Archive for the Receitas Category

Torta Ratatouille

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/12/2014 by Joe

Torta Ratatouille

Para quem nunca tinha ouvido falar em Ratatouille e pensava que o desenho levava esse nome porque se tratava de uma história de ratos, aqui vai uma breve história do prato.

O Ratatouille é uma receita típica da culinária francesa, da região da Provença, de meados do século XVII e que pode ser servida tanto quente quanto fria, sozinha ou como acompanhamento.

O nome significa “picar” ou “triturar”, mas também podemos entender como sendo um “ragout” de legumes ou berinjela. Num Ratatouille não podem faltar berinjelas nem tomates, mas os demais ingredientes ficam mais ao gosto de cada um, podendo ser utilizados pimentões, abobrinhas, cenouras, etc.

A receita de hoje mistura esse clássico francês com a leveza das tortas primaveris, resultando num prato bem saboroso que pode ser servido na ceia de Natal.

Espero que curtam a receita e aproveito para desejar a todos um Feliz Natal junto a seus familiares e amigos, sempre com muita luz, paz, harmonia e saúde!

Torta de Ratatouille

Ingredientes

Massa

1 ovo
100g de manteiga gelada
1 colher (chá) de sal
1¼ de xícara (chá) de farinha de trigo

Modo de preparo

Em uma tigela grande, junte a farinha e o sal e misture. Corte a manteiga em cubos e transfira para a tigela. Usando as pontas dos dedos, misture até formar uma farofa, sem deixar a manteiga dissolver completamente. Dessa forma, a massa ficará crocante.

Acrescente o ovo e trabalhe a massa apenas até formar uma bola. Envolva com papel filme e leve à geladeira por, no mínimo, uma hora. Se preferir, prepare a massa no dia anterior.

Recheio

Ingredientes

1 berinjela pequena
1 abobrinha média
3/4 de xicara (chá) de tomate-cereja ou sweet-grape
1 talho de alho-poró sem as folhas verdes
1 pimentão amarelo
1 cebola média
4 dentes de alho
sal e pimenta-do-reino moída na hora (a gosto)
8 colheres (sopa) de azeite

Modo de preparo

Pré-aqueça o forno a 220ºC. Em uma tábua, corte a berinjela em rodelas de 1 cm e descarte as pontas. Se a berinjela for grande, corte as fatias ao meio. Transfira para uma tigela, cubra com água e misture com uma colher de chá de sal. Esse truque serve para amenizar o gosto amargo do legume. Reserve.

Enquanto isso, prepare os outros legumes. Lave, seque e fatie as abobrinhas em rodelas de 1 cm também, descartando as pontas. Corte os tomates-cereja ao meio e fatie o alho-poró finamente. Além disso, corte o pimentão ao meio, descartando as sementes, corte as metades em tiras e as tiras em cubos. Descasque a cebola e corte em quatro partes e descasque os dentes de alho.

Retire a berinjela da água, deixe escorrer bem e distribua em uma assadeira retangular grande. Regue com três colheres de sopa de azeite e leve ao forno pré-aquecido para assar por 15 minutos. Retire a assadeira do forno e junte os outros legumes. Tempere com sal e pimenta-do-reino, regue com bastante azeite e misture delicadamente.

Coloque a assadeira novamente no forno por 30 minutos. Retire e baixe a temperatura do forno para 180ºC.

Montagem

Ingredientes

2 ramos de tomilho fresco
2 ramos de alecrim fresco
1 gema (para pincelar)
1 colher (chá) de água

Modo de preparo

Cerca de 15 minutos antes de terminar o tempo para pré-assar os legumes, retire a massa da geladeira. Separe uma forma redonda, de fundo removível, com cerca de 24 cm de diâmetro.

Em uma bancada, polvilhe um pouco de farinha e, com um rolo de macarrão, abra a massa em formato arredondado até ficar com cerca de 0,5 cm de espessura. Separe o fundo da forma. Para transferir a massa, enrole-a no rolo de macarrão e desenrole sobre o fundo da forma, deixando as bordas para fora.

Retire a assadeira do forno. Debulhe os ramos de tomilho e alecrim e junte aos legumes, misturando delicadamente. Em seguida, coloque os legumes sobre a massa e dobre as bordas por cima.

Em uma tigelinha, misture bem a gema com água. Pincele a massa e leve ao forno por 45 minutos ou até dourar. Sirva quente ou em temperatura ambiente.

By Joemir Rosa.

Picanha parrilla

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/12/2014 by Joe

Picanha parrilla

Em primeiro lugar, um aviso: se você é vegetariano clique aqui!

Agora, sim, vamos falar de churrasco!

Não se sabe exatamente a origem do churrasco, mas presume-se que a partir do domínio do fogo na pré-história, o homem passou a assar a carne de caça quando percebeu que o processo a deixava mais macia. Com o tempo, as técnicas foram aperfeiçoadas, principalmente entre os caçadores e criadores de gado, dependendo sempre do tipo de carne e lenha disponíveis.

Na América do Sul, a primeira grande área de criação de gado foi o pampa, extensa região de pastagem natural que compreende parte do território do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil, além da Argentina e Uruguai. Foi ali que os vaqueiros, conhecidos como gaúchos, tornaram o prato famoso e típico.

A carne assada era a refeição mais fácil de se preparar quando se passava dias fora de casa, bastando uma estaca de madeira, uma faca afiada, um bom fogo e sal grosso, ingrediente abundante que é utilizado como complemento alimentar do gado.

A partir dali o costume cruzou as regiões e se tornou um prato nacional, multiplicando-se as formas de preparo, o que gera entre os adeptos muita discussão sobre o verdadeiro churrasco, como por exemplo, a utilização de lenha ou carvão, de espeto ou grelha, temperado ou não, com sal grosso ou refinado, de gado, suíno, aves ou frutos do mar.

O correto é afirmar que não existe fórmula exata, uma vez que cada região desenvolveu um tipo diferente de carne assada, mas, sem dúvida alguma, a imagem mais famosa no Brasil é o churrasco preparado pelos gaúchos, expressão que virou nome do cidadão nascido no estado do Rio Grande do Sul.

Dizem que a palavra churrasco não nasceu nessas paragens, sendo muito mais antiga, anterior à presença dos romanos na Península Ibérica, e que nos chegou vinda de “sukarra” (chamas de fogo, incêndio), formada por “su” (fogo) e “karra” (chama).

Este vocábulo apareceu primeiramente em castelhano sob a forma “socarrar” e ao longo dos séculos derivaram-se diversas variantes dialetais na Espanha. Na Argentina e no Uruguai o churrasco típico é chamado “asado“, e é o prato nacional de ambos os países. Tradicionalmente é feito na grelha com uso de lenha, mas também se usa carvão pela praticidade.

Os gaúchos alimentavam-se sobretudo de churrasco no pão, que está na origem do asado rio-platense. Na Argentina, o asado tradicional dos Pampas estendeu-se a toda a população, e hoje, devido à qualidade e ao preço baixo, é consumido por todas as classes sociais. É até comum ver operários preparando o prato na rua na hora do almoço.

No Brasil, churrasco se refere a toda carne assada na churrasqueira ou no estilo fogo de chão, quase sempre em grandes espetos na região sul, e grelha nas outras regiões. O tempero varia conforme o gosto e o costume local, podendo ser simplesmente sal grosso ou refinado, até as mais elaboradas fórmulas. De longe, a carne preferida é a bovina, mas também são muito apreciadas as carnes de origem suína, ovina, de aves, além de embutidos, como a linguiça.

Não vou dar aqui nenhuma fórmula para um churrasco perfeito, pois sei que todo mundo tem a sua. Por outro lado, vou sugerir um prato delicioso e muito fácil de preparar no fogão mesmo, de forma muito rápida. A picanha parrilla é um prato cuja origem pode ser atribuída aos uruguaios. Deve ser preparada com a carne cortada em pedaços altos e preparada com muito carinho!

Antes de começar, porém, algumas dicas importantes:

Picanha1. Uma boa peça de picanha deve ter em torno de 1,2 kg até 1,5 kg, no máximo.

2. Ao preparar a carne, jamais esprema com o garfo.

3. Também não fure a carne achando que, com isso, o tempero vai entrar na carne.

Isso posto, vamos à receita!!

Picanha parrilla

Ingredientes

1 peça de 1,2 kg de picanha
300 ml de vinho tinto de mesa
1 colher sopa de cominho
1 maço de tomilho fresco
3 dentes de alho
1/2 colher sopa de pimenta do reino em grãos
2 colheres sopa de sal grosso
3 colheres sopa de azeite extra-virgem

Modo de preparo

Soque o alho, as folhinhas de tomilho, o cominho e o sal em um socador até obter uma pasta. Corte a picanha em bifes de, mais ou menos, dois dedos de altura e esfregue o tempero em pasta nos dois lados da carne. Coloque-os dentro de um saco plástico limpo. Adicione a pimenta em grãos e o vinho, retire todo o ar do saco plástico, dando um nó, e deixe marinar por, pelo menos, de 4 a 6 horas.

Aqueça o azeite numa frigideira grossa e larga até ficar bem quente. Disponha os bifes nela, com alguma folga entre eles. Assim que fritarem por fora (deixe “selar” a carne), vire-os, doure mais um pouco e abaixe o fogo. Isso deve conservar a carne macia e suculenta por dentro.

Mais alguns minutos até a carne chegar ao ponto que você gosta e pronto. Retire da frigideira, deixe os bifes descansarem no prato por alguns poucos minutinhos e sirva com salada verde e batatas assadas com ervas. E depois não esqueçam de comentar o que acharam da receita, ok?

Bom apetite!

By Joemir Rosa.

Creme Prestígio

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 06/12/2014 by Joe

Creme Prestígio

O dicionário da língua portuguesa ensina:

Prestígio – s.m. Valor sócio-cultural positivo atribuído a um indivíduo ou a um grupo.
Grande influência exercida por pessoa ou coisa sobre outra ou outras pessoas.
Fig. Sedução, fascinação; poder de atração.

A receita de hoje não tem história, mas tem tradição pela combinação de sabores: chocolate com coco! A essa combinação foi dado o nome de Prestígio por um grande fabricante de chocolates. E não é pra menos, pois o chocolate que leva esse nome tem grande poder de atração, de sedução, de fascinação!

Poucas pessoas se dão ao luxo de desprezarem tal alquimia. Prestígio é sinônimo de coisa gostosa, de sobremesa que enche a boca de água.

Inúmeras são as receitas que levam esse nome. Basta uma rápida pesquisa nos sites de gastronomia, ou nos velhos cadernos receitas de nossas avós e tias, para encontrarmos uma grande variedade de sobremesas que carregam esse nome!

No post de hoje trago uma dessas receitas, que tem sabor muito próximo ao do chocolate produzido em barrinhas. Basta checar, no próprio site do fabricante, os ingredientes utilizados na elaboração desse produto. Aqui, claro, sem aqueles aditivos químicos para mantê-lo conservado por longos meses. Além dos toques de sofisticação na apresentação da sobremesa!

Neste caso, é fazer e comer!

Creme Prestígio

Ingredientes

Creme

1 lata de leite condensado
200 g de coco ralado
1/2 xícara (chá) de glucose de milho (Karo)
5 colheres (sopa) de leite em pó
1/2 lata de creme de leite.

Cobertura

300 g de chocolate meio amargo picado
1/2 lata de creme de leite
lascas de coco para decorar

Modo de preparo

Prepara o creme, misturando, em uma tigela, o leite condensado, o coco ralado, a glucose de milho, o leite em pó e o creme de leite, até formar um creme bem homogêneo. Coloque em taças individuais e leve à geladeira.

Para a cobertura basta derreter o chocolate em banho-maria e misturar o creme de leite. Despeje sobre o creme gelado e leve novamente à geladeira por, no mínimo, duas horas.

Na hora de servir, decore com lascas de coco (ou ralado).

By Joemir Rosa.

Tilápia ao molho taratur

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/11/2014 by Joe

Tilápia ao molho taratur

“Quo Vadis”, filme de 1951 dirigido pelo grande Mervin LeRoy, é uma das produções mais caras de Hollywood e entrou para a filmografia mundial por trazer o par Robert Taylor e a linda Deborah Kerr como pessoas especiais.

Ela, Lígia, filha adotiva de um general romano; ele Marcus Vinicius, também general romano, que teriam tudo para abraçar o altar cheio de deuses adorados pelos romanos, mas que se convertem à fé cristã, não sem antes passarem pela loucura e desatinos de Nero (Peter Ustinov, sensacional!), o imperador do período que, em sua demência, matou a mãe, o meio-irmão e ateou fogo na capital do império. No filme, o fogaréu entra em cena em uma impressionante sequência, em que nem toda a correria e vaivém movem um único fio de cabelo de Taylor, um galã acima de qualquer suspeita.

O outro personagem que se destaca no filme é Pedro, interpretado pelo escocês Finlay Currie, cuja crucificação (assim como a carnificina em plena arena, de cabeça para baixo) é um dos momentos memoráveis da carreira de um ator que também integrou o elenco de produções bíblicas, como Ben-Hur e A Queda do Império Romano.

Naqueles primeiros anos do cristianismo, após a morte de Jesus, Pedro era ouvido por multidões e usou um símbolo forte para expandir a palavra do homem que falou para cultivar o bem, a paz e a união entre os povos: o peixe!

Este era o sinal inequívoco do então ascendente cristianismo.

É em “Quo Vadis” que vemos, pela primeira vez, uma referência à marca que seria definitiva na vida dos cristãos. Perseguidos com sadismo pelo imperador, ao se encontrarem pelas ruas das cidades os seguidores de Jesus usavam o peixe desenhado na areia para avisar sobre as pregações e os encontros entre os fiéis. Desenhavam na areia para que ficasse mais fácil apagar qualquer vestígio de uma prática que levaria os “rebeldes” para o centro do Coliseu, onde o imperador apreciava ver os leões jantarem os fiéis mais exaltados e convencidos de sua crença.

Hoje, dois milênios depois, as duas linhas que começam juntas e se cruzam no fim estão em toda parte, sobretudo nos carros, colados como adesivos. Um modelo eficaz de simplicidade convincente, que jamais frustra quem de fato acredita.

Em outros posts já falamos sobre peixes e suas qualidades nutritivas, deixando algumas receitas muito saborosas. E o prato de hoje é um peixe com o molho taratur, receita típica da região onde nasceram os apóstolos Pedro e Tiago, às margens do Mar da Galileia. Consumido em todo o Oriente Médio, é especialmente servido como acompanhamento do falafel ou de qualquer outro prato à base de peixe, embora o molho combine também com legumes cozidos, quibe frito e palitos de frango empanados.

Tilápia ao molho taratur

Ingredientes

filés de tilápia
sal e pimenta a gosto
sumo de um limão
2 ovos
farinha de rosca

Molho taratur

1/2 xícara (chá) de pasta de gergelim (tahine)
2 dentes de alho
1 colher (chá) de sal
2 colheres (sopa) de água
suco de meio limão
pimenta síria a gosto (opcional)

Modo de preparo

Corte os filé de tilápia em tiras (a espessura fica ao seu gosto), tempere com sal, pimenta e sumo do limão e deixe marinando por uns 30 minutos.

Em um prato, bata os ovos. Coloque a farinha de rosca em outro prato. Pegue os filés de tilápia e passe nos ovos batidos, depois na farinha e reserve em outra vasilha.

Frite os filés empanados em óleo quente numa quantidade que possa cubrí-los. De prerefência, vá fritando aos poucos para não esfriar o óleo e também para não queimar os filés.

Para o molho, comece preparando o alho, socando-o com o sal até formar uma pasta bem homogênea. Reserve.

Coloque a pasta de gergelim em uma vasilha funda e junte a água. Mexa bem com uma colher até que o creme fique mais branco. Acrescente a pimenta síria, a pasta de alho e sal e o limão, mexendo bem até obter uma mistura cremosa e lisa.

Sirva os peixes fritos com o molho. Uma cervejinha gelada é um ótimo acompanhamento que , com certeza, Pedro e Tiago não tiveram oportunidade de experimentar!

By Joemir Rosa.

Sericaia

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22/11/2014 by Joe

Sericaia

Sericaia, ou sericá, é um doce tipicamente alentejano cuja receita é de origem duvidosa. Não existe consenso sobre sua origem. Encontram-se referências a origens indianas, brasileiras e portuguesas. Na obra “Gastronomia e Vinhos do Alentejo”, Alfredo Saramago nos conta:

– “A dúvida nunca mais se resolve. Uns dizem que a receita veio da Índia, outros que ela veio do Brasil. O que é certo é que, desde os tempos da nossa expansão, a sericaia, ou sericá, era preparada, com todo o esmero, por dois conventos alentejanos que se arrogavam de direitos de importação da receita.” (Saramago, pg. 242).

Neste caso, o autor referia-se ao convento das Chagas de Cristo, de Vila Viçosa e o de Santa Clara, de Elvas. Há até a alusão à competição entre estes dois conventos para justificar os dois nomes atribuídos ao doce – Sericá e Sericaia. No caso das freiras do Convento de Elvas, estas preparavam o doce e decoravam com as famosas ameixas da região, juntamente com uma calda doce.

Segundo contam, a Sericaia teria origem no Convento das Chagas, mas no Convento das Clarissas acrescentou-se canela à receita e, a partir daí, a Sericaia passou a fazer mais sucesso. Neste caso, a sericaia seria uma receita contemporânea da origem da doçaria conventual em Portugal no século XV. Foi nessa altura que o açúcar entrou na gastronomia dos conventos, com a produção da cana de açúcar da Ilha da Madeira.

Sobre a origem oriental, a lenda diz que a sericaia é uma receita mais remota e terá tido a sua origem em Malaca, e a sua receita foi trazida pelo copeiro de D. Constantino de Bragança, sétimo vice-rei da Índia.

Independente da origem, o mais importante é que o toque de canela e a textura fofa fazem deste doce uma verdadeira delícia. No entanto, o segredo dele, mais do que os ingredientes utilizados, é a forma de colocá-lo no prato (que dever de barro ou estanho), ou seja, às colheradas desencontradas!

Sericaia

Ingredientes

12 ovos, separadas as claras das gemas
1 litro de leite
½ kg de açúcar
90 g de farinha
casca de um limão
1 canela em pau
1 colher (chá) de sal
canela em pó a gosto

Modo de preparo

Comece pré-aquecendo o forno a 225º C.

Em uma panela, ferva o leite com a casca do limão, o pau de canela e o sal. Retire do fogo e deixe amornar.

Enquanto isso, bata muito bem as gemas dos ovos com o açúcar até que a mistura fique bem cremosa. Reserve.

Em seguida, dissolva a farinha, aos poucos, no leite morno, junte o creme de gemas e açúcar, leve novamente ao fogo baixo e vá mexendo bem até engrossar. Desligue o fogo, tire a casca do limão e o pau de canela e deixe amornar.

Enquanto isso, bata as claras em neve, na batedeira, em velocidade média, até que fiquem em ponto de picos altos (para saber se estão no ponto, vire a tigela de cabeça para baixo e as claras não podem cair). Incorpore-as com cuidado ao creme preparado anteriormente.

Leve ao forno um prato de barro, fundo e largo, para aquecer. Uma vez aquecido, espalhe o creme sobre ele em colheradas desencontradas (uma colherada no sentido do centro para as bordas do prato e a outra atravessada).

Polvilhe bastante canela em pó e leve para assar por cerca de 1 hora. Para saber se está no ponto, faça o teste do palito: se ele sair seco ao colocá-lo no centro do prato, a sericaia está pronta. É normal que ela apresente “rachaduras” após estar assada.

By Joemir Rosa.

Cheesecake

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/11/2014 by Joe

Cheesecake de limão

O cheesecake é, sem dúvida alguma, uma das mais adoradas sobremesas que existe!

Quem pensa que esse “bolo de queijo”, preparado a partir de bolachas com recheios à base de queijo e ovos, com cobertura de frutas, é uma sobremesa da era moderna inventada pelos norte-americanos, engana-se redondamente. Ela é bem mais antiga do que imaginamos.

Pesquisas e relatos históricos nos mostram indícios de que o cheesecake já era servido na Grécia antiga, durante os Jogos Olímpicos na Ilha de Delos, em 776 a.C. Naquela época, a receita era preparada com farinha de trigo, mel e queijo que eram misturados e formavam um bolo que era cozido, ou seja, muito diferente das receitas que preparamos hoje.

Posteriormente, quando os romanos conquistaram a Grécia, a receita foi levada e os romanos passaram a oferecer a iguaria aos deuses quando estes estavam irritados. Naquela época era chamada de “libum”. Com a expansão do império romano, a receita foi levada para quase todo o continente europeu. Em cada país, elas foram sendo adaptadas ao gosto, aos ingredientes locais e costumes alimentares.

Assim, o tempo foi passando e as receitas foram se mesclando e chegaram até os nossos dias, passando pelos velhos cadernos de receitas de nossas avós!

O principal ingrediente do cheesecake, óbvio, é o queijo. Numa busca rápida pela internet, descobrimos que vários tipos de queijos são usados no seu preparo: queijos cremosos, cottage, ricota e outros tipos menos conhecidos em terras tupiniquins. Por aqui, o queijo mais utilizado é o cremoso (cream-cheese).

Conta a história que, lá pelo final do século XIX, um leiteiro americano estava tentando recriar o famoso queijo francês NeufChateau e, não conseguindo, acabou criando o queijo cremoso, que acabou se tornando o ingrediente base do cheesecake. A partir da década de 70, a sobremesa se popularizou nos Estados Unidos, principalmente em Nova Iorque, onde até hoje é uma das sobremesas favoritas por lá.

Como sempre comento por aqui, centenas ou milhares de receitas e variações na sua preparação. A receita de hoje tem a massa básica de queijo – sua base crocante – e uma cobertura que não descaracteriza o delicioso sabor de queijo!

Antes, porém, existem algumas dicas importantes a serem observadas e seguidas que devem ser levados à risca para a perfeita elaboração do cheesecake:

– O queijo deve ser retirado da geladeira com pelo menos 1 hora de antecedência, para que sua textura fique bem macia, de fácil manuseio. Tente utilizar o melhor queijo que puder encontrar, pois ele é a alma da receita. Quando levar à batedeira, faça-o por, pelo menos, 10 minutos, a fim de homogeneizar o creme. Quanto mais macio e liso, melhor o resultado.

– O forno é um outro detalhe importante. Como a estrutura do bolo é dada pelos ovos que são acrescentados à massa, uma temperatura muito alta de forno fará com que as proteínas das gemas e claras se coagulem muito rapidamente, fazendo com que a textura fique dura e granulada. O ideal é assá-lo em forno muito baixo e a seco (100°C), ou a 160°C em banho-maria. Se você tiver tempo, tente assar a 100°C. Vai demorar umas 4 horas, mas o resultado é surpreendente.

– Não abra a porta do forno enquanto o bolo assa. O vapor criado pelos líquidos da massa e/ou do banho-maria vão escapar e a superfície do bolo vai rachar.

– O cheesecake estará pronto quando parecer firme, porém ainda balançar ligeiramente no centro. Não deixe que fique totalmente firme no forno. Se isso acontecer, quando o cheesecake esfriar e contrair vai rachar bem no meio.

Cheesecake de limão

Ingredientes

Base

1 pacote de bolacha maizena
75 g de manteiga

Recheio

150 g de açúcar
600 g de cream-cheese
1 colher (sopa) de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de suco de limão
3 ovos
100g de creme de leite
gotas de essência de baunilha a gosto
raspas de limão a gosto

Creme de limão

100g de chocolate branco
100g de creme de leite
suco de 1 limão
raspas de limão para decorar

Modo de preparo

Triture a bolacha maizena e reserve. Derreta a manteiga no microondas e junte à farinha da bolacha, mexendo bem até formar uma massa consistente. Em uma forma de fundo falso, unte a base com manteiga e papel manteiga e coloque a massa de bolacha, apertando com as mãos no fundo e nas laterais. Coloque no refrigerador por 10 minutos.

Enquanto isso, na batedeira, coloque o cream-cheese e o açúcar e bata em velocidade média até a mistura ficar homogênea e cremosa. Acrescente o creme de leite e a farinha de trigo e bata até misturar bem. Acrescente os ovos, um de cada vez, e bata até que cada um seja completamente incorporado. Por último, acrescente as gotinhas de baunilha, o suco e as raspas de limão.

Acenda o forno e deixe pré-aquecer a 180º C. Distribua o recheio na forma que ficou na geladeira e bata levemente a forma sobre uma superfície para eliminar as bolinhas de ar. Leve ao forno por, aproximadamente, 45 minutos, em banho maria, ou até que o recheio esteja firme no centro. Tire do forno e deixe esfriar. Leve ao refrigerador por, pelo menos, 8 horas para adquirir consistência.

Para fazer a calda, basta derreter o chocolate branco em banho maria e misturar com o creme de leite ate formar um creme encorpado. Misture com o suco de limão e coloque sobre o cheesecake gelado. Decore com as raspas de limão ou com fatias de limão.

By Joemir Rosa.

Manjar de laranja

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 08/11/2014 by Joe

Manjar de laranja

Há tempos eu contei a história um tanto curiosa do manjar e, com ela, pudemos compreender como as mudanças na cozinha ocidental ocorreram.

Interessante também é percebermos como as receitas foram se adaptando aos costumes, preferências e gostos regionais, principalmente no Brasil, um país onde a fartura de variedade de frutas, principalmente, é imensa.

Entre as mudanças na gastronomia, o manjar é uma caso típico: de salgado, logo se transformou numa das mais delciosas sobremesas!

Caso queira conhecer a história desse prato e duas dessas receitas, sugiro dar uma olhada na de Manjar Branco e de Manjar de Abóbora com Coco!

E hoje trago mais uma dessas delícias, fácil de preparar e com aquele gostinho de laranja que todo mundo curte!

Manjar de laranja

Ingredientes

6 colheres (sopa) de amido de milho
1 litro de suco de laranja natural
1 lata de leite condensado
1 vidro de leite de coco (200 ml)
50 g de coco ralado

Calda

1 colher (sobremesa) de amido de milho
2 xícaras (chá) de suco de laranja natural
1/2 xícara (chá) de açúcar
Gomos de laranja e frutas para decorar

Modo de preparo

Em uma panela, coloque o amido de milho dissolvido no suco de laranja, o leite condensado, o leite de coco e o coco ralado. Leve ao fogo brando, mexendo sempre até engrossar. Coloque em uma forma, umedecida com água. Deixe esfriar e leve a geladeira até firmar.

Calda

Em uma panela coloque o amido de milho dissolvido no suco de laranja, o açúcar e leve ao fogo brando mexendo sem parar até incorporar. Deixe esfriar. Desenforme o manjar, decore com as frutas e sirva com a calda.

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: