Arquivo para junho, 2013

O poder de ter e dar

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/06/2013 by Joe

Ter e dar

As únicas coisas que você pode ter de verdade são aquelas que você é capaz de dar. Aquilo que você não é capaz de dar somente o aprisiona.

Você só sabe verdadeiramente algo quando é capaz de ensiná-lo. Você só conhece o amor quando é capaz de dá-lo. Você só conhece a felicidade quando consegue levá-la aos outros. Você só terá abundância quando acrescentar valor à vida de outros.

Isto não quer dizer que temos que dar tudo que temos, mas, acima de tudo, é a habilidade e disposição para dar que nos traz tudo isso. Você consegue imaginar algo mais miserável que ter tudo no mundo e não ter com quem dividir?

O que quer que você esteja segurando e escondendo do mundo – suas habilidades, seus pensamentos, sua paixão, seu conhecimento, seu entusiasmo, sua coragem – está segurando você.

As riquezas que você possui, sejam elas materiais, intelectuais ou espirituais, não têm valor nenhum se você não usá-las!

Pense nisso neste início de semana!

Desconheço a autoria.

Camarão na moranga

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/06/2013 by Joe

Camarão na moranga

O camarão na moranga é um prato típico da culinária litorânea brasileira, servido e preparado com uma abóbora do tipo moranga, recheada com camarão e requeijão.

Para entender a história desse prato, vamos primeiro conhecer um pouco do local que deu origem a essa receita tão especial.

Em Ubatuba fica localizada a Ilha Anchieta, a 2ª maior ilha do Litoral Norte paulista, com 828 hectares de exuberante Mata Atlântica em meio a montanhas e praias de águas cristalinas.

O local abrigou, na década de 1930, um presídio político que foi desativado após uma grande rebelião. As ruínas do presídio que ali funcionou de 1904 a 1955, hoje são um grande atrativo turístico para quem visita a Ilha.

Enquanto esteve em funcionamento, mais especificamente no ano de 1945, o presídio recebeu um grupo de presos políticos japoneses. E como é da cultura oriental, esse grupo era bastante dedicado ao trabalho em atividades agrícolas, e assim deram início ao cultivo de legumes e verduras na Ilha Anchieta.

Acredita-se que, de tanto andarem descalços e comer peixe cru, aliada à falta de higiene que era muito comum nos presídios da época, acabaram adquirindo várias doenças, entre elas a esquistossomose, conhecida como “barriga d’água”, que é uma infecção por parasitas, muito comum entre pessoas que trabalham no campo.

Um médico local sugeriu que tomassem remédios tradicionais, mas o grupo não aceitou e passaram a plantar abóboras, pois de suas sementes era obtido um poderoso vermífugo e o problema acabou sendo resolvido.

A novidade fez tanto sucesso que os moradores do continente começaram a comprar as abóboras plantadas na ilha e torrar as sementes para comer e curar suas moléstias também.

Ocorreu que, durante uma das travessias da ilha para o continente, uma das abóboras caiu no mar e afundou rapidamente pois havia um furo no lugar do talo. Passadas algumas semanas o fruto reapareceu cerca de 5 km de onde havia afundado, e uma senhora que tinha um restaurante na praia da enseada encontrou o fruto e não pensou duas vezes, colocou a abóbora inteira para ser fervida.

Ao abrir a tal abóbora, descobriu que dentro tinha mais de dois quilos de camarão sete-barbas. Vendo aquilo, e como boa cozinheira que era, teve a brilhante ideia de retirar as sementes e adicionar cheiro-verde, folha de coentro, tomate, alho e cebola.

Estava criado mais um prato típico da culinária caiçara: “Camarão na Moranga”, prato este que passou a fazer parte do cardápio de muitos restaurantes litorâneos espalhados pelo Brasil.

Camarão na moranga

Ingredientes

1 moranga média
1 kg de camarão pequeno limpo
3 camarões grandes com rabo para decorar o prato
4 limões
pimenta a gosto
sal a gosto
100 ml de azeite de dendê
azeite comum
3 tomates
1 cebola média
4 dentes de alho
salsinha picada
cebolinha picada
200 g de creme de leite
250 g de requeijão ou catupiry cremoso
100 g de queijo parmesão ralado

Modo de preparo

Esprema os limões e tempere os camarões juntamente com pimenta e sal a gosto, deixando no tempero por aproximadamente 30 minutos. Não jogue fora esse tempero, pois será usado para temperar os 3 camarões grandes.

Abra uma tampa na moranga, retire todas as sementes, pincele com azeite por dentro e por fora, coloque água quente dentro (mais ou menos até a metade), cubra com papel-alumínio e leve ao forno pré-aquecido até que fique macia.

Enquanto a moranga está no forno, refogue a cebola e o alho no azeite de dendê em uma panela grande. Em seguida coloque os tomates e refogue um pouco mais. Acrescente os camarões, o requeijão e cozinhe por 3 minutos no máximo, para que não fiquem duros. Acrescente o creme de leite sem soro, um pouco de salsinha, cebolinha, o requeijão e um pouco de queijo ralado, mexendo até ficar tudo bem misturado e, em seguida, desligue o fogo.

Tempere os 3 camarões grandes no suco de limão que foi reservado anteriormente.

Se a moranga estiver macia, retire do forno, coloque o recheio e cubra com o restante do queijo ralado, da salsinha e da cebolinha. Leve novamente ao forno para gratinar.

Enquanto isso, refogue os camarões grandes no azeite para decorar a borda da moranga. Retire a moranga do forno, decore com os 3 camarões grandes e sirva esta delícia com arroz branco e farofa.

Sugestões: você poderá fazer algumas variações no modo de preparo e ingredientes. Uma opção é cozinhar a moranga em uma panela grande com água, em vez utilizar o forno. Outra variação que pode ser feita é utilizar mussarela junto ao recheio que fica muito bom também. Seja criativo que o resultado sempre poderá surpreender seus convidados, e sua receita terá sua assinatura.

By Joemir Rosa.

Cinco conselhos

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28/06/2013 by Joe

Sucesso

Dizem que água e conselho só se dão a quem pede. Mas aqui vão alguns conselhos importantes para vencer na vida. São cinco conselhos do Professor César Souza, dados a uma turma que se formou na USP.

Não confie no convencional! Estratégias de carreira que foram vitoriosas no século XX podem não servir para os dias de hoje. Fuja das carreiras lineares dentro de uma mesma empresa. Não desperdice seu talento perpetuando burocracias. Inovação, flexibilidade e agilidade serão as novas marcas registradas.

Nunca pare de crescer! O aprendizado é fundamental para o sucesso, pois o conhecimento virou um bem perecível. A única competência durável que cada um poderá dispor daqui para frente será a capacidade de aprender e de aplicar no dia-a-dia seus conhecimentos.

Concilie a vida profissional com a vida pessoal e familiar. O sucesso profissional não é tudo. Um profissional bem-sucedido também o é nas outras esferas da vida. Não deixe em segundo plano o exercício da cidadania nas comunidades onde você vive.

Sonhe alto e persiga os seus sonhos. O desejo e a determinação são a força essencial para vencer nos dias de hoje. E vão ser cada vez mais no futuro, quando as capacidades de sonhar e de criar serão vantagens competitivas.

Não siga os conselhos de ninguém, nem mesmo estes, caso não acredite neles. Siga sua intuição. Cada um sabe melhor do que ninguém o que é bom para si. A tecnologia muda diariamente, mas a chave do sucesso continua a ser escrita com seis letras: P-A-I-X-Ã-O! Apaixone-se! Caso contrário, mude, pois, de outra forma, jamais alcançará o sucesso.

By Professor César Souza.

Ajuda ao próximo

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27/06/2013 by Joe

Ajuda ao próximo

Numa noite muito chuvosa, uma senhora negra, americana, estava parada no acostamento de uma estrada no estado do Alabama enfrentando um tremendo temporal.

O carro dela tinha enguiçado e ela precisava, desesperadamente, de uma carona.

Completamente molhada, ela começou a acenar para os carros que passavam. Um jovem branco, sem muito conhecimento dos acontecimentos e conflitos raciais dos anos 60, parou para ajudá-la.

O rapaz deixou-a em um lugar protegido, procurou ajuda mecânica e chamou um táxi para ela.

Ela parecia estar realmente com muita pressa, mas conseguiu anotar o endereço dele e agradecê-lo.

Sete dias se passaram quando bateram à porta da casa do rapaz. Para sua surpresa, uma enorme TV colorida estava sendo entregue na casa dele com um bilhete que dizia:

– “Muito obrigada por me ajudar na estrada naquela noite. A chuva não só tinha encharcado minhas roupas como também meu espírito. Aí, você apareceu. Por sua causa eu consegui chegar ao leito de morte do meu marido antes que ele falecesse. Deus o abençoe por ter me ajudado. Sinceramente, Mrs. Nat King Cole”.

Desconheço a autoria.

Obstáculos

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 26/06/2013 by Joe

Pedra no caminho

Em tempos bem antigos, um rei colocou uma pedra enorme no meio de uma estrada. Então, ele se escondeu e ficou observando para ver se alguém tiraria a imensa rocha do caminho. Alguns mercadores e homens muito ricos do reino passaram por ali e simplesmente deram a volta pela pedra.

Alguns até esbravejaram contra o rei dizendo que ele não mantinha as estradas limpas, mas nenhum deles tentou sequer mover a pedra dali.

De repente, passa um camponês com uma boa carga de vegetais. Ao se aproximar da imensa rocha, ele pôs de lado a sua carga e tentou remover a rocha dali. Após muita força e suor, ele finalmente conseguiu mover a pedra para o lado da estrada.

Ele, então, voltou a pegar a sua carga de vegetais, mas notou que havia uma bolsa no local onde estava a pedra. A bolsa continha muitas moedas de ouro e uma nota escrita pelo rei que dizia que o ouro era para a pessoa que tivesse removido a pedra do caminho.

O camponês aprendeu o que muitos de nós nunca entendeu:

– “Todo obstáculo contém uma oportunidade para melhorarmos nossa condição”.

Desconheço a autoria.

Agradecimento

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/06/2013 by Joe

Agradecimento

Sempre se lembre daqueles que te serviram!

Numa época em que um sorvete custava muito menos do que hoje, um menino de 10 anos entrou na lanchonete de um hotel e sentou-se a uma mesa.

Uma garçonete colocou um copo de água na frente dele.

– “Quanto custa um sundae?” ele perguntou. – “50 centavos” respondeu a garçonete.

O menino puxou as moedas do bolso e começou a contá-las.

– “Bem, quanto custa o sorvete simples?” ele perguntou. A essa altura, mais pessoas estavam esperando por uma mesa e a garçonete, perdendo a paciência, retrucou:

– “35 centavos” – respondeu, de maneira brusca.

O menino, mais uma vez, contou as moedas e disse:

– “Eu vou querer, então, o sorvete simples”.

A garçonete trouxe o sorvete simples, a conta, colocou na mesa e saiu. O menino acabou o sorvete, pagou a conta no caixa e saiu.

Quando a garçonete voltou, ela começou a chorar, à medida que ia limpando a mesa, pois ali, do lado do prato, tinham 15 centavos em moedas… ou seja, o menino não pediu o sundae porque ele queria que sobrasse a gorjeta da garçonete.

Desconheço a autoria.

A importância de cada pessoa

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , on 24/06/2013 by Joe

A importância de cada pessoa

Durante meu segundo mês na escola de enfermagem, nosso professor nos deu um questionário. Eu era bom aluno e respondi rápido todas as questões até chegar à última:

– Qual o primeiro nome da mulher que faz a limpeza da escola ?

Sinceramente, isso parecia uma piada. Eu já tinha visto a tal mulher várias vezes. Ela era alta, cabelo escuro, lá pelos seus 50 anos, mas como eu ia saber o primeiro nome dela?

Entreguei meu teste deixando essa questão em branco e um pouco antes da aula terminar, um aluno perguntou se a última pergunta do teste ia contar na nota.

– “É claro!”, respondeu o professor. “Na sua carreira, você encontrará muitas pessoas. Todas têm seu grau de importância. Elas merecem sua atenção mesmo que seja com um simples sorriso ou um simples ‘alô’…”

Eu nunca mais esqueci essa lição e também acabei aprendendo que o nome dela era Dorothy!

Desconheço a autoria.

Inferno

Posted in Livros with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23/06/2013 by Joe

Inferno de Dan BrownLivro: Inferno
By Dan Brown
Editora Arqueiro

Neste novo e fascinante thriller, Dan Brown retoma a mistura magistral de história, arte, códigos e símbolos que o consagraram em “O Código Da Vinci”, “Anjos e Demônios” e “O Símbolo Perdido”, e faz de “Inferno” sua aposta mais alta até o momento.

No coração da Itália, Robert Langdon, o professor de simbologia de Harvard, é arrastado para um mundo angustiante centrado em uma das obras literárias mais duradouras e misteriosas da história: “O Inferno”, de Dante Alighieri.

Numa corrida contra o tempo, Langdon luta contra um adversário assustador e enfrenta um enigma engenhoso que o arrasta para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística.

O tema central de “Inferno” é o livro “A Divina Comédia”, de Dante Alighieri, mais especificamente na primeira parte, Inferno. Para quem não conhece a obra, “A Divina Comédia” não tem nada de comédia, pois narra a viagem ao inferno, purgatório e paraíso de um homem apaixonado. Recheada de críticas, a obra foi escrita em forma de poema épico e Inferno retrata uma horrível visão do lugar em que os pecadores pagam por seus crimes. Não é à toa que após o lançamento do livro de Dan Brown, a obra volte a ser alvo de olhos cheios de julgamento.

Dante descreve minuciosamente os nove círculos do Inferno, onde os pecadores são castigados pelas mais horríveis punições. Porém, não apenas a obra literária serve de guia, mas também as pinturas que por ela foram inspiradas, como as pinturas de Sandro Botticelli e Gustave Dore.

Dan Brown retornou com um livro realmente glorioso, cuja versão brasileira é bela, bem acabada e com uma capa sensacional. O livro tem 448 páginas, que podem ser lidas numa velocidade assustadora, graças ao enredo. “Inferno” já nasceu como um best-seller e uma com ótima chance de se tornar uma aventura cinematográfica melhor do que os livros anteriores.

Uma curiosidade interessante é que até a data do livro foi pensada: nos EUA o livro foi lançado em 14/5/13 um anagrama do valor aproximado do PI, 3,1415, fazendo referencia aos círculos do Inferno, de Dante.

Mais um livro imperdível!

By Joemir Rosa.

Quiche Lorraine

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 22/06/2013 by Joe

Quiche Lorraine

A quiche é uma torta aberta, com recheio a base de creme de leite e ovos, e originalmente recheada com bacon. Hoje é possível encontrar diversos recheios, como alho-poró, espinafre, legumes, rúcula, cogumelos, salmão, acrescentado sempre um queijo, seja ele parmesão, gruyére, camembert, roquefort ou brie.

A palavra “quiche” vem do alemão “Küchen” (torta). A quiche é um prato originário da Alsácia Lorena, que atualmente faz parte do nordeste da França e faz fronteira com a Alemanha. A região da Alsácia Lorena por diversas vezes foi comandada pelos alemães e foi palco de diversas brigas por território entre franceses e alemães.

Quando a quiche foi criada, a região que hoje é a Alsácia Lorena era uma província alemã, e se chamava “Lothringen” que, em português, significa “Lorena” e em francês “Lorraine”. Depois de muitas batalhas entre eles, na primeira e na segunda guerra mundial, a França retomou a Alsácia Lorena em 1945, e os franceses batizaram a quiche de “Quiche Lorraine”.

Como se pode perceber, a quiche possui uma origem bastante conturbada, influenciada pela disputa territorial pela Alsácia Lorena. O certo é que a quiche é de origem alemã, mas é um prato típico, tradicional e de excelência francesa.

A massa usada para fazer uma quiche é a patê brisée, que tem como base manteiga e farinha, e que fica quebradiça quando pronta. A quiche é um tipo de torta, mas difere das outras pelo fato de ser aberta e não tampada, e seu recheio que envolve creme de leite, ovos e noz moscada.

A quiche hoje é conhecida e apreciada por todo o mundo por ser um prato tão saboroso e interessante de servir em qualquer ocasião. A popularização da quiche começou após a segunda guerra mundial, primeiro ganhando apreciadores na Inglaterra, e depois, na década de 50, nos Estados Unidos e a partir daí ganhando fama mundial.

A quiche pode ser servida em um almoço, jantar, café da tarde ou até como entrada de uma refeição, variando os recheios de acordo com a criatividade de cada um (fonte de pesquisa: The Nibble Magazine).

A receita deste sábado é essa tentação de origem francesa, cujos recheios podem variar de acordo com o gosto de cada um. Veja aqui a receita de um quiche de frango.

Quiche Lorraine

Ingredientes

Massa

2 xícaras de farinha de trigo
125 g de manteiga gelada cortada em pedacinhos
1 ovo
sal a gosto
2 colheres (30 ml) de água gelada
manteiga e farinha de trigo para untar a forma

Recheio

1/2 xícara de bacon picado
4 ovos
1 xícara de creme de leite fresco
2 xícaras de queijo gruyère ralado grosso
sal e noz-moscada a gosto
1/4 de xícara de sálvia fresca inteira

Modo de preparo

Para a massa, misture a farinha, o sal e a manteiga com a ponta dos dedos, até formar uma farofa. Vá acrescentando 1/2 xícara de água gelada aos poucos, até que a massa fique homogênea. Como a massa tem uma grande quantidade de manteiga, é importante não ficar tabalhando a massa por muito tempo, pois os dedos quentes podem derretê-la. Dois a três minutos são suficientes. Molde uma bola com a massa e deixe na geladeira, embrulhada em filme plástico, por 15 minutos.

Em seguida, abra a massa em uma superfície lisa e enfarinhada com o auxílio de um rolo, Unte e enfarinhe uma forma de 20 cm de diâmetro. Forre o fundo e as laterais da forma com a massa. Com as pontas de um garfo, fure toda a massa para evitar que se formem bolhas e quebra da massa. Pré-aqueça o forno em temperatura média (180º C) e leve a massa para dar uma pré-assada por uns 7 a 10 minutos.

Para o recheio, frite o bacon em uma frigideira antiaderente até dourar. Retire e deixe escorrer sobre papel-toalha.

Em uma tigela, bata ligeiramente os ovos, junte o creme de leite e o queijo gruyère ralado e misture. Tempere com sal e noz-moscada e acrescente o bacon. Despeje a mistura na forma, sobre a massa pré-assada, distribua a sálvia e volte novamente ao forno por mais uns 15 ou 20 minutos ou até começar a dourar e o recheio ficar firme. Desenforme. Sirva quente ou morna.

Para saber se a quiche está assada, abra o forno e, com cuidado, balance ligeiramente a fôrma. Se o recheio estiver um pouco mole no centro e mais firme nas laterais, ela está pronta.

Caso prefira, monte a receita em forminhas individuais.

By Joemir Rosa.

Não julgue pelas aparências

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 21/06/2013 by Joe

Não julgue pelas aparências

Um menino entrou numa loja de animais e perguntou o preço dos filhotes.

– “Entre R$ 300,00 e R$ 500,00”, respondeu o dono.

O garoto puxou, então, uns trocados do bolso e disse:

– “Mas, eu só tenho R$ 10,00 … Poderia ver os filhotes?”

O dono da loja chamou a mãe dos cachorrinhos, que veio correndo, seguida por cinco filhotinhos. Um dos cachorrinhos vinha mais atrás, com dificuldade, mancando. O menino apontou aquele bichinho e perguntou:

– “O que há de errado com ele?”

O proprietário do lugar explicou que ele tinha um problema no quadril e andaria daquele jeito para sempre. A criança se animou e disse com enorme alegria no olhar:

– “Esse é o cachorrinho que eu quero comprar!”

O dono da loja estranhou e retrucou:

– “Não, você não vai querer comprar esse. Mas, se quiser ficar com ele, eu lhe dou de presente”.

O menino emudeceu… olhou para o dono da loja e falou:

– “Eu não quero que você me dê aquele cachorrinho, pois ele vale tanto quanto qualquer um dos outros. Vou pagar o preço que me for pedido. Na verdade, eu lhe dou R$ 10,00 agora e R$ 1,00 por mês, até completar o valor total”.

Surpreso, o dono da loja contestou:

– “Mas este cachorrinho nunca vai poder correr pular e brincar com você como qualquer um dos outros…”

Sério, o menino levantou lentamente a perna esquerda da calça, deixando à mostra a prótese que usava para andar.

– “Veja. Eu também não corro muito bem e o cachorrinho vai precisar de alguém que entenda isso”.

Desconheço a autoria.

%d blogueiros gostam disto: