Arquivo para Semana Santa

Ovo de Páscoa recheado de travessa

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/04/2014 by Joe

Ovo de Páscoa de travessa

Muita gente comemora a Páscoa, mas ainda tem os que desconhecem o significado e a história dessa data.

A Páscoa é uma das datas comemorativas mais importantes entre as culturas ocidentais. A origem desta comemoração remonta muitos séculos. O termo “Páscoa” tem uma origem religiosa que vem do latim pascae. Na Grécia Antiga, este termo também é encontrado como paska. Porém, sua origem mais remota é entre os hebreus, onde aparece o termo pessach, cujo significado é passagem.

Entre as civilizações antigas, os historiadores encontraram informações que levam a concluir que uma festa de passagem era comemorada entre povos europeus há milhares de anos. Principalmente na região do Mediterrâneo, algumas sociedades, entre elas a grega, festejavam a passagem do inverno para a primavera, durante o mês de março. Geralmente esta festa era realizada na primeira lua cheia da época das flores.

Entre os povos da antiguidade, o fim do inverno e o começo da primavera eram de extrema importância, pois estavam ligados à maiores chances de sobrevivência em função do rigoroso inverno que castigava a Europa, dificultando a produção de alimentos.

Já entre os judeus, esta data assume um significado muito importante, pois marca o êxodo deste povo do Egito, por volta de 1250 a.C, onde foram aprisionados pelos faraós durantes vários anos. Esta história encontra-se no Velho Testamento da Bíblia, no livro Êxodo. A Páscoa Judaica também está relacionada com a passagem dos hebreus pelo Mar Vermelho, onde, liderados por Moisés, fugiram do Egito.

Nesta data, os judeus preparam e comem o matzá (pão sem fermento) para lembrar a rápida fuga do Egito, quando não havia tempo para fermentar o pão.

Entre os primeiros cristãos, esta data celebrava a ressurreição de Jesus Cristo, quando, após a morte, sua alma voltou a se unir ao seu corpo. O festejo era realizado no domingo seguinte à lua cheia posterior ao equinócio da Primavera (21 de março).

Entre os cristãos, a semana anterior à Páscoa é considerada como Semana Santa. Esta semana tem início no Domingo de Ramos que marca a entrada de Jesus na cidade de Jerusalém.

Já a figura do coelho está simbolicamente relacionada à esta data comemorativa, pois este animal representa a fertilidade. O coelho se reproduz rapidamente e em grandes quantidades. Entre os povos da antiguidade, a fertilidade era sinônimo de preservação da espécie e melhores condições de vida, numa época onde o índice de mortalidade era altíssimo. No Egito Antigo, por exemplo, o coelho representava o nascimento e a esperança de novas vidas.

Mas o que a reprodução tem a ver com os significados religiosos da Páscoa? Tanto no significado judeu quanto no cristão, esta data relaciona-se com a esperança de uma vida nova. Já os ovos de Páscoa (de chocolate, enfeites, jóias), também estão neste contexto da fertilidade e da vida.

A figura do coelho da Páscoa foi trazido para a América pelos imigrantes alemães, entre o final do século XVII e início do XVIII.

Pronto! Entendido o significado da data, vamos à receita de hoje. Nem me atrevi a postar uma receita de ovos de Páscoa, dada a grande variedade de ovos produzidos pelas grandes empresas, com recheios ou sem, com surpresas ou vazios, etc e tal.

Então, optei por uma receita mais fácil de preparar e resolvi experimentar. Gostei do resultado final, cremoso, saboroso…

Bom, anotem, preparem, curtam esta delícia de sobremesa! Afinal, a história não contou, mas… Páscoa é sinônimo de chocolate!!!

Ovo de Páscoa recheado de travessa

Ingredientes

3 latas de leite condensado
2 colheres (sopa) de maizena
2 latas de leite (use a lata de leite condensado vazia para medir)
6 gemas
1/2 colher (sopa) de essência de baunilha
400 g de creme de leite
2 xícaras (chá) de chocolate amargo picado (ou meio amargo, se preferir)
1/2 xícara (chá) de castanha de caju picada
2 xícaras (chá) de chocolate ao leite picado

Modo de preparo

Em uma panela, coloque o leite condensado, a maizena dissolvida no leite, as gemas e leve ao fogo médio, mexendo até engrossar. Desligue e acrescente a essência de baunilha. Misture bem e deixe esfriar. Depois, misture bem o creme de leite. Separe 1/3 da mistura e reserve. No creme restante, misture o chocolate amargo derretido, preparando, assim, um creme de chocolate.

Em um refratário médio (de preferência, oval para dar o formato do ovo), coloque metade do creme de chocolate no fundo. Leve ao congelador por 15 minutos, retire e cubra com o creme branco. Distribua a castanha de caju por cima e volte por mais 15 minutos ao congelador. Depois desse tempo, cubra com o creme de chocolate restante, exatamente como está na foto.

Para finalizar, derreta o chocolate ao leite e espalhe sobre o creme. Leve à geladeira por 2 horas antes de servir.

By Joemir Rosa.

Bolinhos de bacalhau

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , on 07/04/2012 by Joe

Semana Santa chegou e o feriado de Páscoa leva à mesa dos brasileiros o bacalhau, esse peixe saboroso, rico em vitaminas e sais minerais indispensáveis para uma alimentação saudável.

O pescado possui baixo teor de gordura e é rico em proteínas de elevado valor biológico. Contém altos teores de vitaminas A, E, B6 e B12, sódio, cálcio, fósforo, magnésio e de Ômega 3. Abaixo você confere algumas das principais substâncias encontradas no bacalhau e seus respectivos benefícios para a saúde:

Ácidos graxos do Ômega 3: este elemento possui um forte efeito protetor para a saúde do coração e importante função no desenvolvimento de cérebro.

Ômega 3: melhora a concentração, a memória, as habilidades motoras, aumenta a motivação, diminui os triglicérides, diminui a pressão sanguínea, previne o batimento cardíaco irregular, aumenta a fluidez do sangue e ainda neutraliza o stress.

Vitamina A: tem ação protetora sobre a visão, pele e mucosas.

Vitamina E: melhora a oxigenação celular, ajuda nas dores menstruais, aumenta a energia muscular e é essencial em processos de cura.

Vitamina B12: age sobre os glóbulos vermelhos, células nervosas, equilíbrio hormonal, na beleza da pele e também ajuda o sistema de imunização do corpo e no controle dos níveis de glicose no sangue.

Cálcio: necessário para a contração dos músculos, contração e expansão das artérias, secreção de hormônios e enzimas e envio de mensagens através do sistema nervoso.

Magnésio: ajuda na contração muscular e metabolismo energético.

Sódio: importante eletrólito para a transmissão nervosa, contração muscular e equilíbrio de fluidos no organismo.

Fósforo: possui papel muito importante na formação de ossos e dentes, intervindo também nas reações químicas em que se libera energia.

O hábito brasileiro de saborear bacalhau é herança da colonização portuguesa, que começou a se disseminar a partir do descobrimento do Brasil. Mas somente com a chegada da corte portuguesa e dos comerciantes lusos no país, no início do século XIX, que o consumo do pescado foi impulsionado e difundido entre a população. A primeira exportação oficial do produto aconteceu em 1843. Hoje, cerca de 95% do bacalhau consumido no Brasil tem sua origem na Noruega.

A receita de hoje é a de um prato tradicional, saborosíssimo, porém, com toque totalmente português em sua preparação.

Bolinho de bacalhau

Ingredientes

750 g de bacalhau
1,5 kg de batata
50g de salsinha
4 dentes de alho picado
1 cebola grande picada
4 colheres de sopa de amido de milho
2 ovos
Pimenta branca e sal a gosto

Modo de preparo

Comece a preparação desta receita três dias antes. Passe o bacalhau em água corrente da torneira para tirar o sal que tem por cima, coloque em uma bacia com água e deixe na geladeira por três dias. Durante esse período, mude a água duas a três vezes por dia.

Depois desse período de dessalga, cozinhe-o só na água, tendo o cuidado de não deixar passar do ponto. Ou seja, não precisa estar muito cozido; quando levantar fervura já está no ponto. Em seguida, tire a espinha, a pele e desfie bem.

Cozinhe as batatas e depois amasse-as bem, junte com o bacalhau desfiado, os temperos, os ovos e o amido de milho. Misture tudo muito bem de modo que a massa fique um pouco grossa, sem ficar mole, para dar liga.

Utilizando duas colheres de sopa, molde os bolinhos passando de uma colher para a outra e frite em óleo muito quente por uns cinco minutos, para dar um choque. Retire da fritura com uma escumadeira e coloque em um prato forrado com papel-toalha. Sirva quente!

By Joemir Rosa.

Pastel de bacalhau do Mercadão

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , on 16/04/2011 by Joe

Semana Santa chegando e o bacalhau deve estar presente em uma grande maioria das mesas dos brasileiros. Em algumas ocasiões eu postei receitas onde o bacalhau era o rei das mesas; porém, o grande sucesso de todas foi o famoso pastel de bacalhau do Mercado Municipal de São Paulo, o Mercadão!

Como esta receita foi postada há dois anos e teve uma grande aceitação (até hoje é uma das mais procuradas no blog), resolvi republicá-la, até porque o número de visitantes e seguidores aumentou bastante! Antes, porém, vou contar um pouco da história do nosso querido Mercadão!

Um dos principais símbolos de São Paulo, o Mercado Municipal mantém viva uma tradição e uma parte da história da cidade. Inaugurado em 25 de Janeiro de 1933, com a assinatura do arquiteto Ramos de Azevedo, que também projetou o Teatro Municipal, o Mercadão veio substituir o velho mercado da Rua 25 de Março.

Com 12.600 m² de área construída, 1.600 funcionários, que movimentam 350 toneladas de alimentos por dia em seus 291 boxes e 14 mil visitantes, o Mercado Municipal de São Paulo é uma referência nacional pela diversidade de aromas, cores e sabores dos temperos, queijos, frutas, verduras, legumes, vinhos, chocolates, carnes, peixes, encontrados nos empórios e boxes.

Em sua mais recente reforma, o prédio ganhou um piso mezanino de dois mil metros quadrados, com cinco restaurantes típicos de várias cozinhas, como a árabe, a japonesa e o famoso Hocca Bar e seu pastel de bacalhau, além de um Mercado Gourmet, cozinha onde os visitantes do mercado poderão fazer degustação, além de frequentar cursos de culinária.

Famoso também pelo sanduíche de mortadela, o Mercadão é uma visita imperdível para paulistas e turistas. E uma das mais famosas iguarias é o pastel de bacalhau do Hocca Bar, disputado diariamente com filas enormes, com seus 150 gramas de pura delícia.

O pastel de bacalhau é uma receita tradicional criada há quase meio século e que, ao longo do tempo, se transformou em um dos quitutes mais consumidos e premiados no Brasil e no mundo, pois já foi pauta em vários programas de televisão e até no The New York Times e Discovery Channel.

O pastel de bacalhau hoje é uma lenda viva dentro do Mercadão.

Bom … mas, afinal, viemos aqui para contar histórias ou para prepararmos o pastel? Então, vamos à receita!

Pastel de bacalhau do Mercadão

Ingredientes

Massa

1 kg de farinha de trigo
1¼ xícara de água
1 colher (sopa) de sal
1 colher (sopa) de glutamato monossódico
8 colheres (sopa) de óleo
1 ovo batido

Recheio

500 gr de bacalhau do porto desfiado
200 gr de cebola picada.
200 gr de salsinha picada.
200 ml de azeite extra virgem.
azeitonas verdes inteiras ou fatiadas
Óleo ou gordura para fritar

Modo de preparo

Massa

Num vasilha grande, coloque a farinha de trigo e faça um buraco no meio. À parte, misture a água, o sal, o glutamato monossódico e dissolva bem. Jogue essa mistura na farinha, adicione o óleo e, por último, o ovo batido. Misture tudo muito bem e sove a massa com as mãos por uns cinco minutos até o ponto de farofa.

Passe a massa no cilindro, aos poucos, e amasse novamente com as mãos. Deixe descansar por meia hora.

Divida a massa ao meio e passe pelo cilindro várias vezes, sempre dobrando e passando, até atingir o comprimento de dois metros, aproximadamente. Enrole em papel filme e deixe descansar de 4 a 6 horas na geladeira.

Depois desse período ela estrá pronta para ser usada.

Recheio

Em uma tigela grande, coloque o bacalhau desfiado, cubra com água e leve à geladeira. Após sete horas, troque a água. Repita o procedimento três vezes. Escorra, ponha o bacalhau em uma panela grande e cubra com água fria e limpa. Leve ao fogo por 30 minutos. Abaixe o fogo para médio e cozinhe por mais 40 minutos ou até que o bacalhau comece a se desmanchar. Escorra.

Com o bacalhau ainda quente, desfie-o com as mãos. Ponha numa tigela, junte a cebola, a salsa e o azeite, e misture bem.

Montagem

Corte a massa em pedaços de 20 X 20 cm . Ponha recheio sobre cada pedaço de massa e junte uma azeitona. Se preferir, junte as azeitonas fatiadas ao recheio antes de montar os pastéis. Feche o pastel dobrando a massa ao meio e aperte as extremidades com um garfo.

Frite em óleo bem quente até ficar dourado.

Receita do próprio Horácio Gabriel, proprietário do Hocca Bar.

Rua da Cantareira, 306
Centro, São Paulo – SP
CEP 01103-201
(11) 3228-0673

www.mercadomunicipal.com.br

Aberto de segunda a sábado, das 5h às 18h; aos domingos, das 8h às 13h

By Joe.

Bolo-pudim de chocolate

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 03/04/2010 by Joe

Antes da receita de hoje, um pouco de história e cultura. Muita gente comemora a Páscoa, mas ainda tem os que desconhecem o significado e a história dessa data.

A Páscoa é uma das datas comemorativas mais importantes entre as culturas ocidentais. A origem desta comemoração remonta muitos séculos. O termo “Páscoa” tem uma origem religiosa que vem do latim Pascae. Na Grécia Antiga, este termo também é encontrado como Paska. Porém sua origem mais remota é entre os hebreus, onde aparece o termo Pessach, cujo significado é passagem.

Entre as civilizações antigas os historiadores encontraram informações que levam a concluir que uma festa de passagem era comemorada entre povos europeus há milhares de anos. Principalmente na região do Mediterrâneo, algumas sociedades, entre elas a grega, festejavam a passagem do inverno para a primavera, durante o mês de março. Geralmente esta festa era realizada na primeira lua cheia da época das flores.

Entre os povos da antiguidade, o fim do inverno e o começo da primavera eram de extrema importância, pois estavam ligados a maiores chances de sobrevivência em função do rigoroso inverno que castigava a Europa, dificultando a produção de alimentos.

Já entre os judeus, esta data assume um significado muito importante, pois marca o êxodo deste povo do Egito, por volta de 1250 a.C, onde foram aprisionados pelos faraós durantes vários anos. Esta história encontra-se no Velho Testamento da Bíblia, no livro Êxodo. A Páscoa Judaica também está relacionada com a passagem dos hebreus pelo Mar Vermelho, onde, liderados por Moisés, fugiram do Egito.

Nesta data, os judeus preparam e comem o matzá (pão sem fermento) para lembrar a rápida fuga do Egito, quando não sobrou tempo para fermentar o pão.

Entre os primeiros cristãos esta data celebrava a ressurreição de Jesus Cristo (quando, após a morte, sua alma voltou a se unir ao seu corpo). O festejo era realizado no domingo seguinte a lua cheia posterior ao equinócio da Primavera (21 de março).

Entre os cristãos, a semana anterior à Páscoa é considerada como Semana Santa. Esta semana tem início no Domingo de Ramos que marca a entrada de Jesus na cidade de Jerusalém.

Já a figura do coelho está simbolicamente relacionada à esta data comemorativa, pois este animal representa a fertilidade. O coelho se reproduz rapidamente e em grandes quantidades. Entre os povos da antiguidade, a fertilidade era sinônimo de preservação da espécie e melhores condições de vida, numa época onde o índice de mortalidade era altíssimo. No Egito Antigo, por exemplo, o coelho representava o nascimento e a esperança de novas vidas.

Mas o que a reprodução tem a ver com os significados religiosos da Páscoa? Tanto no significado judeu quanto no cristão, esta data relaciona-se com a esperança de uma vida nova. Já os ovos de Páscoa (de chocolate, enfeites, jóias), também estão neste contexto da fertilidade e da vida.

A figura do coelho da Páscoa foi trazido para a América pelos imigrantes alemães, entre o final do século XVII e início do XVIII.

Pronto! Entendido o significado da data, vamos à receita de hoje. Nem me atrevi a postar uma receita de ovos de Páscoa, dada a grande variedade de ovos produzidos pelas grandes empresas, com recheios ou sem, com surpresas ou vazios, etc e tal.

Então optei por uma receita que vi na televisão há uns dias e resolvi experimentar. Gostei da consistência final, parecida com aqueles chocotones de Natal, com o chocolate escorrendo do meio das fatias!

Bom, anotem aí e curtam esta delícia de bolo, pudim, ou bolo-pudim …. afinal, a história não contou, mas …. Páscoa é sinônimo de chocolate!!!

Bolo-pudim de chocolate

Ingredientes

2 copos (tipo americano) de farinha de trigo
4 colheres (sopa) de cacau em pó
2 colheres (sopa) de fermento em pó
½ colher (sobremesa) de sal
1 ½ copo (tipo americano) de açúcar
1 copo (tipo americano) de leite (temperatura ambiente)
6 colheres (sopa) de óleo (ou 60 ml)
1 colher (sopa) de essência de baunilha

1 copo (tipo americano) de açúcar mascavo (bem apertado no copo)
1 copo (tipo americano) de açúcar
½ copo (tipo americano) de cacau
3 copos (tipo americano) de água fervente

Modo de preparo

Em uma tigela coloque os primeiros ingredientes secos: a farinha de trigo, o cacau em pó, o fermento em pó, o sal, o açúcar e misture bem com auxílio de uma colher de pau. Depois de tudo muito bem misturado e peneirado, adicione o leite, o óleo a essência de baunilha e misture bem e vá batendo até todos os ingredientes ficarem bem incorporados e obter uma massa bem homogênea. Despeje essa massa em um refratário retangular (30 cm X 24 cm) untado com manteiga e reserve.

Numa outra tigela misture bem o açúcar mascavo, o cacau em pó e, delicadamente, espalhe sobre a massa reservada. Com ajuda de uma colher de sopa, despeje a água fervente uniformemente na colher por cima do bolo, por toda a extensão da massa, tomando cuidado para não mexer nas camadas.

Leve a forma ao forno pré-aquecido a 180 graus por, mais ou menos, 45 minutos ou até a massa soltar das bordas do refratário. Deixe esfriar uns minutos e sirva ainda quente com sorvete de creme ou coco. Fica ótimo também se você espalhar um pouco de cacau em pó peneirado sobre o bolo-pudim.

Caso não seja consumido no mesmo dia, você pode guardá-lo na geladeira coberto com um filme-plástico. Basta esquentar um pouco no forno antes de servir novamente.

By Joe.

Bacalhau à Portuguesa

Posted in Receitas with tags , , , , on 27/03/2010 by Joe

O bacalhau aqui no Brasil ganha um pouco mais de exposição em épocas sazonais como a quaresma, a semana santa e a Páscoa. Basta ver na TV ou nas revistas de culinária para encontrar diversas e saborosas receitas.

É uma pena que ele não tem muito espaço em outras datas do ano. Talvez por falta de hábito do brasileiro, ou até mesmo pelo preço, geralmente tão “salgado” quanto o próprio peixe, o consumo ainda é muito pequeno por aqui.

Se o caso é o preço, sugiro esperar passarem essas datas comemorativas e aí, sim, comprar o bacalhau com preço mais acessível. De qualquer forma, sempre faça uma boa pesquisa de preços em vários supermercados e distribuidores.

Para a semana santa não faltam outras opções de peixes, como o robalo, o linguado, o atum, a sardinha, a anchova e os peixes de água doce. De qualquer forma, resolvi postar uma receita mais tradicional hoje, que pode ser preparada em qualquer ocasião, seja na semana santa ou no final do ano. O bacalhau à moda portuguesa é um prato típico lusitano, muito gostoso e fácil de fazer.

Bacalhau à Portuguesa

Ingredientes

1 kg de Bacalhau do Porto
1 pimentão verde
1 pimentão amarelo
1 pimentão vermelho
3 tomates
3 cebolas
10 batatas pré-cozidas
2 ovos cozidos
1 vidro de palmito
azeite extra virgem
azeitonas pretas portuguesas
orégano a gosto

Modo de preparo

Comece limpando bem o bacalhau, retirando o couro das postas ainda secas e, em seguida, dessalgue-o colocando em um pirex com água e deixando na geladeira por 24 horas. Durante esse tempo, troque a água pelo menos umas três ou quatro vezes.

Depois desse período, coloque as postas em uma panela com água, leve ao fogo e tire quando começar a ferver. Repita esse processo mais duas vezes, sem deixar que as postas se desmanchem.

Em seguida unte um pirex grande com azeite, coloque as postas do bacalhau, as batatas, os pimentões, os tomates, os ovos cozidos cortados em rodelas, o palmito também em rodelas grossas (não se esqueça de fervê-lo antes de usar para evitar contaminação), e as cebolas cortadas em rodelas (acerte o sal, se achar necessário).

Regue generosamente com o azeite extra virgem e salpique um pouco de orégano. Lembre-se que é essencial usar um bom azeite extra-virgem.

Leve ao forno por 30 minutos e, antes de servir, adicione as azeitonas.

Sugestão: algumas pessoas preferem dar uma boa refogada no bacalhau com alho, a cebola, azeite, os pimentões e salsinha em vez de orégano, antes mesmo de montar e levar ao forno.

Pronto, sirva em seguida e ….. boa Páscoa!!!!

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: