Arquivo para Salada

Frango na maionese

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 01/03/2014 by Joe

Frango na maionese

Neste sábado de carnaval, a ideia é viajar, curtir, se preparar para pular nos salões ou, simplesmente, descansar! Desta forma, não é hora de ficar na cozinha por horas a fio preparando pratos complicados e demorados.

Viajou, chegou na sua casa de praia ou no sítio e a família está com fome? Simples! Uma receita deliciosa, facílima de preparar e que vai bem com uma salada verde e arroz! Veja também a sugestão no final da receita!

Bom carnaval a todos, bom descanso e… divirtam-se!

Frango na maionese

Ingredientes

1 kg de sobrecoxas ou filé de peito de frango sem a pele
suco de meio limão
1 xícara (chá) de maionese
2 dentes de alho picados
1 pacote de sopa de cebola
4 colheres de chá de salsinha picada

Modo de preparo

Em uma tigela, misture o frango com o suco de limão. Em outro recipiente, misture a maionese com o alho, a sopa de cebola e a salsinha.

Passe os filés ou as sobrecoxas de frango pela mistura da maionese. Coloque num refratário untado com óleo e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC até que fiquem bem dourados.

Sirva com arroz branco e salada verde.

Sugestão: experimente misturar corn-flakes e queijo parmesão na mistura de maionese antes de envolver o frango. O resultado será um frango crocante delicioso!

By Joemir Rosa.

A força do pensamento

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/08/2013 by Joe

A força do pensamento

Imagine que tudo aquilo que existe no mundo concreto já foi antes idealizado, pensado por alguém. Quer ver? Observe os objetos ao seu redor. Os quadros, móveis, a cadeira, por exemplo. Antes de existir, essa cadeira foi pensada por alguém. O marceneiro pensou: “vou construir uma cadeira assim, feita de pinho ou de imbuia, depois vou envernizar…” aí fez a cadeira.

Veja a comida de ontem no jantar… A pessoa que a cozinhou pensou antes: “hoje vou fazer arroz, feijão, uma saladinha e um bife… ou um picadinho”.

Então tudo foi pensamento, tudo foi ideia antes de existir. Como é que você faz quando vai tirar férias? Pensa mais ou menos assim: “bem, vou sair em janeiro, porque as crianças também estarão de férias e a gente aproveita pra passar o verão na praia”.

Ou então: “vou aproveitar as férias para ir visitar o meu povo lá no interior, na fazenda”. Então chega o dia das férias e você faz aquilo que planejou, aquilo em que pensou antes. Aquelas férias só existem na realidade concreta porque existiram antes dentro da sua cabeça. Primeiro, elas têm que ser ideia, pensamento, para depois se tornar realidade.

Quando você não planeja suas férias, elas não acontecem e você diz assim: “mas que coisa! Minhas férias acabaram e eu não fiz nada”. Não fez porque não planejou, porque não pensou antes, não criou antes dentro da sua cabeça.

Tudo o que existe no mundo é assim. Tem de ser pensado antes, tem de ser concebido, criado primeiro dentro da mente. Nesse processo de criar, de planejar o futuro, você usa a todo vapor a sua inteligência, a sua capacidade de visualizar, a força do pensamento!

Eis a chave que permite decifrar o grande segredo do universo: aprender a usar as habilidades da mente para superar os problemas do dia-a-dia, sempre procurando novas formas de tornar a vida mais agradável. O cérebro é como um tear encantado, no qual podemos tecer nosso futuro da forma que quisermos.

É preciso iniciar essa construção, é preciso se empenhar nesse processo criativo, estabelecer essa conexão energética com a fonte da vida universal e encher o seu mundo de beleza, harmonia e realizações.

By Clotilde Tavares.

Falafel

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 16/02/2013 by Joe

Falafel

Sabe-se que o paladar, muitas vezes, é o último a perder a referência da cultura original. A comida tem o poder de aliar inimigos, diminuir tensões e desentendimentos.

Mas os conflitos também existem, por exemplo, quanto à propriedade da origem de alguns pratos ou bebidas. Como exemplo, temos turcos e gregos brigando pelo café.
Irlandeses católicos e protestantes discutem sobre o whisky. Judeus e árabes discutem a origem do falafel.

Há quem diga que Israel “roubou” o falafel dos árabes. Outros dizem que grupo algum tem o direito de ser proprietário de um bolinho de legumes frito. Dizem que o falafel é uma comida do Oriente Médio, originária do Egito e que se espalhou por Marrocos e Arábia Saudita.

Nessa guerra de milhares de anos, encontramos também o nosso falafel tupiniquim correndo por fora, de origem africana, chamado de akara, que significa “bola de fogo”, e que é também um ícone da nossa cozinha baiana: o acarajé!

O falafel, um prato tradicional e histórico, é um bolinho preparado com grão-de-bico ou feijão-fava. Os pedaços de falafel são geralmente servidos com salada, um molho quente e legumes em conserva. Em seguida, são regados com um pouco de molho à base de tahine para um dar um sabor extra.

Em função dos ingredientes em seu preparo, o falafel é um tipo saudável de alimento, fonte de proteína, aminoácidos, baixo teor de gordura saturada e elevado teor de
fibras.

Bom… depois de tantas informações sobre origem e benefícios desse bolinho, o que resta é darmos a receita e esperar que todos apreciem essa iguaria deliciosa!

Falafel

Ingredientes

Modelador de falafel

Modelador de falafel

Massa

1 kg de grão-de-bico seco
1 maço de salsinha picado
1 maço de coentro picado
2 dentes de alho picados
2 cebolas grandes picadas
2 colheres (sopa) de farinha
4 colheres de água morna
½ colher (chá) de bicarbonato de sódio

Temperos

1 colher (chá) de pimenta do reino
1 colher (chá) de canela
1 colher (chá) de cominho
1 colher (chá) de páprica doce
1 colher (chá) de coentro seco
sal a gosto

1 litro de óleo vegetal para fritar

Molho

1/2 xícara de iogurte natural
3 colheres (sopa) de molho tahine
1 dente de alho amassado
2 colheres (sopa) de suco de limão
1/4 de xícara de água fria
sal e pimenta do reino

Guarnição

pepino
cebola
tomates
salsinha

Modo de preparo

Lave bem os grãos-de-bico e coloque-os de molho por 12 horas em água fria. Escorra bem e coloque em um processador. Junte os demais ingredientes para a massa, exceto o bicarbonato. Dissolva o bicarbonato de sódio na água morna e acrescente aos demais ingredientes no processador. Processe bem até obter uma massa firme e homogênea.

Junte os temperos e misture bem com a mão, ou com a ajuda de uma colher, e deixe descansar por uns 30 minutos.

Unte as mãos com um pouco de óleo e faça bolinhas da massa um pouco menores do que uma bolinha de ping-pong. O ideal é usar o aparelho para modelar os disquinhos (encontrado em casas de especialidades árabes), mas se não tiver, faça pequenas almôndegas com as mãos, amassando-as para formar um disco espesso com a massa bem prensada.

Aqueça o óleo em uma panela funda. Frite os bolinhos aos poucos no óleo quente até que estejam dourados e crocantes. Escorra em papel absorvente e sirva quente.

Para o molho, basta misturar bem todos os ingredientes.

Prepare uma salada com pepinos, tomates e cebolas cortados em cubos de 1 centímetro, salpique a salsinha, coloque os falafel sobre a salada e regue com o molho.

By Joemir Rosa.

Salada de bacalhau

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/12/2012 by Joe

Salada de bacalhau

Mundialmente apreciado, o bacalhau tem uma história que poderíamos dizer que é milenar.

Existem registros de processamento do bacalhau na Islândia e na Noruega datados do século IX. Os Vikings são considerados os pioneiros na descoberta do Cod gadus morhua, espécie que era farta nos mares que navegavam. Como não tinham sal, apenas secavam o peixe ao ar livre, até que perdesse quase a quinta parte de seu peso e endurecesse como uma tábua de madeira, para ser consumido aos pedaços nas longas viagens que faziam pelos oceanos.

Mas deve-se aos bascos – povo que habitava as duas vertentes dos Pirineus Ocidentais, do lado da Espanha e da França – o comércio do bacalhau. Os bascos conheciam o sal e existem registros de que, já no ano 1000, realizavam o comércio do bacalhau curado, salgado e seco. Foi na costa da Espanha, portanto, que o bacalhau começou a ser salgado e depois seco nas rochas, ao ar livre, para que o peixe fosse melhor conservado.

O pescado possui baixo teor de gordura e é rico em proteínas de elevado valor biológico. Contém altos teores de vitaminas A, E, B6 e B12, sódio, cálcio, fósforo, magnésio e de Ômega 3. Abaixo você confere algumas dos principais nutrientes encontrados no bacalhau e seus respectivos benefícios para a saúde:

Ácidos graxos do Ômega 3: este elemento possui um forte efeito protetor para a saúde do coração e importante função no desenvolvimento de cérebro.

Ômega 3: melhora a concentração, a memória, as habilidades motoras, aumenta a motivação, diminui os triglicérides, diminui a pressão sanguínea, previne o batimento cardíaco irregular, aumenta a fluidez do sangue e ainda neutraliza o stress.

Vitamina A: tem ação protetora sobre a visão, pele e mucosas.

Vitamina E: melhora a oxigenação celular, ajuda nas dores menstruais, aumenta a energia muscular e é essencial em processos de cura.

Vitamina B12: age sobre os glóbulos vermelhos, células nervosas, equilíbrio hormonal, na beleza da pele e também ajuda o sistema de imunização do corpo e no controle dos níveis de glicose no sangue.

Cálcio: necessário para a contração dos músculos, contração e expansão das artérias, secreção de hormônios e enzimas e envio de mensagens através do sistema nervoso.

Magnésio: ajuda na contração muscular e metabolismo energético.

Sódio: importante eletrólito para a transmissão nervosa, contração muscular e equilíbrio de fluidos no organismo.

Fósforo: possui papel muito importante na formação de ossos e dentes, intervindo também nas reações químicas em que se libera energia.

O hábito brasileiro de saborear bacalhau é herança da colonização portuguesa, que começou a se disseminar a partir do descobrimento do Brasil. Mas somente com a chegada da corte portuguesa e dos comerciantes lusos no país, no início do século XIX, que o consumo do pescado foi impulsionado e difundido entre a população.

A primeira importação oficial do produto aconteceu em 1843. Hoje, cerca de 95% do bacalhau consumido no Brasil tem sua origem na Noruega.

Neste final de ano de temperaturas altíssimas, nada melhor do que um prato nutritivo, muito saudável e refrescante na passagem de ano!

Espero que gostem!!

Salada de bacalhau

Ingredientes

1 kg de bacalhau em postas dessalgadas
2 xícaras (chá) de leite
1 ¼ kg de batatas
3 maçãs verdes
1 pimentão amarelo em rodelas
1 pimentão vermelho em rodelas
12 azeitonas sem caroço
4 ovos cozidos
1 cebola pequena ralada
cheiro-verde picado
azeite a gosto

Modo de preparo

Coloque o bacalhau de molho no leite por cerca de duas horas. Isso o deixará mais macio. Depois desse prazo, escorra o leite e ferva o peixe na água por 50 minutos.

Escorra novamente (reserve a água), desfie-o em lascas grandes e reserve. Na água reservada, cozinhe as batatas em rodelas. Escorra e reserve.

Retire o miolo das maçãs e corte-as com a casca em fatias finas. Corte em rodelas os pimentões e dê uma escaldada com água quente para que fiquem crocantes. Parta as azeitonas ao meio, os ovos cozidos em rodelas, e reserve tudo.

Em uma panela, refogue a cebola ralada no azeite e depois salpique o cheiro-verde.

Passe as lascas de bacalhau por esse refogado e reserve.

Unte uma travessa grande com azeite e disponha as batatas, o bacalhau, as maçãs, os pimentões, as azeitonas e os ovos. Regue generosamente com azeite e sirva na temperatura ambiente.

By Joemir Rosa.

Filé de frango grelhado com manteiga aromatizada

Posted in Receitas with tags , , , , , on 06/08/2011 by Joe

A receita de hoje não tem história, não tem origem conhecida, é rápida e fácil de preparar e – podem ter certeza – é deliciosa!

O filé de frango costuma estar presente em nossas mesas, seja porque é light e ótimo para quem está em dieta, seja porque é uma opção para quem não come carne vermelha. Vai bem com quase todos os pratos, desde um almoço leve, com salada, até em um jantar mais elaborado.

Então, porque não dar a ele um toque diferente de sabor, de forma fácil e criativa!

Vamos à receita!

Filé de frango grelhado com manteiga aromatizada

Ingredientes

10 filés de frango
sal e pimenta a gosto
suco de 1 laranja
azeite suficiente para grelhar
200 g de manteiga em temperatura ambiente
1 colher (chá) de sal
1 colher (chá) de pimenta-calabresa seca, em flocos
1 cebola pequena, bem picada
2 dentes de alho, bem picados
2 colheres (sopa) de ervas picadas (salsa, manjericão, salsinha)

Modo de preparo

Tempere os filés de frango com sal, pimenta e o suco de laranja. Deixe marinar por uns 15 minutos.

Enquanto isso prepare a manteiga da seguinte forma: em uma tigela coloque a manteiga, 1 colher (chá) de sal, 1 colher (chá) de pimenta-calabresa, a cebola, o alho e as ervas. Misture tudo muito bem.

Sobre papel-filme, coloque a manteiga e faça um rolinho. Feche com o papel-filme e leve ao freezer até endurecer. Quando for preparar os filés, tire do freezer um pouco antes e corte em rodelas.

Em uma frigideira antiaderente aqueça o azeite e doure os filés de frango. Em seguida, coloque uma rodela de manteiga aromatizada sobre cada filé, ainda quente, e sirva logo em seguida. Sirva os filés com legumes de sua preferência, salteados.

Dica: prepare a manteiga aromatizada com antecedência e congele. Ela é deliciosa para acompanhar carne grelhada ou macarrão cozido.

By Joemir Rosa.

Batata rösti

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , on 09/07/2011 by Joe

Rösti (lê-se râsti) em suíço-alemão significa “crocante e dourado”. Antigamente era um prato muito consumido nas fazendas, principalmente no café-da-manhã, servido com leite. Hoje é difundido por toda a Suíça e é uma refeição presente nas casas, principalmente como acompanhamento de carnes e embutidos, ou então como um prato leve para o jantar – quando enriquecido com outros ingredientes, como queijo e bacon – ao lado de uma salada.

Existem diferentes maneiras de prepará-lo, com batata crua ou cozida, dependendo de cada região do país. Além disso, a tradição manda serví-lo em um prato especial de cerâmica.

Aqui no Brasil o prato foi incrementado com recheios especiais, dependendo do gosto e da criatividade de cada um. Claro que pode ser servido sem recheios, também.

Siga fielmente as instruções abaixo, principalmente no que diz respeito ao tempo de geladeira, para que fiquem bem rösti, ou seja, crocantes e douradas.

Batatas rösti

Ingredientes

1 kg de batatas Asterix com casca
300 g de peito de frango cozido e desfiado
1 colher (sopa) de azeite
1/2 cebola ralada
1 tomate médio sem pele e sem sementes, picado
200 g de requeijão cremoso tipo Catupiry®
1 envelope de caldo de galinha em pó
sal e pimenta-do-reino a gosto
50 g de queijo parmesão ralado

Modo de preparo

Numa panela com água fervente cozinhe as batatas com casca por 20 minutos. Recomenda-se o uso da batata Asterix por possuir menor quantidade de água que os outros tipos. Elas devem ficar um pouco duras, tipo “al dente“. Retire as batatas da água e deixe-as esfriar naturalmente. Depois que esfriarem, coloque-as na geladeira e deixe descansarem por 12 horas.

Retire as batatas cozidas da geladeira e descasque-as ainda geladas, para que não virem um purê. Depois, sobre uma assadeira e com o auxílio de um ralador de legumes, rale-as no ralo grosso, sempre no mesmo sentido, de cima para baixo. Desta forma, as lascas ficam iguais e mais longas. Tempere as batatas raladas com caldo de galinha em pó a gosto.

Refogue o frango cozido e desfiado com o azeite, a cebola e o tomate. Tempere com o sal e a pimenta-do-reino e retire do fogo. Junte o requeijão e misture até formar uma pasta.

Em uma frigideira grande anti-aderente espalhe um pouco de azeite e coloque metade das batatas raladas preenchendo o fundo da frigideira. Vá fritando e virando várias vezes até formar uma crosta dourada. Reserve.

Repita a operação com a outra metade das batatas. Quando estiver no mesmo ponto, dourada e crocante, coloque o recheio, espalhando e moldando bem e o queijo parmesão ralado.

Cubra este recheio com a primeira porção de batatas que estavam reservadas. Passe um pouco de manteiga nas bordas das batatas para que fiquem mais crocantes. Leve a frigideira para o fogo alto por mais uns 5 minutos, vire utilizando um prato raso, e volte ao fogo por mais 5 minutos até que fique dourada. Sirva a seguir com saladas verdes.

Outro recheios que ficam ótimos também:

– filet mignon em iscas, temperado com sal e pimenta-do-reino, salteado na frigideira com um pouco de azeite. Coloque champignons, molho madeira e deixe reduzir. Na hora de montar, coloque o recheio sobre a primeira camada de batatas e fatias de queijo cheddar por cima. Cubra com a segunda camada de batatas.

– carne seca dessalgada, cozida e desfiada. Misture com requeijão na hora de montar.

– peito de frango cozido, desfiado e queijo brie.

– camarão salteado na manteiga e cobertos com Catupiry na montagem.

– queijo, presunto e fatias de tomate temperado com sal e orégano.

By Joemir Rosa.

Batatas gratinadas

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , on 16/10/2010 by Joe

Fim de ano chegando e a correria começa! Ainda estamos em Outubro, mas os supermercados já estão abarrotados de panetones, columbas e aquelas outras coisas que se parecem todas com as duas anteriores. Todas penduradas entre os corredores, o que fica parecendo um corredor polonês gastronômico! Ou uma indicação de que os produtos ali nas alturas são destinados apenas à classes mais altas!

Com isso, cada vez mais, sobra menos tempo pra gente dispensar na cozinha preparando pratos complicados e demorados.

A receita de hoje vem no socorro de quem não está a fim de gastar horas pilotando um fogão. Basta pegar um frango assado na padoca da esquina, uma salada verde, que se prepara rapidinho, e está pronto o almoço!

Esta receita pode ser considerada como básica, o que dá margem para inúmeras adaptações de ingredientes. Cada um pode variar de acordo com o gosto e a disponibilidade dos ingredientes que estiverem à mão!

Aliás, quem quiser deixar a sua versão nos comentários, eu vou curtir saber!!

Batatas gratinadas

Ingredientes

1 kg de batatas
2 tabletes de caldo de galinha
400 ml de requeijão (pode ser light)
1/2 copo de leite
30 g de alho frito pronto (vendido em supermercados)
200 gr de mussarela ralada
200 gr de presunto magro ralado
100 g de queijo parmesão ralado
Azeite a gosto

Modo de preparo

Descasque as batatas, corte em rodelas médias, e leve ao fogo numa panela funda com água e os tabletes de caldo de galinha, para dar uma pré-cozida. Enquanto isso, num prato fundo, misture bem a mussarela e o presunto ralados. Numa panelinha, dissolva o requeijão com o leite para deixá-lo mais líquido.

Retire as batatas pré-cozidas e disponha em um refratário untado com azeite, na seguinte ordem: batatas, alho frito pronto (não abuse para não ficar com sabor muito marcante), o requeijão dissolvido no leite, a mistura de mussarela e presunto,  mais uma camada de batatas e mais requeijão. Espalhe o queijo parmesão ralado por cima e leve ao forno para derreter os queijos e gratinar. Sirva quente.

Algumas variações na composição do prato: bacon picado (no lugar do alho); queijo cottage (é mais light que creme de leite ou requeijão); salsinha (nos supermercados encontra-se, na seção de temperos prontos, um mix de salsa, cebola e alho desidratados); peito de peru (no lugar do presunto com mussarela); queijo gorgonzola bem picado misturado ao requeijão também fica ótimo.

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: