Arquivo para julho, 2013

Rótulos

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31/07/2013 by Joe

Rótulos

Diz o velho ditado: “A primeira impressão é a que fica”!

Cuidado! Na vida, nem tudo é sempre assim. Muitas vezes mal conhecemos pessoas e já atribuímos de imediato rótulos pré-determinados, que não deixam de ser “pré-conceitos”.

Para se conhecer melhor uma pessoa é preciso tempo, muita conversa e muita interação com a vida da outra pessoa. Em determinadas ocasiões nos escondemos atrás de máscaras, como forma de protegermos a nossa intimidade dos transtornos do dia-a-dia. Este tipo de proteção gera uma imagem que não corresponde à verdadeira essência das pessoas.

A partir de hoje, olhe para as pessoas com olhar de esperança e muita fé. Procedendo assim, deixaremos de cometer sérios enganos, que nunca trazem bons frutos no futuro.

Antes de colocar rótulos nas pessoas, que tal conhecer o seu conteúdo?

Desconheço a autoria.

Anúncios

Possibilidades

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/07/2013 by Joe

Possibilidades

Não se deixe encurralar por pensamentos ambíguos. O fato de A ser verdadeiro não torna B falso. Com frequência, tanto A quanto B podem ser verdadeiros.

As coisas que você deve fazer podem ser também as coisas que você quer fazer. O que você dá pode também ser o que você recebe. O que você ensina pode ser também o que você aprende. Sua tarefa pode ser difícil e ao mesmo tempo agradável. O que é bom para o cliente pode ser bom também para o vendedor.

Muitas vezes, cometemos o erro de definir as coisas pelo que elas não são. Fazendo isso, limitamos nosso raciocínio e nossas oportunidades. Na realidade, existem poucos opostos. Será ensinar o verdadeiro oposto de aprender? Feminino é o oposto de masculino? O amor é realmente o oposto do ódio? Brincar é o oposto de trabalhar?

Claro que não. Muitas das coisas que consideramos opostas são, na verdade, muito similares. Nosso desejo de classificar e colocar tudo em categorias, embora às vezes útil, também pode ser limitante.

As possibilidades surgem, não da eliminação de outras possibilidades, mas da persistência em manter a mente aberta.

Desconheço a autoria.

Camaleões do futuro

Posted in Atualidade, Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/07/2013 by Joe

Camaleões do futuro

Nos últimos anos, o mundo globalizado vem experimentando intensamente grandes mudanças de conceitos e valores. Na busca febril por um espaço para se viver com dignidade, presenciamos momentos de grande expectativa pelo futuro, o que nos leva a cultivar um estresse totalmente desproporcional à nossa capacidade de suportá-lo.

Nesses processos de transformação, precisamos manter o foco na nova visão de se administrar coisas e pessoas. Os investimentos na área do conhecimento humano passam a ser uma prioridade: uma árvore que, bem cuidada, poderá nos trazer excelentes frutos.

O caminho para a felicidade no novo mundo que estamos construindo passará, em primeiro lugar, pela mente humana, fator que irá determinar quem vai vencer ou perder.

A escolha pela vitória no mundo globalizado será determinada pelo capital intelectual, pelo aperfeiçoamento diversificado, pelo estudo constante e pela boa vontade de se adaptar.

Estamos nos transformando em “camaleões do futuro”.

Desconheço a autoria.

Jogando xadrez

Posted in Videos with tags , , , , , , , , , on 28/07/2013 by Joe

Um curta de animação muito bom, onde um senhor, sentado num parque, joga uma emocionante partida de xadrez contra …. ele mesmo!

Numa disputa onde valem todas as técnicas e a velha malandragem, o velho senhor vai jogando, trocando de lugar … até que o cheque-mate se aproxima!

E aí vale tudo… Principalmente assistir até o fim!

Quem será que vai ganhar esta partida?

Escrito e dirigido por Jan Pinkava, produzido por Karen Dufilho nos estúdios da Pixar, de 1997.

Imperdível!

By Joemir Rosa.

Creme de limão com suspiro

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27/07/2013 by Joe

Creme de limão com suspiro

O limão é a mais cítrica de todas as frutas de sua família. Milenar, a grande maioria dos frutos cítricos tem origem na Ásia, de regiões compreendidas entre a Índia e o sudeste do Himalaia. Lá ainda é possível encontrar variedades silvestres – e primitivas – de limoeiros. O limoeiro, no início, era um simples arbusto que se espalhava espontaneamente pelo sudeste asiático.

Existem diferentes versões sobre a forma como o limão difundiu-se pela Europa. Alguns dizem que foi levado pelos muçulmanos entre os séculos VII e IX, durante o período em que ocuparam grande parte do continente europeu. E, a partir daí, a difusão foi muito rápida.

No entanto, existem relatos de que os romanos já conheciam o limão, usando-o como medicamento, mesmo antes de o fruto ser trazido pelos árabes. Outros afirmam que o limão só foi introduzido na Europa com as primeiras navegações dos romanos em direção às Índias Orientais.

De qualquer forma, nas Américas o limão chegou junto com os primeiros conquistadores portugueses e espanhóis, no século XVI. Hoje, o Brasil é o segundo maior produtor mundial dessa fruta, especialmente do limão Tahiti, que é um fruto híbrido, resultante de um enxerto da lima da Pérsia sobre o limão cravo, motivo pelo qual não apresenta sementes. Por ser um híbrido, muitos não consideram o limão Tahiti um limão, mas uma “lima ácida”. Tanto isso é verdade que em inglês essa variedade chama-se “lime” enquanto o limão siciliano é chamado “lemon”. Em se tratando das propriedades terapêuticas desse fruto, o limão Tahiti é tão ou mais terapêutico que qualquer outra variedade de limão.

Em todo o Brasil o limão é um fruto fácil de ser encontrado, já que é gerado durante todo o ano, nas suas diversas variedades, embora seja mais produtivo de dezembro a maio.

Em geral, todas as variedades do limão apresentam aspectos básicos semelhantes, ficando a diferenciação na cor, tamanho, forma e textura da casca, que pode ser desde lisa, como no limão galego, até muito enrugada, como no limão cravo. Variam do verde-escuro do limão Tahiti, ao amarelo-claro dos limões siciliano e galego, passando pelo laranja do limão cravo.

Existem cerca de 70 variedades de limão em todo o mundo, porém as mais conhecidas por nós, brasileiros, são o limão Tahiti, o Cravo, o Siciliano, e o Galego.

A receita deste sábado é preparada com esse fruto fantástico, numa sobremesa deliciosa e de bonita apresentação. Muito fácil e rápida de preparar, vai agradar todos os gostos!

Creme de limão com suspiro

Ingredientes

2 latas de leite condensado
1 lata de creme de leite
suco de 8 limões (Tahiti ou Siciliano)
suspiros a gosto
raspas de limão a gosto

Modo de preparo

No liquidificador, bata o leite condensado, o creme de leite e o suco de limão. Distribua em taças individuais e leve à geladeira até firmar. Na hora de servir, decore com os suspiros e as raspas de limão.

By Joemir Rosa.

As duas mochilas

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 26/07/2013 by Joe

Fila indiana

Os homens caminham sobre a Terra em fila indiana, cada um carregando uma mochila na frente e outra atrás. Na mochila da frente nós colocamos as nossas qualidades. Na mochila de trás guardamos os nossos defeitos.

Assim, durante a jornada pela vida, mantemos os olhos fixos nas virtudes que possuímos, presas em nosso peito. Ao mesmo tempo, reparamos impiedosamente às costas do companheiro que está adiante, todos os defeitos que ele possui.

E nos julgamos melhores que ele, sem perceber que a pessoa andando atrás de nós está pensando a mesma coisa a nosso respeito.

Portanto, ainda dá tempo de mudar… e ser mais feliz!

Desconheço a autoria.

Faça bem a si mesmo

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/07/2013 by Joe

Faça bem a si mesmo

Eu costumava contribuir financeiramente com todo tipo de coisa. Se eu estava andando pela rua e alguém me pedia dinheiro, eu dava. Se uma senhora me telefonasse, pedindo que eu comprasse três toalhinhas de mesa por 30 dólares, eu comprava. Quando as pessoas apareciam no meu escritório vendendo amendoins mofados eu pensava “Credo!”, e comprava três saquinhos.

Depois perguntava a mim mesmo: “mas para que causa eu fiz minha contribuição?”, e então me dava conta de que não tinha a mínima ideia da resposta!

Pode até ser uma atitude generosa fazer doações para a caridade, mas eu não estava fazendo aquilo por generosidade. Fazia principalmente por estar preocupado com o que os outros iriam pensar de mim. Eu não queria parecer um sovina, por isso contribuía, para que todos me considerassem um cara legal – e isso para mim estava ótimo.

Com muita frequência, eu me preocupava com o que as pessoas iriam pensar, em vez de considerar o que eu queria. Nunca enviava pratos para serem refeitos nos restaurantes, nem pedia aos vizinhos para baixarem o volume da música, e raramente devolvia mercadorias com defeito a uma loja.

Mas, enquanto eu achava que estava sendo amigável, na verdade estava sendo fraco. Minha experiência de vida me mostrou que muitas pessoas têm esse mesmo tipo de preocupação devido à necessidade de serem aprovadas pelos outros.

Para manter o controle sobre nossas vidas e viver plenamente, nosso grande desafio é eliminar essa compulsão em obter a aprovação alheia. Preocupar-se com o que os outros pensam a nosso respeito é um hábito difícil de ser quebrado, mas pode haver resultados trágicos se não o fizermos. Com frequência, pessoas sensatas se condenam a uma vida inteira de dedicação a empregos que elas simplesmente odeiam, simplesmente por pensarem no que as pessoas iriam dizer se elas deixassem essa posição segura…

Em poucas palavras: ao respeitar os outros, não deixe de ser verdadeiro consigo mesmo. Se as pessoas discordam de suas ideias ou de seu estilo de vida, o problema é delas, não seu.

By Andrew Matthews, no livro “Faça Amigos”.

%d blogueiros gostam disto: