Arquivo para Tijolos

Construindo sua vida

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 18/12/2013 by Joe

Construindo sua vida

Cada pensamento seu constrói seu caráter. Da mesma forma que os tijolos são colocados um sobre o outro para construir uma casa, assim são seus pensamentos a cada momento.

A pessoa que você se torna, as coisas que você conquista, a alegria e a realização que você sente, tudo isso depende dos pensamentos que você usa para construir a sua vida.

Você pode usar cada pensamento e cada momento para tornar-se mais forte.

Nenhuma conquista de real valor surge do nada. Precisa ser construída. Você tem o poder de construir a vida que realmente deseja. E esse poder surge em momentos que você vive, nas escolhas que você faz, nas atitudes que você toma.

Neste exato momento, você está construindo sua vida. Neste exato momento, você está fazendo a diferença no rumo que a sua vida tomará. Este é um momento especial que pode mudar seu futuro.

Você está aproveitando este momento ao máximo?

Desconheço a autoria.

O essencial…

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 01/11/2013 by Joe

O essencial é invisível aos olhos

Quando a gente lhes fala de um novo amigo, elas jamais se informam do essencial. Não perguntam nunca: “Qual é o som da sua voz?”, “Quais os brinquedos que prefere?”, “Será que coleciona borboletas?”

Mas perguntam: “Qual é sua idade?”, “Quantos irmãos ele tem?”, “Quanto pesa?”, “Quanto ganha seu pai?”

Somente então é que elas julgam conhecê-lo!

Se dizemos às pessoas grandes:

– “Vi uma bela casa de tijolos cor-de-rosa, gerânios na janela, pombas no telhado”, elas não conseguem, de modo nenhum, fazer uma ideia da casa. É preciso dizer-lhes:

– “Vi uma casa de seiscentos contos”.

Então elas exclamam:

– “Que beleza!”

By Antoine de Saint-Exupéry, em “O Pequeno Príncipe”.

Casa viva ou casa morta?

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27/01/2013 by Joe

Flores na janela

Sua casa é viva ou morta? A casa é feita de pedras, tijolos, madeira, portanto, não tem vida. Entretanto, existem casas que são mortas. Você as adentra e sente em todos os cômodos a inexistência de vida.

Sim, dentro delas habitam pessoas, famílias inteiras. Mas são aquelas casas em que quase tudo é proibido. Tudo tem que estar tão arrumado, ajeitado, sempre, que não se pode sentar no sofá porque se está arriscando sujar o revestimento novo e caro.

Casas em que o quarto das crianças é impecável. Todos os bichinhos de pelúcia, por ordem de cor e tamanho, repousam nas prateleiras.

Essas casas são frias…

Pequenas ou imensas, carecem do calor da descontração, da luz da liberdade e da iluminada possibilidade de dentro delas se respirar, cantar, viver. Por isso mesmo parecem mortas.

As casas vivas já demonstram, desde o jardim, que nelas existe vibração e alegria. No gramado, a bola quieta fala da existência de muitos folguedos. A bicicleta, meio deitada, perto da garagem, diz que pernas infantis até há pouco a movimentaram com vigor. Em todos os cômodos se reflete a vida.

No sofá, um ursinho de pelúcia denuncia a presença de um pequenino irrequieto que carrega a sua preciosidade por todos os cantos. Na saleta, livros, cadernos e lápis dizem dos estudos que se repetem durante horas. O dicionário aberto, um marcador de páginas assinalando uma mensagem preciosa falam de pesquisa e leitura atenciosa.

A cozinha exala a mensagem de que ali, a qualquer momento, pode chegar alguém e se servir de um copo d’água, um café, um pedaço de pão.

Os quartos traduzem a presença dos moradores. Cores alegres nas cortinas, janelas abertas para que o sol entre em abundância. Os travesseiros um pouco desajeitados deixam notar que as crianças os jogam, vez ou outra, umas contra as outras, em alegres brincadeiras.

Enfim, as casas vivas são aquelas em que as pessoas podem viver com liberdade. O que não quer dizer com desordem. As casas vivas são aquelas nas quais os seus moradores já descobriram que elas foram feitas para morar, mas sobretudo para se viver.

O desapego às coisas terrenas inicia nas pequeninas coisas. Se estabelecemos, em nosso lar, rígidas regras de comportamento para que tudo esteja sempre impecável, como se pessoas ali não vivessem, estamos demonstrando que o mais importante são as coisas, não as pessoas.

Manter o asseio, a ordem, é correto. Escravizar-se a detalhes, temer por estragos significa exagerado apego a coisas que, em última análise, somente existem em função das pessoas.

Transforme sua casa, pequena, de madeira, uma mansão, num lugar agradável de se retornar, de se viver, de se conviver com a família, os amigos, os amores. Coloque sinais de vida em todos os aposentos. Disponha flores nas janelas para que quem passe, possa dizer:

– “Esta é uma casa viva. É um lar!”

Desconheço a autoria.

Escalada para o nada

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , on 13/06/2011 by Joe

Quando olho pra vocês todos, tão atarefados, tão apressados, tão sérios e compenetrados; quando vejo vocês carregando tijolos para construir suas escadas e, ao mesmo tempo, subindo por elas, suados, arfando — eu me espanto com tamanha burrice.

Disseram-lhes que tem que ser assim, e que esse é o modo “certo” de viver. Acontece que, desse jeito, no fim da vida, quando vocês estiverem pisando o último degrau, cansados e sem nunca terem lido Walt Whitman, verão que essa porra de escada imóvel acaba dando numa enorme parede fria, que tem duas características: é de cimento — e é errada!

Vocês percebem o que eu quero dizer?

By Edson Marques.

Gente grande

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 31/03/2011 by Joe

As pessoas grandes adoram os números. Quando a gente lhes fala de um novo amigo, elas jamais se informam do essencial. Não perguntam nunca: “Qual é o som da sua voz? Quais os brinquedos que prefere? Será que coleciona borboletas?”

Mas perguntam: “Qual é sua idade? Quantos irmãos ele tem? Quanto pesa? Quanto ganha seu pai?” Somente então é que elas julgam conhecê-lo.

Se dizemos às pessoas grandes: “Vi uma bela casa de tijolos cor-de-rosa, gerânios na janela, pombas no telhado…” elas não conseguem, de modo nenhum, fazer uma idéia da casa. É preciso dizer-lhes: “Vi uma casa de seiscentos contos”. Então elas exclamam: “Que beleza!”

By Antoine de Saint-Exupéry.

%d blogueiros gostam disto: