Arquivo para agosto, 2012

Poder e autoridade

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31/08/2012 by Joe

Na dinâmica da vida social o poder exerce forte fascínio sobre as criaturas. Muitas pessoas desejam ocupar cargos que lhes conceda poder sobre outros indivíduos, mas poucas sabem exercer esse encargo com autoridade.

Ter poder não é o mesmo que ter autoridade!

O poder “é a faculdade de forçar ou coagir alguém a fazer a sua vontade, por causa de sua posição ou força, mesmo que a pessoa preferisse não fazê-lo.”

A autoridade é “a habilidade de levar as pessoas a fazerem de boa vontade o que você quer, por causa de sua influência pessoal.”

Para exercer o poder não é necessário ter coragem, nem inteligência avantajada. Crianças menores de dois anos são mestras em dar ordens a seus pais. A história da humanidade registrou os feitos de muitos governantes déspotas e insensatos.

Mas, para ter autoridade sobre pessoas é preciso um conjunto de habilidades especiais. Uma pessoa pode exercer autoridade mesmo não estando num cargo de poder, enquanto outra pode estar no poder e não ter autoridade alguma sobre seus subordinados.

Em uma sociedade injusta, o poder pode ser vendido e comprado, dado e tomado. As pessoas podem ser colocadas no poder porque são parentes ou amigas de alguém, porque têm dinheiro, uma posição social de destaque ou outra conveniência qualquer.

Mas com a autoridade isso não ocorre…

A autoridade não pode ser comprada nem vendida, nem dada ou tomada. Diz respeito a quem você é como pessoa, ao seu caráter e à influência que exerce sobre terceiros.

Para estabelecer autoridade, o líder precisa ser honesto, confiável, responsável, respeitoso, entusiasta, afável, justo, dar bom exemplo, ser bom ouvinte.

Quem não tem autoridade pensa só nas tarefas e exige que suas ordens sejam cumpridas. Quem tem autoridade pensa nas tarefas, mas cuida também dos relacionamentos. No processo administrativo há sempre essas duas dinâmicas em jogo: a tarefa e o relacionamento.

Atender uma, em detrimento da outra, é caminho curto para o fracasso! E conseguir o equilíbrio entre ambas é uma característica de quem exerce liderança com autoridade.

Assim sendo, se você é um líder e precisa lembrar isto às pessoas, é porque você não é.

Mas se você não está no poder e, mesmo assim, as pessoas buscam suas orientações, é porque você tem autoridade.

Pense nisso, e lembre-se: liderar é executar as tarefas que estão sob sua responsabilidade ao tempo em que constrói bons e duradouros relacionamentos.

O líder ideal é aquele que, pela sua autoridade intelecto-moral, inspira os seus colaboradores e os eleva à condição de amigos.

Quem tem autoridade efetiva não teme perdê-la ao se aproximar dos outros e tratá-los exatamente como gostaria que os outros o tratassem.

Assim, se você é responsável pela condução de outros seres, medite quanto à responsabilidade que lhe cabe sobre os destinos dessas pessoas e procure ser alguém com autoridade, e jamais apenas alguém que detém o poder. Procure ouvir mais de perto os que convivem com você!

Texto com base no cap. 1, do livro O Monge e o Executivo, de James C. Hanter, Ed. Sextante.

Homens e macacos

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/08/2012 by Joe

Alguns macacos estavam sentados num coqueiro, discutindo sobre coisas das quais tinham ouvido dizer. Disse um deles para os outros:

– “Há um rumor de que pode ser verdade que os seres humanos descendem da nossa nobre raça”.

Respondeu um outro:

– “Bem, essa ideia não tem nenhum fundamento! Nenhum macaco jamais desprotegeu sua fêmea ou deixou seus bebês famintos ou arruinou a vida deles”.

– “Há também uma outra coisa que nunca foi vista entre nós: macacos cercando um coqueiro e deixando os cocos apodrecerem, proibindo outros macacos de se alimentarem. Sabemos que, se a árvore fosse cercada, a fome faria outros macacos nos roubarem”.

– “Outra coisa que macacos jamais fizeram: sair à noite para roubar, usando porretes, facas ou armas, para tirar a vida de outros macacos”.

– “Sim! Se os humanos descendem dos primatas, deve ser de uma espécie muito rude. Vejam o que eles fazem com os lugares onde moram, derrubando sem dó tudo o que encontram, a sujeira que fazem e o fogo que põem nos arredores e nas matas. Sem contar os costumes estranhos que têm, jogando sujeira no ar que respiram, o que deve fazer com que fiquem muito violentos”.

– “Nós não fazemos nada disso, e quando pegam um de nós, colocam-nos atrás das grades. São ferozes mesmo!”

– “É, amigos … com certeza os humanos não descendem de nós”.

Desconheço a autoria, mas concordo plenamente! De quem será que o ser humano descende?

Keep walking

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/08/2012 by Joe

Continue caminhando …

Às vezes o caminhar é lento, mas o importante é não parar. Mesmo um pequeno progresso é um avanço na direção certa. E qualquer um é capaz de fazer um pequeno progresso.

Se você não pode conquistar algo importante hoje, conquiste algo menor. Pequenos riachos se transformam em rios poderosos. Continue em frente.

O que de manhã parecia fora de alcance, pode ficar mais próximo à tarde se você continuar em frente. O tempo que usar trabalhando com paixão e intensidade aproximará você do seu objetivo.

É bem mais difícil começar de novo se você parar completamente. Então, continue em frente. Não desperdice a chance que você mesmo criou.

Existe algo que pode ser feito agora mesmo, ainda hoje. Pode não ser muito, mas fará com que continue no jogo. Caminhe rápido, enquanto puder.

Caminhe lentamente quando for preciso. Mas, seja o que for … continue andando!

Desconheço a autoria.

As melhores mulheres

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , on 28/08/2012 by Joe

Mulheres são como maçãs em árvores: as melhores estão no topo!

Os homens não querem alcançar essas boas, porque eles têm medo de cair e se machucar. Preferem pegar as maçãs podres que ficam no chão, que não são boas como as do topo, mas são fáceis de se conseguir.

Assim as maçãs no topo pensam que algo está errado com elas quando, na verdade, eles estão errados!

Elas têm que esperar um pouco para o homem certo chegar, aquele que é valente o bastante para escalar até o topo da árvore.

By Machado de Assis.

Preocupação

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27/08/2012 by Joe

Contam que no início do século passado, um saveiro estava sendo puxado por um rebocador, no Rio Niagara, quando o cabo rebentou. As fortes correntezas logo conduziram o barco em direção às cataratas.

Quando estava prestes a cair, o barco encalhou em algumas rochas um pouco acima das quedas. Os dois homens que estavam a bordo foram salvos apenas no dia seguinte. Eles passaram uma noite de terror pois esperavam, a qualquer momento, despencar para a morte.

Isso aconteceu faz quase noventa anos e – dizem – a velha barcaça continua lá, no mesmo lugar, até hoje. Jamais aconteceu a queda prevista. Os dois homens se preocuparam por nada. A esperada queda do barco, que trouxe ansiedade e desespero aos dois homens homens, não aconteceu…

Da mesma forma, a maioria dos problemas que tiram nossa paz e alegria, também não nos atingirão.

A preocupação é como um barco encalhado nas pedras. Ela nunca levará você a lugar algum!

Desconheço a autoria.

Autoestima

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 26/08/2012 by Joe

Na vida, podemos ser um tapete persa ou um capacho. Num tapete persa ninguém pisa; é colocado em um lugar para ser visto e admirado. O capacho é usado pra ser pisado; as pessoas usam-no para as suas necessidades e conveniências.

Quando a nossa autoestima está elevada, temos condições de pensar e confiar em nossos pensamentos; acreditar que temos o direito de ser um tapete persa em vez de capacho.

Quando nossa autoestima está em baixa, não confiamos em nós. Deixamos esta decisão para os outros. Eles decidirão se devemos ser tapetes ou capachos. E o que você acha que poderão escolher para nós?

A frase “Diga-me com quem andas e te direi quem és” retrata o nível de autoestima das pessoas que estão juntas. Inconscientemente, as pessoas se atraem pelo nível de autoestima.

Todos os nossos comportamentos são reflexos de nosso interior. Nós nos comunicamos mesmo sem falar nada. Nosso corpo, nosso olhar e gestos falam por nós. Se não nos respeitamos, nosso comportamento irá dizer isso. A probabilidade de não sermos respeitados é grande. É o caso do tapete e do capacho.

A autoestima está basicamente apoiada em confiar em si, em suas ideias, e em seu direito de ser feliz. Se não confio em mim e em minhas ideias, ou acho que não tenho o direito de ser feliz, isso vai afetar todas as minhas escolhas e meu destino.

Viver é escolher. Nosso futuro vai sendo formado de acordo com as escolhas que fazemos. Se estamos bem, temos melhores condições de escolher um bom caminho. Se não estamos bem, nossas escolhas podem nos levar para caminhos ruins.

Veja bem com quem andas e terás uma ideia de a quantas anda a tua autoestima!

Desconheço a autoria.

Australian meat pie

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/08/2012 by Joe

A “meat pie”, ou “torta de carne”, é considerada um ícone na Austrália e na Nova Zelândia.

A origem da torta de carne é um pouco obscura, com muitos países reivindicando sua criação. Acredita-se que as primeiras versões tenham sido feitas na Grécia Antiga. Eram as chamadas “artocreas“, uma simples massa, na qual se colocava carne cozida.

Os antigos romanos deram um passo adiante, com uma massa inferior e outra superior.

Os franceses acreditam que a torta é o seu bolinho recheado, um prato quase exclusivo da nobreza.

As tortas de carne faziam parte da cozinha inglesa desde os tempos medievais, quando a massa moldada era recheada de carne cozida.

Quase todos os países do mundo têm a sua própria versão da torta de carne. No Brasil temos os empadões, em Chipre tem bourekias e na Polônia tem pierogis.

As primeiras tortas eram preparadas com uma mistura de farinha e água. No entanto, a massa nem sempre era destinada a comer, mas simplesmente um recipiente para molhos e demais alimentos. Mais tarde, o óleo foi adicionado à mistura, para torná-la mais macia, flexível e melhorar seu sabor.

Os primeiros colonizadores levaram a torta para a Austrália que, imediatamente, ganhou popularidade devido à sua base e ingredientes.

A massa recheada com carne e molho estava disponível em Sydney em meados da década de 1800, muitas vezes vendida como um pequeno lanche em restaurantes em hotéis.

Nos anos seguintes as tortas começaram a ser vendidas em carrinhos parados perto de locais de entretenimento ou onde havia grandes grupos reunidos. Uma visão comum nas ruas de Sydney e Melbourne era a de um homem vendendo tortas quentes em uma grande caixa de lata, mantida aquecida em um fogão de carvão de pequeno porte.

Atualmente os australianos consomem mais de meio bilhão de tortas a cada ano, uma media de 12 por habitante. Na Nova Zelândia o consumo anual é de 15 tortas por habitante.

Uma torta de carne da Austrália ou da Nova Zelândia tem o tamanho de uma mão e é normalmente consumida como um lanche ou como comida para levar. A carne bovina é ainda o sabor mais popular, embora haja crescente demanda por mais sabores, como as de legumes e de queijo. As tortas vegetarianas podem ainda conter proteína de soja e cogumelos.

Uma torta de carne típica australiana tem massa grossa no fundo e fina na tampa, recheio de carne bovina macia picada, cozida e preparada com molho. Depois de assada acrescenta-se molho de tomate ou ketchup por cima e se come segurando com a mão.

Vamos à receita, que é muito fácil de se preparar e muito saborosa!

Australian meat pie

Ingredientes

Massa

2 xícaras de farinha de trigo
175 g de manteiga amolecida
1 pitada de sal marinho
1 ovo caipira batido
água à temperatura ambiente, conforme o necessário.

Recheio

500 g de carne bovina, macia e magra, picadinha
2 colheres de sopa de óleo
2 colheres de sopa de farinha de trigo
1 xícara de polpa de tomate
3 colheres de sopa de molho inglês
1/2 xícara de água
Sal marinho a gosto
pimenta vermelha a gosto

Modo de preparo

Massa

Peneire a farinha e junte com o sal em uma tigela, misture bem e adicione a manteiga (o ideal é deixá-la em temperatura ambiente para que fique amolecida). Esfregue a mistura suavemente entre os dedos, até a massa se assemelhar à uma farinha de rosca. Adicione uma pequena quantidade de água e misture bem. Não adicione água demais, pois a massa deve ter consistência macia, não grudenta. Caso adicione muita água, acerte o ponto colocando um pouco mais de farinha.

Despeje a mistura sobre uma superfície enfarinhada e amasse delicadamente até ficar homogênea. Embrulhe-a em filme plástico e deixe descansar na geladeira por 30 minutos. Enquanto isso, prepare o recheio.

Recheio

Aqueça o óleo em uma frigideira média. Adicione a carne picada e o sal, mexendo com uma colher de pau até dourar.

Polvilhe a farinha sobre a carne e cozinhe por mais um minuto. Adicione a polpa de tomate, o molho inglês, a pimenta picadinha e a água. Deixe ferver, reduza o fogo para médio, mexendo ocasionalmente para evitar que a carne grude no fundo da panela. Cozinhe por cerca de 10 minutos, ou até que o molho fique espesso. Retire do fogo e deixe esfriar completamente.

Montagem

Pré-aqueça o forno a 200 °C. Corte a massa em duas partes, sendo uma menor que a outra. Em uma superfície enfarinhada, usando um rolo, abra a massa maior com uma espessura não muito fina, que não se rompa ao adicionar o molho. Corte em discos usando um prato como guia. Forre os fundos e laterais de formas de empadas grandes.

Adicione o recheio, evitando o derramamento nas bordas. Umedeça as bordas das tortas com água.

Pegue a parte menor da massa e abra um pouco mais fina. Corte em discos e cubra as formas. Pressione as bordas e corte o excesso de massa com uma faca afiada. Frise as bordas usando as pontas de um garfo. Faça cortes em forma de uma pequena cruz no centro de cada tampa e pincele com ovo batido.

Asse as tortas por 10 minutos, reduza a temperatura do forno para 180 °C e asse por mais 20 minutos, ou até que a massa esteja dourada. Desenforme e sirva passando um pouco de molho tomate (preparado separadamente), no topo de cada torta. Caso prefira, sirva com ketchup.

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: