Arquivo de Tragédias

A terapia do abraço

Posted in Inspiração, Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/12/2014 by Joe

Terapia do abraço

Estudos têm revelado que a necessidade de ser tocado é inata no homem. O contato nos deixa confortáveis e em paz. O Dr. Harold Voth, psiquiatra da Universidade de Kansas, disse:

– “O abraço é o melhor tratamento para a depressão. Objetivamente, ele faz com que o sistema imunológico do organismo seja ativado. Abraçar traz nova vida para um corpo cansado e faz com que você se sinta mais jovem e mais vibrante. No lar, um abraço todos os dias reforça os relacionamentos e reduzirá significativamente os atritos”.

Helen Colton reforça esse pensamento:

– “Quando a pessoa é tocada, a quantidade de hemoglobina no sangue aumenta significativamente. Hemoglobina é a parte do sangue que leva o suprimento vital de oxigênio para todos os órgãos do corpo, incluindo coração e cérebro. O aumento da hemoglobina ativa todo o corpo, auxilia a prevenir doenças e acelera a recuperação do organismo, no caso de alguma enfermidade.”

É interessante notar que reservamos nossos abraços para ocasiões de grande alegria, tragédias ou catástrofes. Refugiamo-nos na segurança dos abraços alheios depois de terremotos, enchentes e acidentes.

Homens que jamais fariam isso em outras ocasiões, se abraçam e se acariciam com entusiasmado afeto depois de vencerem um jogo ou de realizarem um importante feito atlético.

Membros de uma família reunidos em um enterro encontram consolo e ternura uns nos braços dos outros, embora não tenham o hábito dessas demonstrações de afeição.

O abraço é um ato de encontro de si mesmo e do outro. Para abraçar é necessário uma atitude aberta e um sincero desejo de receber o outro. Por isso, é fácil abraçar uma pessoa estimada e querida. Mas se torna difícil abraçar um estranho. Sentimos dificuldades em abraçar um mendigo ou um desconhecido. E cada pessoa acaba por descobrir, em sua capacidade de abraçar, seu nível de humanização, seu grau de evolução afetiva.

É natural no ser humano o desejo de demonstrar afeição. Contudo, por alguma razão misteriosa ligamos ternura com sentimentalidade, fraqueza e vulnerabilidade. Geralmente hesitamos tanto em abraçar quanto em deixar que nos abracem.

O abraço é uma afirmação muito humana de ser querido e ter valor. É bom. Não custa nada e exige pouco esforço. É saudável para quem dá e para quem recebe. Pense nisso!

Você tem abraçado ultimamente sua mulher, seu marido, seu pai, sua mãe, seu filho?

Você costuma abraçar os seus afetos somente em datas especiais?

Quando você encontra um amigo, costuma cumprimentá-lo simplesmente com um aperto de mão e um beijo formal?

A emoção do abraço tem uma qualidade especial. Experimente abraçar mais.

Vivemos em uma sociedade onde a grande queixa é de carência afetiva. Que tal experimentar a terapia do abraço?

By Prof. Jorge Luiz Brand, parapsicólogo, bacharel em psicologia.

Guga, Um Brasileiro

Posted in Livros with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23/11/2014 by Joe

Guga Um BrasileiroLivro: Guga, Um Brasileiro
By Gustavo Kuerten
Editora Sextante

É em junho de 1997 que Gustavo Kuerten inicia a maior virada de sua vida. O palco é Roland Garros, o torneio de tênis mais charmoso do mundo.

Como personagem inicialmente coadjuvante e depois protagonista, o desconhecido cabeludo, surfista e boa-praça iria abalar as tradições do esporte refinado e entrar para a história mundial do tênis e do esporte brasileiro.

Mas sua trajetória brilhante rumo ao topo do ranking tem início muito antes, quando ainda era criança em Florianópolis, onde seria preparado pela família, pelas tragédias e por um treinador que esteve ao seu lado em todos os grandes momentos.

Em um relato absolutamente sincero, empolgante e emocionante, Guga revela através de seus sentimentos as passagens mais marcantes de sua vida. Ele descreve as memórias de sua infância e adolescência com o mesmo estilo modesto e divertido que o caracteriza como jogador.

A forte base familiar, a inspiração no pai, a admiração pelo irmão tenista, o apoio irrestrito da mãe, a paixão pelo irmão caçula e a confiança inabalável do treinador são peças fundamentais em sua história, a base que o levou a superar a falta de incentivo, a descrença em si mesmo e os adversários mais temidos de sua época.

Essa jornada sem igual, passando pelos torneios juvenis e profissionais (lembrando que ele nunca foi rico para jogar tênis), o tricampeonato de Roland Garros, a chegada ao topo do ranking mundial, entre outras conquistas, é contada a partir da visão única do menino que nasceu para ser campeão e cativou o coração de todos os brasileiros.

“Guga, Um Brasileiro” é a autobiografia de um dos maiores gênios do esporte nacional! Um livro repleto de emoção, com riqueza de detalhes, que vai emocionar todos que sempre torceram por este grande atleta! Imperdível!

By Joemir Rosa.

Otimismo

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/10/2014 by Joe

Otimismo

Sempre estava de bom humor e as suas palavras eram positivas e animadoras. Motivava aqueles que tinham a sorte de estar ao seu lado. Irradiava otimismo e, por isso, era muito agradável trabalhar com ele. Se alguém tinha alguma dificuldade, animava aquele que padecia a ver o lado positivo da situação.

Certo dia, sem meia tinta, perguntei-lhe abruptamente:

– “Como é possível que esteja sempre otimista? Como consegue ver a realidade constantemente de um modo tão positivo? Onde busca essa alegria que irradia à tua volta?”

A sua resposta, que me ficou gravada na memória e ainda hoje tem influência no meu modo de encarar a vida, foi a seguinte:

– “Todos os dias, quando me levanto de manhã, digo a mim mesmo que tenho duas opções para esse dia: deixar-me levar pelo mau humor ou, pelo contrário, esforçar-me por estar de bom humor. Como sou livre, escolho conscientemente a segunda opção.

“Quando me acontece algo de mal durante o dia, digo a mim mesmo que tenho duas opções: escolher o papel de vítima ou, pelo contrário, esforçar-me por aprender alguma coisa com aquilo que me aconteceu. Como sou livre, escolho conscientemente a segunda opção”.

Quando ouço alguém se queixar da vida, digo a mim mesmo que tenho duas opções: associar-me às suas lamentações ou, pelo contrário, esforçar-me por ver o lado positivo de cada situação. Como sou livre, escolho conscientemente a segunda opção.”

– “Mas isso não é tão fácil assim, é?” – respondi-lhe.

– “Também não é tão difícil como parece” – foi a sua contestação imediata. E continuou:

– “A vida é uma escolha constante. As atitudes que tomamos diante dela também o são. É uma decisão de cada um de nós escolher como viver a sua vida. E também é uma decisão de cada um de nós escolher a atitude que vai ter diante daquilo que nos acontece na nossa vida. Como somos livres, temos de escolher conscientemente a melhor opção.”

É verdade que esta história é demasiadamente fantasiosa. No entanto, é um relato que nos faz pensar que a nossa vida é, de algum modo, uma escolha constante.

Não façamos tragédias por tudo e por nada! A vida não é tão má como, às vezes, gostamos de a pintar!

Se há coisas que não nos correm bem, também há outras que são maravilhosas e que nem nos damos conta disso.

Ao olhar para o mundo que nos rodeia, não nos esqueçamos dessa bondade natural que possui por ter sido criado por Deus. Se a aceitarmos, desaparecerão muitos desânimos no nosso viver quotidiano, mesmo no meio das dificuldades.

E as pessoas à nossa volta nos agradecerão por serem contagiados por essa alegria de viver.

By Pe. Rodrigo Lynce de Faria.

Viver vale a pena

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 03/06/2014 by Joe

Viver vale a pena

Este dia, que chamamos de hoje, significa o quê exatamente, para você? Ele é um começo? Um meio? Um final? Só mais um dia, ou é realmente “O DIA”?

E você por acaso já parou para observar que todos os começos são entusiasmados?

Por exemplo, no começo do ano, as crianças, jovens e adultos retornam às aulas, ou iniciam cursos de qualquer natureza, e todos têm uma carga positiva de entusiasmo. Todo mundo animado.

Para algumas pessoas, começar uma nova semana também tem essa qualidade. No entanto, para outras, isto não acontece. Por que será? Será que existe alguma fórmula para fazer de cada novo dia uma nova esperança? Existe alguma maneira de ser otimista diante de tantos desafios que o mundo tem aí fora? Tem alguma maneira de carregar uma reserva de entusiasmo para os momentos em que parece terrível recomeçar?

Se existem fórmulas, mágicas ou maneiras para isto, eu não sei! Sei apenas que o resultado do que será meu dia, depende muito mais de mim mesmo, do que das circunstâncias que tenho disponíveis, a favor ou contra.

Por isso eu proponho que você faça uma promessa a si mesmo, logo no inicio do dia! Assim, você irá preparar um terreno onde poderá semear as esperanças de um dia melhor. Pelo menos de encará-lo de forma mais corajosa e otimista.

Algo assim:

Prometo a mim mesmo, que somente hoje, serei forte, para que nada venha perturbar minha paz de espírito. Assim não serei atingido pelo desânimo.

Hoje, ao encontrar com as pessoas, vou falar de saúde, felicidade e prosperidade, evitando comentar as últimas tragédias vistas nos noticiários.

Hoje, procurarei mostrar para as pessoas que estão próximas de mim que elas têm grande valor. Que sua existência é importante na minha vida.

Hoje, ao olhar para os lados, vou procurar ver o lado bom das coisas, fazer com que o otimismo se torne realidade.

Hoje, vou pensar o melhor das pessoas, trabalhar para o melhor e esperar apenas que o melhor aconteça.

Hoje, sentirei o verdadeiro entusiasmado tanto pelo sucesso dos outros quanto pelo meu próprio.

Quanto aos erros que eu tenha cometido no passado, vou procurar esquecê-los, pelo menos por hoje, e me empenhar para obter melhores realizações no meu futuro.

Ao encontrar alguém que não esteja tão animado, vou lhe oferecer meu melhor sorriso.

Também vou me esforçar para aprender algo novo, que me ajude a melhorar a mim mesmo.

Evitarei todas as formas de criticar os outros.

Hoje, prometo a mim mesmo, ser maior que as preocupações, e não me irritar, e nem ter medo de ser feliz.

Portanto, se você conseguir fazer esta pequena autopromessa, eu desejo que você viva com mais entusiasmo, hoje, mas só hoje, com toda alegria e entusiasmo que lhe é permitido pelo Criador do Universo.

Afinal de contas, amanhã já é outro dia, onde todas as promessas deverão se renovar.

Tenha certeza que isto criará um ciclo de otimismo em sua vida. Reforçando em você, cada vez mais a coragem para encarar a vida de frente, dia após dia.

E lembrando que “viver vale a pena, sempre”!

By Sigmar Sabin.

De bem com a vida

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10/12/2012 by Joe

De bem com a vida

Uma coisa é certa: quando você está de bem com a vida, tudo ao seu redor lembra flores, tudo é mais perfumado, todos sorriem mais facilmente, os amigos aparecem de todos os lados, paixões brotam que nem feijão lançado ao chão, e a vida parece ser maravilhosa.

Você com certeza já ouviu frases como: ” dinheiro atrai dinheiro” ou: “quem tem sorte, ganha até dormindo”, essas afirmações são corretíssimas, já testadas e aprovadas pela vida.

A vida é como aquela amiga poderosa, dona de muitos recursos e que faz tudo para agradar aos amigos! Sabe aquela pessoa que todos querem ser amigo? Pois é, a vida é igualzinha a essa pessoa, porém com uma diferença: os poderes da vida são muito maiores e ela faz qualquer coisa para agradar quem está de bem com ela.

Mas, como é estar de bem com a vida num mundo onde existem tantas traições, tragédias sem fim, violência até não querer mais e gente cuspindo ódio por todo lado?

O segredo está em procurar as coisas que agradem ao seu espírito, fazer coisas que não violentam o seu entendimento, que não ferem o seu “lado gente”.

Se pensar em uma pessoa te lembra amargura e raiva, pra que pensar?

Se você insiste em uma relação que só traz dor e tristeza, pra que continuar?

Se você anda triste, chorando pelos cantos e nem sabe porque, por que não sorrir?

Se você anda desanimado, sem estímulo e nem sabe pra onde caminhar, por que parar?

Se você anda muito sozinho, cabisbaixo e infeliz, por que não mudar?

A vida espera com mil agrados aqueles que descobrirem que estar de bem com ela é um prazer, um grande barato que começa pelo simples fato de descobrir que a vida é bela sim, que é composta de mil dores sim, mas com um milhão de alegrias, cores, cheiros, sabores, pessoas.

Existem pelo menos mil maneiras de fazer diferente a mesma coisa que você faz todos os dias, assim como existem pelo menos um milhão de pessoas diferentes daquela que te magoou.

Abrace a vida com alegria e descubra o prazer das coisas simples!

Desconheço a autoria.

Faça sua escolha

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , on 06/01/2012 by Joe

Podemos escolher entre falar da vida dos outros, maldizer a vida que levamos, realçar as tragédias que vemos no nosso dia-a-dia ….

Ou …

Podemos falar sobre aquilo que amamos, sobre a vida que realmente queremos para nós e para os outros e focarmos no mundo que queremos criar!

Tudo na vida são escolhas …

Você realmente escolhe o que?

By Joemir Rosa.

Psiconeuroimunoendocrinologia

Posted in Ciência with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 26/05/2011 by Joe

Aprofundando-nos mais no tema do post anterior (“Somos o que pensamos”), vamos detalhar um pouco o que acontece com o nosso corpo quando a mente determina nossas reações e atitudes.

Lá pelos idos de 1970, dois psicólogos experimentais, Robert Ader e Nicholas Cohen, começaram a estudar o caráter psicossomático das doenças. Isto é, começaram a perceber que a doença não se deve a um fator puramente fisiológico ou psicológico apenas. Ader chegou a estas conclusões a partir de experiências efetuadas com ratos que, levados a um confinamento, por exemplo, tinham condições de desenvolver lesões no estômago, porque estavam perturbados ou estressados devido à baixa atividade. Outras experiências, inclusive de outros pesquisadores, levaram à percepção de que determinados condicionamentos podiam provocar outras reações imunológicas em um organismo.

Em 1981, Ader publicou o livro “Psiconeuroimunologia” onde ele expunha as investigações que revelavam a capacidade do sistema nervoso central de afetar o sistema imunológico e a saúde do corpo. Ele levantou questões, também muito importantes, tais como: O que torna as pessoas doentes? O que acontece dentro do corpo quando o sistema nervoso central envia uma mensagem ao sistema imunológico? Quais reações o nosso organismo é capaz de produzir?, entre outras.

Ader e Cohen criaram também o placebo, uma substância sem capacidade alguma de alterar a saúde do organismo, mas que atua a partir do efeito psicológico na mente do indivíduo. Ader revelou que o sistema imunológico possui uma ligação integral com processos essenciais pelos quais o organismo seleciona experiências, dá-lhes forma e as incorpora às atividades do corpo.

A partir desses estudos, uma nova área da medicina tem se destacado neste início de terceiro milênio, a “Psiconeuroimunoendocrinologia”, uma vez que esses estudos comprovaram a participação direta de hormônios no processo. Destrinchando um pouco esse “palavrão”, temos: psico – neuro – imuno – endocrino – logia = o estudo da influência da área psicológica nos sistemas imunológico e endocrinológico.

A partir desse pequeno histórico das pesquisas realizadas, começamos a entender como o nosso corpo reage a partir de determinados fatores, principalmente os que ocorrem em nossa mente. Pensamentos geram emoções e essas emoções são gatilhos que disparam a secreção de hormônios a partir das glândulas, principalmente o Cortisol, que age como um corrosivo em nossas células, acelerando seu processo de envelhecimento. O stress, o medo, a raiva, a depressão, o rancor, os pensamentos negativos, entre outros, são os principais fatores que “detonam” nosso sistema imunológico, proporcionando a oportunidade para a somatização.

Costumo dizer que doença não existe, mas sim, o doente. O processo de somatização começa muito antes do surgimento de qualquer sintoma perceptível no organismo. É um processo que vem se instalando lentamente a partir das nossas emoções negativas, fazendo com que a energia vital vá caindo de frequência, até o ponto em que um “elo” fraco dessa corrente, que é o nosso organismo, se rompa. Para uns, esse elo pode ser o estômago, o coração, os intestinos. Para outros é no próprio cérebro que essa somatização se manifesta, proporcionando o aparecimento de um tumor, por exemplo.

Da mesma forma que o nosso organismo sofre a partir de emoções negativas, ele pode se recuperar a partir de outras emoções, mais positivas digamos assim. A sabedoria dos nossos avós era (e ainda é!) muito importante nesse processo. “Rir é o melhor remédio”, diziam. E é verdade: já é comprovado científicamente que o riso faz com que nossas glândulas produzam a serotonina, um hormônio que ajuda a elevar o nosso nível imunológico, protegendo nossas células!

Eu costumo dizer também que nós podemos ser o nosso pior inimigo, quando deixamos que pensamentos negativos, emoções ruins, estados de ânimo de desespero, desolação e outros, tomem conta da nossa mente. Somos altamente influenciáveis pelo que os outros dizem de nós quando, na verdade, não alteram em nada o nosso dia a dia. Acatamos com mais facilidade um insulto do que um elogio, uma notícia ruim do que uma boa (vide os altos índice de audiência que os programas sobre crimes, tragédias, fofocas, etc. obtém na televisão). Enfim, são os moldes que nos são enfiados goela abaixo desde que nascemos que fazem com que nossos pensamentos fluam numa determinada direção, geralmente, a pior delas na maior parte do tempo!

Demodelar, desconstruir, desaprender são palavras que deveriam fazer parte do nosso vocabulário diário quando nos deparamos com emoções negativas, para que nosso organismo não venha a sofrer com os desequilíbrios energéticos que, aos poucos, vão permitindo a “corrosão” e consequente somatização!

Vamos pensar um pouco sobre tudo isso? O passado é história e o futuro é mistério … mas podemos fazer um presente bem diferente a cada dia! Viva um dia de cada vez e apenas isso: o dia de hoje, com pensamentos positivos, curtindo as boas emoções! Afinal, você é aquilo que você pensa ser!

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: