Arquivo de setembro, 2012

O Resgate do Tigre

Posted in Livros with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/09/2012 by Joe

Livro: O Resgate do Tigre
By Colleen Houck
Editora Arqueiro

Fé. Confiança. Desejo. Até onde você iria para libertar a pessoa amada?

Neste segundo volume (veja detalhes do primeiro volume, A Maldição do Tigre, neste link) da Saga dos Tigres, a autora nos leva de volta a India e à jornada de Kelsey na busca pelos presentes da deusa indiana Durga, necessários para acabar com a maldição dos dois príncipes, que fez com que Dhiren e Kishan vivessem durante séculos aprisiona- dos na forma de tigres – um branco e outro negro.

Kelsey Hayes nunca imaginou que seus 18 anos lhe reservassem experiências tão loucas!

Além de lutar contra macacos d’água imortais e se embrenhar pelas selvas indianas, ela se apaixonou por Ren, um príncipe indiano amaldiçoado que já viveu 300 anos.

Agora que ameaças terríveis obrigam Kelsey a encarar uma nova busca – desta vez com Kishan, o irmão bad boy de Ren – a dupla improvável começa a questionar seu destino. A vida de Ren está por um fio, assim como a verdade no coração de Kelsey.

Um livro repleto de romance, ação e surpresas que fluem com uma velocidade incrível, tornando maravilhosa a leitura deste segundo volume! Sem contar os diversos momentos em que a autora nos apresenta detalhes sobre a cultura da China e da India, tudo de uma forma didática, sem ficar cansativo para o leitor.

Com o dobro de ação, aventura e romance, este livro oferece a seus leitores uma experiência arrebatadora da primeira à última página.

A épica Saga dos Tigres já foi lançada em 18 países e ocupou os primeiros lugares na lista dos mais vendidos do The New York Times e cujos direitos para adaptação cinematográfica já foram comprados pela Paramount.

“Colleen nos seduz com seu conto de fadas ágil e original que tem como exótico pano de fundo a cultura e a religião indianas.” – MTV.com.

By Joemir Rosa.

Minestrone

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/09/2012 by Joe

A sopa, junto com o pão, foi a primeira refeição completa da história da humanidade.

Caldos, consommés, veloutés … palavras tão complicadas para algo tão simples e nutritivo como um belo prato de sopa!

O antigo vocábulo “sop”, em latim arcaico, significava o pão sobre o qual se despejava o caldo quente. Sua história vem de muito tempo atrás, sendo a mesma consumida pelo homem desde a Idade da Pedra.

Sabe-se que há milhares de anos, a sopa era o principal alimento dos camponeses em todos os cantos do planeta. Até mesmo na arte, o prato era celebrado nas telas de grandes pintores – onde os personagens satisfaziam sua fome bebendo uma tigela deste alimento.

Na Grécia, há milhares de anos, ficou famoso um “caldo negro” da cidade de Esparta, onde era preparado com sangue de alguns animais, misturado a vinagre e especiarias. Era também costume colorir as sopas com açafrão, para ficarem
amareladas, ou amêndoas, para deixá-las brancas.

Daquela época até a atualidade muita coisa mudou, a sopa adaptou-se às diversas culturas e gerou inúmeras variações como, por exemplo, o Minestrone (italiana); Won Ton (chinesa); o Caldo Verde (portuguesa); Gaspacho (espanhol), Consommés (francês); o Oxtail (inglês), entre tantas outras.

O prato deste sábado é o Minestrone, de origem italiana, cujo nome vem da palavra minestra (sopa) acrescida do sufixo one, significando sopão, ou seja, uma sopa com vários ingredientes, muito espessa, composta por uma grande variedade de legumes cortados e, quase sempre, arroz ou macarrão. Os ingredientes mais usados são: tomates, feijões, cebolas, cenouras, aipo, toucinho, caldo de galinha, de carne, etc.

Não existe uma receita específica para o minestrone, justamente por ele ser feito com quaisquer legumes da época. O minestrone pode ser vegetariano, conter carne, ou conter algum caldo à base de carne.

Embora o inverno já tenha terminado, os últimos dias têm sido frios e as noites geladas. Então, aproveitando esta oportunidade, vamos à receita de um minestrone típico que, além de ser uma refeição deliciosa, ainda ajuda a esquentar e dar aquela sensação de bem-estar e prazer!

Minestrone

Ingredientes

4 colheres (sopa) de azeite de oliva
50 g de bacon cortado em cubinhos
1 cebola média picada
200 g de carne de primeira cortada em tirinhas
1 alho-poró bem picado
1 talo de salsão bem picado
1 cenoura cortada em cubinhos
1 batata média picada em cubos
2 tomates picados, sem pele e sem sementes
1/2 repolho pequeno cortado em tirinhas
1,5 litros de caldo de carne (2 cubinhos dissolvidos)
200 g de feijão cozido em água e sal
200 g de macarrão conchinha

Modo de preparo

Em uma panela, coloque o azeite, aqueça e frite o bacon e a cebola. Adicione a carne e frite bem. Coloque o alho-poró, o salsão, a cenoura e a batata e refogue bem. Em seguida, acrescente o purê de tomate, vá despejando o caldo de carne, misture bem e deixe ferver em fogo baixo até que os legumes fiquem macios.

Acrescente o feijão e o repolho, misture tudo muito bem e, por fim, o macarrão. Deixe cozinhar até que o macarrão esteja no ponto, de preferência “al dente”. Acerte o sal, se precisar. Caso seja necessário, adicione mais um pouco de água quente, não esquecendo que o Minestrone é uma sopa mais grossa, encorpada.

Sirva bem quente, com um fio de azeite e, se gostar, queijo parmesão ralado.

By Joemir Rosa.

Corra mais riscos

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28/09/2012 by Joe

Rir é arriscar-se a parecer tolo.

Chorar é arriscar-se a parecer sentimental.

Estender a mão aos outros é arriscar-se a se envolver.

Mostrar os seus sentimentos é expor a sua humanidade.

Expor suas ideias e sonhos diante do povo é arriscar a sua perda.

Amar é arriscar-se a não ser amado.

Tentar é arriscar-se ao fracasso.

Mas os riscos têm que ser corridos, pois o maior perigo na vida é não arriscar nada.

A pessoa que não arrisca nada não faz nada, não tem nada e não é nada. Pode evitar o sofrimento e o pesar, mas não pode aprender, sentir, mudar, crescer, viver ou amar.

Acorrentado por suas certezas e vícios, é um escravo. Sacrificou o seu maior predicado, que é a sua liberdade individual.

Só a pessoa que arrisca é livre.

By Leo Buscaglia, do livro “Vivendo, Amando e Aprendendo.

O coração como método

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27/09/2012 by Joe

O homem pode funcionar a partir de três centros: um é a cabeça, outro é o coração e o terceiro é o umbigo!

Quando você funciona a partir da cabeça, você produz pensamentos e pensamentos e pensamentos. Eles são muito insubstanciais, da matéria dos sonhos – eles prometem muito e não entregam nada.

A mente é uma tremenda trapaceira, tem uma grande capacidade de iludir porque ela pode projetar. Ela pode lhe dar grandes utopias, grandes desejos e vai sempre dizendo: “Amanhã vai acontecer…” e nunca acontece. Nada acontece na cabeça – a cabeça não é o lugar para as coisas acontecerem.

O segundo centro é o coração. É o centro do sentir – sentimos através do coração. Você está mais perto de casa – não ainda em casa, mas mais próximo. Quando você sente, você é mais substancial, você tem mais solidez. Quando você sente há a possibilidade de algo acontecer.

Não há nenhuma possibilidade com a cabeça, mas há uma pequena possibilidade com o coração!

A coisa real não é o coração ainda. A coisa real é mais profunda que o coração – é o umbigo. É o centro do ser.

Pensar, sentir e ser – esses são os três centros. Mas, certamente, o sentir está mais próximo do ser do que o pensar, e o sentir funciona como um método.

Se você quiser descer da cabeça, precisará passar pelo coração – esse é o ponto de cruzamento onde as estradas se separam. Você não pode ir diretamente ao ser, não é possível; você precisará passar pelo coração. Assim, o coração deve ser usado como um método.

Sinta mais e você pensará menos. Não lute contra os pensamentos, porque lutar contra os pensamentos significa, novamente, criar outros pensamentos de luta. Então, a mente nunca é derrotada. Se você ganhar, foi a mente que venceu; se você for derrotado, você é o derrotado.

Nunca lute contra os pensamentos; isso é inútil. Em vez de lutar contra os pensamentos, mova a sua energia para o sentir. Cante em vez de pensar, ame em vez de filosofar, leia poesia em vez da prosa. Dance, olhe a natureza, e tudo o que você fizer, faça-o através do coração.

Por exemplo, quando você tocar alguém, toque com o coração, toque sentindo, deixe seu ser vibrar. Quando olhar para alguém, não olhe simplesmente com olhos mortos como pedra. Deixe sua energia verter através dos olhos e, imediatamente, você sentirá que algo está acontecendo no coração. É apenas uma questão de experimentar.

O coração é o centro negligenciado. Quando você começa a prestar atenção nele, ele começa a funcionar. Quando ele começa a funcionar, a energia que estava automaticamente indo para a mente, começa a se mover através do coração. E o coração está mais próximo do centro de energia. O centro de energia está no umbigo. Assim, bombear energia para a cabeça é, na verdade, um trabalho árduo.

É para isso que existem todos os sistemas educacionais: para ensiná-lo a bombear energia do centro, diretamente para a cabeça. De fato, todo o sistema educacional desenvolvido em todo o mundo é para ensiná-lo a evitar o coração, a como tornar-se mais e mais mental e a como bombear a energia diretamente para a cabeça.

Assim, o amor é negado, o sentimento é negado, condenado – é quase um pecado sentir. A pessoa tem de ser lógica e racional, não emocional. Se você for emocional, as pessoas dirão que você é infantil – de certa forma, eles estão literalmente certos, porque só uma criança sente.

Uma pessoa adulta instruída, culta, condicionada, para de sentir. Ela se torna quase seca, madeira morta – não flui mais nenhum sumo dali. Daí haver tanto sofrimento: o sofrimento é por causa da cabeça.

A cabeça não pode celebrar, não há nenhuma celebração possível através da cabeça – ela pode pensar sobre e sobre e sobre, mas ela não pode celebrar. A celebração acontece através do coração.

Assim, a primeira coisa é começar a sentir cada vez mais e mais. Torne-se uma morada de amor, um santuário de amor; este é o primeiro passo. Uma vez que você dê este primeiro passo, o segundo será muito, muito fácil.

Primeiro, você ama – a metade da jornada está completa. E, assim como é fácil mover-se da cabeça para o coração, é ainda mais fácil mover-se do coração para o umbigo. No umbigo você é simplesmente um ser, puro ser.

By Osho, da obra “For Madmen Only”.

Estar apaixonado faz bem à saúde

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 26/09/2012 by Joe

Inspiração de músicas de vários rítmos, gás para o roteiro de grandes produções cinematográficas e forte como um tornado para deixar nossa vida de cabeça para baixo. O sentimento da paixão é suficiente para turbinar qualquer vida morna e ocupar a mente de qualquer mortal.

O que poucos sabem é que, quando nosso coração bate mais forte do que de costume, nosso corpo agradece as doses de substâncias que trazem benefícios, desde o fio de cabelo até até o dedão do pé.

Especialistas garantem que a paixão ajuda no bom funcionamento do corpo. Diferentes pesquisas mostram que a paixão libera endorfinas, substâncias produzidas pelo cérebro que acionam e estimulam o circuito neuronal do prazer, estimulando o corpo como um todo. Assim, a pele fica mais bonita, a pessoa tem mais vontade de se cuidar, o mundo passa a ter um significado positivo e as situações felizes são mais valorizadas. A paixão traz felicidade e as pesquisas também apontam que ser feliz torna a saúde melhor.

No cérebro, a região que rege os nossos sentimentos primitivos, como raiva, alegria e tristeza, recebe mais sangue e os neurotransmissores apresentam atividade mais intensa quando o indivíduo pensa na pessoa por quem está apaixonada e amando.

A paixão traz consigo a calma, tranquilidade, energia, motivação e a sensação de otimismo. Ao longo do envolvimento amoroso, a pessoa também procura cuidar mais de si mesma, desde fazer exercícios, passando pela preocupação com a frequência às visitas ao médico, aos cuidados com a saúde e chegando até à vontade de mudar o visual.

Uma maneira importante para fortalecer a paixão é o sexo. A combinação de ambos contribui para uma aproximação maior do casal. Além de queimar calorias e fazer bem à saúde, estimula a autoestima de ambos.

O ser humano passa por um processo delicado durante o relacionamento afetivo. Após alguns meses de paixão, outras regiões do cérebro são estimuladas e um sentimento mais duradouro entra de vez em cena: o amor. Ele é considerado a ligação mais sólida e densa – o que estimula substâncias diferentes no corpo, como a ocitocina nas mulheres e vasopressina nos homens. É o momento que, enfim, encontramos aquele modelo de ser humano que criamos ao longo de nossa vida!

By Maria Izabel Calil Stamato, doutora em psicologia social.

Ah, se…

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/09/2012 by Joe

Se quem luta por um mundo melhor soubesse que toda revolução começa por revolucionar antes a si próprio…

Se aqueles que vivem intoxicando sua família e seus amigos com reclamações fechassem um pouco a boca e abrissem suas cabeças, reconhecendo que são responsáveis por tudo o que lhes acontece…

Se as diferenças fossem aceitas naturalmente e só nos defendêssemos contra quem nos faz mal…

Se todas as religiões fossem fiéis a seus preceitos, enaltecendo apenas o amor e a paz, sem se envolver com as escolhas particulares de seus devotos…

Se a gente percebesse que tudo o que é feito em nome do amor (e isso não inclui o ciúme e a posse) tem 100% de chance de gerar boas reações e resultados positivos…

Se as pessoas fossem seguras o suficiente para tolerar opiniões contrárias às suas sem precisar agredir e despejar sua raiva…

Se fôssemos mais divertidos para nos vestir e mobiliar nossa casa, e menos reféns de convencionalismos…

Se não tivéssemos tanto medo da solidão e não fizéssemos tanta besteira para evitá-la…

Se todos lessem bons livros…

Se as pessoas soubessem que quase sempre vale mais a pena gastar dinheiro com coisas que não vão para dentro dos armários, como viagens, filmes e festas para celebrar a vida…

Se valorizássemos o cachorro-quente tanto quanto o caviar…

Se mudássemos o foco e concluíssemos que infelicidade não existe, o que existe são apenas momentos infelizes…

Se percebêssemos a diferença entre ter uma vida sensacional e uma vida sensacionalista…

Se acreditássemos que uma pessoa é sempre mais valiosa do que uma instituição: é a instituição que deve servir a ela, e não o contrário…

Se quem não tem bom humor reconhecesse sua falta e fizesse dessa busca a mais importante da sua vida…

Se as pessoas não se manifestassem agressivamente contra tudo só para tentar provar que são inteligentes…

Se em vez de lutar para não envelhecer, lutássemos para não emburrecer…

Ah, se…

By Martha Medeiros.

O princípio da fartura

Posted in Inspiração, Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/09/2012 by Joe

A razão pela qual ninguém pode dizer quantas maçãs existem numa semente é que a resposta é: infinitas!

Sem fim. É nisso que consiste o princípio da fartura: infinidade.

Parece um paradoxo, porque nós, como formas humanas, parecemos começar e terminar num período de tempo específico e, portanto, a infinidade não faz parte de nossa experiência em forma.

Mas é difícil imaginar que o Universo tenha fronteiras ou que ele simplesmente termine em algum lugar. Se termina, o que há no fim, e  o que há do outro lado do que é o fim?  Assim, sugiro que o Universo não tem fim e que não há um fim para o que você pode ter para si mesmo quando este princípio tornar-se parte de sua vida.

Já vimos que uma grande parte do que somos como seres humanos não tem forma, e que esta parte, os pensamentos, não tem limites. E disso eu deduzo que nós também somos infinitos. Consequentemente, a fartura, com sua ausência de fronteiras e limites, é a própria senha do Universo. Aplica-se a nós todos tanto quanto a tudo o mais no Universo.

Deveríamos ser conscientes da abundância e da prosperidade e não fazer da escassez a pedra angular de nossas vidas. Se temos uma mentalidade de escassez, significa que acreditamos em escassez, que avaliamos nossas vidas em termos de suas carências. Se nos fixamos na escassez, estamos colocando energia no que não temos, e esta continua a ser a nossa experiência de vida.

O tema da história da vida de tantas pessoas:

“Eu  simplesmente não tenho o suficiente”.

“Como posso acreditar em fartura quando meus filhos não têm nem as roupas de que precisam?”.

“Eu seria muito mais feliz se tivesse…”

As pessoas acreditam que vivem uma vida de escassez porque não têm sorte, em vez de reconhecerem que seu sistema de crenças está enraizado no pensamento de escassez. E assim, enquanto viverem com uma mentalidade de escassez, isto é o que atrairão às  suas vidas. Tudo que seria necessário para eliminar esta condição de vida já está aqui neste mundo em que vivemos e respiramos. Todos os dias. Onde mais poderia estar?

A verdade é que existe o bastante para todos no Universo, e somos parte deste Universo infinito. Quando, sinceramente, acreditarmos neste princípio, nós o veremos funcionar para nós de milhares de maneiras diferentes. Todas as pessoas que conheci, que passaram de uma vida de escassez para uma de fartura, descobriram como acreditar e viver este princípio. E digo todas as pessoas mesmo, inclusive eu. Mas como nos livramos de uma mentalidade de escassez?

O primeiro passo para descartar uma mentalidade de escassez é compreender e dar graças por tudo que você é e tudo que você tem.

É assim mesmo – agradeça, mas não de uma maneira inexpressiva. Aprecie verdadeiramente o milagre que é você. O fato de estar vivo. De ter olhos, ouvidos, pés, e de estar aqui neste exato instante, neste sonho maravilhoso. Faça um esforço para  começar a se concentrar no que você tem, e não naquilo que lhe falta.

Nada falta. Como poderia te faltar alguma coisa num Universo perfeito?

Quando você começa a se concentrar em ser agradecido por tudo que tem – a água que bebe, o sol que o aquece, o ar que respira e tudo que é uma dádiva de Deus – você estará usando seus pensamentos (sua essência inteira) para se fixar na abundância e na sua humanidade.

Lembre-se de que você é uma célula única no corpo da humanidade, e esta célula requer harmonia interior a fim de cooperar com as células adjacentes.

Quando você assim proceder, sua energia mudará para o milagre de você estar aqui.

Enquanto estiver concentrado no milagre que você é e no milagre de tudo que o cerca, você não pode estar concentrado no que não é e no que parece estar faltando no seu mundo. À medida que praticar ser agradecido, vá aumentando a lista pelas coisas pelas quais você agradece.

Amigos e família. Roupas e alimentos. Qualquer dinheiro que tenha. Todos os seus bens, tudo que tenha surgido em sua vida para você usar enquanto está aqui.

Enfim, toda e qualquer coisa!

O lápis, o garfo, a cadeira, tudo. Comece a se concentrar no quanto você é agradecido por ter todas estas coisas em sua vida agora, quando precisa delas. Pense nelas como suas para usar temporariamente antes de devolvê-las para à Circulação.

Quando estiver pronto para iniciar o processo de ser agradecido por todos e tudo que surgem em sua vida, bem como apreciar sua própria humanidade, você estará no caminho para eliminar a mentalidade da escassez.

Tudo em que você focaliza seus pensamentos, se expande!

Leia de novo.

Tudo em que você focaliza seus pensamentos, se expande!

É perfeitamente lógico. Tudo que você tende a  pensar é o que você se concentra e é o que você cria mais. Por exemplo, se você tem algumas dívidas e algum capital e todo o  seu foco é o que você tem, você expandirá seu capital.

Se o  capital é de apenas quinhentos reais e suas dívidas são de cinco mil, e você se concentra no dinheiro que tem, você começará a fazer alguma coisa com ele. O que quer que faça com ele de maneira positiva ajudará a expandí-lo.

Ao contrário, se você concentra todos os seus pensamentos no seu endividamento, sempre lembrando a si mesmo o quanto é pobre, fazendo disso o foco de sua vida emocional, será precisamente isso o que expandirá!

Isso é perfeitamente claro quando se trata de pequenas doenças. Se você se concentra em seu resfriado, sempre falando nisso, sempre se queixando a todos com quem encontra o quanto se sente mal, você expandirá o que está sufocando.

Isto é, sua energia fluirá para o resfriado de que você tanto se orgulha. Mas se você se concentra na grande parte de você que não está doente e diz às outras pessoas o quanto se sente bem, você expandirá seu bem-estar .

Nós agimos segundo nossos pensamentos. Estes pensamentos literalmente se tornam nossa experiência diária de vida. Em consequência, se você despende uma grande parte da energia de sua vida concentrando-se em escassez, isto é o que você vai expandir em sua vida.

Para vivenciar somente a fartura, você na verdade tem que, deliberadamente, resistir à concentrar-se em escassez.

Quando você vive e respira prosperidade, e age com a crença de que existe um enorme suprimento de tudo, e de que todos temos o direito a ter tudo que podemos ter, você começa ativamente a tratar a si e os outros desta forma.

Este princípio aplica-se à aquisição de riqueza, felicidade pessoal, saúde, atividades intelectuais e tudo o mais.

Está relacionado à antiga promessa bíblica:

“Ao que tem, mais deve ser dado”.

Realmente dá certo. Este Universo é um empreendimento incomensuravelmente grande, grande demais para que qualquer um de nós comece a percebê-lo da perspectiva dos limites do nosso corpo.

A fartura reina por toda a parte.

Os únicos limites que temos são os que alimentamos com nossa crença nestes mesmos limites.

By Wayne Dyer.

%d blogueiros gostam disto: