Arquivo para Frutos do mar

Murgh Tandoori

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/08/2014 by Joe

Murgh Tandoori

A culinária indiana é caracterizada pelo seu uso sofisticado e sutil de muitas ervas e especiarias. Considerada por alguns como a culinária mais diversificada do mundo, cada ramo da cozinha indiana é caracterizada pelo uma ampla gama de pratos e técnicas culinárias. Embora uma significativa porção da comida indiana seja vegetariana, muito pratos indianos tradicionais incluem frango, peixe, bode, cordeiro e outras carnes. Carne de vaca não é comida pela maioria dos hindus.

A comida é uma parte importante da cultura indiana, desempenhando papel tanto na vida diária quanto nos festivais. Muitas vezes a comida indiana cotidiana consiste de dois ou três pratos principais com acompanhamentos variados como chutney (condimento agridoce, picante ou uma mistura dos dois) e picles, alimentos ricos em carboidratos como arroz e roti (pão), assim como sobremesas.

E esses são os pontos comuns da culiária indiana dentre as quatro grandes regiões geográficas: arroz, atta (farinha de trigo integral), e uma variedade de legumes sendo que os mais importantes o masoor (tipo de lentilha), chana (grão-de-bico), toor (guandu), urad (tipo de feijão) e mung (semente da vigna radiata).

Para a fritura, o mais comum são os óleos vegetais. Ao norte e oeste da Índia, o óleo de amendoin é tradicionalmente mais popular para fritar, enquanto que a leste, o óleo de mostarda é mais comum para essa mesma tarefa. No sul da India, óleo de coco e de gergelim são os mais comuns.

As especiarias mais importantes na culinária indiana são as pimentas, semente de mostarda preta, cominho, cúrcuma, feno-grego, gengibre e alho. Misturas de especiarias populares são comuns, como o Garam Masala, preparado com coentro, pimenta do reino, gengibre, canela, cravo, cardamomo, noz moscada, pimenta calabresa e casca de laranja. É uma deliciosa mistura que adiciona sabor sem ardência, muito utilizada no sul da Índia em receitas com frutos do mar. Experimente misturar com manteiga e cobrir pedaços de frango frito.

Com base nessa premissa do uso de especiarias é que trazemos hoje um prato comum naquele país, fácil de prepar e com um sabor exótico e delicioso! Espero que gostem!

Murgh Tandoori

Ingredientes

1 kg de frango (coxa e sobrecoxa)
2 colheres (chá) de pasta de alho e gengibre
1 colher (sopa) de suco de limão
2 colheres (chá) de páprica doce
2 colheres (chá) de coentro em pó
1 colher (chá) de curry em pó
1 colher (chá) de pimenta do reino
1 colher (chá) de garam masala
200 ml de iogurte
sal a gosto

Modo de preparo

Limpe bem as coxas e sobrecoxas, retirando a pele e as gordurinhas. Reserve.

Em um recipiente fundo, misture bem todos os temperos e passe em todos os pedaços do frango. Deixe marinando na geladeira por, pelo menos umas quatro horas.

Pré-aqueça o forno a 200º C. Coloque os pedaços de frango em uma forma untada com e leve para assar até que esteja dourado. Sirva com arroz branco ou, se preferir, Depois, coloque no forno para assar.

Sirva com arroz colorido de legumes (cenoura, ervilhas, milho) ou uma bela salada.

By Joemir Rosa.

Salpicão de frango

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/07/2014 by Joe

Salpicão de Frango

Salpicão tem sua origem na palavra “salpicar”, ou seja, salgar, polvilhar. O tempo alterou a origem e o termo não ficou restrito apenas ao sal.

Na Espanha é que alguns pratos podem ter sido os precursores do salpicão, tal como conhecemos hoje. Lá pelos meados dos séculos XVI e XVII começaram a aparecer algumas citações a um prato campesino chamado “vaca en salpicón“. Era preparado com pedaços de gorduras e sobras de carnes magras de vaca, bem picadinhas – e daí o termo espanhol, salpicón – e cozidas com cebolas, sal e pimentão. Podia ser servido frio ou quente.

Atualmente, com algumas poucas alterações, e mais o uso de especiarias, o vaca en salpicón é um prato tradicional da cozinha espanhola, muito comum em toda a Costa Andaluza. É desta região sua versão mais famosa, o salpicón de mariscos, que leva vôngoles, camarões, mexilhões, tudo marinado em muito azeite, ervas, rodelas de cebolas, pimentos verde e vermelhos.

O nosso salpicão, mais comum em terras tupiniquins, é preparado com carne de frango – ou de vaca – e legumes e grãos, com uma pitada de frutas cítricas. Variações existem aos montes, com adição de presunto em cubos, queijos, frutos do mar, várias frutas, batatas, vagens, azeitonas, massas e até batatas fritas. Enfim, o que sua imaginação e seu gosto permitirem. Como molho, o creme de leite ou a maionese.

Neste sábado, uma receita de salpicão para ser servido como um prato leve e fresco, próprio para esses dias de inverno de temperaturas mais altas.

Salpicão de frango

Ingredientes

1 peito de frango (600 g)
1 colher (sopa) de sal grosso
3 folhas de louro
1 dente de alho amassado
1 lata de milho verde bem escorrido
1 xícara (chá) de ervilhas frescas ou congeladas
3 cenouras médias raladas
2 maçãs verdes com casca picadas em cubinhos
3 talos de salsão, sem as folhas, fatiados finamente
1 cebola branca média ralada
40 g de uvas-passa sem sementes
1 colher (sopa) de alcaparras
30 ml de vinagre de vinho branco
80 ml de azeite de oliva extra-virgem
sal e pimenta do reino branca a gosto
300 g de creme de leite (fresco ou de caixinha)
10 tomatinhos cereja
100 g de batata palha fina e crocante

Modo de preparo

Em primeiro lugar um alerta: todas as saladas ou salpicões que envolvam creme de leite ou maionese em seu preparo necessitam que os legumes e grãos sejam bem higienizados e secos. Desta forma, ao utilizar grãos em lata, escorra bem em uma peneira e os legumes e folhas (inclusive temperos) devem ser lavados, higienizados e secos antes de sua utilização.

Cozinhe o peito de frango em uma panela de pressão com o sal grosso, o dente de alho amassado e as folhas de louro. Quando estiver cozido, desfie o frango e reserve.

Passe as ervilhas, o milho e a cenoura ralada em água fervente, rapidamente. Deixe escorrendo bem e reserve.

As uvas-passa também devem ficar de molho em água morna por uns 15 minutos, escorridas e reservadas.

Em uma travessa, acomode todos os ingredientes, exceto o creme de leite, os tomatinhos e a batata palha. Acerte o sal, se precisar, regue o vinagre e o azeite, jogue uma pitadinha de pimenta do reino e, com uma colher grande, misture tudo delicadamente. Distribua o creme de leite por cima, mexa mais uma vez e leve à geladeira por uns 10 minutos para refrescar.

Na hora de servir, salpique a batata palha, enfeite com os tomatinhos cereja e uns raminhos de salsinha.

Salpicão em cestinhasSe preferir, sirva o salpicão em forminhas de massa de pastel. Para tanto, utilize discos de massa para pastel de 12 cm. Enquanto os legumes e grãos estão escorrendo, acomode cada disco de massa em uma forminha de empada ou xícara de louça e leve para assar em forno médio. Assim que estiverem douradas, retire do forno e deixe esfriar. Coloque colheradas de salpicão e, por cima, a batata palha. Enfeite com um tomate cereja. Esta forma fica ótima para servir em reunião de amigos.

By Joemir Rosa.

Tempurá

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/08/2013 by Joe

Tempurá

O tempurá é uma das receitas mais atraentes da culinária japonesa. Sua massa leve e crocante encanta os mais delicados paladares.

Muitos povos passaram pelo Japão deixando suas marcas na cozinha local. Durante o século XVI, os jesuítas e os comerciantes portugueses montaram uma colônia em Nagasaki. Como todo bom estrangeiro, eles preparavam pratos de sua terra natal.

Durante o “Quatuor Tempora” (Quatro Tempos), celebração católica onde as pessoas deviam comer pouco e abster-se de ingerir carne vermelha, os jesuítas preparavam camarões fritos em uma massa com farinha e ovos. Incomodados com a tentativa de serem catequizados pelos portugueses, os japoneses expulsaram-nos do Japão, ficando apenas com sua herança gastronômica.

O “tempora” virou tempurá e com o passar do tempo os japoneses foram refinando essa técnica, usando um óleo mais leve e acrescentando vegetais, até chegar ao prato que conhecemos hoje em dia.

O tempurá se popularizou na cidade de Tokyo, onde era vendido em barracas assim como o sushi, e os ambulantes passaram a preparar empanados de peixe fresco. Em pouco tempo, o tempurá conquistou todo o arquipélago e hoje existem até casas especializadas no prato (os tempura-ya), chegando a diversos países como um dos pratos mais apreciados da culinária japonesa.

Espero que curtam este prato, assim como eu, que sou fanático por esta e outras iguarias da gastronomia japonesa!

Tempurá

Massa

1 ovo inteiro gelado
200 g de farinha peneirada e gelada
400 ml de água gelada

Ingredientes

12 camarões médios
4 shitakes inteiros (sem o talo)
2 pimentões pequenos
2 cenouras
1 batata-doce em rodelas (mergulhe em água para retirar o amido)
6 unidades de ervilha-torta
4 folhas de sálvia

Tentsuyu (molho para tempurá)

2 xícaras de caldo de peixe
1/2 xícara de shoyu
1/2 xícara de sopa de Mirin (saquê doce)
nabo ralado a gosto
gengibre ralado a gosto

Preparo dos ingredientes

Todos os vegetais devem ser cortados em tiras com espessura e tamanho não muito grandes, para facilitar a fritura. Pique finamente as folhas de sálvia (pode usar cheiro-verde, se preferir). Depois de cortados, misture-os bem.

O camarão deve ser descascado. Deixe o rabo, mas retire a cabeça e o intestino dorsal (retire com um palito, picando no dorso). Faça 3 cortes transversais na barriga do camarão (isso impede que ele se curve).

O camarão e os legumes devem estar bem secos para que a massa os envolva completamente. Uma pitada de sal pode ser colocada. Qualquer peixe de carne branca e firme pode ser utilizado em vez de camarões (ele deve ser limpo e sem espinhas). Tanto o peixe como o camarão devem ser finamente empanados com farinha, antes de serem mergulhados na massa. Na hora de preparar para fritar, misture bem os legumes e os camarões.

Preparo da massa

Misture o ovo com a água gelada numa vasilha gelada sobre banho-maria frio (água com gelo). Peneire por cima dessa mistura a farinha de uma vez só.

Misture levemente com 2 palitinhos longos ou 2 espetos (não use fouet, nem colher de pau), deixando a mistura bem empelotada, com farinha nas superfícies e nas bordas. A massa só deve ser preparada segundos antes de fritar. Antes disso, deixe preparados todos os ingredientes. Esta massa, caso sobre, não pode ser guardada.

Preparo do molho

Tradicionalmente utiliza-se o molho (tentsuyu) para acompanhar o tempurá, mas também fica ótimo passando-se o tempurá, depois de frito, no sal e pimenta.

Para o molho, coloque todos os ingredientes em uma panela e leve ao fogo até começar a ferver. Pronto. Na hora de servir, acrescente o nabo cru ralado fino e gengibre fresco ralado a gosto.

Modo de preparo final

Aqueça o óleo a 180 ºC (para saber se está na temperatura exata, jogue um pouquinho de massa, se ela subir à superfície rapidamente, o óleo está no ponto) e comece a fritar os tempurás. Passe a mistura de legumes e camarões na farinha, retirando bem o excesso, e depois passe na massa – isso permite que a massa fixe bem.

Retire o excesso da massa e, com o auxílio de uma escumadeira, coloque no óleo. Não frite muitos por vez para não diminuir a temperatura do óleo. Quando estiverem ligeiramente dourados, retire e coloque em uma grade (o escorredor de macarrão pode funcionar como grade) para que fiquem sequinhos. Não utilize papel-toalha pois pode deixar os tempurás encharcados.

Sirva com o molho à parte e tigelinhas com sal e pimenta. Cada um tempera a gosto o seu tempurá (suco de limão também combina bem com frutos do mar).

By Joemir Rosa.

Suflê de queijo gruyère

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/06/2013 by Joe

Suflê de queijo gruyère

De origem francesa, o suflê (ou soufflé) foi bem-recebido no Brasil. Acredita-se que a primeira receita tenha sido criada em meados do século 19, talvez até antes, pelo chef francês Antonin Carême. Sobre ele dizia-se que era “o chef dos reis e o rei dos chefs”. Desde então, essa delícia corre o mundo em mil e uma variações.

O termo “soufflé” significa “inchado” ou “soprado” e, por isso, uma das regras básicas do prato é servi-lo imediatamente após sair do forno. Se não for veloz, ele perde consistência e murcha. O suflê pode ser doce ou salgado, feito com diversos tipos de recheio. Vale queijos, legumes, carnes, frutos do mar, chocolate e frutas.

O prato à base de clara de ovos e leva algum farináceo para dar liga e o recheio principal escolhido. As claras batidas em neve são adicionadas no último momento e delicadamente se incorporam à massa. Ao ser colocado no forno bem quente, as bolhas de ar contidas nas claras se dilatam fazendo a mistura inflar e crescer. Chega a ultrapassar a altura das forminhas de porcelana (ramequins), causando assim o efeito “colarinho”.

No prato de hoje, você confere uma receita prática de suflê, com um dos mais deliciosos recheios: o queijo gruyère!

Suflê de queijo gruyère

Para o molho bechamel

1/2 litro de leite
1 1/2 colher (sopa) de manteiga
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
sal e pimenta-do-reino à gosto
uma pitada de noz-moscada

Para a massa

350 gramas de queijo do tipo gruyère ralado grosso
3 colheres (sopa) de manteiga
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
1 receita de molho bechamel
sal a gosto
2 gemas
6 claras
2 colheres (chá) de queijo parmesão ralado fino

Modo de preparo

Molho bechamel

Em uma panela, ferva o leite. Em outra panela, derreta a manteiga e junte a farinha mexendo. Aos poucos, incorpore o leite à mistura, mexendo sempre. Adicione o sal, a pimenta e a noz-moscada e ferva por mais dois minutos. Reserve.

A massa

Em uma frigideira, derreta o queijo gruyère parcialmente na manteiga. Acrescente a farinha e misture por dois minutos. Junte o molho bechamel e tempere com sal. Deixe ferver, mexendo sempre. Adicione as gemas, sem parar de mexer, e cozinhe até a mistura engrossar. Reserve.

Na batedeira, bata as claras até ficarem firmes e junte à massa. Transfira para dois ramequins com capacidade para 600 ml cada um, untados com manteiga. Polvilhe com o parmesão e leve ao forno pré-aquecido a 240 ºC por dez minutos. Sirva quente assim que sair do forno.

By Joemir Rosa.

Nuea pad kanaa

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , on 10/09/2011 by Joe

O prato de hoje vem da gastronomia tailandesa, que está cada vez mais difundida e apreciada. O segredo dessa culinária milenar vai além do preparo dos pratos.

Conta-se que há dois séculos os tailandeses comiam sentados numa esteira ou tapete. No lugar de mesas eram usados grandes vasos de bronze com uma tampa, sobre as quais era colocada uma toalha vermelha. A carne era cortada em pequenos pedaços e o arroz colocado numa tigela funda no chão. Para servir a comida, utilizavam colheres de madrepérola. Os convidados não usavam facas nem garfos. Eles comiam fazendo pequenas bolas de arroz com os dedos e as mergulhavam nos pratos de acompanhamento.

Os talheres só foram introduzidos tempos depois pelos europeus. Esses costumes se modificaram, mas o rico sabor da culinária Thai continua o mesmo. O equilíbrio de sabores, aromas, texturas e cores é muito valorizado nessa cozinha. As refeições tailandesas são compostas por muitos pratos, todos levados à mesa ao mesmo tempo: uma sopa, uma salada, um prato picante (caril ou curry) e vários molhos em geral à base de “nam pla” (molho de peixe) onde são mergulhados vegetais ou frutos do mar. Tudo acompanhado de uma boa dose de arroz, considerado o alimento principal em muitos países da Ásia. O tipo mais comum é o arroz jasmim, que é mais perfumado e delicado.

As sobremesas são sempre compostas por frutas tropicais, como manga, abacaxi, coco, tamarindo (em suco) e outras. Os tailandeses comem com garfos, colheres e raramente usam facas, já que as carnes e os legumes vêm cortados em pequenos pedaços. Ao contrário do que muitos pensam, os pauzinhos (hashis) são utilizados somente para massas do tipo chinesa. A água e o chá são as bebidas mais comuns, embora o uísque tailandês com soda e uma boa dose de suco de lima seja apreciado em ocasiões festivas.

A culinária da Tailandia não só usa insetos como também muitos produtos de origem vegetal, tais como: cenoura, ervilha, brotos, salsão, erva-doce, etc; e também diversos tipos de carne (bovina, suina, caprina), e riquíssima em frutos do mar. Constituindo uma refeição rica em fibras e proteínas, com baixo teor de gordura e extremamente saborosa.

A receita de hoje, de origem Thai, é bem simples e fácil de preparar. O sabor tem um toque exótico de molhos apimentados, cujo resultado é saborosíssimo! Vale a pena experimentar!

Nuea pad kanaa

Ingredientes

250 g de filé mignon cortado em fatias ou pequenos pedaços
50 g de brócolis aferventado e cortado na diagonal
20 g de shitake cortado em tiras
2 colheres (sopa) de molho de ostras
azeite

Marinada

1 colher (sopa) rasa de açúcar
2 colheres (sopa) de saquê de cozinha
½ colher (chá) de óleo de gergelim torrado
1 alho picado

Modo de preparo

Prepare a marinada, misturando os ingredientes todos. Deixe o filé mignon nessa marinada por dez minutos. Em seguida passe uma fina camada de azeite numa panela wok ou numa caçarola grande e aqueça até enfumaçar. Frite o filé até selar os dois lados. Acrescente os brócolis e o shitake, e frite por mais 30 segundos. Tempere com molho de ostra e mexa por mais 30 segundos. Sirva acompanhado de arroz branco.

Bom apetite!

By Joemir Rosa.

Casquinhas de siri

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , on 30/04/2011 by Joe

A casquinha de siri é um prato muito tradicional na cozinha popular brasileira. Em geral são receitas de frutos do mar e peixes feitas na casca do siri. Não se sabe a origem da casquinha de siri como recipiente para elaborar receitas gastronômicas, mas outros países como a Espanha, Portugal e França também as usam com as espécies de crustáceos marinhos de lá. Sendo um produto marinho 100% natural, o efeito visual do prato fica atraente e prático na hora de saborear a entrada.

A título de curiosidade, o siri é encontrado em mangues, estuários, lagunas costeiras e na plataforma continental em profundidades de até 90 metros.

Nas receitas mais tradicionais, a carne do siri azul é usada como base, que tem uma carne branca muito delicada e saborosa. Além da carne de siri, podem ser usados outros produtos nobres como base na sua preparação, tais como: camarão, lagostim, bacalhau, cação, salmão e qualquer tipo de carne de peixe desfiada. Estes produtos podem ser combinados com alcaparras, azeitonas, verduras refogadas, etc. Podem ser levadas ao forno, gratinar ou fritar.

Uma casquinha é composta de quitina cristalizada com carbonato de cálcio, são produtos 100% naturais, neutros. Devidamente higienizadas não possuem odor, nem transferem sabor algum. Na teoria, poderiam ser ingeridas sem nenhum risco para a saúde.

É muito importante que as casquinhas de siri sejam muito bem higienizadas. Isto é, a remoção dos restos orgânicos e a esterilização da casquinha.

Mas, se não quiser ter esse trabalho todo, podem ser usadas casquinhas descartáveis, feitas de material plástico.

Histórias à parte, a casquinha de siri é uma prato saborosíssimo, que pode ser servido como entrada ou até mesmo como petisco, acompanhado de uma cerveja estupidamente gelada!

Aqui, uma receita muito prática e fácil de preparar, cujo resultado final é surpreendente! Só experimentando pra dizer!!!

Casquinhas de Siri

Ingredientes

250 g de carne de siri
suco de 1 limão
1 cebola bem picadinha
2 dentes de alho bem picados
6 colheres de sopa de azeite
4 tomates picados, sem pele e sem sementes
1 xícara (chá) de leite de coco
páprica picante a gosto
sal a gosto
salsinha picada
6 colheres de sopa de farinha de rosca
4 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
pedacinhos de manteiga

Para acompanhamento

manteiga a gosto
farinha de rosca a gosto

Modo de preparo

Tempere a carne de siri com o limão e deixe descansar por 5 minutos. Doure a cebola e o alho no azeite, junte os tomates picados e o siri, misture bem e refogue por 10 minutos.

Acrescente o leite de coco e tempere com a páprica picante, o sal e a salsinha picada. Junte 4 colheres de farinha de rosca e retire do fogo. Recheie 10 a 12 casquinhas (podem ser casquinhas de plástico ou do tipo descartáveis), e cubra com uma mistura de 2 colheres de sopa de farinha de rosca e o queijo parmesão ralado. Coloque pedacinhos de manteiga e leve ao forno médio até gratinar.

Derreta manteiga em uma outra panela e doure a farinha de rosca. Sirva como acompanhamento.

By Joe.

Polvo na cachaça

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/01/2011 by Joe

Quando falamos em frutos do mar, logo pensamos na variedade de produtos provindos das águas salgadas, nem sempre muito conhecidos, o que leva muita gente a torcer o nariz e dizer “eu não como isso”, mesmo antes de experimentar!

Na categoria “frutos do mar” temos os mariscos, crustáceos, moluscos e outros pequenos animais marinhos, com exceção dos peixes. Todos eles excelentes fontes de nutrientes, vitamina B (essencial para a formação dos glóbulos vermelhos e  manutenção do sistema nervoso), zinco (produção de proteínas, cicatrização e  desenvolvimento dos orgãos do aparelho reprodutor), além de outras vitaminas e sais minerais, incluídas aí as vitaminas B1, B2, niacina, além de selênio, cálcio, magnésio e iodo.

Vale ainda lembrar que os frutos do mar, tais como: lula; siri; caranguejo; camarão; lagosta etc, com exceção dos peixes, são riquíssimos em sódio. Reduzir o consumo desses alimentos é indispensável para quem precisa manter uma dieta moderada de consumo de sódio.

De todos esses frutos do mar, o que causa um certo “nariz torcido” é o polvo. Esse molusco octopode (que possui 8 braços) ainda é visto com estranheza, talvez pelo seu aspecto um tanto bizarro.

Mas, na gastronomia, é uma carne que possui um sabor delicioso, exótico, além de ser muito nutritivo.

A receita deste sábado é bem simples e pode ser saboreada como prato principal, ou como aperitivo.

Espero que gostem e enviem seus comentários, sugestões e preparo e variações da receita!!

Polvo na cachaça

Ingredientes

1 polvo inteiro (2 kg) já limpo
1 ½ xícaras (chá) de cachaça
2 folhas de louro
sal a gosto

1 cebola cortada em fatias finas
6 tomates maduros cortados em cubinhos
2 dentes de alho bem picados
½ xícara (chá) de folhas frescas de manjericão
azeite de oliva a gosto
sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo

Numa panela média, coloque o polvo, a cachaça, o louro e um pouquinho de sal. Tampe e deixe em fogo alto por 10 minutos, mexendo umas 2 vezes até que ele fique rosado e comece a enrolar.

Abaixe o fogo e cozinhe na própria água (ele solta água) por, mais ou menos, 1 hora, até que esteja bem macio. Se secar demais, coloque um pouco de água e espete os tentáculos com um garfo para testar.

Quando estiver no ponto, tire do fogo, escorra, deixe amornar, descarte a pele excedente (principalmente a que envolve a cabeça). Separe os tentáculos e corte o restante em pedaços do tamanho de uma mordida.

Regue o fundo de uma frigideira grande com azeite, junte o polvo em pedaços, deixe dourar de todos os lados, transfira para uma tigela e reserve.

Regue a mesma frigideira com um pouco mais de azeite, junte a cebola, espere começar a dourar. Adicione o alho, aguarde perfumar e então acrescente o tomate, sal, pimenta. Misture bem, aguarde uns 5 minutos até que o tomate esteja macio e perfumado, e junte o manjericão.

Coloque o polvo na frigideira, misture bem e sirva com arroz branco. Acompanhe com um bom vinho branco (Sauvignon Blanc).

%d blogueiros gostam disto: