Arquivo para julho, 2012

Toda experiência é um sucesso

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31/07/2012 by Joe

Afinal, o que significa “fracasso”? Talvez algo não saiu da forma que queria ou esperava? A lei da experiência é sempre perfeita. O que pensamos, criamos com perfeição. Você deve ter saltado uma etapa ou tem uma crença interior que lhe disse que você não merecia o sucesso ou o faz se sentir indigno dele.

O mesmo acontece quando trabalhamos no computador. Se algo sai errado, a culpa é só nossa. Fizemos, ou não, alguma coisa que consta das leis do computador. O erro apenas significa que temos mais a aprender.

Existe grande verdade no velho conselho que diz: “Se você não for bem-sucedido no início, tente, tente de novo”. Todavia, isso não significa se maldizer e tentar da mesma forma que não deu certo, mas sim reconhecer o erro e procurar fazer de um outro jeito – até aprender o modo correto.

Creio que temos o direito natural de progredir de sucesso em sucesso, e se isso não está ocorrendo é porque não estamos afinados com nossas capacidades inatas, não acreditamos que isso seja válido para nós ou não tomamos consciência de nossos êxitos.

Quando estabelecemos modelos elevados demais para o ponto em que estamos no momento, que de forma alguma podem ser atingidos agora, sempre fracassamos.

Quando uma criança está aprendendo a andar ou falar, nós a incentivamos e elogiamos a cada pequenina melhora que consegue. Ela reage com alegria e tenta ansiosamente fazer melhor na outra vez. É assim que você se incentiva quando está aprendendo algo de novo? Ou será que torna tudo mais difícil de aprender porque se diz que é burro, desajeitado ou um “fracasso”?

Muitos atores e atrizes acham que têm de desempenhar seus papéis com perfeição desde o primeiro ensaio, esquecendo que o propósito do ensaio é o aprendizado. Ele é o período de tempo em que erros podem ser cometidos, em que se procura aprender e tentar novas maneiras. Somente com a prática podemos aprender o novo e transformá-lo numa parte natural de nós. Quando observamos um exímio profissional atuando numa determinada área, estamos olhando para inúmeras horas de treinamento.

Não faça o que muitos costumam fazer, recusando tentarem qualquer coisa nova por não saber como executá-la, por não quererem parecer tolos. Aprender é cometer erros até que nosso subconsciente junte as peças para formar o quadro correto.

Não importa a quanto tempo você vem se considerando um fracasso. Comece a criar um padrão “sucesso” agora. Seja qual for a área em que você atue, os princípios são os mesmos. Precisamos plantar as “sementes” do sucesso. Elas germinarão e resultarão numa colheita abundante.

By Louise Hay.

Anúncios

Crumble pie

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28/07/2012 by Joe

As Olimpíadas de Londres começaram esta semana e, com certeza, teremos muitos momentos de fortes emoções, alegrias, decepções e tristezas!

Londres é uma cidade pela qual é impossível não se apaixonar à primeira vista! E, diferentemente do que muitas pessoas pensam, come-se muito bem por lá, e não é só o famoso “fish and chips“, peixe e batatas fritas que era vendido embrulhado em folhas de jornal (acreditem, mas ainda é vendido assim em algumas regiões do Reino Unido) ou batatas, batatas e batatas.

Um doce delicioso, de origem britânica e muito comum por lá, é a torta crumble (crumble pie, ou apenas crumbles), feito de frutas picadas e coberta com uma massa feita de manteiga, farinha e açúcar, assado em forno até que fique crocante.

Dizem que os crumbles surgiram na Grã-Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial. Devido ao racionamento de alimentos, não havia muitos ingredientes para as tortas tradicionais, que exigiam muita farinha, gordura e açúcar para a massa. Então, eles preparavam uma simples mistura de farinha, manteiga ou margarina e açúcar para cobrir a torta. Depois, devido à simplicidade no seu preparo, acabou tornando-se popular em todo o Reino Unido.

Na sua concepção podem ser usadas maçã, bananas, morangos, amoras, pêssegos, groselha e ameixas. Algumas variações na massa também são possíveis, usando nozes, amêndoas, e até leite azedo.

Então, preparem essa deliciosa torta pra comer enquanto assistem os nossos atletas lutarem por medalhas!

Crumble pie

Ingredientes

5 ameixas vermelhas cortadas em tiras, sem caroços
2 bananas nanicas em rodelas
2 maçãs vermelhas em rodelas
1 xícara de chá de castanhas moídas
uvas-passas a gosto
1 xícara de chá de mel
2 xícaras de chá de farinha de trigo branca ou integral
½ xícara de chá de manteiga gelada
1 xícara de chá de açúcar

Modo de preparo

Em uma tigela, coloque a farinha de trigo, a manteiga e amasse bem com a ponta dos dedos para formar uma farofa. A manteiga não deve ficar bem misturada com a farinha. É melhor que fiquem pedaços dela sem dissolver. Adicione o açúcar e as castanhas e vá esfarelando a massa com as mãos até ficar num ponto de farofa crocante.

Em um refratário, coloque as frutas e as uvas-passas e misture-as com o mel.

Cubra as frutas do refratário com esta farofa e leve ao forno pré-aquecido a 180 graus por 25 minutos, até a farofa ficar crocante e as frutas cozidas.

Sirva com sorvete de sua preferência.

Você pode variar a apresentação, servindo em taças. Neste caso, coloque as frutas em uma panela até cozinhá-las bem. Separadamente, asse a farofa em uma forma untada e enfarinhada. Monte as taças colocando uma camada de frutas e outra de farofa!

By Joemir Rosa, com informações do site Pé na Cozinha, do Yahoo.

Sobre o casamento

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27/07/2012 by Joe

É bom atentar para o que o papa diz. Porta-voz de Deus na Terra, ele só pensa pensamentos divinos. Nós, homens tolos, gastamos o tempo pensando sobre coisas sem importância tais como o efeito estufa e a possibilidade do fim do mundo.

O papa vai direto ao que é essencial: “O segundo casamento é uma praga!”. Está certo. O casamento não pertence à ordem abençoada do paraíso.

No paraíso não havia casamento. Na Bíblia não há indicação de que as relações amorosas entre Adão e Eva tenham sido precedidas pelo cerimonial a que hoje se dá o nome de casamento: o Criador, celebrante, Adão e Eva nus, de pé, diante de uma assembleia de animais, tudo terminando com as palavras sacramentais: “E eu, Jeová, vos declaro marido e mulher. Aquilo que eu ajuntei os homens não podem separar…”

Os casamentos, o primeiro, o segundo, o terceiro, pertencem à ordem maldita, caída, praguejada, pós-paraíso. Nessa ordem não se pode confiar no amor. Por isso se inventou o casamento, esse contrato de prestação de serviços entre marido e mulher, testemunhado por padrinhos, cuja função é, no caso de algum dos cônjuges não cumprir o contrato, obrigá-lo a cumpri-lo.

Foi um padre que me ensinou isso. Ele celebrava o casamento. E foi isso que ele disse aos noivos: “O que vos une não é o amor. O que vos une é o contrato”. Aprendi então que o casamento não é uma celebração do amor. É o estabelecimento de direitos e deveres. Até as relações sexuais são obrigações a serem cumpridas. Agora imaginem um homem e uma mulher que muito se amam: são ternos, amigos, fazem amor, geram filhos.

Mas, segundo a igreja, estão em estado de pecado: falta ao relacionamento o selo eclesiástico legitimador. Ele, divorciado da antiga esposa, não pode se casar de novo porque a igreja proíbe a praga do segundo casamento. Aí os dois, já no fim da vida, são obrigados a se separar para participar da eucaristia: cada um para um lado, adeus aos gestos de ternura… Agora está tudo nos conformes. Porque Deus não enxerga o amor. Ele só vê o selo eclesial.

O papa está certo. O segundo casamento é uma praga. Eu, como já disse, acho que todos são uma praga, por não ser da ordem paradisíaca, mas da maldição. O símbolo dessa maldição está na palavra “conjugal”: do latim, “com”= junto e “jugus”= canga. Canga, aquela peça pesada de madeira que une dois bois. Eles não querem estar juntos. Mas a canga os obriga, sob pena do ferrão…

Por que o segundo casamento é uma praga? Porque, para havê-lo, é preciso que o primeiro seja anulado pelo divórcio. Mas, se a igreja admitir a anulação do primeiro casamento, terá de admitir também que o sacramento que o realizou não é aquilo que ela afirma ser: um ato realizado pelo próprio Deus. Permitir o divórcio equivale a dizer: o sacramento é uma balela. Donde, a igreja é uma balela… Com o divórcio ela seria rebaixada do seu lugar infalível e passaria a ser apenas uma instituição falível entre outras. A igreja não admite o divórcio não é por amor à família. É para manter-se divina…

A igreja, sábia, tratou de livrar seus funcionários da maldição do amor. Proibiu-os de se casarem. Livres da maldição do casamento, os sacerdotes têm a suprema felicidade de noites de solidão, sem conversas, sem abraços e nem beijos. Estão livres da praga…

By Rubem Alves.

Matar tempo é deixar que o tempo nos mate

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , on 26/07/2012 by Joe

Você pode desperdiçar sua vida facilmente, porque ela é curta demais.

Mas isto é estranho: se você pergunta às pessoas: “Por que vocês estão jogando cartas? Por que estão jogando pôquer? Por que estão tão envolvidas nesse jogo de xadrez?”, elas dizem: “Para matar o tempo”.

Como se tivessem mais tempo do que precisam. Como se o tempo fosse tão inútil que é preciso matá-lo.

O tempo é a coisa mais preciosa. Quando ele passa, passa para sempre. E nós não temos muito tempo: a vida é realmente bastante curta. Ela passa tão depressa que entre o nascimento e a morte não há um período muito longo.

E as pessoas matam o tempo sem saber que, na verdade, o contrário é que acontece: o tempo é que as mata.

By Osho.

Você não pode se libertar no futuro

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/07/2012 by Joe

O futuro, geralmente, acaba sendo uma réplica do passado. É possível haver mudanças superficiais, mas as transformações reais são raras e dependem da possibilidade de estarmos presentes para dissolver o passado.

O que percebemos como futuro é uma parte intrínseca do nosso estado de consciência do momento. Se a nossa mente carrega um grande fardo do passado, vamos sentir isso.

O passado se perpetua pela falta de presença. O que dá forma ao futuro é a qualidade da nossa percepção do momento presente, e o futuro, é claro, só pode ser vivenciado como presente.

Podemos ganhar muito dinheiro, mas esse tipo de mudança é apenas superficial. Vamos simplesmente continuar a representar os mesmos padrões condicionados, em ambientes mais luxuosos. Os seres humanos aprenderam a dividir o átomo. Em vez de matar dez ou vinte pessoas com um porrete de madeira, uma pessoa agora pode matar um milhão delas com um simples apertar de um botão. Será que isso é uma mudança real?

Se é a qualidade da nossa percepção neste momento que determina o futuro, então o que é que determina a qualidade da nossa consciência? O nosso grau de presença.

Portanto, o único lugar onde pode ocorrer uma mudança verdadeira e onde o passado pode se dissolver é neste momento, aqui e agora.

Toda a negatividade é causada pelo acúmulo de tempo psicológico e pela negação do presente. O desconforto, a ansiedade, a tensão, o estresse, a preocupação, todas essas formas de medo são causadas por excesso de futuro e pouca presença. A culpa, o arrependimento, o ressentimento, a injustiça, a tristeza, a amargura, todas as formas de incapacidade de perdão são causadas por excesso do passado e pouca presença.

Muitos acham difícil acreditar na possibilidade de existir um estado de consciência absolutamente livre de toda a negatividade. E até o momento, esse é o estado de liberdade para o qual apontam todos os ensinamentos espirituais. É a promessa da salvação, não em um futuro ilusório, mas bem aqui e agora.

Talvez seja difícil reconhecer que o tempo é a causa do nosso sofrimento ou de nossos problemas. Acreditamos que eles são causados por situações específicas em nossas vidas e, de um ponto de vista convencional, isso é uma verdade. Mas enquanto não lidarmos com a disfunção básica da mente – o apego ao passado e ao futuro e a negação do presente – os problemas apenas mudam de figura.

Se todos os nossos problemas, ou causas identificadas de sofrimento ou infelicidade, fossem milagrosamente solucionados no dia de hoje, sem que nos tornássemos mais presentes e mais conscientes, logo nos veríamos com um outro conjunto de problemas ou causas de sofrimento semelhantes, como uma sombra que nos seguisse aonde quer que fôssemos. Em última análise, o único problema é a própria mente limitada pelo tempo.

Não há salvação dentro do tempo. Você não pode se libertar no futuro. A presença é a chave para a liberdade. Portanto, você só pode ser livre agora.

By Eckhart Tolle.

%d blogueiros gostam disto: