado com o rumo que as coisas estão tomando. Começamos a ouvir falar em censura à imprensa, à ações contra blogs, escândalos que terminam em pizza, seja na política, seja no futebol ….

Mais uma vez fica a minha pergunta, indignado: até quando? Será que não é hora de nós, brasileiros, darmos um cartão vermelho a todos esses corruptos que fazem parte desses times de quinta-divisão que jogam esse jogo de cartas marcadas?

Nota do Blog:

Tendo em vista a Globo ter retirado o código para publicação do video com a crônica de Arnaldo Jabor, publico o texto referente à mesma:

“Como comentar isso tudo? A indignação ficou insuficiente, o escândalo está desmoralizado, a vergonha está cansada. Não há mais filme de horror, não há filme pornô igual a isso que vemos.

Estamos nos viciando neste espetáculo de sordidez. E isso é ruim, porque a indignação é muda, é paralítica. Porque não se trata mais de netinhos nomeados, nem mensalinhos roubados, nem envelopinhos de empreiteiras, nem de gorgetinhas de macarrão.

Não se trata mais de um problema moral. As instituições estão sendo implodidas por dentro, pelos próprios donos do poder.

Em nome da governabilidade o governo está impedindo a governabilidade. E pior: este circo de anomalias serve para acalmar nossas consciências…

A gente fala: “que horror” e se sente santificado, mas não faz nada. A imprensa está sozinha ameaçada de censura pelos roedores da República…

Quando houve a crise do Collor, a indignação ainda valia. Intelectuais e figuras importantes do país, como Barbosa Lima Sobrinho e outros se manifestaram em bloco.

E hoje? Por que este silêncio dos intelectuais? Onde estão os carapintadas? Onde os manifestos de artistas famosos, das tais celebridades? Onde estão eles, além de exibir sua vida sexual nas revistas e rebolar nas pistas de dança?

Cartão vermelho para a elite pensante do Brasil!”

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: