Arquivo para Stress

Motivação é a chave para o sucesso

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/01/2014 by Joe

Motivação

A motivação é o segredo do entusiasmo e do sucesso. É o aditivo que faz da vontade uma força que não se deixa intimidar. A falta de motivação tem sido a causa de talentos que se perdem, diamantes que permanecem no fundo da terra, em estado bruto, privando o mundo do seu esplendor.

Uma pessoa motivada não abre espaço para pensamentos de derrota, não se deixa desanimar pelo pessimismo, nem se influenciar pelo que os outros pensam. Sabe que algo só é impossível até que alguém o torne possível.

A pessoa motivada não se detém diante das dificuldades. Por isso, responde de uma forma completamente diferente a uma situação de stress do que outra, desmotivada. Situações adversas são encaradas como temporárias e estimulam a pessoa motivada a encontrar respostas aos desafios que surgem em busca do sucesso.

É a motivação que permite que alguém trabalhe horas a fio sem se importar com o cansaço, que faz com que o atleta continue com o treinamento mesmo com os pés doloridos. É o que leva uma pessoa a superar seus limites, como se estivesse sob o efeito de uma substância poderosa e irresistível, transformando o processo de conquistar um objetivo numa aventura maravilhosa.

Em contrapartida, alguém sem motivação e descrente do próprio poder pode ter uma noção do seu potencial, mas não encontra forças para fazer algo dele.

E você? É uma pessoa motivada ou anda achando que o mundo todo está contra você?

Desconheço a autoria.

Iogurte grego caseiro

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/11/2013 by Joe

Iogurte grego

Conhecido como o primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade, e consumido há séculos em todo o Mediterrâneo Oriental, o leite fermentado (coalhadas e iogurtes) é considerado o “Alimento dos Deuses” por suas características e propriedades.

Por exemplo, o iogurte é um dos mais populares e conhecidos tipos de leite fermentado existentes no mundo. A preparação de leites fermentados é uma das formas mais naturais que existem de conservação do leite, já que a acidificação funciona como um preservativo natural contra o desenvolvimento de muitas bactérias nocivas.

É por esta razão que os leites fermentados são oriundos de países quentes e neles muito consumidos. Não fosse pela técnica da acidificação, muitas populações ficariam impedidas de consumí-lo, pelo menos em condições mínimas de segurança.

O elevado valor biológico das proteínas no leite fermentado é superior ao leite fresco, proporcionando o aumento da biodisponibilidade de vitaminas do complexo B, no intestino humano e a melhor absorção do cálcio pelo organismo.

A coalhada e o iogurte elaborados a partir de leite desnatado chegam a ser 6 vezes mais digeríveis que o leite comum.

A coalhada e o iogurte contribuem para o equilíbrio do ecossistema intestinal promovendo o seu balanceamento e, como resultado, modulando diarreias causadas pelo uso de antibióticos, por situações de stress e por tratamentos infecciosos, quimioterápicos e radioterápicos. Também atua na regularidade intestinal, principalmente para idosos.

Ilya Metchinikoff, cientista russo, em suas investigações, concluiu que, as bactérias fermentativas exercem ação inibitória sobre outras bactérias do intestino, contribuindo para a sua desintoxicação, o que prolonga a vida. A longevidade dos povos dos Balcãs, península à sudeste da Europa, era resultado de uma dieta rica em leites fermentados.

Os benefícios que a coalhada e o iogurte trazem para o organismo humano podem ser inúmeros, entre eles:

– Reduz o colesterol no sangue (efeito anticolesterolêmico)
– Modula as diarreias causadas pelos tratamentos com antibióticos, quimioterapias, radioterapias e por situações de stress.
– Tem alto valor nutritivo.
– Melhora a digestão da lactose.
– Recupera e equilibra a flora intestinal.
– Melhora as funções intestinais.
– Melhora a absorção do cálcio e proteínas do leite.
– Desintoxica o intestino.
– Aumenta a expectativa de vida.
– Inibe a ação de bactérias patogênicas.
– Tem efeitos anticarcinogênico.

A preparação de uma boa colhada e iogurte, sem adição de conservantes e outros aditivos, é muito simples.

Hoje trazemos uma receita caseira muito fácil do atualíssimo iogurte grego, que só traz benefícios para a nossa saúde. Sem excesso de proteínas, sem conservantes  e outros “antes”.

Iogurte grego caseiro

Ingredientes

2 litros de leite integral
3 colheres (sopa) de iogurte natural
2 gotas de extrato de baunilha
10 gotas de adoçante

Modo de preparo

Em uma panela, esquente o leite até quase ferver. Deixe esfriar e, quando estiver na temperatura de 45 graus (use um termômetro culinário), adicione o iogurte natural. Misture bem e transfira para uma vasilha com tampa.

Coloque a vasilha em cima de um prato, para não deixar vazar. Tampe e envolva em um cobertor. Deixe de 7 a 8 horas descansando no calor do cobertor dentro do forno (desligado).

Depois desse tempo, você vai precisar de um escorredor de macarrão e um pano branco fino. Coloque o pano dentro do escorredor e este sobre uma vasilha alta, tipo pirex. Despeje o iogurte sobre o pano e deixe na geladeira por 8 horas para retirar o soro. Quanto mais tempo ficar na geladeira, mais desidratado e mais consistente ficará.

Reserve um pouco da massa do iogurte para preparar a próxima vez (umas 3 colheres de sopa cheias). Coloque em um pote fechado e guarde na geladeira para fazer o próximo iogurte. Ela dura até 7 dias.

Após o tempo de desidratação, retire a massa do pano e coloque em uma vasilha. Pode temperar com duas gotas de baunilha e 10 gotas de adoçante. Misture bem com uma colher de pau. Não use a batedeira.

Este iogurte fica perfeito para acompanhar frutas, granola, mel, quinoa em flocos, aveia, frutas secas, além de ser um ótimo ingrediente na preparação de bolos, mousses e outros pratos.

By Joemir Rosa.

Petisco de sardinhas ao forno

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31/08/2013 by Joe

Petisco de sardinhas ao forno

No século XIII, já fervilhava em Lisboa o mercado da Sardina pilchardus, a conhecida sardinha. Há séculos, na história de Portugal, este pequeno peixe entre 15 e 20 cm, vem sendo – assim como o bacalhau – um “fiel companheiro” à mesa dos portugueses.

Consumida preferencialmente assada na brasa, a sardinha tornou-se sustento de muitas populações durante longos períodos da história daquele país. Uma importância que lhe garantiu status na literatura, enraizou nas canções, nos contos e jogos populares, festejos, referências na genealogia, surgindo até como nome de algumas famílias.

Já na Idade Média, os trabalhadores que conduziam animais de carga, abastecendo cidades e vilas, levavam sardinhas para o interior, tornando-as o prato básico da alimentação de muitas populações rurais.

A sardinha no pão tornou-se um hábito que acompanhou a história, uma prática dos pobres que esfregavam a sardinha assada no pão para lhe conferir algum sabor e, com isso, enganar a escassez do alimento.

O peixe é um alimento fundamental na nossa alimentação. Seja qual for a nossa faixa etária, ele deve estar presente na nossa dieta, pelo menos duas vezes por semana, pois o seu consumo ajuda a prevenir várias doenças como as que são provocadas pelo stress, as cardíacas e as de hipertensão. Riquíssimo em ômega-3, um tipo de gordura conhecido como ácido graxo essencial, e não produzido pelo corpo humano, muito importante para uma boa saúde.

Além de serem um prato tradicional na cozinha portuguesa, as sardinhas assadas ganharam o mundo e tiveram uma rápida adaptação em terra brasileiras.

A receita de hoje nos traz uma variação no preparo desse delicioso prato, bem temperado e preparado no forno!

Petisco de sardinhas ao forno

Ingredientes

8 sardinhas limpas e sem cabeças
4 fatias grandes de pão italiano ou 2 baguetes
suco de dois limões
6 colheres de sopa de azeite
6 dentes de alho picados
1 pimentão vermelho ou amarelo cortado em tirinhas
sal a gosto
pimenta do reino a gosto
alho torrado picado (compra-se pronto nos supermercados)

Modo de preparo

Tempere as sardinhas de ambos os lados com sal, suco de limão e pimenta do reino. Em uma forma untada com azeite, leve ao forno pré-aquecido a 180º até que estejam assadas.

Enquanto isso, em uma frigideira, leve ao fogo o azeite, o alho e o pimentão. Mexa e deixe refogar em fogo médio, sem deixar queimar.

Coloque as fatias de pão na mesma forma onde foram assadas as sardinhas. Espalhe o refogado sobre os pães e, por cima, as sardinhas. Finalize regando com azeite e alho torrado.

Leve ao forno aquecido e deixe assar por uns 10 minutos.

Sirva acompanhado por um bom vinho tinto Dão!

By Joemir Rosa.

Conheça-te a ti mesmo!

Posted in Inspiração, Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/03/2013 by Joe

Conhece-te a ti mesmo

Frase sábia, não? Desde os primórdios dos tempos, era assim que Jesus Cristo, o Mestre dos mestres, dirigia-se claramente aos cristãos, quando o questionavam sobre os infortúnios da vida. Creia, essa frase permanece atualíssima em nosso tempo.

Ocorre que nós, seres humanos, estamos sempre preocupados e voltados para o nosso exterior; preocupa-nos o que vestir, como andar e para onde ir, em tudo nos metemos a sabedores, discorremos sobre a nossa história como melhores em tudo.

Vivemos a cultura da mesmice onde repetimos como papagaios tudo que ouvimos de bobagens e toda a ordem de jargões e piadas machistas de celebridades de segunda categoria, que se acham engraçadas atrás de um microfone. Carregamos o estigma de uma elite quatrocentona completamente rançosa de preconceitos que já não cabem no século XXI.

Dou aqui um exemplo: outro dia, vi uma senhora de classe média, digamos que “alta”, discorrendo em uma gravação de um jornal televisivo a respeito do tempo em que estava aguardando na fila para a adoção de uma criança. Dizia ela que achava que estava esperando há muito tempo ser chamada, pelo perfil da criança que ela havia optado para adoção. Queria uma criança de até um ano de vida. Essa criança tinha que ser branca e não de outra etnia (palavras dela) e continuou:

– “Não estou preparada para outro tipo de criança que não possua esse perfil!”

Detalhe: a grande maioria de crianças disponíveis para adoção são crianças negras e pardas com, aproximadamente, 3 a 5 anos de idade. Eu diria que essa senhora não está preparada para nada na vida e, certamente, iria ser mais feliz indo a um pet-shop e comprando um cachorrinho.

Entendem qual é o ponto?

Possuímos uma visão externa de mundo que não é compatível com a realidade. Queremos o agradável, o belo aos nossos olhos. Somos escravos da cultura da beleza grega, procuramos companheiros caucasianos, como estereótipos de famílias perfeitas. Temos todo tipo de preconceito quando se trata da nossa vida. E o pior: não nos conhecemos, não temos ideia alguma de quem somos, vivemos à margem da grande realidade da vida que é o conhecer si mesmo.

A vida nos é dada dentro do ventre da nossa mãe, surgimos de dentro para fora, nada acontece fora sem antes acontecer no útero da nossa mãe. Parece óbvio, não? Então, é urgentemente necessário que tenhamos nossos olhos voltados para o nosso interior!

Nós nos preocupamos demasiadamente com a nossa aparência, com nosso cabelo, com a pele bronzeada, nossas mãos, nossos pés, queremos tudo impecavelmente bem cuidado e nos esquecemos do nosso interior, esquecemos de cuidar da nossa mente que é vital para circularmos nesse mundo de uma maneira sadia.

Despejamos em nossa mente todos os dias o lixo adquirido da nossa existência, toda amargura, infelicidade, inveja, maldade, pensamentos negativos, e buscamos ser felizes com todo esse lixo acumulado em uma caçamba lotada dentro de nós!

Vivemos uma vida estressada com todos os afazeres que nos compete no dia-a-dia, não temos o cuidado necessário com a nossa saúde, esquecemo-nos que sem esse devido cuidado, de repente, essa maravilhosa máquina pode precisar de uma manutenção. Tenha certeza, você não é insubstituível, caso falte; alguém irá tomar o seu lugar…

Vivemos sempre insatisfeitos com nossa situação atual; se ganhamos bem, nosso trabalho nos estressa; se ganhamos mal, reclamamos e nos acomodamos naquele mesmo emprego, por medo de mudar e nada fazemos. Queremos sempre estar onde o outro está, norteamos sempre a nossa vida pela vida do outro. Inveja, sentimentos baixos, rancorosos não irão ajudar em nada a sua vida!

Vivemos em uma sociedade tão sufocante pela correria do nosso dia-a-dia que não temos tempo e muito menos vontade para nos interiorizarmos e, nessa falta, perdemo-nos completamente, haja vista que quando temos a oportunidade de tirarmos alguns dias de férias, não conseguimos de maneira alguma relaxar, muitas vezes não suportando o silêncio e a tranquilidade do local que escolhemos para o nosso descanso. Mais uma vez, nossa mente está cheia de entulho…

Andamos acelerados demais, começamos nosso dia irritados, descarregando em nosso organismo uma quantidade muito alta de adrenalina que em nada irá nos ajudar.

Precisamos fazer essa viagem interior, procurar cuidar da nossa mente, limpar todo o entulho mental que carregamos há anos e não nos damos conta. Redefinir atitudes egoístas, limpar todos os pensamentos negativos, repensar valores, ser tolerantes com o próximo e nunca desejar ao outro o que não desejamos para nós mesmos…

Faça essa viagem interna e “conheça-te a ti mesmo”.

Pense nisso.

By Nelson Sganzerla.

Meditação

Posted in Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/03/2013 by Joe

Meditação 2

A vida que levamos nas cidades grandes, principalmente o stress do trabalho, o trânsito caótico, as preocupações do dia-a-dia, as relações afetivas nem sempre satisfatórias, etc, fazem com que nosso ritmo mental torne-se acelerado, gerando uma constante tensão física e emocional!

O resultado disso tudo é a saúde debilitada, geralmente na forma de dores musculares, pressão alta, insônia, irritação constante, desânimo, dores de cabeça, etc.

E como no tumulto da vida corrida em que vivemos nem sempre temos tempo pra fazermos uma academia, yoga, ou qualquer outro tipo de atividade que reduza essa tensão toda, a meditação surge como uma técnica muito simples que ajuda a equilibrar e eliminar o stress. Ela diminui o ritmo cardíaco, baixa a ansiedade, elimina as fobias relacionadas ao mundo moderno e maior sua capacidade sexual.

Ela faz com que o cérebro trabalhe em uma onda elétrica mais sutil denominada alfa. A prática diária da meditação melhora a capacidade mental, estimula o vigor, melhora a disposição e, principalmente, nos faz conscientes de nossa vida.

Originária da Índia, a meditação se encontra intimamente ligada às práticas de yoga; também está inserida em várias religiões orientais como o taoísmo e o budismo. Cada qual possui sua forma particular em praticar a meditação, algumas estão inclinadas ao universo espiritual, outras à saúde ou ao bem-estar. No ocidente, ela virou sinônimo de relaxamento corporal e até as religiões cristãs e evangélicas aderiram à palavra meditação para se referirem ao ato de fé. Também, é largamente utilizada na terapia holística como uma técnica necessária para qualquer tratamento.

Hoje apresentamos um pequeno video que nos ensina a prática da meditação em qualquer momento, em qualquer lugar, utilizando apenas um minuto! Vale a pena testar esta prática e ver o resultado! Sua saúde física e mental irão agradecer!

By Joemir Rosa.

Como está sua autoestima?

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/02/2013 by Joe

Autoestima

Como está a sua autoestima? O que fazer para que ela se mantenha alta?

Autoestima é a capacidade que uma pessoa tem de confiar em si própria, de se sentir capaz de poder enfrentar os desafios da vida, é saber expressar de forma adequada para si e para os outros as próprias necessidades e desejos, é ter amor-próprio.

Em suma, é saber que você tem o direito e merece mesmo ser feliz!

E para ser feliz sua autoestima deve estar num bom nível, quanto maior, melhor!

Por outro lado, a baixa autoestima gera ansiedade, medo, depressão, fobias, enfim, uma série de outros problemas!

Algumas pessoas costumam confundir autoestima com egoísmo. Uma pessoa com boa autoestima nunca é egoísta! Ao contrário, aquele que ama a si próprio, respeita-se e, automaticamente, respeita as outras pessoas e jamais desejará prejudicá-las.

O egoísta, por sua vez, só pensa em si próprio, nunca se importando com ninguém.

E quem são as pessoas com baixa autoestima? Quais são os seus traços característicos mais comuns? Geralmente são pessoas que:

– possuem tendências perfeccionistas e que precisam se sentir no controle de tudo o que acontece à sua volta, o que provoca altos níveis de stress;

– culpam os outros pelos seus problemas, pois sempre se consideram vítimas;

– reagem rapidamente com raiva e esta é quase sempre dirigida de maneira errada para a pessoa errada;

– temem correr riscos;

– dificilmente encaram os outros nos olhos por muito tempo;

– têm pouca concentração e geralmente são causadores de problemas;

– têm pouca habilidade em ficar focado em algo por muito tempo;

– constantemente estão cometendo erros e tendo acidentes, especialmente de carro;

– tendem a ser negativistas;

– com frequência não dão certo no casamento porque se casaram pelos motivos errados;

– tendem a abusar de álcool, drogas ou fumo;

– geralmente estão acima do peso normal;

– preocupam-se demasiadamente com as críticas e comentários dos outros a seu respeito.

– por preocuparem-se demais com o que os outros pensam sobre elas, as pessoas com baixa autoestima evitam, a todo custo, emitir suas opiniões, gostos, valores, pensamentos e sentimentos.

A baixa autoestima revela uma pessoa que não expressa os seus sentimentos, que os guarda a sete chaves. Na tentativa de ocultar os seus sentimentos para os outros, ela acaba tornando-se mentirosa para si mesma.

Um exemplo para entender melhor: suponha que você está muito triste, mas não quer que seu amigo (a) saiba (digamos que você deseja passar a imagem de uma pessoa “forte”, que nunca demonstra momentos de infelicidade, de “fraqueza”). Pois bem, você estará mentindo para si mesma e quando faz isso, você se sente diminuída e o seu amor-próprio também cai drasticamente!

Oras, se não queremos que o outro saiba o que sentimos, vamos, pouco a pouco, evitando manter relações interpessoais, pois não queremos correr o risco de, sem querer, revelar nossos verdadeiros sentimentos.

Mas o que faz uma pessoa querer guardar os seus sentimentos para si própria quando o natural é sempre querer expressá-los?

Há várias razões para isso: ela pode ter crescido num ambiente de pouco amor e afeto, onde não se encorajava a expressão das emoções, mas ela pode, também, ter optado em não expressá-los com receio de gerar brigas no ambiente familiar ou mesmo por achar que suas emoções seriam mal entendidas ou que, ao revelá-las, estaria magoando alguém.

Não importa qual tenha sido o motivo que leva uma pessoa a ocultar suas emoções. Manter as emoções ocultas internamente gera a diminuição da autoestima!

Mesmo que alguém tenha a vida toda tentado guardar seus sentimentos, esta pessoa não está destinada a sofrer seus efeitos negativos para o resto de sua vida… a menos que ela faça esta escolha.

E por que alguém iria querer viver em um estado de baixa autoestima?

Não existe comportamento sem uma motivação ou objetivo: todo comportamento tem um propósito. Pode ser um modo de chamar a atenção para nós mesmos, ou dar a si mesmo uma desculpa para o seu próprio fracasso, por exemplo.

E se você quer parar de sofrer, está na hora de começar a mudar… Nunca é tarde para isso!

E por onde você vai começar? Primeiro, comece com você. Você tem que construir o seu amor-próprio. E se não consegue fazer isso sozinho, busque ajuda profissional adequada!

Quanto mais verdadeiro você for com você mesma, melhor será o conceito que você tem de si mesma e maior será a sua autoestima.

By Drª Olga Tessari, psicóloga, escritora e palestrante.

Azar ou sorte, eis a questão!

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 05/11/2012 by Joe

Não acredito em sorte, acredito em pessoas que dão sorte aos outros – e não tenho como negar, algumas trazem azar. Sou da opinião de que definimos destinos. Podemos ser pedra no caminho ou ponte sobre águas; fim de picada ou avenida de possibilidades; péssima memória ou saudade sorridente; causa de úlcera ou ombro amigo; responsáveis, de alguma forma, por rostos felizes ou por taquicardias. Curamos e produzimos stress. Massageamos contusões e ferimos autoestima. Ensinamos a dar a volta por cima e enlameamos.

Fomos criados para nos tornar criadores. Daí, na breve história da cultura, termos conseguido nos especializar em obstáculos. Se a carne for dura, aprendemos a cozinhar. Se ver os mortos apodrecendo a céu aberto aumenta a dor da perda, aprendemos a enterrá-los. Se mover uma carga se mostra dificultoso, aprendemos a utilidade da roda. Mas tem o outro lado. Quando ir e vir incentiva a liberdade, erguemos porteiras. Para aumentar domínios, organizamos exércitos. Para intimidar e fazer valer interesses egoístas, invocamos a chancela de Deus.

Muitos embaraços do futuro nascem do querer. Por onde andará Maria, que feri? Por onde andará José, que decepcionei? Os meninos que o presbítero da igreja navalhou tiveram qual sorte? Em que medida a professora do beabá foi responsável pela sensibilidade do poeta? O que dizer do trauma da menina que o pai bolinou? Quem inspirou aquele santo homem nos tempos de criança?

A palavra falada, a reação impensada, o elogio espontâneo, o comentário en passant, tudo serve na construção do amanhã. Não há como abandonar o porvir a um quietismo ingênuo. Ninguém pode se escusar sob um fatalismo, tipo “o que será, será”.  Alguém pode rir ou sofrer porque vidas se tangenciaram.

As estrelas não afetam a sorte das pessoas – elas estão longe demais – com a mesma força que uma pessoa, tão próxima. Azar ou sorte, eis a questão, diz respeito a todos.

By Ricardo Gondim.

%d blogueiros gostam disto: