Arquivo para Zen-budismo

Shakuhachi

Posted in Música with tags , , , , , , , , , , , , , on 22/01/2012 by Joe

Shakuhachi é um instrumento de sopro de estrutura aparentemente simples: um bocal, o corpo de bambu e cinco orifícios. Porém, suas medidas são rigorosas. O comprimento mais comum do instrumento é de 1,8 shaku (1 shaku = aproximadamente 30 centímetros).

O bambu usado na sua construção é um bambu grosso e duro chamado Madake, cortado na base e com a distância entre os nós bem definida. Possui quatro orifícios na parte frontal e um na parte traseira coberto pelo polegar.

Fundamentalmente, o Shakuhachi usa a escala pentatônica (ré, fá, sol, lá, dó, ré), mas é possível executar a escala cromática e até fazer portamento apenas mudando a embocadura.

Assim como o Koto e o Sangen, o instrumento foi introduzido no Japão através da China.

Existem composições para o Shakuhachi datadas da era Nara (Século VIII). O Shakuhachi era tocado como parte das cerimônias e práticas do Zen Budismo, mais especificamente na facção Fuke japonesa. Era o instrumento preferido dos sacerdotes peregrinos.

No início do período Edo (Século XVII) surge a escola Kinko, que sem perder os aspectos religiosos, passou a utilizar o instrumento puramente para a música.

Há cerca de cem anos surgiu uma nova escola, a Tozan. Existem diferenças na técnica de execução dos instrumentos, e até mesmo na estrutura, como a colocação do quinto orifício numa posição mais abaixo.

O som que vem dessa flauta de bambu é relaxante. Então, convido-os a sentarem confortavelmente, aumentarem um pouco o volume, fecharem os olhos e mergulharem nesta pequena viagem mágica, de paz e tranquilidade!

By Joemir Rosa.

O velho samurai

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10/06/2011 by Joe

Perto de Tóquio vivia um grande samurai, já idoso e que agora se dedicava a ensinar o zen-budismo aos jovens. Apesar de sua idade, corria a lenda de que ainda era capaz de derrotar qualquer adversário.

Certa tarde, um guerreiro, conhecido por sua total falta de escrúpulos, apareceu por ali. Era famoso por utilizar a técnica da provocação: esperava que seu adversário fizesse o primeiro movimento e, dotado de uma inteligência privilegiada para reparar os erros cometidos, contra-atacava com velocidade fulminante. Desta forma, o jovem e impaciente guerreiro jamais havia perdido uma luta. Conhecendo a reputação do samurai, estava ali para derrotá-lo e aumentar sua fama. E desafiou-o!

Todos os estudantes se manifestaram contra a ideia, mas o velho samurai aceitou o desafio. Foram todos para a praça da cidade, e o jovem começou a insultar o velho mestre. Chutou algumas pedras em sua direção, cuspiu em seu rosto, gritou todos os insultos conhecidos – ofendendo inclusive seus ancestrais. Durante horas fez tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impassível.

No final da tarde, sentindo-se já exausto e humilhado, o impetuoso guerreiro retirou-se. Desapontados pelo fato do mestre aceitar tantos insultos e provocações, os alunos perguntaram:

– Como o senhor pode suportar tanta indignidade? Por que não usou sua  espada, mesmo sabendo que podia perder a luta, ao invés de mostrar-se covarde diante de todos nós?

E o velho samurai, com muita paciência, perguntou:

– Se alguém chega até você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente?

– A quem tentou entregá-lo! – respondeu um dos discípulos.

– O mesmo vale para a inveja, a raiva e os insultos – disse o mestre. Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem os carregava consigo.

Desconheço a autoria.

O Guardião do Mosteiro

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/04/2011 by Joe

Certo dia, num mosteiro zen-budista, com a morte do guardião, foi preciso  encontrar um substituto.

O grande Mestre convocou, então, todos os discípulos para determinar quem seria o novo sentinela. O Mestre, com muita tranquilidade, falou:

– “Assumirá o posto o primeiro monge que resolver o problema que vou apresentar”.

Então, ele posicionou uma mesinha magnífica no centro da enorme sala em que estavam reunidos e, em cima dela, colocou um vaso de porcelana muito raro, com uma rosa amarela de extraordinária beleza a enfeitá-lo e disse apenas isto:

– “Aqui está o problema!”

Todos ficaram olhando a cena: o vaso belíssimo, de valor inestimável, com a maravilhosa flor ao centro. O que representaria? O que fazer? Qual era o enigma?

Nesse instante, um dos discípulos sacou a espada, olhou o Mestre, os companheiros, dirigiu-se ao centro da sala e … ZAPT … destruiu tudo, com um só golpe. Tão logo o discípulo retornou a seu lugar, o Mestre disse:

– “Você será o novo guardião do Mosteiro!”.

Moral da história :

Não importa qual o problema, ou a natureza dele, mesmo que seja algo belíssimo: se for um problema precisa ser eliminado! Um problema é um problema. Mesmo que se trate de uma mulher sensacional, um homem maravilhoso ou um grande amor que se acabou. Por mais lindo que seja, ou tenha sido, se não existir mais sentido para ele em sua vida, tem que ser eliminado!

Muitas pessoas carregam pela vida inteira o peso de coisas que foram importantes no passado, mas que hoje somente ocupam um espaço inútil em seus corações e mentes. Espaço esse indispensável para recriar a vida.

Existe um provérbio oriental que diz:

– “Para você beber vinho numa taça cheia de chá é necessário primeiro jogar o chá fora para, então, colocar e beber o vinho.”

Limpe a sua vida, começando pelas gavetas, armários, até chegar às pessoas do passado que não fazem mais sentido estarem ocupando espaço em seu coração. O passado serve como lição, como experiência, como referência. Serve para ser relembrado e não revivido. Use as experiências do passado no presente, para construir o seu futuro. Necessariamente nessa ordem!

Autoria desconhecida.

%d blogueiros gostam disto: