Arquivo para Utilidade

Caminhos

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , on 28/10/2015 by Joe

Caminhos

Todos os caminhos são os mesmos, conduzem ao nada. São caminhos que vão através do mato.

A única questão é se o caminho tem um significado. Se o tiver, é um bom caminho. Se não, não tem utilidade. Se o caminho é o amor, o fim não tem importância, o processo terá coração.

By Leo Buscaglia.

Anúncios

Grilhões

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , on 05/06/2015 by Joe

Prisão

Não é de utilidade alguma ficar sacudindo com raiva os grilhões que te prendem!

É necessário saber porque e como está preso…

O mal é uma fase passageira da experiência humana e, por isso, serve de instrutor aos que têm vontade de aprender.

By James Allen.

Você tem um desafio?

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 21/11/2014 by Joe

Você tem um desafio

Você tem um desafio? Então, aceite-o, enfrente-o, aproveite-o para sua evolução!

Aceite sua situação difícil não como uma desgraça, ou como algo que vai destruí-lo, mas como condição para desenvolver suas potencialidades.

É com fogo e martelada que um pedaço de ferro bruto é transformado num objeto de beleza ou utilidade…

A falta de pernas faz nascer asas no verdadeiro homem!

A violência da poda torna a árvore ainda mais bonita e vitalizada!

A terra cujo lombo é rasgado pelas pás do arado ganha fertilidade!

Assim é com o ser humano: os desafios da desventura podem amadurecer a personalidade! As lágrimas que derramamos na dor não são de lastimar, pois enriquecem os dias de experiência!

Quero que me apresentem alguém que se aperfeiçoou, se fortaleceu em obras, fez-se herói, santo ou sábio através do prazer e na ausência da dor.

Alguém aceita esse desafio?

Prof. Hermógenes.

Dar e receber

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 05/11/2014 by Joe

Dar e receber

Nossa casa, nossos armários, nossa vida cotidiana são reflexos de nossa mente.

Você tem o hábito de guardar coisas velhas, inúteis, achando que um dia poderá precisar delas?

Você acumula papéis, documentos antigos, caixas sem nenhuma utilidade no futuro?

Você guarda roupas, sapatos, bolsas que já não usa há muito tempo?

E dentro de sua mente? Você guarda ressentimentos, mágoas, raivas, medos?

Tem o hábito de ficar remoendo lembranças tristes do passado?

Reflita sobre isso.

Compreenda que através de suas respostas você pode se autoconhecer e perceber o que precisa ser mudado em você e na sua vida para ser mais feliz e próspero.

Elimine o que é inútil em você e na sua vida. Crie um espaço dentro e fora de você para que coisas novas aconteçam e para atrair a prosperidade. Enquanto acumular coisas velhas e inúteis, tanto materialmente como emocionalmente, não estará abrindo espaço para que as boas oportunidades cheguem à sua vida.

Limpe seus armários, gavetas, guarda-roupas, estantes. Dê o que não tem mais utilidade para você.

Treine o desapego.

Sinta alegria em ajudar alguém ou alguma instituição de caridade.

Generosidade atrai prosperidade!

Dar com sentimento de gratidão e sem apego é uma maneira de reconhecer e valorizar o que temos e nos abrir para receber mais. A ação de dar para alguém algo que estava estagnado, parado, colocando-o em circulação, cria espaço para algo melhor ocupar esse espaço.

Ao agir assim, você permite que o fluxo da prosperidade circule e se movimente.

Perceba, quando você doa roupas e objetos, como você abre espaço para ganhar algo inesperado, para receber algum dinheiro extra, para comprar coisas mais bonitas e modernas. É importante também doar não apenas o “resto”, o que sobrou, pois isto não é o princípio da abundância.

É necessário haver alguma renúncia no consumismo.

Pode-se deixar de usar algo supérfluo e dar isto a alguém necessitado ou alguma associação. A atitude de guardar coisas inúteis e velhas demonstra sentimentos de carência, de medo. É ter um sentimento de baixa autoestima, é não se achar merecedor de coisas boas e novas.

Com essa atitude de falta, de achar que no futuro você não terá meios de prover suas necessidades básicas, você envia para sua mente que não tem fé no amanhã.

A lei da prosperidade é “Dar e Receber”.

Não é acumular o que não usa mais, mas sim, movimentar e fazer circular tanto o dinheiro como os objetos.

Para atrair a abundância e prosperidade é importante fazer planejamentos e orçamentos, poupar algum dinheiro, disciplinar o gasto e o consumismo.

Não podermos ser mesquinhos, avarentos, nem apegados demais, precisamos, porém, ter sabedoria e discernimento ao gastar dinheiro.

Discernir se é necessário comprar aquilo, se vai nos dar felicidade, ou se é supérfluo e vai apenas trazer preocupações com mais gastos. Ao ter a atitude de abundância em seu interior você muda também emocionalmente. Você passa a acreditar que sempre terá o que precisa.

By Emilce Shrividya Starling.

Gaiolas e asas

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/09/2014 by Joe

Gaiolas e asas

Os pensamentos me chegam de forma inesperada, sob a forma de aforismos. Fico feliz porque sei que Lichtenberg, William Blake e Nietzsche frequentemente eram também atacados por eles. Digo “atacados“ porque eles surgem repentinamente, sem preparo, com a força de um raio. Aforismos são visões: fazem ver, sem explicar.

Pois ontem, de repente, esse aforismo me atacou: “Há escolas que são gaiolas. Há escolas que são asas“…

Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do voo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-los para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. Deixaram de ser pássaros. Porque a essência dos pássaros é o voo.

Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são os pássaros em voo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o voo, isso elas não podem fazer, porque o voo já nasce dentro dos pássaros. O voo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado.

Esse simples aforismo nasceu de um sofrimento: sofri conversando com professoras de segundo grau, em escolas de periferia. O que elas contam são relatos de horror e medo. Balbúrdia, gritaria, desrespeito, ofensas, ameaças … E elas, timidamente, pedindo silêncio, tentando fazer as coisas que a burocracia determina que sejam feitas, dar o programa, fazer avaliações …

Ouvindo os seus relatos vi uma jaula cheia de tigres famintos, dentes arreganhados, garras à mostra – e as domadoras com seus chicotes, fazendo ameaças fracas demais para a força dos tigres… Sentir alegria ao sair de casa para ir para a escola? Ter prazer em ensinar? Amar os alunos? O seu sonho é livrar-se de tudo aquilo. Mas não podem. A porta de ferro que fecha os tigres é a mesma porta que as fecha junto com os tigres.

Nos tempos da minha infância eu tinha um prazer cruel: pegar passarinhos. Fazia minhas próprias arapucas, punha fubá dentro e ficava escondido, esperando… O pobre passarinho vinha, atraído pelo fubá. Ia comendo, entrava na arapuca, pisava no poleiro – e era uma vez um passarinho voante. Cuidadosamente, eu enfiava a mão na arapuca, pegava o passarinho e o colocava dentro de uma gaiola. O pássaro se lançava furiosamente contra os arames, batia as asas, crispava as garras, enfiava o bico entre nos vãos, na inútil tentativa de ganhar de novo o espaço, ficava ensanguentado… sempre me lembro com tristeza da minha crueldade infantil.

Violento, o pássaro que luta contra os arames da gaiola? Ou violenta será a imóvel gaiola que o prende? Violentos, os adolescentes de periferia? Ou serão as escolas que são violentas? As escolas serão gaiolas?

Me falaram sobre a necessidade das escolas dizendo que os adolescentes de periferia precisam ser educados para melhorarem de vida. De acordo. É preciso que os adolescentes tenham uma boa educação. Uma boa educação abre os caminhos de uma vida melhor. Mas, eu pergunto: nossas escolas estão dando uma boa educação? E o que é uma boa educação?

O que os burocratas pressupõe sem pensar é que os alunos ganham uma boa educação se aprendem os conteúdos dos programas oficiais. E para se testar a qualidade da educação eles criam mecanismos, provas, avaliações, acrescidos dos novos exames elaborados pelo Ministério da Educação.

Mas será mesmo? Será que a aprendizagem dos programas oficiais se identifica com o ideal de uma boa educação? Você sabe o que é “dígrafo“? E os usos da partícula “se“? E o nome das enzimas que entram na digestão? E o sujeito da frase “Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heróico o brado retumbante“? Qual a utilidade da palavra “mesóclise“?

Pobres professoras, também engaioladas… São obrigadas a ensinar o que os programas mandam, sabendo que é inútil. Isso é hábito velho das escolas. Bruno Bettelheim relata sua experiência com as escolas:

“Fui forçado (!) a estudar o que os professores haviam decidido que eu deveria aprender – e aprender à sua maneira…“

O sujeito da educação é o corpo porque é nele que está a vida. É o corpo que quer aprender para poder viver. É ele que dá as ordens. A inteligência é um instrumento do corpo cuja função é ajudá-lo a viver. Nietzsche dizia que ela, a inteligência, era “ferramenta“ e “brinquedo“ do corpo. Nisso se resume o programa educacional do corpo: aprender “ferramentas“, aprender “brinquedos“.

“Ferramentas“ são conhecimentos que nos permitem resolver os problemas vitais do dia a dia. “Brinquedos“ são todas aquelas coisas que, não tendo nenhuma utilidade como ferramentas, dão prazer e alegria à alma. No momento em que escrevo este texto estou ouvindo o coral da 9ª sinfonia. Não é ferramenta. Não serve para nada. Mas enche a minha alma de felicidade.

Nessas duas palavras, ferramentas e brinquedos, está o resumo educação.

Ferramentas e brinquedos não são gaiolas. São asas. Ferramentas me permitem voar pelos caminhos do mundo. Brinquedos me permitem voar pelos caminhos da alma. Quem está aprendendo ferramentas e brinquedos está aprendendo liberdade, não fica violento. Fica alegre, vendo as asas crescerem…

Assim todo professor, ao ensinar, teria que perguntar:

“Isso que vou ensinar, é ferramenta? É brinquedo? Se não for é melhor deixar de lado”.

As estatísticas oficiais anunciam o aumento das escolas e o aumento dos alunos matriculados. Esses dados não me dizem nada. Não me dizem se são gaiolas ou asas. Mas eu sei que há professores que amam o voo dos seus alunos. Há esperança…

By Rubem Alves.

As três peneiras

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , on 05/09/2011 by Joe

Olavo foi transferido do projeto onde trabalhava. Logo no primeiro dia, para fazer média com o novo chefe, saiu-se com esta:

– “Chefe, o senhor nem imagina o que me contaram a respeito do Silva. Disseram que ele …”

Nem chegou a terminar a frase e o chefe interrompeu:

– “Espere um pouco, Olavo. O que vai me contar já passou pelo crivo das ‘três peneiras’?”

– “Três peneiras? Que peneiras, chefe?”

– “A primeira, Olavo, é a da VERDADE. Você tem certeza de que esse fato que quer me contar é absolutamente verdadeiro?”

– “Não, não tenho, não. Como posso saber? O que sei foi o que me contaram. Mas eu acho que …”

E, novamente, Olavo foi interrompido pelo chefe:

– “Então, sua história já vazou a primeira peneira. Vamos, então, para a segunda peneira que é a da BONDADE”.

– “O que você vai me contar, Olavo, gostaria que os outros também dissessem a seu respeito?”

– “Claro que não! Deus me livre, chefe!” – disse Olavo, assustado.

– “Então” – continua o chefe – “sua história vazou a segunda peneira. Vamos ver a terceira peneira, que é a da UTILIDADE. Você acha mesmo útil o que você veio me contar a respeito do Silva?”

– “Não, chefe. Pensando desta forma, vi que não sobrou nada do que eu iria contar” – fala Olavo, surpreendido.

– “Então, Olavo, se o que veio me contar não é verdadeiro, nem bom, nem útil, é melhor que guarde apenas para você! Já pensou como as pessoas seriam mais felizes se todos usassem essas peneiras?” – diz o chefe sorrindo. E continua:

– “Da próxima vez em que surgir um boato por aí, submeta-o ao crivo das “três peneiras”, VERDADE, BONDADE e UTILIDADE, antes de obedecer ao impulso de passá-lo adiante!”

Não esqueça que …

PESSOAS INTELIGENTES FALAM SOBRE IDÉIAS.

PESSOAS COMUNS FALAM SOBRE COISAS.

PESSOAS MEDÍOCRES FALAM SOBRE PESSOAS.

Texto adaptado do original, “As Três Peneiras de Sócrates”, atribuído ao filósofo.

As três peneiras

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , on 08/10/2009 by Joe

As três peneirasOlavo foi transferido do projeto onde trabalhava. Logo no primeiro dia, para fazer média com o novo chefe, saiu-se com esta:

– “Chefe, o senhor nem imagina o que me contaram a respeito do Silva. Disseram que ele …”

Nem chegou a terminar a frase e o chefe interrompeu:

– “Espere um pouco, Olavo. O que vai me contar já passou pelo crivo das ‘três peneiras’?”

– “Peneiras? Que peneiras, chefe?”

– “A primeira, Olavo, é a da VERDADE. Você tem certeza de que esse fato é absolutamente verdadeiro?”

– “Não, não tenho, não. Como posso saber? O que sei foi o que me contaram. Mas eu acho que …”

E, novamente, Olavo foi interrompido pelo chefe:

– “Então, sua história já vazou a primeira peneira. Vamos então para a segunda peneira que é a da BONDADE”.

– “O que você vai me contar, Olavo, gostaria que os outros também dissessem a seu respeito?”

– “Claro que não! Deus me livre, chefe!” – disse Olavo, assustado.

– “Então”, – continua o chefe – “sua história vazou a segunda peneira. Vamos ver a terceira peneira, que é a da UTILIDADE. Você acha mesmo útil o que você veio me contar a respeito do Silva?”

– “Não, chefe. Pensando desta forma, vi que não sobrou nada do que eu iria contar” – fala Olavo, surpreendido.

– “Então, Olavo, se o que veio me contar não é verdadeiro, nem bom, nem útil, é melhor que guarde apenas para você! Já pensou como as pessoas seriam mais felizes se todos usassem essas peneiras?” – diz o chefe sorrindo. E continua:

– “Da próxima vez em que surgir um boato por aí, submeta-o ao crivo das “três peneiras”, VERDADE, BONDADE e UTILIDADE, antes de obedecer ao impulso de passá-lo adiante!”

Não esqueça que …

PESSOAS INTELIGENTES FALAM SOBRE IDÉIAS.

PESSOAS COMUNS FALAM SOBRE COISAS.

PESSOAS MEDÍOCRES FALAM SOBRE PESSOAS.

Texto adaptado do original, “As Três Peneiras de Sócrates”, atribuído ao filósofo.

%d blogueiros gostam disto: