Arquivo para Senhor

A gardênia branca

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23/10/2014 by Joe

A gardênia branca

Todos os anos, no dia do meu aniversário, desde que completei 12 anos, uma gardênia branca me era entregue anonimamente em casa.

Não havia nunca um cartão ou um bilhete e os telefonemas para o florista eram em vão, pois a compra era sempre feita em dinheiro vivo.

Depois de algum tempo, parei de tentar descobrir a identidade do remetente. Apenas me deleitava com a beleza e o perfume estonteante daquela única flor, mágica e perfeita, aninhada em camadas de papel de seda cor-de-rosa.

Mas nunca parei de imaginar quem poderia ser o remetente…

Alguns de meus momentos mais felizes eram passados sonhando acordada com alguém maravilhoso e excitante, mas tímido ou excêntrico demais para revelar sua identidade.

Durante a adolescência foi divertido especular que o remetente seria um garoto por quem eu estivesse apaixonada, ou mesmo alguém que eu não conhecia e que havia me notado.

Minha mãe frequentemente alimentava as minhas especulações. Ela me perguntava se havia alguém a quem eu tivesse feito uma gentileza especial e que poderia estar demonstrando anonimamente seu apreço. Fez com que eu lembrasse das vezes em que estava andando de bicicleta e nossa vizinha chegara com o carro cheio de compras e crianças.

Eu sempre a ajudava a descarregar o carro e cuidava que as crianças não corressem para a rua.

Ou talvez o misterioso remetente fosse o senhor que morava do outro lado da rua. No inverno, muitas vezes eu lhe levava sua correspondência para que ele não tivesse que se aventurar nos degraus escorregadios.

Minha mãe fez o que pode para estimular minha imaginação a respeito da gardênia. Ela queria que seus filhos fossem criativos. Também queria que nos sentíssemos amados e queridos, não apenas por ela, mas pelo mundo como um todo.

Quando eu estava com 17 anos, um rapaz partiu meu coração. Na noite em que me ligou pela última vez, chorei até pegar no sono. Quando acordei de manhã, havia uma mensagem escrita com batom vermelho no meu espelho:

“Alegre-se, quando semideuses se vão, os deuses vêm.”

Pensei a respeito daquela citação de Emerson durante muito tempo e a deixei onde minha mãe a havia escrito até meu coração sarar. Quando finalmente fui buscar o limpa-vidros, minha mãe soube que estava tudo bem novamente.

Mas houve certas feridas que minha mãe não pode curar.

Um mês antes de minha formatura no segundo grau, meu pai morreu subitamente, de enfarte. Meus sentimentos variavam de dor a abandono, medo, desconfiança e raiva avassaladora por meu pai estar perdendo alguns dos acontecimentos mais importantes da minha vida.

Perdi totalmente o interesse em minha formatura que se aproximava, na peça de teatro da turma dos formandos e no baile de formatura – eventos para os quais eu havia trabalhado e que esperava com ansiedade. Pensei até mesmo em entrar em uma faculdade local, ao invés de ir para outro Estado como havia planejado, pois me sentiria mais segura.

Minha mãe, em meio à sua própria dor, não queria de forma alguma que eu faltasse a nenhuma dessas coisas.

Um dia antes de meu pai morrer, eu e ela tínhamos ido comprar um vestido para o baile e havíamos encontrado um, espetacular – metros e metros de musselina estampada em vermelho, branco e azul. Ao experimentá-lo, me senti como Scarlett O’Hara em “E o Vento Levou…”. Mas não era do tamanho certo e, quando meu pai morreu no dia seguinte, esqueci totalmente o vestido.

Minha mãe, não.

Na véspera do baile, encontrei o vestido esperando por mim – no tamanho certo. Estava estendido majestosamente sobre o sofá da sala, apresentado para mim de maneira artística e amorosa.

Eu podia não me importar em ter um vestido novo, mas minha mãe se importava. Ela estava atenta à imagem que seus filhos tinham de si mesmos. Imbuiu-nos com uma sensação de mágica do mundo e nos deu a habilidade de ver a beleza mesmo em meio à adversidade.

Na verdade, minha mãe queria que seus filhos se vissem como a gardênia – graciosos, fortes, perfeitos, com uma aura de mágica e talvez um pouco de mistério.

Minha mãe morreu quando eu estava com 22 anos, apenas dez dias depois de meu casamento.

Esse foi o ano em que parei de receber gardênias!

Desconheço a autoria.

Anúncios

A mais bela flor

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/06/2014 by Joe

A mais bela flor

O estacionamento estava deserto quando me sentei para ler, embaixo dos longos ramos de um velho carvalho. Desiludido da vida, com boas razões para chorar, pois o mundo estava tentando me afundar.

E, se não fosse razão suficiente para arruinar o dia, um garoto ofegante se chegou, cansado de brincar. Ele parou na minha frente, cabeça pendente, e disse, cheio de alegria:

– “Veja o que encontrei”.

Na sua mão uma flor – e que visão lamentável – pétalas caídas, pouca água ou luz. Querendo me ver livre do garoto com sua flor, fingi pálido sorriso e me virei. Mas ao invés de recuar ele se sentou ao meu lado, levou a flor ao nariz e declarou com estranha surpresa:

– “O cheiro é ótimo, e é bonita também… Por isso a peguei. Tome, é sua!”

A flor à minha frente estava morta ou morrendo, nada de cores vibrantes como laranja, amarelo ou vermelho, mas eu sabia que tinha que pegá-la, ou ele jamais sairia de lá. Então, estendi a mão para pegá-la e respondi:

– “Era o que eu precisava…”

Mas, ao invés de colocá-la na minha mão, ele a segurou no ar sem qualquer razão. Nessa hora notei, pela primeira vez, que o garoto era cego, que não podia ver o que tinha nas mãos. Senti minha voz sumir, lágrimas despontaram ao sol enquanto lhe agradecia por escolher a melhor flor daquele jardim.

– “De nada!”, ele sorriu, entregando-me a flor.

E, então, voltou a brincar sem perceber o impacto que teve em meu dia. Me sentei e pus-me a pensar como ele conseguiu enxergar um homem autopiedoso sob um velho carvalho. Como ele sabia do meu sofrimento autoindulgente? Talvez no seu coração ele tenha sido abençoado com a verdadeira visão.

Através dos olhos de uma criança cega, finalmente entendi que o problema não era o mundo, e sim eu. E por todos os momentos em que eu mesmo fui cego, agradeci por ver a beleza da vida e apreciei cada segundo que é só meu.

E, então, levei aquela feia flor ao meu nariz e senti a fragrância de uma bela rosa, e sorri enquanto olhava aquele garoto, com outra flor em suas mãos, prestes a mudar a vida de um insuspeito senhor de idade.

Desconheço a autoria.

Duas histórias, dois destinos

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 11/11/2013 by Joe

Duas histórias, dois destinos

Primeira história

Certa vez, um garoto era levado à sala de emergência de um hospital, após ter sido atropelado. O motorista que o socorreu, ao ser interpelado para efetuar o depósito necessário ao atendimento, informou que não possuía, naquele momento, dinheiro ou cheque que pudesse oferecer em garantia, mas certamente, se o hospital aceitasse, poderia efetuar o depósito na primeira oportunidade.

O atendente, na impossibilidade de liberar o atendimento, mas com a vantagem de estar próximo de um dos diretores do hospital, que também era médico, e estava de plantão naquele momento, resolveu consultá-lo.

Todavia, por não ter dinheiro nem garantias para o tratamento, o diretor não liberou o atendimento, fato que levou a criança atropelada a falecer. O diretor, novamente chamado para assinar o atestado de óbito do garoto, descobre que este era seu filho, que poderia ter sido salvo se tivesse recebido atendimento.

Segunda história

Antonio, pai de família, certo dia, quando voltava do trabalho, dirigindo num trânsito bastante pesado, deparou com um senhor que dirigia apressadamente. Vinha cortando todo mundo e, quando se aproximou do carro de Antonio, deu-lhe uma tremenda fechada, já que precisava atravessar para a outra pista. Naquela hora, a vontade de Antonio foi de xingá-lo e impedir sua passagem, mas logo pensou:

– “Coitado… Se ele está tão nervoso e apressado assim, vai ver que está com um problema sério e precisando chegar logo ao seu destino”.

E pensando assim, foi diminuindo a marcha e deixou-o passar.

Chegando em casa, Antonio recebeu a notícia de que seu filho de três anos havia sofrido um grave acidente e fora levado ao hospital pela sua esposa. Imediatamente seguiu para lá e, quando chegou, sua esposa veio ao seu encontro e o tranquilizou-o, dizendo:

– “Graças a Deus está tudo bem, pois o médico chegou a tempo para socorrer nosso filho. Ele já está fora de perigo”.

Antonio, aliviado, pediu que sua esposa o levasse até o médico para agradecer-lhe. Qual não foi a sua surpresa quando percebeu que o médico era aquele senhor apressado para o qual ele havia dado passagem!

—————————————————————————————————————————————————————————————-

Esteja sempre alerta para ajudar o próximo, independentemente de sua aparência ou condição financeira. Procure ver as pessoas além das aparências. Imagine que, por trás de uma atitude, existe uma história, um motivo que leva a pessoa a agir de determinada forma.

Pense nisso e viva mais leve!

Desconheço a autoria.

Jogando xadrez

Posted in Videos with tags , , , , , , , , , on 28/07/2013 by Joe

Um curta de animação muito bom, onde um senhor, sentado num parque, joga uma emocionante partida de xadrez contra …. ele mesmo!

Numa disputa onde valem todas as técnicas e a velha malandragem, o velho senhor vai jogando, trocando de lugar … até que o cheque-mate se aproxima!

E aí vale tudo… Principalmente assistir até o fim!

Quem será que vai ganhar esta partida?

Escrito e dirigido por Jan Pinkava, produzido por Karen Dufilho nos estúdios da Pixar, de 1997.

Imperdível!

By Joemir Rosa.

Quando perder é ganhar

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/01/2013 by Joe

Desprender-se

Um dia um homem já de certa idade foi pegar um ônibus. Enquanto subia, um de seus sapatos escorregou do seu pé e caiu para o lado de fora. A porta se fechou e o ônibus partiu.

Ao ver que seria impossível recuperar o pé de sapato perdido, o homem tranquilamente retirou o seu outro sapato e jogou-o pela janela.

Um rapaz que estava no ônibus, vendo o que aconteceu, perguntou:

– “Notei que o senhor fez. Porque jogou fora o seu outro sapato?”

O homem prontamente respondeu:

– “Para que quem encontrá-los seja capaz de usá-los. Provavelmente apenas alguém necessitado dará importância a um par de sapatos usados encontrados na rua. E de nada adiantará apenas um pé de sapato.”

O homem mostrou ao jovem que não vale a pena agarrar-se a algo, simplesmente por possuí-lo e nem porque você não deseja que outro o tenha.

Como o homem da história, nós temos que aprender a desprender. Alguma força decidiu que era hora daquele homem perder seu sapato. Perdemos coisas o tempo todo, inicialmente pode parecer injusto, mas essa perda acontece de modo que mudanças possam acontecer em nossas vidas, na maioria das vezes positivas.

Acumular posses não nos faz melhor e nem faz o mundo melhor. Todos têm que decidir constantemente se algumas coisas devem manter seu curso em nossa vida ou se estariam melhor com outros.

Desconheço a autoria.

O Rei dos Animais

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/07/2012 by Joe

Saiu o leão a fazer sua pesquisa estatística, para verificar se ainda era o Rei das Selvas. Os tempos tinham mudado muito, as condições do progresso alterado a psicologia e os métodos de combate das feras, as relações de respeito entre os animais já não eram as mesmas, de modo que seria bom indagar.

Não que restava ao Leão qualquer dúvida quanto à sua realeza. Mas assegurar-se é uma das constantes do espírito humano, e, por extensão, do espírito animal. Ouvir da boca dos outros a consagração do nosso valor, saber o sabido, quando ele nos é favorável, eis um prazer dos deuses.

Assim, o Leão encontrou o Macaco e perguntou:

– “Hei, você aí, macaco … quem é o rei dos animais?”

O Macaco, surpreendido pelo rugir indagatório, deu um salto de pavor e quando respondeu já estava no mais alto galho da mais alta árvore da floresta:

– “Claro que é você, Leão, claro que é você!”

Satisfeito, o Leão continuou pela floresta, encontrou o papagaio e perguntou:

– “Currupaco, papagaio. Quem é, segundo seu conceito, o Senhor da Floresta? É o Leão?”

E como aos papagaios não é dado o dom de improvisar, mas apenas o de repetir, lá repetiu o papagaio:

– “Currupaco… é o Leão? É o Leão? Currupaco, é o Leão?”

Cheio de si, prosseguiu o Leão pela floresta em busca de novas afirmações de sua personalidade. Encontrou a coruja e perguntou:

– “Coruja, não sou eu o maioral da mata?”

– “Sim, és tu”, disse a coruja. Mas disse de sábia, não de crente.

E lá se foi o Leão, mais firme no passo, mais alto de cabeça. Encontrou o tigre.

– “Tigre” – disse em voz de estentor – “eu sou o rei da floresta. Certo?”

O tigre rugiu, hesitou, tentou não responder, mas sentiu o barulho do olhar do Leão fixo em si, e disse, rugindo contrafeito:

– “Sim”. E rugiu ainda mais mal humorado e já arrependido, quando o leão se afastou.

Três quilômetros adiante, numa grande clareira, o Leão encontrou o elefante. Perguntou:

– “Elefante, quem manda na floresta, quem é Rei, Imperador, Presidente da República, dono e senhor de árvores e de seres, dentro da mata?”

O elefante pegou-o pela tromba, deu três voltas com ele pelo ar, atirou-o contra o tronco de uma árvore e desapareceu floresta adentro. O Leão caiu no chão, tonto e ensanguentado, levantou-se lambendo uma das patas e murmurou:

– “Que diabo, só porque não sabia a resposta não era preciso ficar tão zangado”.

Moral da história:

“Cada um tira dos acontecimentos a conclusão que bem entende.”

By Millor Fernandes.

Você é aquilo que pensa!

Posted in Ciência, Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 26/06/2012 by Joe

Este tema eu já explorei em vários textos ao longo destes dois anos de vida do blog.

Mas sempre é bom repassar, reforçar, fazer com que as pessoas reflitam novamente e percebam que está tudo em nossas mãos … ou melhor, em nossa mente!

Os acomodados, os passivos e os fracos preferem dizer que está nas mãos do destino, da sorte, de Deus! Que sentido teria Deus nos colocar aqui neste mundo para sermos marionetes em suas mãos?

Pensem nisso e sejam mais ativos em suas vidas, façam acontecer aquilo que acham que merecem! O merecimento é como uma moeda de troca: você escolhe e coloca todas as suas forças, seus sentimentos e sua energia para conseguir! Em troca, por merecimento, você recebe! As pessoas só são fracas porque ainda não acordaram para o poder interno que elas têm!

Abaixo, algumas dicas básicas para sair do estado de acomodação e começar a ser mais atuante e fazer as coisas acontecerem!

By Joemir Rosa.

Pense no bem e o bem se seguirá. Pense no mal e o mal se seguirá. Você é aquilo que pensa no decorrer de todos os seus dias.

O seu subconsciente não discute com você: aceita o que a sua mente consciente determina. Embora possa ser verdade, nunca diga que “isto está além das minhas posses.” Procure um pensamento melhor e afirme que “comprarei isso, prometo-o a mim mesmo”.

Você tem o poder de escolher. Escolha saúde e felicidade. Você pode escolher a cordialidade ou preferir ser antipático. Escolha ser prestativo, alegre, cordial e simpático que todo o mundo lhe corresponderá. Esta é a melhor maneira de desenvolver uma personalidade admirável.

A sua mente consciente é a “sentinela no portão”. Tem como principal função proteger o subconsciente das impressões falsas. Procure acreditar que algo de bom vai acontecer e estará acontecendo agora mesmo. O seu maior poder é a sua capacidade de escolha. Escolha a felicidade e a abundância.

As sugestões e afirmações de outros não têm poder para prejudicá-lo. O único poder é a ação do seu próprio pensamento. Você pode escolher a rejeição dos pensamentos e afirmações dos outros. Você tem o poder de escolher como reagirá.

Tome cuidado com o que diz. Você terá que dar conta de cada palavra irresponsável. Nunca diga “vou fracassar; perderei meu emprego; não posso pagar o aluguel; isso eu não consigo; nunca vou aprender isso”. O seu subconsciente não sabe distinguir uma pilhéria. Faz com que todas essas coisas se tornem verdades.

A sua mente não é voltada para o mal. Nenhuma força da natureza o é. Tudo depende de como você usa os poderes da natureza. Use sua mente para fazer felizes, beneficiar e inspirar todas as pessoas ao redor de você.

Nunca diga que não pode fazer alguma coisa. Supere o seu temor, substituindo-o pela seguinte afirmação: “Posso fazer todas as coisas, através do poder da minha mente subconsciente.”

Comece a pensar do ponto de vista das eternas verdades e princípios da vida e não do ponto de vista do medo, da ignorância e da superstição. Não deixe que os outros pensem por você. Escolha os seus próprios pensamentos e tome as suas próprias decisões.

O que quer que sua mente consciente acredite ser verdade, o seu subconsciente aceitará e fará com que se transforme em verdade mesmo. Acredite na boa fortuna, na orientação divina, na ação correta e em todas as bênçãos da vida.

Você é o capitão da sua alma (subconsciente) e o senhor do seu destino. Lembre-se: você tem a capacidade de escolher. Escolha a vida! Escolha o amor! Escolha a saúde!
Escolha a felicidade!

By Joseph Murphy, do seu livro “O Poder do Subconsciente”.

%d blogueiros gostam disto: