Arquivo para Vitima

A melhor decisão

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/11/2013 by Joe

Decisões

Quando você sempre tem medo de tomar uma decisão errada, você está constantemente antecipando o fracasso.

Atrasar ou evitar uma decisão por causa dos problemas que podem ocorrer, coloca você numa posição negativa. Quando controlado pelo medo, você focaliza somente o lado negativo. Quando evita tomar uma decisão, você se transforma em observador passivo e vítima.

Sucesso e conquistas surgem da ação. Para agir, você deve primeiro decidir-se a agir. Não deixe que o medo de tomar a decisão errada o obrigue a não tomar decisão alguma.

É bem provável que você não tome uma decisão perfeita. Em vez da perfeição, procure tomar a melhor decisão possível, baseando-se na informações disponíveis no momento e na direção que você mesmo havia pré-estabelecido.

Vamos lá! Tome a decisão! Aja!

Se acontecer de tomar uma decisão errada, você tem todas as condições de entender isso e fazer as correções necessárias.

Torne-se um participante positivamente ativo no seu próprio futuro. Decida o que tem que ser feito – e faça-o!

Desconheço a autoria.

Autossabotagem

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/02/2013 by Joe

Depressão

Para cada situação negativa que mantemos na nossa vida, existem “ganhos secundários”. São algumas aparentes vantagens que o nosso inconsciente encontra para nos manter em uma situação de sofrimento. Parece sem lógica, mas é assim que funciona. Vou explicar melhor esse processo.

Atendi, durante um tempo, uma mulher que era advogada, funcionária pública concursada, que estava de licença médica por ter desenvolvido uma depressão. Durante os atendimentos, entre outras questões, ela relatou uma grande insatisfação com o trabalho dela, que desejava encontrar outra coisa, mas não sabia exatamente o que. Sentia muito medo de deixar a segurança do salário do emprego público. Pensava inclusive em trabalhar como terapeuta, mas ainda não tinha nenhum tipo de preparo. Era apenas um desejo por enquanto.

O estado depressivo foi rapidamente melhorando com o passar das sessões. E foi aí que surgiu um “problema”. Ela sentia que uma parte dela não queria de forma alguma se curar, para não ter que voltar ao trabalho que a deixava tão insatisfeita. O medo de voltar era grande. A depressão trazia um “ganho” secundário de mantê-la afastada. Tivemos que aprofundar e trabalhar bastante esse medo para que isso não viesse a sabotar o seu progresso. Eu lembro que ela chegou a ficar muito bem, mas ainda precisava fazer mais sessões. Acabou não entrando mais em contato. Não sei se depois ela voltou a trabalhar.

Certa vez, uma médica que foi aluna de um curso meu relatou o seguinte caso. Ela trabalhava em um posto de saúde e acompanhou um homem que sofria com turbeculose. Ele passou meses frequentando o posto e seguindo à risca o tratamento; acabou ficando curado. Depois que se curou, falou que surgiu uma tristeza e um grande vazio, por saber que não ia mais ter que ir ao posto de saúde e ter contato com as pessoas de lá. Ele se sentia cuidado.

Havia um ganho em se manter doente. Era certamente uma pessoa carente de atenção familiar. Em alguns casos a doença pode se prolongar por muito tempo, pois inconscientemente não queremos nos libertar dela por causa dos “benefícios” que ela nos trazem. É possível, então, que esse homem venha a desenvolver alguma outra doença para que possa ser novamente cuidado por alguém.

Esses são casos mais extremos de autossabotagem devido a ganhos secundários. Entretanto, isso não ocorre somente nesses casos mais intensos. Em maior ou menor grau, toda situação negativa da qual não conseguimos nos libertar, nos traz algum “ganho” inconsciente. Esses “ganhos”, às vezes, podem ser fáceis de perceber, mas em outros casos podem ser tão estranhos e absurdos que nós não nos damos conta.

Lembro em um determinado momento da minha vida que percebi um pensamento muito sabotador na área profissional. Eu vinha crescendo bastante no trabalho com a EFT como terapeuta e professor da técnica, me libertando de um período de sete anos em que tive uma firma de engenharia que me trouxe enormes prejuízos. De repente, me passou um pensamento: “e se eu realmente me livrar totalmente desses problemas financeiros e crescer a tal ponto de não ter mais que me preocupar com isso?”. O que surgiu foi um sentimento de medo, um vazio, uma sensação de que eu ia ficar sem objetivo na vida.

Isso ocorreu por que, durante anos da minha vida, o meu maior sofrimento era tentar sair das dívidas, mas eu ficava cada vez mais atolado. O meu grande objetivo era acabar com isso. Minha mente era preenchida com essa “luta”. Acabei me apegando a esse personagem que lutava eternamente e não conseguia nada. Resolver a questão financeira seria acabar com esse personagem com quem eu acabei gerando um senso de identificação. Mantê-lo me trazia um “ganho” aparente: ter um objetivo, uma vida preenchida, por mais doloroso que fosse.

É óbvio que eu poderia preencher a minha vida com coisas mais saudáveis. Mas o processo não é racional. Passa por uma lógica inconsciente que nos leva a uma grande autossabotagem.

Uma mulher que se relaciona com um homem que a trai constantemente, ou que bebe muito e é violento, tem sempre “ganhos” em se manter nessas situações. E são vários os possíveis “ganhos”. Vamos ver alguns:

– ser vista como uma mártir, uma pessoa boa, compreensiva e até espiritualizada; ganhar atenção e reconhecimento por isso.

– manter a identidade da vítima (apego ao personagem) e colocar a culpa do seu sofrimento no marido e, dessa forma, não assumir a responsabilidade de mudar. Assumir a responsabilidade pela própria vida é uma libertação, só traz benefícios. Só que o processo de transição de sair da vítima e cair na real pode ser bem doloroso. Além disso, a quem ela vai culpar se, por acaso, se separar e ainda assim não conseguir ser feliz?

– com sua baixa autoestima (sentimentos de menos valia, não merecimento, devido a culpas e rejeições que vem acumulando na vida) ela tem desejos inconscientes de sofrer e se punir e esse relacionamento preenche essa necessidade.

Vemos, então, que os “ganhos” secundários em manter um problema podem ser de diversos tipos: receber reconhecimento e atenção; ser cuidado pela família; tirar licença do trabalho e até se aposentar antes do tempo; manter um personagem ao qual estamos muito apegados inconscientemente; preencher a vida com uma causa; culpar os outros pela própria infelicidade e não ter que ver a sua parcela de responsabilidade; punir a si mesmo devido a baixa autoestima; etc.

E você? Que situações difíceis você vem mantendo, e quais os possíveis “ganhos” inconscientes. Faça a pergunta para si mesmo, mantenha a mente aberta para o que pode surgir. Talvez você se espante com as respostas. Trazer isso à luz da consciência é super importante para se libertar.

By André Lima.

Responsabilidade e culpa

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28/01/2013 by Joe

Balança

Acredito que o ser humano contribui para a criação de cada condição de sua vida, seja ela boa ou má, em função de sua maneira de pensar e sentir. Os pensamentos criam sentimentos; assim, passa-se a viver de acordo com esses pensamentos e sentimentos.

Mas isso não significa que se é culpado pelo que sai errado na vida.

Existe uma diferença entre ser responsável e culpar a si mesmo ou aos outros. Quando falo sobre responsabilidade, na verdade estou falando sobre possuir o poder.

Quem acusa os outros, entrega a eles o poder capaz de modificar sua própria vida. Se você costuma fazer papel de vítima, está usando seu poder pessoal para ser indefeso. Quem decide aceitar a responsabilidade não perde tempo pondo a culpa em alguém ou alguma coisa que está lá fora.

Há pessoas que se sentem culpadas por criarem doenças, pobreza ou problemas no mundo que as cerca. Escolheram interpretar a responsabilidade como sendo culpa e sentem-se culpadas porque acreditam que falharam em alguma coisa.

Para mim, responsabilidade não tem nada a ver com culpa. Responsabilidade é a capacidade de reagir a uma situação. Sempre temos uma escolha. Isso não significa negar quem somos ou o que temos. Simplesmente quer dizer que devemos reconhecer que contribuímos para ser o que somos.

Assumindo a responsabilidade, ganhamos o poder de mudar e dizer:

– “O que posso fazer para mudar isto?”

Para que isso aconteça é preciso, acima de tudo, compreender que todos possuímos o poder – o tempo todo, e tudo depende do modo como o usamos.

By Louise L. Hay, do livro “O poder dentro de você”.

Vitima de mim

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/01/2013 by Joe

Destino

Complicamos porque queremos satisfazer nossas carências e aí começamos a dar um jeito, não ver certas coisas como são, misturar as estações e criar fantasias.

Nos escondemos atrás de uma máscara para satisfazer desejos e instintos.

Então, o que era simples se complica… Só que aí nos negamos a ver a responsabilidade que temos e fica fácil culpar o destino ou as circunstâncias.

O nosso emocional cria ilusões, deturpa as nossas percepções e depois ficamos arranjando desculpas, porque o nosso bom senso se negou a ver as coisas como são.

Há situações que realmente não dependem de nós, mas isso não corresponde à maior parte das causas dos problemas em que nos envolvemos.

Nos negamos a ver, ouvir e perceber como evitar que as coisas tomem o rumo que tomam, depois fica fácil sair por aí espalhando o quanto somos a vitima e não o algoz de nós mesmos.

Como se isso fosse resolver alguma coisa…

By Carlos Eduardo Bronzoni.

Em todo beco sem saída existe uma passagem secreta

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/10/2012 by Joe

Você sabe reconhecer a diferença entre “ouvir um canto de sereia para abandonar um sonho” e “fazer um desvio para ganhar fôlego”? Como saber quando ser flexível para reconhecer oportunidades e quando manter o foco em um só objetivo e lutar até o fim?

Tudo começa quando você se questiona sobre as escolhas que tem feito na vida e inicia uma exploração para descobrir “o que você realmente quer”. Neste processo, naturalmente, você para de seguir os sonhos de outras pessoas e começa a explorar sua própria consciência em busca das suas respostas.

O próximo passo é explorar e descobrir que valores estão embasando esta nova meta (por exemplo, felicidade, prosperidade, segurança, liberdade, reconhecimento, paz, serviço ao outro, etc.) para começar a sua maravilhosa jornada. Não basta só atingir a meta: além de curtir a jornada, você tem que ser feliz quando chegar lá!

Em seguida, você precisa aprender a montar um planejamento para alinhar sua vida pessoal e profissional com este novo objetivo e começar a agir em direção a ele. Pequenas ações todos os dias fazem o trem da sua vida começar uma curva suave em direção da meta que você quer atingir. É um trajeto gostoso, com muitos sonhos e desafios e uma emoção permanente a cada escolha.

Apenas tome cuidado com escolhas que façam curvas acentuadas! Investigue, aprofunde, perceba o impacto nas várias áreas da sua vida, nos seus valores. Uma curva de 90 graus pode descarrilar o seu trem!

Ao longo da jornada você poderá fazer escolhas que o levem, aparentemente, a becos sem saída. Estas são oportunidades que podem ser interpretadas, basicamente, com dois pontos de vista: o da vítima ou do protagonista.

O ponto de vista da vítima é o caminho das justificativas: você provavelmente vai sentir uma sensação de fracasso, vai tentar culpar alguém e sentir raiva por estar nesta situação. A raiva cria uma falsa sensação de alívio, mas com o passar do tempo, só resulta em mágoas e ressentimentos. Você se sente impotente para fazer as mudanças que precisa para colocar sua vida de volta nos trilhos.

O ponto de vista do protagonista é onde você aprende e supera o desafio. É o momento de se fazer a seguintes perguntas:

– O que eu posso aprender com isso? Esta exploração vai ajudá-lo a reduzir as chances de que esta situação se repita.

– Que recursos eu deixei de utilizar? É hora de ser honesto consigo mesmo e saber quanto da sua capacidade de trabalho, relacionamentos, aprendizagem, tempo, etc. você realmente investiu. No que você pode melhorar?

– Que pistas eu ignorei? Aqui você pode descobrir sensações, crenças, padrões, hábitos e atitudes que podem estar sabotando seu comprometimento pessoal. Estar alerta é fundamental!

Se você optar por explorar estas situações em busca de aprendizado, responsabilidade pessoal e flexibilidade, além de reduzir as chances que elas se repitam, você certamente encontrará uma saída.

Acredite: quando você assume responsabilidade por suas escolhas, em todo beco sem saída existe uma passagem secreta!

By Caio Cesar Santos.

Portas que se abrem e que se fecham

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/10/2012 by Joe

Enquanto caminhamos, portas se abrem e se fecham diante de nós. É assim com todo mundo.

Quem nunca teve a sensação de que após uma porta ter sido fechada, tudo pareceu perdido? Mas aí o tempo passa, outras se abrem e você percebe que o fechamento daquela te ajudou a caminhar e chegar até a próxima.

Fatalidade ou oportunidade ? É uma questão de escolha.

O sol nasce igualmente para todos e, por mais que partamos de pontos diferentes, todos têm suas oportunidades na vida.

Saber identificá-las pode parecer mais difícil do que de fato é.

Quando nos apequenamos diante das situações acreditando que, mesmo inconscientemente, merecemos estar alí, fica difícil perceber que em tudo existe uma explicação.

Nossas vidas são reflexos de escolhas e posturas que tomamos em determinados momentos.

Se escolhas erradas têm o poder de causar destruição, por que não seria o mesmo, só que na condição inversa, com as escolhas certas ?

O problema é que escolhas erradas tendem a nos viciar, à medida que despertam em nós sentimentos como autopiedade, medo, preguiça ou covardia, até chegar ao ponto onde achamos que é normal sofrer e, já que é assim, nos transformamos em credores da humanidade.

O próximo passo é a mágoa que se instala como forma de vitimização.

É nessa hora, quando o tratamento deve ser mais radical, que as portas começam a se fechar para que você perceba que, com o coração quebrantado e o espírito humilde, fica mais fácil identificar as outras que abrirão.

Você pode demorar muito para perceber, mas quando uma porta se fecha, outra sempre abre.

A percepção disso lhe desperta para uma outra realidade onde preguiça, pessimismo, arrogância ou mágoa não têm espaço.

Se uma porta se fechou, você agirá como quem age diante de uma fatalidade ou oportunidade?

Talvez seja hora de repensar seus caminhos e, com toda a sinceridade, repensar se teus passos ao longo da vida te conduziram para onde você sonhava.

Sempre é tempo de mudar.

Felizes os que buscam a sabedoria e entendem que, entre portas fechadas e abertas, existem lições e auxílio para todo aquele que realmente quer; afinal de contas, seu caminho é você quem faz.

Entenda que sofrimento não deve ser aceito como merecimento, uma espécie de carma que lhe pune, castiga e humilha sem explicação aparente. É como o marido daquela “mulher de malandro ” que, no ditado popular, diz: ” não sei porque estou batendo, mas você sabe porque está apanhando”.

O pior disso é quando, por mais que nos incomode, aceitamos o mal à medida que não reagimos diante dele.

Aceito a chicotada porque devo merecer, se a porta fechou só me resta chorar porque a vida é ingrata, se uma oportunidade já não é, vou ficar quieto porque eu nunca conseguiria mesmo.

E assim, de tropeço em tropeço, seguem alimentados somente com o consolo de que “pelo menos todos têm pena de mim”.

Não importa sua idade ou quanto tempo a dor se instalou. Você está vivo, e enquanto vive pode alterar sua história.

Que oportunidade perdida para aqueles que não percebem isso!

Reaja, esmurre, chore, xingue, se revolte, mude absolutamente tudo, mas deixe de aceitar que portas se fechem sem entrar nas que abrem o tempo todo.

Sempre há uma chance! O que você está fazendo com as suas?

É uma simples questão de percepção.

Pense nisso.

By Flavio Siqueira.

%d blogueiros gostam disto: