Arquivo para janeiro, 2013

Um milhão

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31/01/2013 by Joe

Trabalho em equipe

Poucos dias depois do terrível terremoto que abalou a Cidade do México em 19 de Setembro de 1985, um pequeno menino, japonês-americano, ia de porta em porta, vendendo cartões postais ao preço de 25 centavos cada. E todo o dinheiro que ele conseguia arrecadar, oferecia como ajuda às vítimas do terremoto.

Uma das pessoas que comprou alguns cartões postais do pequeno menino, perguntou-lhe:

– “Quanto você espera conseguir com a venda destes postais?”

– “Um milhão de dólares!” – respondeu sem hesitar.

O homem, então, sorriu e disse:

– “Você espera conseguir um milhão de dólares para ajudar as vítimas do terremoto sozinho?”

– “Ah não, senhor” – respondeu o menino – “O meu irmão mais novo está me ajudando!”

Segundo o jornal “Los Angeles Times”, esta é uma história verídica e que, apesar de simples, revela algumas coisas importantes para a nossa vida:

1. Ele tentou! Não sabemos se o menino conseguiu juntar 1 milhão de dólares para ajudar as vítimas do terremoto, mas ele tinha uma meta e correu atrás dela. Pode até ser que ele não tenha conseguido juntar todo este dinheiro, mas ao final ele tinha muito mais do que quando começou. Talvez ele mesmo tivesse dúvidas de que conseguiria, mas ele também sabia que só havia um jeito de saber: tentando.

2. Ele deixou um legado. Ao contrário do que muitos pensam, legado não é o que você deixa quando morre, mas quando sai de algum lugar. Com cada pessoa que ele conversava, mesmo que esta pessoa não comprasse seus postais, ele deixava um legado, uma “marca” de simplicidade, amor, altruísmo e de que pensar no próximo é muito importante.

3. Ele não estava sozinho. Ninguém consegue realizar algo grandioso sozinho. Não existem “Supermen” ou “Rambos”. O que existe são pessoas, seres humanos que dependem uns dos outros, para ajudar e serem ajudados. Como diz John Maxwell: “um é um número muito pequeno para se alcançar a grandeza”, por isso, o que realmente faz a diferença é o trabalho em equipe, porque sozinhos podemos ir mais rápido, mas juntos vamos muito mais longe.

E aqui ficam algumas perguntas:

– Você tem estabelecido metas em sua vida?

– Tem estabelecido um plano de ação para alcançá-las?

– Qual é a marca que você deixa quando sai de uma conversa, de uma reunião, de um bate-papo?

– Você tem valorizado o trabalho em equipe?

Pense nisso e responda pra si mesmo.

Desconheço a autoria.

Além dos próprios limites

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/01/2013 by Joe

Arqueiro

Um arqueiro seguia próximo a um mosteiro hindu, conhecido por sua rigidez, quando viu os monges no jardim, bebendo e se divertindo.

“Como são cínicos aqueles que buscam o caminho de Deus”, disse em voz alta. “Dizem que a disciplina é importante, e se embriagam às escondidas!”

Um dos monges mais velhos ouviu o comentário e perguntou:

“Se você disparar 100 flechas seguidas, o que acontecerá com o seu arco?”

“Meu arco se quebrará…”, respondeu o arqueiro.

“Se alguém se esforça além dos próprios limites, também quebra sua vontade”, disse o monge.

“Quem não equilibra trabalho com descanso, perde o entusiasmo, esgota sua energia e não chega muito longe”.

Autor desconhecido.

Realização de sonhos

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/01/2013 by Joe

Remando juntos

A realização de um sonho necessita de um ponto de partida: tirá-lo da cabeça e colocá-lo no papel.

O primeiro passo é definir o que se quer e para onde se vai. Quem desconhece o porto de destino fica à mercê da vontade dos outros e, consequentemente, é um eterno insatisfeito. Não identifica as vitórias, não celebra. Perde-se diante das opções; é engolido pela rotina. Termina uma semana e começa outra sem sequer perceber. O tempo voa e o sujeito não sai de onde está. Não decola!

Para começar a realizar um sonho, defina seu plano de ação com prioridades estabelecidas, diagnóstico da situação atual, visão apurada da situação desejada e metas claras a cumprir. Só assim você conseguirá transformar o seu sonho em projeto e este em realidade.

Os realizadores de sonhos definem prioridades e dão um passo de cada vez. Executam as mudanças necessárias, mas não de forma impulsiva; todos os riscos são calculados. E mais, planejam tudo em detalhes.

Realizadores de sonhos são criativos na hora de sonhar e na gestão da travessia. Inventam novas soluções para velhos problemas ao invés de ficarem repetindo saídas que deram certo no passado. Não se acomodam diante dos obstáculos, nem de derrotas passageiras. Essas pessoas transformam a queda num passo de dança.

Os realizadores de sonhos são eternos insatisfeitos; estão sempre buscando mais! Vibram com as conquistas, mas não se acomodam. Tiram lições de erros e acertos. Os tombos não os intimidam.

Realizadores de sonhos estão à frente de seu tempo. Possuem senso de liberdade para escolher seu caminho – uma mistura de ousadia e coragem. Não têm medo de correr riscos e não aceitam o “não”. Vão e fazem o que antes parecia impossível.

O realizador de sonhos se apaixona por suas missões e tarefas. Trabalha com emoção; busca na paixão a força para realizar os seus desejos. Eles deixam claro o seu propósito, seu rumo e contagiam as pessoas. Envolvem outros em sua missão e trabalham com eles para construir uma visão compartilhada.

Afinal, não dá pra chegar a lugar algum se as pessoas do mesmo barco remam para lados diferentes.

By César Souza, do livro “Você é do tamanho de seus sonhos”.

Responsabilidade e culpa

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28/01/2013 by Joe

Balança

Acredito que o ser humano contribui para a criação de cada condição de sua vida, seja ela boa ou má, em função de sua maneira de pensar e sentir. Os pensamentos criam sentimentos; assim, passa-se a viver de acordo com esses pensamentos e sentimentos.

Mas isso não significa que se é culpado pelo que sai errado na vida.

Existe uma diferença entre ser responsável e culpar a si mesmo ou aos outros. Quando falo sobre responsabilidade, na verdade estou falando sobre possuir o poder.

Quem acusa os outros, entrega a eles o poder capaz de modificar sua própria vida. Se você costuma fazer papel de vítima, está usando seu poder pessoal para ser indefeso. Quem decide aceitar a responsabilidade não perde tempo pondo a culpa em alguém ou alguma coisa que está lá fora.

Há pessoas que se sentem culpadas por criarem doenças, pobreza ou problemas no mundo que as cerca. Escolheram interpretar a responsabilidade como sendo culpa e sentem-se culpadas porque acreditam que falharam em alguma coisa.

Para mim, responsabilidade não tem nada a ver com culpa. Responsabilidade é a capacidade de reagir a uma situação. Sempre temos uma escolha. Isso não significa negar quem somos ou o que temos. Simplesmente quer dizer que devemos reconhecer que contribuímos para ser o que somos.

Assumindo a responsabilidade, ganhamos o poder de mudar e dizer:

– “O que posso fazer para mudar isto?”

Para que isso aconteça é preciso, acima de tudo, compreender que todos possuímos o poder – o tempo todo, e tudo depende do modo como o usamos.

By Louise L. Hay, do livro “O poder dentro de você”.

Casa viva ou casa morta?

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27/01/2013 by Joe

Flores na janela

Sua casa é viva ou morta? A casa é feita de pedras, tijolos, madeira, portanto, não tem vida. Entretanto, existem casas que são mortas. Você as adentra e sente em todos os cômodos a inexistência de vida.

Sim, dentro delas habitam pessoas, famílias inteiras. Mas são aquelas casas em que quase tudo é proibido. Tudo tem que estar tão arrumado, ajeitado, sempre, que não se pode sentar no sofá porque se está arriscando sujar o revestimento novo e caro.

Casas em que o quarto das crianças é impecável. Todos os bichinhos de pelúcia, por ordem de cor e tamanho, repousam nas prateleiras.

Essas casas são frias…

Pequenas ou imensas, carecem do calor da descontração, da luz da liberdade e da iluminada possibilidade de dentro delas se respirar, cantar, viver. Por isso mesmo parecem mortas.

As casas vivas já demonstram, desde o jardim, que nelas existe vibração e alegria. No gramado, a bola quieta fala da existência de muitos folguedos. A bicicleta, meio deitada, perto da garagem, diz que pernas infantis até há pouco a movimentaram com vigor. Em todos os cômodos se reflete a vida.

No sofá, um ursinho de pelúcia denuncia a presença de um pequenino irrequieto que carrega a sua preciosidade por todos os cantos. Na saleta, livros, cadernos e lápis dizem dos estudos que se repetem durante horas. O dicionário aberto, um marcador de páginas assinalando uma mensagem preciosa falam de pesquisa e leitura atenciosa.

A cozinha exala a mensagem de que ali, a qualquer momento, pode chegar alguém e se servir de um copo d’água, um café, um pedaço de pão.

Os quartos traduzem a presença dos moradores. Cores alegres nas cortinas, janelas abertas para que o sol entre em abundância. Os travesseiros um pouco desajeitados deixam notar que as crianças os jogam, vez ou outra, umas contra as outras, em alegres brincadeiras.

Enfim, as casas vivas são aquelas em que as pessoas podem viver com liberdade. O que não quer dizer com desordem. As casas vivas são aquelas nas quais os seus moradores já descobriram que elas foram feitas para morar, mas sobretudo para se viver.

O desapego às coisas terrenas inicia nas pequeninas coisas. Se estabelecemos, em nosso lar, rígidas regras de comportamento para que tudo esteja sempre impecável, como se pessoas ali não vivessem, estamos demonstrando que o mais importante são as coisas, não as pessoas.

Manter o asseio, a ordem, é correto. Escravizar-se a detalhes, temer por estragos significa exagerado apego a coisas que, em última análise, somente existem em função das pessoas.

Transforme sua casa, pequena, de madeira, uma mansão, num lugar agradável de se retornar, de se viver, de se conviver com a família, os amigos, os amores. Coloque sinais de vida em todos os aposentos. Disponha flores nas janelas para que quem passe, possa dizer:

– “Esta é uma casa viva. É um lar!”

Desconheço a autoria.

Escondidinho de berinjelas

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 26/01/2013 by Joe

Escondidinho de berinjelas

Já contei aqui no Demodelando, em outras ocasiões, um pouco da história da berinjela e apresentei alguns pratos que considero básicos, como o antepasto de berinjelas, berinjelas de forno, lasanha de berinjelas e a moussaka.

Pesquisando um pouco mais, descobri mais informações sobre ela.

Em 1575, o botânico Leonhard Rauwolf fez a descoberta da berinjela em Aleppo, quando ele estava em uma missão e notou que essa planta era chamada “melongena” e ‘bedenigian’. Essa berinjela era do tamanho de um ovo de ganso e de cor violeta.

A berinjela é originária da Índia e sua origem deve ser bem mais longínqua, pois existem muitos nomes em sânscrito e numerosos em Bengali, em Hindi e em outras línguas da Índia. Na Índia mesmo, ela é chamada “brinjal”.

Ela também é cultivada há muito tempo na China, no Oriente Médio e na África. É possível que a China seja um centro secundário de origem, com o desenvolvimento de variedades a pequenos frutos muito distintos das variedades originárias do centro principal de origem que foi a Índia.

Um dos documentos mais antigos que nós encontramos sobre a berinjela se encontra num livro chinês datado do século 5. No século 13 ela foi mencionada pelo médico árabe Ibn El Beïthar assim como por Albert de Cologne no norte da Europa.

No Ocidente ela é mencionada pela primeira vez, e sob o nome de “melonge”, no livro “Simples Médecines de Platéarius” e a passagem que lhe diz respeito é inspirada no “Traité des Simples” do judeu-egípcio Ysaac. Parece que ela já esteve cultivada em algumas regiões da Itália por volta do final do século 14.

Uma das primeiras variedades a atingir a Inglaterra, por volta dos anos 1500, foi uma variedade cujos frutos eram brancos e do tamanho de um ovo de galinha, daí seu nome em inglês “eggplant”, que encontramos às vezes em francês “plante à oeufs”, “pondeuse”, “oeuf végétal”. Essa variedade é ainda cultivada hoje em dia.

Existem inúmeras variedades de todas as formas e cores: verde, rosa, branca, amarela, violeta, salpicada. Em terras brasileiras, a variedade mais encontrada é a violeta escura, cuja versatilidade na gastronomia nos permite criar um grande número de receeitas variadas e saborosas.

O prato de hoje é mais uma dessas receitas, muito fácil de preparar, cujo sabor final agrada a todos, com certeza!

aubergineEscondidinho de berinjelas

Ingredientes

Cobertura

4 batatas médias
2 colheres (sopa) de manteiga
1 xícara (chá) de leite quente
sal e noz-moscada ralada a gosto
queijo parmesão ralado a gosto

Berinjelas

2 berinjelas médias cortadas em pequenos cubos
1 colher (sopa) de azeite
1 cebola média cortada em tiras
2 tomates sem sementes em cubos
1 xícara (chá) de azeitona preta picada
sal e pimenta a gosto
2 colheres (sopa) de salsa e manjericão picados

Modo de preparo

Cozinhe as batatas e depois esprema como se fosse fazer purê. Junte a manteiga, o leite e misture bem. Tempere com sal, a noz-moscada e reserve.

Em um pirex, coloque as berinjelas cortadas, cubra com água, adicione 1 colher (sopa) de sal e deixe de molho por uns 30 minutos. Em seguida, escorra bem, apertando para eliminar o máximo de água possível.

Aqueça o azeite em uma panela ou frigideira funda, junte a cebola e vá mexendo até que fique dourada. Adicione a berinjela e refogue até murchar um pouco. Acrescente os tomates, as azeitonas, tempere a gosto com sal e pimenta. Caso forme muito caldo, escorra um pouco. Adicione a salsa, o manjericão e misture bem. Retire do fogo e espere esfriar.

Em um refratário, coloque a berinjela e cubra com o purê. Polvilhe queijo parmesão ralado e leve ao forno, preaquecido a 220 ºC por uns 15 minutos para gratinar. Retire do forno e sirva.

By Joemir Rosa.

Uma coisa leva a outra

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/01/2013 by Joe

Uma coisa leva a outra

O Universo recompensa o esforço, não as desculpas!

Quando o meu mundo se mostrava hostil, eu costumava olhar para as pessoas que levavam uma vida fascinante e perguntar:

– “Como a vida delas se tornou tão doce?”

Descobri que todas elas tinham começado em algum lugar. O começo modesto levou a outra coisa e depois outra. Às vezes podemos cometer o erro de ser demasiados seletivos. Somos capazes de rejeitar uma oferta de trabalho raciocinando:

– “Não é isso que eu quero!”

Se é a única colocação possível no momento, aceite-a, domine-a e veja como ela o conduz de uma coisa a outra. Se você não tem nada grande a seu favor, comece com o pequeno. Mergulhe!

Um empresário americano costuma contar como um amigo seu arranjou seu primeiro emprego nos Estados Unidos. Ele era imigrante. Sem dinheiro e sem falar inglês, candidatou-se a uma vaga de lavador de pratos num restaurante italiano. Antes da entrevista com o patrão, foi ao toalete do estabelecimento e fez a faxina; limpou o rejunte de cada azulejo com uma escova de dentes até que o banheiro ficasse absolutamente impecável. Essa foi a maneira dele demonstrar que levava a sério o serviço de lavar pratos.

O imigrante ficou com o emprego. Uma semana depois, o ajudante de cozinha encarregado das saladas pediu demissão e ele começou a trilhar o caminho que o levaria a ser chef. Penso nele e em sua escova de dentes toda vez que ouço alguém dizer:

– “Não há emprego em lugar nenhum!”

Concluindo: fique onde você puder ficar. Dê o melhor de si na atividade à mão, e a oportunidade começará a procurá-lo. Isso se chama desenvolver uma reputação.

Chama-se “uma coisa leva a outra”!

By Andrew Mattews, do livro “Siga seu coração”.

%d blogueiros gostam disto: