Arquivo para Tomates

Quebrando ovos

Posted in Humor, Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/04/2015 by Joe

Quebrando ovos

Chega um momento em que a relação precisa quebrar os ovos. É bom estar preparado.

Será como o trabalho doméstico: transparente. Lava-se louça, roupa, estende, retira os vincos com ferro, limpa casa, recolhe o lixo, arruma os brinquedos e os filhos nem reparam que tudo está novamente no lugar e no armário, apesar da bagunça feita recentemente. É óbvio que não vão agradecer. É o que chamo de passado secreto. Aconteceu, mas não merece memória.

Entretanto, a raiva fica: não fui valorizado e resta um desmemoriado mal-estar.

Minha namorada resolveu comer omelete. Ela já preparou o prato outras vezes em seu apartamento. Estava na minha casa e me antecipei na captura dos ingredientes, louco para agradá-la. Mas a minha menção de executar a tarefa a desagradou. Entenda, é o passado secreto. O ardiloso passado secreto. Com minha efusiva disposição, ela desconfiou de que eu não gostava de suas omeletes e que, somente agora, decorrido um ano, estava com coragem de falar.

Raciocinei que significava uma informação dispensável, meu modo era dourar os dois lados e o dela era envelopar a massa ao final, mas ela tratava o assunto com tamanha energia que até me assustou.

– “Quer que eu faça?”, perguntei.

– “Não gosta do jeito que faço?”

– “Gosto, é que eu mostraria minha predileção…”

– “Gosta nada, quem já fez omelete para você? Quer do jeito de quem? Confessa?”

– “De ninguém…”

– “Ora, vai nessa, qual é a receita? Com queijo ralado, requeijão, tomates fatiados? Por que nunca me disse que não gostava da minha omelete? Eu me sinto uma idiota…”

– “Eu gosto, só busquei uma maneira diferente!”

– “Que maneira?”

(Daí eu me danei)

Levamos mais tempo discutindo na tentativa de prevenir a discussão. A conversa durou duas horas. Duas horas sobre absolutamente nada, a não ser o medo do que não foi vivido junto. Se aliso seu umbigo, acreditará que repito um convite libidinoso com uma antiga namorada. Quanto mais a gente se entrega, maior é o pânico de estar sozinho na doação, de ser uma miragem afetiva. Tanto que, após desfiar um “eu te amo tanto”, não ouse nunca mais declarar “eu te amo” – é como se amasse menos.

O ciúme está dobrado em cada gesto, fazendo contas e pedindo estornos. Não há saída; passe manteiga na conversa, aqueça a frigideira e admire os ovos quebrados na pia.

Repare como o negócio é tinhoso. Durante as compras, no caixa, costumava perguntar se ela estava naquele momento com troco. Não falava dinheiro, mas troco. Uso troco para tudo. Para quê? Ela já formulou uma tese de que empregava o código com a ex. Igual sina em nossas rotas românticas. Relaxados, sozinhos e prontos para namorar, peço que ela me alcance o champanhe do balde:

– “Por favor, me passe a “champs”?”

– ““Champs”?”

Pronto! Feito o entrevero. Usava também esse dialeto com a ex.

O grave é que ela tem razão. Só não desejava brigar, ainda mais quando não tenho defesa. Ela poderia ser mais justa e me dar tempo para preparar uma mentira.

By Fabrício Carpinejar.

Anúncios

Torta Ratatouille

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/12/2014 by Joe

Torta Ratatouille

Para quem nunca tinha ouvido falar em Ratatouille e pensava que o desenho levava esse nome porque se tratava de uma história de ratos, aqui vai uma breve história do prato.

O Ratatouille é uma receita típica da culinária francesa, da região da Provença, de meados do século XVII e que pode ser servida tanto quente quanto fria, sozinha ou como acompanhamento.

O nome significa “picar” ou “triturar”, mas também podemos entender como sendo um “ragout” de legumes ou berinjela. Num Ratatouille não podem faltar berinjelas nem tomates, mas os demais ingredientes ficam mais ao gosto de cada um, podendo ser utilizados pimentões, abobrinhas, cenouras, etc.

A receita de hoje mistura esse clássico francês com a leveza das tortas primaveris, resultando num prato bem saboroso que pode ser servido na ceia de Natal.

Espero que curtam a receita e aproveito para desejar a todos um Feliz Natal junto a seus familiares e amigos, sempre com muita luz, paz, harmonia e saúde!

Torta de Ratatouille

Ingredientes

Massa

1 ovo
100g de manteiga gelada
1 colher (chá) de sal
1¼ de xícara (chá) de farinha de trigo

Modo de preparo

Em uma tigela grande, junte a farinha e o sal e misture. Corte a manteiga em cubos e transfira para a tigela. Usando as pontas dos dedos, misture até formar uma farofa, sem deixar a manteiga dissolver completamente. Dessa forma, a massa ficará crocante.

Acrescente o ovo e trabalhe a massa apenas até formar uma bola. Envolva com papel filme e leve à geladeira por, no mínimo, uma hora. Se preferir, prepare a massa no dia anterior.

Recheio

Ingredientes

1 berinjela pequena
1 abobrinha média
3/4 de xicara (chá) de tomate-cereja ou sweet-grape
1 talho de alho-poró sem as folhas verdes
1 pimentão amarelo
1 cebola média
4 dentes de alho
sal e pimenta-do-reino moída na hora (a gosto)
8 colheres (sopa) de azeite

Modo de preparo

Pré-aqueça o forno a 220ºC. Em uma tábua, corte a berinjela em rodelas de 1 cm e descarte as pontas. Se a berinjela for grande, corte as fatias ao meio. Transfira para uma tigela, cubra com água e misture com uma colher de chá de sal. Esse truque serve para amenizar o gosto amargo do legume. Reserve.

Enquanto isso, prepare os outros legumes. Lave, seque e fatie as abobrinhas em rodelas de 1 cm também, descartando as pontas. Corte os tomates-cereja ao meio e fatie o alho-poró finamente. Além disso, corte o pimentão ao meio, descartando as sementes, corte as metades em tiras e as tiras em cubos. Descasque a cebola e corte em quatro partes e descasque os dentes de alho.

Retire a berinjela da água, deixe escorrer bem e distribua em uma assadeira retangular grande. Regue com três colheres de sopa de azeite e leve ao forno pré-aquecido para assar por 15 minutos. Retire a assadeira do forno e junte os outros legumes. Tempere com sal e pimenta-do-reino, regue com bastante azeite e misture delicadamente.

Coloque a assadeira novamente no forno por 30 minutos. Retire e baixe a temperatura do forno para 180ºC.

Montagem

Ingredientes

2 ramos de tomilho fresco
2 ramos de alecrim fresco
1 gema (para pincelar)
1 colher (chá) de água

Modo de preparo

Cerca de 15 minutos antes de terminar o tempo para pré-assar os legumes, retire a massa da geladeira. Separe uma forma redonda, de fundo removível, com cerca de 24 cm de diâmetro.

Em uma bancada, polvilhe um pouco de farinha e, com um rolo de macarrão, abra a massa em formato arredondado até ficar com cerca de 0,5 cm de espessura. Separe o fundo da forma. Para transferir a massa, enrole-a no rolo de macarrão e desenrole sobre o fundo da forma, deixando as bordas para fora.

Retire a assadeira do forno. Debulhe os ramos de tomilho e alecrim e junte aos legumes, misturando delicadamente. Em seguida, coloque os legumes sobre a massa e dobre as bordas por cima.

Em uma tigelinha, misture bem a gema com água. Pincele a massa e leve ao forno por 45 minutos ou até dourar. Sirva quente ou em temperatura ambiente.

By Joemir Rosa.

Punheta de bacalhau

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 16/08/2014 by Joe

Punheta de bacalhau

Calma, gente!! Não é nenhuma receita retirada de algum Kama-Sutra da Gastronomia Lusa!!!

O nome dessa deliciosa receita vem da maneira como ela é preparada, usando os dois punhos para desfiar o bacalhau! Trata-se de uma das mais populares entradas frias portuguesas.

O prato tem sua origem nas tabernas, preparado com o bacalhau seco e cru, sem a necessidade de ser cozido.

É ideal para uma boa roda de amigos, conversa fiada e um bom vinho!

Geralmente as pessoas preferem comprar os lombos de bacalhau e acabam desprezando as lascas! Neste tradicional tira-gosto português, as lascas são o principal ingrediente!

Vamos à receita, muito fácil e rápida de preparar! Ah, sim: existem diversas formas de se preparar essa entrada. Alguns adicionam pimentões, tomates, batatas cozidas, ovos cozidos, etc. A versão abaixo é uma das mais simples e fáceis!

Punheta de bacalhau

Ingredientes

600 g de lascas de bacalhau
3 cebolas roxas grandes cortadas bem fininha
2 dentes de alho bem picados
cheiro-verde
100 g de azeitonas pretas portuguesas
azeite extra-virgem
uma pitada de pimenta
uma pitada de noz moscada
vinagre
salsinha picada a gosto
pão amanhecido

Modo de preparo

Desfie finamente o bacalhau seco, tirando as peles e espinhas. Lave-o e escorra a água usada, repetindo essa operação quatro ou cinco vezes para retirar o sal até que fique com o ponto de sal a seu gosto. Coloque o bacalhau em uma saladeira e regue com azeite.

Acrescente as cebolas, o alho, o cheiro-verde picado, a pimenta e a noz-moscada. Adicione algumas gotas de vinagre e misture bem com as mãos. Coloque mais azeite e misture novamente. Por fim, adicione as azeitonas pretas e a salsinha.

Na hora de servir, molhe levemente os pães amanhecidos e esquente no forno. Desta forma, as cascas ficarão bem crocantes. Uma vez aquecidos, retire do forno, corte transversalmente ao meio, retire um pouco do miolo e preencha a cavidade com a punheta de bacalhau ou sirva com uma bela salada verde.

Essa é a forma tradicional que é servido em Portugal. Para acompanhar, um bom vinho branco, tipo Salvignon Blanc!

By Joemir Rosa.

Caponata Siciliana

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/05/2014 by Joe

Caponata Siciliana

Esse delicioso prato tem uma história de mais de 1.000 anos!

Quando em 17 de junho de 827 os árabes desembarcaram em Cabo Granitola, perto de Mazara del Vallo e começaram a conquista da Sicília, não sabiam que sua presença iria afetar tão profundamente também na cozinha siciliana.

Entre os produtos e costumes dos árabes levados para a Sicília, a berinjela era um vegetal não conhecido antes de sua invasão. Este vegetal, que é a base de muitas receitas da cozinha siciliana, é o ingrediente chave de berinjela caponata.

Outro ingrediente muito importante, o tomate, voltaria às Américas cerca de 700 anos mais tarde, através de Cristóvão Colombo.

Os demais ingredientes – cebolas, azeitonas, alcaparras, aipo, vinagre e açúcar – já eram conhecidos e usados.

A caponata de berinjela é um aperitivo (entrada) que pode ser servido com um bom pão cozido em forno de lenha e um bom vinho branco. Ou com pão italiano, ligeiramente aquecido em forno.

A receita original é a que segue, sendo admitidas algumas variações em seus ingredientes e temperos.

Caponata Siciliana

500 gramas de berinjelas
200 gramas de cebolas roxas bem picadas
100 gramas de aipo
50 gramas de alcaparras salgadas, lavadas e escorridas
100 gramas de azeitonas verdes picadas
300 gramas de tomates maduros sem pele e sem sementes cortados em cubos
20 gramas de manjericão
20 gramas de amêndoas tostadas e laminadas
20 gramas de nozes
150 ml de vinagre de vinho tinto
azeite extra-virgem a gosto
sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo

Coloque uma panela com água para ferver. Corte o aipo em pedaços pequenos (mais ou menos, 1 cm) e escalde-os em água fervente por uns 3 minutos. Escorra e reserve.

Lave bem as berinjelas, corte em cubos, polvilhe com sal e deixe escorrer em uma peneira por, pelo menos, 1 hora. Após este tempo, seque-os com um pano.

Em uma frigideira, coloque a cebola com umas 4 colheres de azeite, cubra e refogue por uns 2 minutos. Adicione o aipo, uma pitada de sal e deixe refogar até que fiquem macios. Reserve.

Em outra frigideira, aqueça uma certa quantidade de azeite suficiente e coloque uma pequena quantidade de berinjelas para dourar. Repita a operação com toda a porção. Retire-as da frigideira e reserve em papel-toalha.

Na mesma frigideira, refogue os tomates por alguns minutos e coloque algumas folhas de manjericão para saborizá-los. Adicione as berinjelas reservadas, o aipo e as cebolas, um toque de pimenta do reino, acerte o sal, se necessário, e deixe cozinhar até que fiquem macios.

Em seguida, acrescente as amêndoas laminadas, as nozes, as alcaparras e as azeitonas. Por último, o vinagre de vinho tinto. Mexa tudo muito bem, desligue o fogo, regue com azeite e deixe esfriar.

Na hora de saborear, decore com folhas de manjericão e sirva com pão italiano ligeiramente aquecido e um vinho branco de ótima qualidade!

By Joemir Rosa.

Bruschetta de provolone e bacon

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 07/09/2013 by Joe

Bruschetta de provolone e bacon

A bruschetta (pronuncia-se brusqueta) é um antepasto italiano feito à base pão, que é tostado em grelha com azeite e depois esfregado com alho. Há diversas variações, sendo bastante conhecida a bruschetta de tomate, que leva, por cima da fatia de pão, tomates e manjericão.

O termo bruschetta é originário das regiões do Lazio e de Abruzzo, derivada da palavra “bruscato” que significa tostado ou torrado, quer seja no forno ou na grelha. Há também outros nomes para bruschetta, como “fetunta“, na região da Toscana, aí derivado das palavras “fetta unta“, isto é, fatia untada, no caso, com azeite de oliva.

A clássica bruschetta é feita com uma fatia de pão italiano rústico, de farinha escura e grossa, de casca dura, tostada na grelha, esfregada com alho, untada com abundante azeite e polvilhada com sal e eventualmente com pimenta-do-reino.

Há, porém, incontáveis variações para se preparar uma boa bruschetta. Na Toscana, o pão local, feito sem sal, é guarnecido com “fagioli al fiasco“, ou seja, feijão branco cozido com ervas e alho ou então, com “cavolo nero“, couve picada bem fininho e aferventada em água e sal.

Como os pães italianos são diversificados, variando de região para região, a bruschetta possui sabor e aparência com características distintamente regionais. Na Puglia e na Campania, por exemplo, é feita com um pão crocante, chamado “frisella” ou “frisedda“. Na Calábria, Sicília e Basilicata, a bruschetta é feita com um pão comprido de semolina e sementes de gergelim, guarnecido com tomates, azeite e orégano.

Embora certas guarnições sejam mais adequadas para determinados tipos de pães, pode-se garantir uma boa bruschetta somente com um bom pão e um azeite de oliva de boa qualidade. A pimenta-do-reino moída na hora também dá um sabor especial. Ainda, prefira tostar o pão na grelha, a torrá-lo no forno. Ele fica macio por dentro e com uma casca crocante externamente. Se usar queijo e quiser derretê-lo, coloque as bruschettas em forno alto por alguns minutos, o que impedirá que o pão endureça.

Variações regionais à parte, a bruschetta (assim como outras delícias de origem italiana como fogazza, caponata, crostini, fagottini, sardella, etc) vai se tornando cada vez mais presente no Brasil, principalmente nas regiões onde a colonização italiana foi mais intensa. Quem mora em São Paulo conhece as famosas festas italianas de rua como San Francesco di Paula, San Vito, Nossa Senhora de Casaluce, Nossa Senhora Achiropita e San Gennaro Mártir onde se pode saborear todas essas e muitas outras iguarias.

Variações dessa receita existem aos montes. Depois de ter publicado a receita básica da bruschetta (veja aqui), hoje optei por uma variação desse prato italiano, aproveitando que estamos comemorando a semana do bacon!

Bruschetta de provolone e bacon

Ingredientes

2 dentes de alho
4 fatias de pão italiano (use o filão, que é mais fino)
200 g de queijo provolone em lascas
100 g de bacon picado torradinho
azeite a gosto
pimenta do reino a gosto

Modo de preparo

Passe o alho pelo pão e leve ao forno pré-aquecido para dourar ligeiramente. Retire do forno e disponha o provolone e o bacon sobre o pão. Regue com azeite, polvilhe a pimenta do reino e leve ao forno só para aquecer ligeiramente e derreter um pouco o queijo. Sirva em seguida.

Um bom vinho tinto encorpado é a melhor companhia!

By Joemir Rosa.

Lasanha de panqueca

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , on 15/10/2011 by Joe

Dizem que a Itália reclama para si a paternida (ou maternidade?) da lasanha! Porém, existem algumas evidências de um prato muito parecido, que era apreciado na antiguidade greco-romana, onde o filósofo Cícero escreveu os primeiros relatos textuais sobre o prato.

Do mundo antigo aos costumes medievais, a lasanha ganhou destaque principalmente em terras italianas, ainda Roma, durante o crescimento das cidades no final da Idade Média. Também na corte do Rei Ricardo II, no século XIV, o tal prato era conhecido como “loseyns” (lê-se “lasan”), e constou do primeiro livro de receitas editado na Inglaterra. Nele é citado um prato preparado em camadas de massa lisa, porém sem tomates, uma vez que estes ainda não eram conhecidos na Europa.

Nos séculos XIX e XX houve muitas mudanças radicais em todo mundo no que se refere à culinária. Em primeiro lugar, a indústria assumiu um importante papel no ramo alimentício. Nos Estados Unidos, por exemplo, as massas ganharam um formato mais ondulado, que é o tipo de massa mais consumido hoje em dia.

Inclusive no Brasil, a propagação das receitas de lasanha ocorreu nessa época, pois o país foi foco de imigrantes italianos em grande número. Não somente as receitas de lasanha, mas também os outros pratos que envolviam massas viraram rapidamente comidas muito apreciadas e largamente consumidas pelos brasileiros. Logo, a lasanha alcançou grande diversidade em tipos e modos de preparo.

Pode-se destacar, dentro dessa variedade: a lasanha de berinjela, a lasanha de frango e a lasanha de carne moída. Esta última é uma das mais tradicionais, e é feita com molho à bolonhesa. Como existem inúmeras variações com esse prato, indicam-se também as lasanhas de peru, de frango e de salmão.

Acredito que todos tenham uma receita infalível e deliciosa de lasanha. Todas ótimas!

Então, seguindo a tendência deste blog de apresentar sempre um prato diferente, ou uma variação sobre o mesmo tema, trago hoje uma receita de lasanha com uma massa um pouco diferente!

Espero que curtam! Garanto que fica saborosíssima!

Lasanha de panqueca

Ingredientes

300 g de presunto ralado
400 g de queijo mussarela ralada
queijo parmesão ralado grosso a gosto

Massa

1/2 litro de leite
2 ovos
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (chá) de sal
óleo para untar a frigideira

Molho de tomate

2 colheres (sopa) de óleo de soja
1/2 quilo de carne moída
1/2 xícara (chá) de bacon picado
1/2 cebola picada
4 xícaras (chá) de molho de tomate
1 xícara de chá de água
1 colher (sobremesa) de vinagre
sal a gosto
pimenta-do-reino a gosto

Molho branco

4 colheres (sopa) de manteiga
1/2 cebola processada ou finamente ralada
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
1/2 litro de leite
sal a gosto
pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo da massa

Em um liquidificador, bata o leite, os ovos, a farinha de trigo e o sal até que fique uma mistura bem homogênea. Coloque uma porção desta mistura em uma frigideira untada e espalhe até formar uma panqueca redonda. Deixe cozinhar dos dois lados. Faça o mesmo com o restante da massa. Reserve.

Modo de preparo do molho

Aqueça o óleo em uma panela e refogue a carne e o bacon. Acrescente a cebola e refogue-a. Em seguida, acrescente o molho de tomate, a água, o vinagre, o sal, a pimenta-do-reino, misture e deixe apurar por 5 minutos no fogo médio. Reserve.

Modo de preparo do molho branco

Aqueça a manteiga em uma panela e refogue a cebola. Acrescente a farinha de trigo e doure-a. Despeje o leite lentamente e, sem parar de mexer, deixe apurar no fogo médio até que engrosse. Por fim, acrescente o sal, a pimenta-do-reino e misture.

Montagem da lasanha

Em um refratário, coloque uma camada de molho de tomate, uma de massa, o molho branco, polvilhe o presunto e o queijo ralados. Repita a sequência finalizando com molho branco. Salpique o queijo parmesão e leve ao forno pré-aquecido (220 ºC) por cerca de 15 minutos para gratinar.

Um vinho tinto encorpado é um ótimo acompanhamento!

Bom apetite!

By Joemir Rosa.

Lasanha de panqueca

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 14/08/2010 by Joe

Dizem que a Itália reclama para si a paternida (ou maternidade?) da lasanha! Porém, existem algumas evidências de um prato muito parecido, que era apreciado na antiguidade greco-romana, onde o filósofo Cícero escreveu os primeiros relatos textuais sobre o prato.

Do mundo antigo aos costumes medievais, a lasanha ganhou destaque principalmente em terras italianas, ainda Roma, durante o crescimento das cidades no final da idade média. Também na corte do Rei Ricardo II, no século XIV, o tal prato era conhecido como “loseyns” (lê-se “lasan”), e constou do primeiro livro de receitas editado na Inglaterra. Nele é citado um prato preparado em camadas de massa lisa, porém sem tomates, uma vez que estes ainda não eram conhecidos na Europa.

Nos séculos XIX e XX houve muitas mudanças radicais em todo mundo no que se refere à culinária. Em primeiro lugar, a indústria assumiu um importante papel no ramo alimentício. Nos Estados Unidos, por exemplo, as massas ganharam um formato mais ondulado, que é o tipo de massa mais consumido hoje em dia.

Inclusive no Brasil, a propagação das receitas de lasanha ocorreu nessa época, pois o país foi foco de imigrantes italianos em grande número. Não somente as receitas de lasanha, mas também os outros pratos que envolviam massas viraram rapidamente comidas muito apreciadas e largamente consumidas pelos brasileiros. Logo, a lasanha alcançou grande diversidade em tipos e modos de preparo.

Pode-se destacar, dentro dessa variedade: a lasanha de berinjela, a lasanha de frango e a lasanha de carne moída. Esta última é uma das mais tradicionais, e é feita com molho à bolonhesa. Como existem inúmeras receitas com esse prato, indicam-se também as lasanhas de peru, de frango e de salmão.

Acredito que todos tenham uma receita infalível e deliciosa de lasanha. Todas ótimas!

Então, seguindo a tendência deste blog de apresentar sempre um prato diferente, ou uma variação sobre o mesmo tema, trago hoje uma receita de lasanha com uma massa um pouco diferente!

Espero que curtam! Garanto que fica saborosíssima!

Lasanha de panqueca

Ingredientes

300 g de presunto cortado em fatias
400 g de queijo mussarela cortado em fatias
queijo parmesão ralado grosso a gosto

Massa

1/2 litro de leite
2 ovos
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (chá) de sal
óleo para untar a frigideira

Molho de tomate

2 colheres (sopa) de óleo de soja
1/2 quilo de carne moída
1/2 xícara (chá) de bacon picado
1/2 cebola picada
4 xícaras (chá) de molho de tomate
1 xícara de chá de água
1 colher (sobremesa) de vinagre
sal a gosto
pimenta-do-reino a gosto

Molho branco

4 colheres (sopa) de manteiga
1/2 cebola processada ou finamente ralada
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
1/2 litro de leite
sal a gosto
pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo

Em um liquidificador, bata o leite, os ovos, a farinha de trigo e o sal até que fique homogêneo. Coloque uma porção desta mistura em uma frigideira untada e espalhe até formar uma panqueca redonda. Deixe cozinhar dos dois lados. Faça o mesmo com o restante da massa. Reserve.

Prepare o molho vermelho. Aqueça o óleo em uma panela e refogue a carne e o bacon. Acrescente a cebola e refogue-a. Em seguida, acrescente o molho de tomate, a água, o vinagre, o sal, a pimenta-do-reino, misture e deixe apurar por 5 minutos no fogo médio. Reserve.

Prepare o molho branco. Aqueça a manteiga em uma panela e refogue a cebola. Acrescente a farinha de trigo e doure-a. Despeje o leite lentamente e, sem parar de mexer, deixe apurar no fogo médio até que engrosse. Por fim, acrescente o sal, a pimenta-do-reino e misture.

Em um refratário, coloque uma camada de molho de tomate, a massa, o molho branco, o presunto e o queijo. Repita a sequência finalizando com o queijo. Salpique o queijo parmesão e leve ao forno pré-aquecido (220 ºC) por cerca de 15 minutos.

Um vinho tinto encorpado é um ótimo acompanhamento!

Bom apetite!

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: