Arquivo para Sobremesa

Creme Prestígio

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 06/12/2014 by Joe

Creme Prestígio

O dicionário da língua portuguesa ensina:

Prestígio – s.m. Valor sócio-cultural positivo atribuído a um indivíduo ou a um grupo.
Grande influência exercida por pessoa ou coisa sobre outra ou outras pessoas.
Fig. Sedução, fascinação; poder de atração.

A receita de hoje não tem história, mas tem tradição pela combinação de sabores: chocolate com coco! A essa combinação foi dado o nome de Prestígio por um grande fabricante de chocolates. E não é pra menos, pois o chocolate que leva esse nome tem grande poder de atração, de sedução, de fascinação!

Poucas pessoas se dão ao luxo de desprezarem tal alquimia. Prestígio é sinônimo de coisa gostosa, de sobremesa que enche a boca de água.

Inúmeras são as receitas que levam esse nome. Basta uma rápida pesquisa nos sites de gastronomia, ou nos velhos cadernos receitas de nossas avós e tias, para encontrarmos uma grande variedade de sobremesas que carregam esse nome!

No post de hoje trago uma dessas receitas, que tem sabor muito próximo ao do chocolate produzido em barrinhas. Basta checar, no próprio site do fabricante, os ingredientes utilizados na elaboração desse produto. Aqui, claro, sem aqueles aditivos químicos para mantê-lo conservado por longos meses. Além dos toques de sofisticação na apresentação da sobremesa!

Neste caso, é fazer e comer!

Creme Prestígio

Ingredientes

Creme

1 lata de leite condensado
200 g de coco ralado
1/2 xícara (chá) de glucose de milho (Karo)
5 colheres (sopa) de leite em pó
1/2 lata de creme de leite.

Cobertura

300 g de chocolate meio amargo picado
1/2 lata de creme de leite
lascas de coco para decorar

Modo de preparo

Prepara o creme, misturando, em uma tigela, o leite condensado, o coco ralado, a glucose de milho, o leite em pó e o creme de leite, até formar um creme bem homogêneo. Coloque em taças individuais e leve à geladeira.

Para a cobertura basta derreter o chocolate em banho-maria e misturar o creme de leite. Despeje sobre o creme gelado e leve novamente à geladeira por, no mínimo, duas horas.

Na hora de servir, decore com lascas de coco (ou ralado).

By Joemir Rosa.

Creme caramelo

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 18/10/2014 by Joe

Creme caramelo

O caramelo é um desses doces cuja origem se perde no tempo. De qualquer forma, suas características “maleáveis” permitem uma variada gama de usos na cozinha, seja na preparação de caldas ou de pudins, chocolates industrializados e até para decoração de pratos.

Ele é produzido a partir do aquecimento lento do açúcar até que se obtenha um ponto pastoso que chamamos de caramelo. À medida que o açúcar vai derretendo e se aproximando da temperatura de 170ºC (ou 340ºF), as moléculas vão se quebrando em compostos que dão a cor e o sabor característicos.

Na indústria de alimentos, o corante de caramelo é um dos aditivos mais antigos conhecidos utilizados na obtenção de cores, que vão do amarelo-palha até o quase negro (utilizado nos refrigerantes tipo Cola).

A receita deste sábado é muito simples: uma sobremesa rápida e prática de se preparar, onde o caramelo é utilizado para dar cor e até mesmo uma decoração às taças onde será servida.

Creme caramelo

Ingredientes

1/2 litro de leite
2 colheres (sopa) de manteiga
2 colheres (sopa) de amido de milho
1 ovo (gema e clara separadas)
2 colheres (sopa) de açúcar para o caramelo
1/2 xícara de açúcar para o creme
1 colher (sopa) de açúcar para a clara em neve
1 pitada de sal
1 colher (chá) de essência de baunilha

Modo de preparo

Derreta as duas colheres de açúcar, prepare o caramelo e espalhe nas laterais e bordas de taças individuais.

Reserve 1/2 xícara de leite e leve o restante ao fogo junto com a manteiga. Dissolva o amido e a gema no leite reservado, junte ao leite da panela e mexa sem parar. Adicione, sem parar de mexer, ½ xícara (chá) de açúcar, o sal e a baunilha. Ferva por cinco minutos até obter ponto de creme (mingau).

Bata a clara em neve, juntando uma colher (sopa) de açúcar. Incorpore a clara ao creme, misturando rapidamente. Retire do fogo e distribua entre as taças. Deixe esfriar e leve à geladeira.

Sirva bem gelado.

By Joemir Rosa.

Cocada com morangos

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 06/09/2014 by Joe

Cocada com morangos

A história do morango vem de uma longa trajetória em busca do aprimoramento do sabor e do prazer. Embora existam espécies de morangos nativas na maioria das regiões temperadas, os frutos cultivados atualmente são provenientes do cruzamento e da união de várias espécies, entre as quais algumas encontradas apenas sob a forma silvestre nas Américas.

Embora por toda a Europa existam registros de que diferentes espécies de morangos silvestres já eram conhecidos e apreciados desde os tempos mais antigos, presumindo-se que essas frutas tenham sido levadas para cultivo em hortas caseiras apenas por volta do século XV. No entanto, apesar de fornecerem frutos de excelente qualidade e notável aroma, os morangos de então eram pequenos e sua produção era bastante irregular.

Até que os colonizadores europeus chegaram à América do Norte. Ali encontraram uma espécie de morangueiro nativo extraordinariamente vigoroso e produtivo (Fragaria virginiana) que, logo no início do século XVII, foi levado para o continente europeu.

Um século depois, um novo e feliz encontro: mais ao sul, nas terras que hoje pertencem ao Chile, os colonizadores se depararam com uma outra espécie nativa, de maior tamanho, que há muito tempo já era cultivada pelos indígenas da terra (Fragaria chiloensis), que foi também levada para a Europa.

Acredita-se que o cruzamento casual entre estas diferentes espécies de Fragaria nos viveiros europeus originou as matrizes das inúmeras variedades de morangos que se conhecem hoje em dia.

Atualmente no Brasil, como em quase todo o mundo, existem inúmeras variedades diferentes de morangos sendo cultivadas e, em geral, utilizam-se as mais adaptadas localmente. O Estado de São Paulo destaca-se como o maior produtor de morangos do país, sendo o extremo sul de Minas Gerais também um pólo considerável de cultivo da fruta.

O consumo de morango traz diversos benefícios ao organismo, principalmente para quem deseja emagrecer. Ele diminui a fome, pois graças às fibras, ele aumenta a sensação de saciedade, impedindo que você coma mais do que deveria durante as refeições. E ele não engorda!

O morango também controla o colesterol, afinal, quanto mais fibras um alimento tem, maior a capacidade de absorver o colesterol do sangue e eliminá-lo pelas fezes. Ele também evita as rugas, pois é dotado de antioxidantes que previnem o envelhecimento precoce, combatendo os radicais livres. Além disso, reduz o inchaço, equilibrando o nível de sódio que retém líquidos, combate a gordura graças à vitamina C, que previne a obesidade e auxilia na formação de colágeno, dando firmeza à pele. Ele também diminui a barriga e regula o intestino.

E o que pouca gente sabe: ele previne o câncer, pois contém ácido elágico, substância que trabalha para impedir a formação de tumores no aparelho digestivo. E mais uma boa notícia para quem quer emagrecer: a fruta aumenta a produção da leptina, que estimula o metabolismo, melhora o funcionamento de outros hormônios que trabalham no emagrecimento, reduzem a velocidade de digestão de alguns alimentos e controlam os níveis de açúcar no sangue.

Já que os benefícios são enormes com a ingestão de morangos, o melhor é provarmos uma deliciosa sobremesa com essa fruta saborosíssima!

Cocada com morangos

Ingredientes

1 pacote (100 g) de coco ralado
1 colher (sopa) de manteiga
1 lata de leite condensado
200 g de morangos

Modo de preparo

Em uma panela, misture o coco ralado, a manteiga e o leite condensado. Leve ao fogo brando, mexendo sem parar até desgrudar do fundo da panela. Deixe baixar um pouco a temperatura, mas não até esfriar totalmente porque a cocada estará mais consistente.

Lave bem, pique os morangos e misture na cocada. Distribua em copinhos e leve à geladeira. Decore com mais morangos picados na hora de servir.

Dica: aproveite a safra de morangos e congele. Lave-os bem em água corrente, enxugue e passe no açúcar. Distribua em saquinhos e congele.

By Joemir Rosa.

Pudim de arroz

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10/05/2014 by Joe

Pudim de arroz

Aproveitando que amanhã é comemorado o Dia das Mães, que tal prepararmos um delicioso pudim como sobremesa para o almoço de domingo? Pudim é sempre uma receita muito fácil de preparar e que todo mundo curte!

Como já comentei em outras receitas de pudins, quase todos os doces feitos com muitos ovos são de origem portuguesa, e os pudins, ao chegarem por aqui, ganharam outros ingredientes tupiniquins como o coco, a mandioca, o pão, etc.

O típico pudim de pão é uma excelente maneira de aproveitar aquele pão amanhecido. Geralmente recebe passas, frutas secas cristalizadas e ainda vinho do Porto. Já o de claras é uma ótima opção quando você não sabe o que fazer com os ovos que sobraram do quindim ou de outros doces, por exemplo.

Os pudins geralmente são assados em banho-maria, ou seja, a forma é colocada dentro de outro recipiente com água para ir ao forno, ou ao fogo, caso você use recipientes próprios para banho-maria encontrados nas lojas de utensílios domésticos.

Seja qual for a maneira como irá fazer, certo mesmo é que eles ficam cremosos, refrescantes e super fáceis de preparar. Uma sobremesa que serve para todas as ocasiões.

E hoje trago a receita de uma variação dos pudins clássicos: o de arroz. É simplesmente delicioso!!

Pudim de arroz

Ingredientes

Pudim

250 g de arroz
4 xícaras (chá) de água
2 ramas de canela em pau
2 xícaras (chá) de leite
1,5 xícaras (chá) de açúcar
6 ovos
1 colher (sopa) de baunilha
1 colher (café) de fermento em pó
raspas de 1 limão
manteiga para untar a forma
farinha de trigo para polvilhar a forma

Cobertura

6 bananas-da-terra
2 xícaras (chá) de açúcar

Modo de preparo

Cozinhe o arroz na água com a canela. Coloque o leite e 1 xícara e 1/2 de açúcar. Retire a canela, acrescente os ovos, a baunilha e bata tudo no liquidificador. Misture delicadamente o fermento e as raspas de limão. Unte uma forma redonda (sem buraco e com fundo falso) com manteiga, polvilhe com farinha de trigo e coloque para assar. Depois de assado, leve para a geladeira.

Cobertura: Corte as bananas em rodelas. Derreta numa panela 2 xícaras de açúcar até caramelizar. Se precisar, coloque uma ou duas colheres de água para que não fique muito seca. Junte as bananas e deixe descansar por meia hora.

Desenforme o pudim e coloque as bananas carameladas por cima.

By Joemir Rosa.

Ovo de Páscoa recheado de travessa

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/04/2014 by Joe

Ovo de Páscoa de travessa

Muita gente comemora a Páscoa, mas ainda tem os que desconhecem o significado e a história dessa data.

A Páscoa é uma das datas comemorativas mais importantes entre as culturas ocidentais. A origem desta comemoração remonta muitos séculos. O termo “Páscoa” tem uma origem religiosa que vem do latim pascae. Na Grécia Antiga, este termo também é encontrado como paska. Porém, sua origem mais remota é entre os hebreus, onde aparece o termo pessach, cujo significado é passagem.

Entre as civilizações antigas, os historiadores encontraram informações que levam a concluir que uma festa de passagem era comemorada entre povos europeus há milhares de anos. Principalmente na região do Mediterrâneo, algumas sociedades, entre elas a grega, festejavam a passagem do inverno para a primavera, durante o mês de março. Geralmente esta festa era realizada na primeira lua cheia da época das flores.

Entre os povos da antiguidade, o fim do inverno e o começo da primavera eram de extrema importância, pois estavam ligados à maiores chances de sobrevivência em função do rigoroso inverno que castigava a Europa, dificultando a produção de alimentos.

Já entre os judeus, esta data assume um significado muito importante, pois marca o êxodo deste povo do Egito, por volta de 1250 a.C, onde foram aprisionados pelos faraós durantes vários anos. Esta história encontra-se no Velho Testamento da Bíblia, no livro Êxodo. A Páscoa Judaica também está relacionada com a passagem dos hebreus pelo Mar Vermelho, onde, liderados por Moisés, fugiram do Egito.

Nesta data, os judeus preparam e comem o matzá (pão sem fermento) para lembrar a rápida fuga do Egito, quando não havia tempo para fermentar o pão.

Entre os primeiros cristãos, esta data celebrava a ressurreição de Jesus Cristo, quando, após a morte, sua alma voltou a se unir ao seu corpo. O festejo era realizado no domingo seguinte à lua cheia posterior ao equinócio da Primavera (21 de março).

Entre os cristãos, a semana anterior à Páscoa é considerada como Semana Santa. Esta semana tem início no Domingo de Ramos que marca a entrada de Jesus na cidade de Jerusalém.

Já a figura do coelho está simbolicamente relacionada à esta data comemorativa, pois este animal representa a fertilidade. O coelho se reproduz rapidamente e em grandes quantidades. Entre os povos da antiguidade, a fertilidade era sinônimo de preservação da espécie e melhores condições de vida, numa época onde o índice de mortalidade era altíssimo. No Egito Antigo, por exemplo, o coelho representava o nascimento e a esperança de novas vidas.

Mas o que a reprodução tem a ver com os significados religiosos da Páscoa? Tanto no significado judeu quanto no cristão, esta data relaciona-se com a esperança de uma vida nova. Já os ovos de Páscoa (de chocolate, enfeites, jóias), também estão neste contexto da fertilidade e da vida.

A figura do coelho da Páscoa foi trazido para a América pelos imigrantes alemães, entre o final do século XVII e início do XVIII.

Pronto! Entendido o significado da data, vamos à receita de hoje. Nem me atrevi a postar uma receita de ovos de Páscoa, dada a grande variedade de ovos produzidos pelas grandes empresas, com recheios ou sem, com surpresas ou vazios, etc e tal.

Então, optei por uma receita mais fácil de preparar e resolvi experimentar. Gostei do resultado final, cremoso, saboroso…

Bom, anotem, preparem, curtam esta delícia de sobremesa! Afinal, a história não contou, mas… Páscoa é sinônimo de chocolate!!!

Ovo de Páscoa recheado de travessa

Ingredientes

3 latas de leite condensado
2 colheres (sopa) de maizena
2 latas de leite (use a lata de leite condensado vazia para medir)
6 gemas
1/2 colher (sopa) de essência de baunilha
400 g de creme de leite
2 xícaras (chá) de chocolate amargo picado (ou meio amargo, se preferir)
1/2 xícara (chá) de castanha de caju picada
2 xícaras (chá) de chocolate ao leite picado

Modo de preparo

Em uma panela, coloque o leite condensado, a maizena dissolvida no leite, as gemas e leve ao fogo médio, mexendo até engrossar. Desligue e acrescente a essência de baunilha. Misture bem e deixe esfriar. Depois, misture bem o creme de leite. Separe 1/3 da mistura e reserve. No creme restante, misture o chocolate amargo derretido, preparando, assim, um creme de chocolate.

Em um refratário médio (de preferência, oval para dar o formato do ovo), coloque metade do creme de chocolate no fundo. Leve ao congelador por 15 minutos, retire e cubra com o creme branco. Distribua a castanha de caju por cima e volte por mais 15 minutos ao congelador. Depois desse tempo, cubra com o creme de chocolate restante, exatamente como está na foto.

Para finalizar, derreta o chocolate ao leite e espalhe sobre o creme. Leve à geladeira por 2 horas antes de servir.

By Joemir Rosa.

Mousse de menta com calda de chocolate

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/03/2014 by Joe

Mousse de menta com chocolate

A França é a mãe das mousses (la mousse, espuma), daqueles de consistência quase mágica e sabor de nuvem.

Existem muitas teorias e histórias sobre a origem da palavra mousse. Uma das mais interessantes conta que, na Roma antiga, existia uma mistura de mel com vinho chamada de muslum. Com as modificações do latim, a palavra transformou-se em mulsa.

Em francês, a palavra se transformou em mousse e, por volta do século 19, foi o nome dado a um doce aerado preparado na Inglaterra. Mousse na França, ou musse no bom português, significa algo leve e espumoso, porém com textura estável.

Conta a história que a mousse de chocolate teria sido inventada no início do século XX pelo artista francês Henri de Toulouse-Lautrec que a chamou, originalmente, de “maionese de chocolate”

As mousses podem ser preparadas a partir de praticamente todos os ingredientes, doces ou salgados. Basta acrescentar claras batidas em neve ou creme de leite batido. A mousse é um prato leve e pode ser servida tanto como entrada, no caso das mousses salgadas, como uma deliciosa sobremesa. Qualquer que seja a situação, lembre-se de que é servida sempre fria!

Ah, e quando você for preparar a mousse, não esqueça de dar uma atenção especial à apresentação do prato. O paladar é bastante estimulado pelos olhos e pela elegância.

A receita de hoje foge um pouco das tradicionais mousses doces, de chocolate, maracujá ou limão. Desta vez o chocolate vem na forma de uma calda deliciosa, dando um toque diferenciado, tanto no sabor quanto na apresentação da sobremesa.

Mousse de menta com calda de chocolate

Ingredientes

Mousse

1 lata de leite condensado
1 lata de creme de leite com soro
1 xícara de licor de menta
1 pacote de gelatina em pó sem sabor
½ xícara de água

Calda de chocolate

200 gramas de chocolate meio amargo bem picado
1 lata de creme de leite com o soro

Modo de preparo

Antes de tudo, comece hidratando a gelatina na água fria por uns dois ou três minutos. Depois, aqueça em banho-maria até dissolver bem, tomando o cuidado de não deixar ferver.

Em seguida misture todos os ingredientes no liquidificador e bata tudo muito bem. Despeje o creme em taças individuais (se preferir utilizar uma forma para pudim, unte-a com uma fina camada de óleo de soja), leve à geladeira por algumas horas (o ideal é preparar de um dia para o outro).

Para a calda basta derreter completamente o chocolate picado em banho-maria, apagar o fogo e misturar bem o creme de leite com o soro até obter um creme bem homogêneo. Na hora de servir, espalhe a cobertura sobre a mousse gelada.

By Joemir Rosa.

Zuccotto

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 08/03/2014 by Joe

Zuccotto

O zuccotto é uma deliciosa sobremesa de chocolate e nozes, de origem fiorentina, muito comum nas meses italianas, principalmente na época do Natal.

A cozinha Toscana é constituída principalmente por pratos e doces tradicionais que mantém suas receitas inalteradas por muitos anos. Também conhecida como “la cucina povera” (a cozinha pobre), esta definição faz alusão à origem camponesa da maioria dos pratos típicos da Toscana. Há uma máxima que diz que a culinária toscana resume-se à três bases: pão, vinho e azeite.

A Toscana é a terra dos contadini, dos camponeses e agricultores, uma região que já sofreu muito com a escassez de produtos e nem sempre foi uma terra cheia de fartura como vemos hoje. O camponês toscano tinha que se virar com os poucos recursos que tinha, com os produtos da região para fazer o seu alimento.

Como a cozinha Italiana de maneira geral, é uma cozinha simples saudável e saborosa. Entre os doces não faltam surpresas: cantucci, ricciarelli, castagnaccio alla pistoiese e o zuccotto, famoso no mundo como o primeiro semi-frio da história.

Acredita-se que a origem do zuccotto tenha sido inspirada pela cúpula da catedral (Duomo) de Santa Maria Del Fiore, uma igreja cuja obra de arte gótica da primeira renascença italiana levou nada menos que seis séculos para ser construída. A sua cúpula é obra de um dos principais renascentistas, Brunelleschi.

E é justamente esta receita que trazemos hoje: o zuccoto, uma sobremesa deliciosa, para ser servida fria, como se fosse um sorvete!

Zuccotto

Ingredientes

6 ovos
6 colheres (sopa) de açúcar
6 colheres (sopa) de farinha de trigo
1 colher (café) de fermento em pó
1/2 xícara (chá) de morangos picados
1/2 xícara (chá) de uvas-passas
1/2 xícara (chá) de nozes
4 colheres (sopa) de conhaque
300 g de chocolate meio amargo
1 xícara (chá) de cream-cheese
2 latas de creme de leite
200 g de chocolate ao leite
morangos inteiros para decorar

Modo de preparo

Comece preparando o recheio: coloque os morangos, as uvas-passas e as nozes picadas em uma tigela, regue com 3 colheres (sopa) de conhaque. Deixe descansar por 1 hora.

Enquanto isso, prepare o pão-de-ló: comece batendo as claras em neve. Acrescente as gemas, uma a uma, sempre batendo. Junte o açúcar e continue batendo. Retire da batedeira, acrescente a farinha com o fermento e mexa delicadamente. Leve ao forno em uma forma e asse em forno baixo, pré-aquecido.

Derreta o chocolate meio amargo no banho-maria. Junte uma lata de creme de leite, bata bem, adicione as frutas escorridas e metade do bolo picado.

Forre um refratário redondo com papel-alumínio. Corte fatias finas do restante do bolo e disponha-as na tigela de modo a cobrir toda a lateral e o fundo. Borrife com o conhaque restante e acrescente o recheio. Cubra com mais fatias de bolo e leve à geladeira coberto com papel-alumínio até o dia seguinte.

Para a cobertura, aqueça a outra lata de creme de leite. Retire do fogo e junte o chocolate ao leite picado. Mexa bem até dissolver.

Na hora de servir, desenforme o doce e cubra-o com o chocolate ainda quente. Decore com morangos inteiros e leve novamente à geladeira. Sirva gelado.

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: