Arquivo para Aperitivo

Caponata Siciliana

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/05/2014 by Joe

Caponata Siciliana

Esse delicioso prato tem uma história de mais de 1.000 anos!

Quando em 17 de junho de 827 os árabes desembarcaram em Cabo Granitola, perto de Mazara del Vallo e começaram a conquista da Sicília, não sabiam que sua presença iria afetar tão profundamente também na cozinha siciliana.

Entre os produtos e costumes dos árabes levados para a Sicília, a berinjela era um vegetal não conhecido antes de sua invasão. Este vegetal, que é a base de muitas receitas da cozinha siciliana, é o ingrediente chave de berinjela caponata.

Outro ingrediente muito importante, o tomate, voltaria às Américas cerca de 700 anos mais tarde, através de Cristóvão Colombo.

Os demais ingredientes – cebolas, azeitonas, alcaparras, aipo, vinagre e açúcar – já eram conhecidos e usados.

A caponata de berinjela é um aperitivo (entrada) que pode ser servido com um bom pão cozido em forno de lenha e um bom vinho branco. Ou com pão italiano, ligeiramente aquecido em forno.

A receita original é a que segue, sendo admitidas algumas variações em seus ingredientes e temperos.

Caponata Siciliana

500 gramas de berinjelas
200 gramas de cebolas roxas bem picadas
100 gramas de aipo
50 gramas de alcaparras salgadas, lavadas e escorridas
100 gramas de azeitonas verdes picadas
300 gramas de tomates maduros sem pele e sem sementes cortados em cubos
20 gramas de manjericão
20 gramas de amêndoas tostadas e laminadas
20 gramas de nozes
150 ml de vinagre de vinho tinto
azeite extra-virgem a gosto
sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo

Coloque uma panela com água para ferver. Corte o aipo em pedaços pequenos (mais ou menos, 1 cm) e escalde-os em água fervente por uns 3 minutos. Escorra e reserve.

Lave bem as berinjelas, corte em cubos, polvilhe com sal e deixe escorrer em uma peneira por, pelo menos, 1 hora. Após este tempo, seque-os com um pano.

Em uma frigideira, coloque a cebola com umas 4 colheres de azeite, cubra e refogue por uns 2 minutos. Adicione o aipo, uma pitada de sal e deixe refogar até que fiquem macios. Reserve.

Em outra frigideira, aqueça uma certa quantidade de azeite suficiente e coloque uma pequena quantidade de berinjelas para dourar. Repita a operação com toda a porção. Retire-as da frigideira e reserve em papel-toalha.

Na mesma frigideira, refogue os tomates por alguns minutos e coloque algumas folhas de manjericão para saborizá-los. Adicione as berinjelas reservadas, o aipo e as cebolas, um toque de pimenta do reino, acerte o sal, se necessário, e deixe cozinhar até que fiquem macios.

Em seguida, acrescente as amêndoas laminadas, as nozes, as alcaparras e as azeitonas. Por último, o vinagre de vinho tinto. Mexa tudo muito bem, desligue o fogo, regue com azeite e deixe esfriar.

Na hora de saborear, decore com folhas de manjericão e sirva com pão italiano ligeiramente aquecido e um vinho branco de ótima qualidade!

By Joemir Rosa.

Coxinha de frango picante

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/11/2013 by Joe

Coxinha de frango picante

Este salgadinho, muito apreciado por todos nas festas de aniversários, casamentos e nos butecos espalhados por todos os recantos do nosso país, tem sua origem perdida no tempo e na memória do povo brasileiro.

A primeira história nos conta que seria uma derivação dos croquetes europeus. O seu recheio de frango ou galinha é muito popular na culinária francesa; porém, a introdução do catupiry é tipicamente brasileira.

A segunda, publicada no livro “Histórias e Receitas”, de Nadir Cavazin, nos conta que o filho da Princesa Isabel e do Conde D’Eu, uma criança que foi afastada da corte por ter supostos problemas mentais, tinha o frango como prato favorito, mas só comia as coxas. E aconteceu que, um dia, por não ter coxas e frangos suficientes, a cozinheira decidiu transformar um frango inteiro em coxas, desfiando-o e preparando-o como recheio de uma massa de farinha de trigo. O menino aprovou o resultado, e a Imperatriz Tereza Cristina, quando foi visitá-lo, não resistiu, saboreou a guloseima, e gostou tanto que solicitou que o mestre da cozinha imperial aprendesse a receita. Assim, a coxinha ganhou a nobreza.

A terceira história conta que a coxinha teria sido criada em 1810 em uma cidade do sul do Amazonas chamada Tefé. Conta que um grupo de seringueiros foi atacado por índios, e que eles teriam fugido e deixado para trás as galinhas que criavam. Os índios, em comemoração pela vitória, resolveram cozinhar as galinhas e envolvê-las em massa à base de farinha de mandioca.

E a última história nos conta que a coxinha teria sido inventada pelos escravos, que, na falta de alimentos, juntavam os restos de comida, retiravam os ossos das galinhas, envolviam em uma massa e fritavam.

Seja qual for a verdadeira origem deste salgadinho, algumas coisas são certas: ele é delicioso, faz parte da gastronomia brasileira e é impossível comer um só!

E, como todos os pratos, existem inúmeras variações no preparo, dos ingredientes e dos acompanhamentos.

A receita de hoje é focada justamente numa dessas variações, preparada com um recheio deliciosamente picante que vai agradar a todos que já apreciam este aperitivo!

Coxinha de frango picante

Ingredientes

Massa

1 kg de mandioca cozida e amassada
1 colher (sopa) de manteiga
2 ovos
1 xícara (chá) de queijo parmesão ralado
farinha de trigo suficiente para dar o ponto

Recheio

1 kg de peito de frango picado na ponta da faca
1 cebola média ralada
1/3 xícara (chá) de óleo de milho
2 colheres (sopa) de óleo de gergelim torrado
1 colher (sopa) de curry em pó
1 colher (sopa) de folhas de manjericão picadas
1 colher (sopa) de gengibre bem picado ou ralado
1 xícara (chá) de caldo de frango
3 colheres (sopa) de açúcar mascavo
sal e pimenta a gosto
farinha de rosca suficiente para empanar

Modo de preparo

Massa

Leve ao fogo uma panela, coloque a manteiga, a mandioca amassada, os ovos, o queijo e vá adicionando a farinha de trigo, mexendo sempre para que fique uma massa homogênea e vá cozinhando até dar o ponto certo. Este ponto é quando ela desgrudar do fundo da panela. Reserve.

Recheio

Tempere o frango picado com sal e pimenta. Reserve.

Em outra panela, refogue a cebola no óleo de milho, adicione o curry e o óleo de gergelim e misture bem. Junte o frango e refogue.

Adicione as folhas de manjericão, o caldo, o gengibre e o açúcar. Cozinhe em fogo médio até secar o excesso de líquido, deixando o recheio apenas úmido. Acerte o sal e a pimenta.

Montagem

Molde as coxinhas com a massa, coloque o recheio e passe na farinha de rosca. Frite por imersão, em óleo bem quente.

Sirva como aperitivo, acompanhado de uma cerveja bem gelada!

By Joemir Rosa.

Batatinhas aperitivo

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/03/2013 by Joe

Batatinhas aperitivo

Dias de calor pedem bebidas geladas para amenizar as altas temperaturas! E, para acompanhar, nada melhor que um delicioso aperitivo, também conhecido como tira-gosto!

A origem do termo tira-gosto se perde no tempo. A criatividade e os ingredientes disponíveis é que iriam determinar a qualidade e o sabor desses “aceleradores” da fome!

Muitas receitas foram criadas, a maior parte delas dentro de casa e hoje, com a expansão dos barzinhos e de concursos anuais como o “Comida de Boteco”, é cada vez mais comum encontrarmos pratos mais elaborados, deliciosos!

Pena que os pratos mais clássicos acabam se perdendo no tempo, ou ficando restritos à bares e butecos nas periferias.

O que não podemos negar é que o tira-gosto é mesmo uma presença obrigatória como acompanhamento de uma cerveja bem gelada, por exemplo.

Já publicamos algumas receitas de pratos que funcionam bem como tira-gosto, como o bolinho de bacalhau, o falafel, a bloomin’ onion, só pra darmos alguns exemplos.

E hoje vamos nos ater a uma receita tradicional de tira-gosto, bem simples, mas muito saborosa!

Batatinhas aperitivo

Ingredientes

1 kg de batata bolinha
2 cebolas pequenas picadas
2 dentes de alho
½ xícara (chá) de azeite
sal a gosto
1 xícara (chá) de azeitonas pretas e verdes
2 colheres (sopa) de orégano
1 pimenta dedo-de-moça sem sementes, picadas

Modo de preparo

Lave bem as batatas e cozinhe-as com a casca em bastante água por 20 minutos ou até ficarem macias.

No liquidificador, bata a cebola, o alho, o azeite e uma pitada de sal, até obter uma pasta. Escorra a batata e, com ela ainda quente, adicione o tempero batido, as azeitonas, o orégano, a pimenta e sal. Mexa bem com cuidado para não quebrar as batatas.

Deixe esfriar, ponha em um recipiente bem fechado e armazene na geladeira até a hora de servir.

Podem ser servidas com salada verde ou como aperitivo.

By Joemir Rosa.

Batatas com carne-seca e requeijão

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/01/2013 by Joe

Batata com carne-seca e queijão

Contam os pesquisadores que a batata teve origem nas regiões montanhosas da América do Sul, mais precisamente, nas Cordilheiras dos Andes, onde começaram a ser cultivadas pelos índios andinos que viviam nessas áreas há uns 8.000 anos.

Ao contrário de muitos outros alimentos, as batatas foram capazes de ser cultivadas nas altitudes elevadas típicas daquela região e acabaram se tornando um alimento básico para aquelas pessoas.

Da família das solanáceas (Solanun tuberosum), as batatas são boas fontes de vitamina C, e foram posteriormente utilizadas em navios espanhóis para evitar o escorbuto. Elas foram introduzidos na Europa através dos exploradores espanhóis, que as descobriram na América do Sul, no início do século XVI, e se tornaram um importante alimento também naquele continente.

Atualmente, o tubérculo é o quarto alimento mais consumido do mundo, com milhares de variedades de diferentes cores, sabores e tamanhos, sendo utilizadas em receitas no mundo todo. O maior produtor mundial é a China, cuja produção em conjunto com a da Índia corresponde a mais de um terço da produção mundial.

Graças à sua versatilidade na gastronomia, a batata pode ser utilizada de muitas e variadas formas. Há tempos publiquei as receitas de Batata Rösti e Tortilla de Batatas, dois pratos práticos e saborosos que toda a família curte!

Hoje decidi postar uma receita que, podemos dizer, é uma variação desses dois pratos, bem mais adaptada ao nosso sabor brasileiro. Na prática, é um prato bem completo, mas que também pode ser servido até como aperitivo.

Espero que curtam a ideia e saboreiem esta delícia!

Batatas com carne-seca e requeijão

Ingredientes

3 batatas grandes sem casca
sal e pimenta a gosto
2 colheres (sopa) de salsa picada

Recheio

1 colher (sopa) de óleo
1 cebola média picada
2 dentes de alho bem picados
300 g de carne-seca dessalgada, cozida e desfiada
1 pimenta dedo-de-moça sem sementes picada
200 g de requeijão

Modo de preparo

Lave bem as batatas e de uma pré-cozida por uns dez minutos. Deixe esfriar e leve à geladeira por umas três horas.

Na hora de preparar o prato, aqueça o óleo em uma frigideira e doure levemente a cebola e o alho. Junte a carne desfiada e refogue por alguns minutos. Adicione a pimenta e o requeijão, misture bem e retire do fogo.

Retire a casca das batatas e rale no ralo grosso. Tempere com sal e pimenta e misture com cuidado.

Aqueça uma frigideira com 20 cm de diâmetro ou omeleteira e unte-a com óleo. Coloque metade da batata e aperte levemente, subindo um pouco nas laterais. Recheie com a mistura de carne-seca e cubra com a batata restante, apertando levemente.

Deixe dourar e, em seguida, passe para um prato ou tampa de panela para virar. Transfira novamente para a frigideira e deixe dourar do outro lado. Faça o mesmo com a massa e o recheio restante. Sirva em seguida.

Uma boa salada completa é um ótimo acompanhamento.

By Joemir Rosa.

Bloomin’ Onion

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , on 01/09/2012 by Joe

Há algum tempo eu publiquei a receita das Aussie Cheese Fries, famosas e deliciosas batatas fritas com queijo e bacon de uma rede de fast food americana, também presente no Brasil, e foi um grande sucesso de visitas no blog!

Agora trago mais um delicioso prato dessa rede de fast food, que é um verdadeiro ícone junto com as batatas!

A Bloomin’ Onion é um aperitivo de cebola em formato de flor, empanada em tempero delicioso e servida com um molho especial.

Nos EUA o prato é preparado com cebolas especiais, cujo tamanho chega a ser quatro vezes maior que as nossas cebolas tradicionais. Em alguns mercados municipais é possível encontrar cebolas bem maiores que as encontradas em feiras livres e supermercados.

Apesar do tamanho da receita passar a ideia que é muito trabalhoso (o que não é verdade), garanto que o resultado final vale a pena, até para aqueles que não curtem muito as comidas de fast foods! O fato de prepararmos em casa deixa o prato muito mais saudável, até pelo fato de não reaproveitarmos o óleo!

Espero que gostem e deixem seus comentários!

Bloomin’ Onion

Ingredientes

4 cebolas grandes (porções individuais)
óleo para fritar

Mistura para empanar

1/3 de xícara de amido de milho
1 ½ colher (chá) de farinha de trigo
2 colheres (chá) de alho picado
1 colheres (chá) de páprica
1/2 colher (chá) de sal
pimenta-do-reino a gosto
2 latinhas de cerveja

Modo de preparo

Numa vasilha, junte o amido de milho, a farinha de trigo e os temperos até ficarem bem misturados. Em seguida, adicione a cerveja e misture bem. Reserve.

Farinha temperada

2 xícaras de farinha de trigo
4 colheres de chá de páprica
2 colheres de chá de alho em pó
1/2 colher de chá de pimenta-do-reino
1/4 colher de chá de pimenta vermelha

Modo de preparo

Em uma vasilha, junte todos os ingredientes até ficarem bem misturados. Reserve.

Modo de preparo final

Corte o topo da cebola e retire a casca. Corte a cebola em fatias verticais, começando com um corte a cada 90 graus (formando uma cruz) e depois cortando as seções da cebola, aproximadamente 12 a 16 fatias verticais, mas não indo até a raiz do fundo.

Após cortá-las, mergulhe-as em água quente por um minuto e depois em água bem gelada (coloque pedras de gelo na água para acelerar o processo para que a cebola se abra em flor) e deixe na geladeira por uns vinte ou trinta minutos. Desta forma, as pétalas vão se abrir muito mais fácil.

Tire da geladeira, coloque com as pétalas viradas para baixo para escorrer bem a água e deixe secar bem sobre papel-toalha antes de começar a prepará-las.

Leve-as para a geladeira novamente e deixe por mais 1/2 hora antes de fritar.

Após esse período, mergulhe a cebola aberta na farinha temperada, fazendo com que ela fique toda impregnada pela mistura. Remova o excesso dando umas batidas leves e depois mergulhe na mistura para empanar, de modo que todas as pétalas fiquem cobertas.

Em uma frigideira funda, coloque o óleo e deixe aquecer bem (entre 190 e 200 graus). Mergulhe a cebola de modo que fique toda coberta e frite por um minuto e meio a dois minutos. Retire e escorra em papel-toalha.

Coloque a cebola em uma tigela rasa e remova o centro com um desencaraçador de maçãs e sirva quente com o Molho Bloom.

Molho Bloom

Ingredientes

1/2 copo de maionese
2 colheres (chá) de ketchup
2 colheres de suco de limão
1/4 colher (chá) de páprica
1/4 colher (chá) de sal
1 pitada de orégano seco
1 pitada de pimenta do reino em pó
1 pitada de pimenta vermelha em pó

Modo de preparo

Misture todos os ingredientes em uma tigela e deixe-a coberta até a hora de servir. Ah, claro: cerveja estupidamente gelada é um ótimo acompanhamento.

By Joemir Rosa.

Bolinhos de bacalhau

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , on 26/02/2011 by Joe

Mundialmente apreciado, a história do bacalhau é milenar. Existem registros de processamento do bacalhau na Islândia e na Noruega no Século IX. Os Vikings são considerados os pioneiros na descoberta do cod gadus morhua, espécie que era farta nos mares que navegavam. Como não tinham sal, apenas secavam o peixe ao ar livre, até que perdesse quase a quinta parte de seu peso e endurecesse como uma tábua de madeira, para ser consumido aos pedaços nas longas viagens que faziam pelos oceanos.

Mas deve-se aos bascos, povo que habitava as duas vertentes dos Pirineus Ocidentais, do lado da Espanha e da França, o comércio do bacalhau. Os bascos conheciam o sal e existem registros de que, já no ano 1000, realizavam o comércio do bacalhau curado, salgado e seco. Foi na costa da Espanha, portanto, que o bacalhau começou a ser salgado e depois seco nas rochas, ao ar livre, para que o peixe fosse melhor conservado.

Quanto ao bolinho de bacalhau, um dos mais antigos e deliciosos petiscos que a humanidade já conheceu, ninguém sabe ao certo contar como surgiu. Sabe-se que surgiu em Portugal, criado pelas mãos talentosas das competentes e criativas cozinheiras portuguesas, para serem saboreados inicialmente como entrada dos pratos principais. Depois passou a ser grande companheiro dos apreciadores dos melhores vinhos do Porto nos bares luzitanos, e mais tarde a receita espalhou-se pela Europa e, felizmente, por todo o mundo.

Aqui no Brasil é um petisco dos mais apreciados. É saboreado acompanhando qualquer tipo de bebida, mas principalmente,  a cerveja.

A receita abaixo é considerada a original, existindo outras variações com hortelã e Vinho do Porto, por exemplo.

Espero que apreciem e comentem os resultados e possíveis variações no preparo!

Bolinhos de bacalhau

Ingredientes

600 gr de bacalhau demolhado
400 gr de batatas cozidas e espremidas
2 dentes de alho amassados
1 gema de ovo
quanto baste de sal
quanto baste de salsinha picada
2 colheres de azeite de ótima qualidade
quanto baste de farinha de trigo (caso necessário)
óleo de soja para fritar
1 pimentão vermelho pequeno
1 clara de ovo batida

Modo de preparo

Para demolhar o bacalhau, primeiro lave-o bem água corrente (gelada de preferência). Depois, deixe-o por 2 horas, aproximadamente, em água gelada. Escorra e repita o procedimento por mais 2 horas. Em seguida coloque o bacalhau em água fervente e deixe levantar fervura. Escorra e espere esfriar. Em seguida desfie o bacalhau.

Cozinhe as batatas na água que ferveu o bacalhau, escorra e esprema. Misture as batatas espremidas, o bacalhau desfiado, a gema de ovo, a clara batida, o alho, o azeite e a salsinha picada. Misture bem e corrija o sal. Caso a massa não esteja dando liga, coloque um pouco de farinha de trigo (mas só em caso de necessidade mesmo). Modele os bolinhos e reserve.

Em uma panela coloque o óleo e deixe aquecer bem. Depois coloque o pimentão e deixe dourar. Retire o pimentão e frite os bolinhos de bacalhau nesse mesmo óleo. Isso dará um sabor todo especial aos bolinhos!!!

Sirva como aperitivo acompanhado por cerveja ou um ótimo vinho verde!!

By Joe.

Polvo na cachaça

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/01/2011 by Joe

Quando falamos em frutos do mar, logo pensamos na variedade de produtos provindos das águas salgadas, nem sempre muito conhecidos, o que leva muita gente a torcer o nariz e dizer “eu não como isso”, mesmo antes de experimentar!

Na categoria “frutos do mar” temos os mariscos, crustáceos, moluscos e outros pequenos animais marinhos, com exceção dos peixes. Todos eles excelentes fontes de nutrientes, vitamina B (essencial para a formação dos glóbulos vermelhos e  manutenção do sistema nervoso), zinco (produção de proteínas, cicatrização e  desenvolvimento dos orgãos do aparelho reprodutor), além de outras vitaminas e sais minerais, incluídas aí as vitaminas B1, B2, niacina, além de selênio, cálcio, magnésio e iodo.

Vale ainda lembrar que os frutos do mar, tais como: lula; siri; caranguejo; camarão; lagosta etc, com exceção dos peixes, são riquíssimos em sódio. Reduzir o consumo desses alimentos é indispensável para quem precisa manter uma dieta moderada de consumo de sódio.

De todos esses frutos do mar, o que causa um certo “nariz torcido” é o polvo. Esse molusco octopode (que possui 8 braços) ainda é visto com estranheza, talvez pelo seu aspecto um tanto bizarro.

Mas, na gastronomia, é uma carne que possui um sabor delicioso, exótico, além de ser muito nutritivo.

A receita deste sábado é bem simples e pode ser saboreada como prato principal, ou como aperitivo.

Espero que gostem e enviem seus comentários, sugestões e preparo e variações da receita!!

Polvo na cachaça

Ingredientes

1 polvo inteiro (2 kg) já limpo
1 ½ xícaras (chá) de cachaça
2 folhas de louro
sal a gosto

1 cebola cortada em fatias finas
6 tomates maduros cortados em cubinhos
2 dentes de alho bem picados
½ xícara (chá) de folhas frescas de manjericão
azeite de oliva a gosto
sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo

Numa panela média, coloque o polvo, a cachaça, o louro e um pouquinho de sal. Tampe e deixe em fogo alto por 10 minutos, mexendo umas 2 vezes até que ele fique rosado e comece a enrolar.

Abaixe o fogo e cozinhe na própria água (ele solta água) por, mais ou menos, 1 hora, até que esteja bem macio. Se secar demais, coloque um pouco de água e espete os tentáculos com um garfo para testar.

Quando estiver no ponto, tire do fogo, escorra, deixe amornar, descarte a pele excedente (principalmente a que envolve a cabeça). Separe os tentáculos e corte o restante em pedaços do tamanho de uma mordida.

Regue o fundo de uma frigideira grande com azeite, junte o polvo em pedaços, deixe dourar de todos os lados, transfira para uma tigela e reserve.

Regue a mesma frigideira com um pouco mais de azeite, junte a cebola, espere começar a dourar. Adicione o alho, aguarde perfumar e então acrescente o tomate, sal, pimenta. Misture bem, aguarde uns 5 minutos até que o tomate esteja macio e perfumado, e junte o manjericão.

Coloque o polvo na frigideira, misture bem e sirva com arroz branco. Acompanhe com um bom vinho branco (Sauvignon Blanc).

%d blogueiros gostam disto: