Arquivo de Suspiro

O medo de viver a vida

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/10/2014 by Joe

Medo de viver a vida

Nosso medo é nosso fardo, embora possa ser também nosso meio de defesa. O medo que gera a prudência é positivo e necessário.

Podemos observar já em bebezinhos o medo de perder a mãe.

Nos animais o medo faz com que se defendam. Nesse ponto prepara-os para um eventual perigo.

O medo é o sinal amarelo que nos diz “atenção”!

Mas esse pode ser também destrutivo, quando deixamos que tome conta da gente. Há pessoas que se deixam levar por esse sentimento de tal forma que são incapazes de tomar qualquer atitude. Elas se bloqueiam, se petrificam diante de situações que temem e ficam sem ação. E fazendo isso, deixam de viver normalmente, são atingidas em pleno peito pelo que tanto receiam.

Muitos morrem do próprio temor. Tanto eles temem que acabam atraindo para si mesmos a infelicidade. É o caso de pessoas que temem acidentes a tal ponto de sentirem-se petrificadas diante de uma situação que poderiam facilmente evitar.

Ou doenças!

Nosso cérebro é algo extraordináio. Ele coordena e comanda todo o nosso corpo e as nossas ações. Exercitá-lo diariamente com nossos medos pode ser muito perigoso. Nossas palavras têm poder e nossos pensamentos também.

Muitos temem amar. Medo de decepções, de sofrimento. Preferem se fechar numa concha e olhar o mundo através de uma janela do que se abrir e se entregar ao inevitável. Amor traz sofrimento, sim. Mas quanta felicidade traz também, quanta agitação no peito, quanto suspiro, quanto brilho nos olhos, quanta beleza!

É a velha história do copo pelo meio: uns vêm meio cheio, outros meio vazio. E isso faz uma grande diferença!

As pessoas otimistas preferirão correr o risco e viverão plenamente todas as coisas. As outras serão apenas passantes da vida, não viventes.

E o medo é algo tão inerente ao ser humano que até mesmo quando se sente feliz, sente medo. Medo que seja bom demais, que isso passe, que isso se perca. E no auge da felicidade, o medo se instala. E, se instalando, estraga tudo, nos impede de viver o momento presente, tão divino.

Como o ciúme, que corrói a alma e relacionamentos e destrói minutos e horas que poderiam ser maravilhosos. Jogamos fora nosso tempo a troco de nada.

Então troque!

Troque uma boa briga por um bom beijo! Troque a indiferença por um pouco de atenção! Troque o medo pela ousadia (só o suficiente!)! O pessimismo por uma gota de otimismo! Um aperto de mão por um gostoso abraço! Um instante de inquietação por um segundo de oração. Uma maldição por uma bênção!

Experimente a vida!!!

By Letícia Thompson.

O Homem e a Natureza

Posted in Meio ambiente, Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/08/2014 by Joe

O Homem e a Natureza

Ao romper do dia, sentei-me na campina, travando conversa com a Natureza, enquanto o Homem ainda descansava sossegadamente nas dobras da sonolência. Deitei-me na relva verde e comecei a meditar sobre estas perguntas:

– “Será a beleza verdade?”

– “Será verdade a beleza?”

E, em meus pensamentos, vi-me levado para longe da humanidade. Minha imaginação descerrou o véu de matéria que escondia meu íntimo. Minha alma expandiu-se e senti-me ligado à Natureza e a seus segredos. Meus ouvidos puseram-se atentos à linguagem de suas maravilhas.

Assim que me sentei e me entreguei profundamente à meditação, senti uma brisa perpassando através dos galhos das árvores e percebi um suspiro como o de um órfão perdido.

– “Por que te lamentas, brisa amorosa?” perguntei.

E a brisa respondeu:

– “Porque vim da cidade que se escalda sob o calor do sol, e os germes das pragas e contaminações agregaram-se às minhas vestes puras. Podes culpar-me por lamentar-me?”

Mirei depois as faces de lágrimas coloridas das flores e ouvi seu terno lamento… E indaguei:

– “Por que chorais, minhas flores maravilhosas?”

Uma delas ergueu a cabeça graciosa e murmurou:

– “Choramos porque o Homem virá e nos arrancará, e nos porá à venda nos mercados da cidade.”

E outra flor acrescentou:

– “À noite, quando estivermos murchas, ele nos atirará no monte de lixo. Choramos porque a mão cruel do Homem nos arranca de nossas moradas nativas.”

Ouvi também um riacho lamentando-se como uma viúva que chorasse o filho morto, e o interroguei:

– “Por que choras meu límpido riacho?”

E o riacho retrucou:

– “Porque sou compelido a ir à cidade, onde o Homem me despreza e me rejeita pelas bebidas fortes, e faz de mim carregador de seu lixo, polui minha pureza e transforma minha serventia em imundície.”

Escutei, ainda, os pássaros soluçando e os interpelei:

– “Por que chorais meus belos pássaros?”

E um deles voou para perto, pousou na ponta de um ramo e justificou:

– “Daqui a pouco, os filhos de Adão virão a este campo com suas armas destruidoras e desencadearão uma guerra contra nós, como se fôssemos seus inimigos mortais. Agora estamos nos despedindo uns dos outros, pois não sabemos quais de nós escaparão à fúria do Homem. A morte nos segue, aonde quer que vamos.”

Então, o sol já se levantava por trás dos picos da montanha e coloria os topos das árvores com auréolas douradas. Contemplei tão grande beleza e me perguntei:

– “Por que o homem deve destruir o que a Natureza construiu?”

By Khalil Gibran.

Maria-Mole de coco queimado

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , on 17/11/2012 by Joe

Maria-mole é uma sobremesa tipicamente brasileira preparada com açúcar, claras de ovos e gelatina incolor, com cobertura de coco. Sua consistência é muito similar ao marshmallow, porém, sem ser pegajosa.

Conta a história que esse doce teria sido criado por um fabricante de doces, descendente de italianos, chamado Antonio Bergamo. Na tentativa de aproveitar claras de ovos que sobravam do preparo de outros doces, ele conseguiu um suspiro mais consistente adicionando gelatina à receita.

Após esfriar, ele verificou que, ao contrário das suas expectativas, o doce não havia endurecido, ficando meio mole. Daí surgiu o nome Maria-Mole.

Como eu já havia comentado anteriormente, quando publiquei a receita do Pudim de Maria-Mole, esse doce tem gosto de infância. Desde aquelas que a gente comprava nas quitandas do bairro e vinha com um brinquedinho, até as que eram feitas em casa, grandonas e com bastante coco ralado!

Espero que gostem deste doce simples, fácil e rápido de preparar, lembrando que existem variações no preparo desta sobremesa, inclusive algumas em que não se utilizam claras de ovos.

Maria-mole de coco queimado

Ingredientes

2 pacotes de coco ralado (200 g)
6 ovos (somente as claras)
2 xícaras (chá) de açúcar
2 envelopes de gelatina incolor (24 g)
água para hidratar a gelatina

Modo de preparo

Em uma frigideira, doure o coco ralado e reserve.

Em uma tigela, misture as claras de ovos, o açúcar e leve ao fogo em banho-maria. Quando a água começar a ferver, mexa sem parar durante um minuto. Retire a tigela do banho-maria e leve à batedeira, começando em velocidade baixa, aumentando à medida que for encorpando. Bata durante 5 minutos.

Sem parar de bater, junte a gelatina hidratada e dissolvida de acordo com as instruções da embalagem. Bata por mais 5 minutos.

Em uma assadeira untada com margarina e polvilhada com metade do coco reservado, despeje a maria-mole. Por cima, polvilhe o restante do coco e leve à geladeira por 4 horas.

Corte em quadrados e sirva.

Sugestões

1. utilize coco ralado fresco, se preferir.
2. substitua o coco por chocolate granulado.
3. use gelatinas coloridas na mistura da maria-mole para dar cores ao doce.
4. corte em outros formatos.

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: