Arquivo para Sabores

Mousse de uva

Posted in Receitas with tags , , , , , , , on 20/04/2013 by Joe

Mousse de uva

Em posts passados eu comentei sobre a origem da mousse, listei os benefícios da gelatina, publiquei diversas receitas (use o Busca no Blog para encontrá-las), todas muito simples e rápidas de preparar.

Hoje eu trago uma receita igualmente simples, fácil de preparar e muito deliciosa. A variação fica por conta do suco de frutas, que pode ser substituído por outros sabores!

Mousse de uva

Ingredientes

250 ml de suco de uva tinto integral
1 pacote de gelatina sabor uva
6 claras batidas em neve
10 colheres de sopa de açúcar
01 lata de creme de leite

Para a calda

250 ml de suco de uva tinto
5 colheres de sopa de açúcar
2 colheres de amido de milho

Modo de preparo

Ferva o suco de uva, desligue o fogo e dissolva a gelatina, misturando bem. Reserve.

Bata as claras em neve e vá adicionando o açúcar aos poucos. Junte o suco de uva com a gelatina e as claras em neve. Acrescente o creme de leite e misture tudo muito bem.

Coloque em uma forma redonda, untada com manteiga e leve à geladeira para endurecer.

Prepare a calda, levando ao fogo todos os ingredientes para calda, mexendo bem até engrossar suavemente. Quando a calda estiver morna, retire o mousse da geladeira, desenforme e despeje a calda sobre ele.

By Joemir Rosa.

Chilli

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 06/04/2013 by Joe

Chilli 3

A culinária mexicana, em termos de variedade de sabores e texturas, é uma das mais ricas do mundo, embora seja por vezes caracterizada por algumas pessoas como gordurosa e condimentada. É uma culinária rica em proteínas, vitaminas e minerais.

Quando os conquistadores espanhóis chegaram à antiga Cidade do México (Tenochtitlán), descobriram que o povo azteca tinha uma dieta específica: comia pratos baseados em milho (como a tortilla mexicana) com algumas ervas e, geralmente, com feijão. De acordo com algumas pesquisas, a mistura de feijões com milho origina um composto de aminoácidos que é muito bom para a dieta.

Mais tarde, os conquistadores adicionaram arroz, carne de vaca e vinho, entre outros ingredientes. Muitas outros produtos foram levadas para o México pelos conquistadores espanhóis: cavalos, porcos, gado bovino, galinhas, cabras e outros animais, além de especiarias como orégano, salsa, canela, pimenta e ainda vários vegetais e frutos.

Muita da culinária mexicana atual tem origem em várias misturas de tradições, ingredientes e criatividade. A maior parte tem base nativa americana, com misturas indígenas e um toque espanhol. Por exemplo, a famosa quesadilla é uma tortilla com base em milho e queijo e com carne de vaca, galinha e/ou porco.

A parte indígena disto – e de muitas outros pratos tradicionais – fica por conta do chilli, ou seja as pimentas e pimentões. A disposição deste tipo de pratos é muito decorativa e colorida. Isto acontece porque a culinária mexicana é rica em vegetais verdes, tais como brócolis, couve-flor e rabanete e em carnes variadas. Os alimentos indígenas do México pré-colombiano incluem chocolate, milho, tomate e baunilha.

A alimentação varia de acordo com a região, dependendo da população indígena original e das influências dos espanhóis e de outros povos a que essas regiões foram expostas. Por exemplo, o norte do México é conhecido pela sua produção de carne de vaca e pratos de carne, enquanto que o sudeste do México é conhecido pelos seus pratos condimentados baseados em vegetais e carne de galinha.

Posteriormente, a culinária mexicana combinou-se com a culinária do sudoeste dos Estados Unidos, formando a culinária tex-mex.

Além de ser carregada de sabores muito marcantes e de aromas que fazem com que você sinta seus alimentos sendo preparados à distância, a culinária mexicana tem sua identidade bem demarcada, o que acabou, mesmo com o passar dos anos, se popularizando em diversos locais do mundo. Hoje em dia é possível encontrar restaurantes mexicanos, tradicionais ou não, em diversas localidades de todo o planeta.

Se você quer conhecer os verdadeiros sabores do México fique atento a esta receita original de chilli. Tenho certeza que todos vão gostar muito!

Chilli

Ingredientes

350 g de bacon em cubinhos
1 colher (sopa) de óleo de soja
1 cebola cortada em cubinhos
4 dentes de alho picados
2 pimentas dedo-de-moça sem sementes picadas
coentro a gosto
300 g de carne moída
100 g de linguiça calabresa cortada em pequenos cubos e sem pele
500 g de feijão carioquinha ou rosinha cozido e escorrido
2 xícaras de molho de tomate
1 tomate maduro em cubos sem pele e sem sementes
sal a gosto
cominho a gosto
4 pedaços de queijo do tipo cheddar ou queijo parmesão ralado grosso
salsa e cebolinha picadas

Modo de preparo

Em uma panela com um pouco de óleo, corte o bacon em cubinhos e frite-os até que fiquem dourados. Cuidado para não fritar demais. Quando estiver no ponto, retire o bacon com ajuda de uma escumadeira, escorra bem e coloque em um prato sobre papel toalha. Reserve.

Na mesma panela, refogue o alho, a cebola e o coentro até que eles fiquem bem dourados. Em seguida, acrescente a carne moída e a linguiça. Vá misturando bem os ingredientes e deixe cozinhar até que fiquem bem cozidos.

Em seguida, adicione o feijão escorrido, o molho de tomate e o tomate cortado em cubinhos. Acerte o sal e coloque a pimenta dedo-de-moça. Misture bem e deixe cozinhar por mais 5 a 10 minutos, mexendo de vez em quando. Por fim, adicione cominho a gosto e misture bem.

A culinária mexicana é alegre e colorida. Então, sirva o chilli em uma travessa bonita, colorida e decore a mesa da mesma forma. Na hora de servir, adicione o queijo cheddar, que deve estar cortado em 4 pedaços (se preferir, use parmesão ralado grosso). Depois é só acrescentar o bacon aquecido, a salsa e a cebolinha. O chilli está pronto para ser servido e saboreado!

Outro detalhe que não pode faltar: você deve servir este prato acompanhado de nachos de milho e um bom vinho tinto!

By Joemir Rosa.

Sorvetone

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22/12/2012 by Joe

Sorvetone

Numa rápida pesquisa na Internet sobre a origem do panetone, encontramos três diferentes versões.

A primeira delas tem origem em uma história de amor. Tudo teria começado no século 15, quando um jovem milanês chamado Toni, membro da família Atellini, se apaixonou pela linda filha do padeiro que, por sua vez, não aprovava o namoro.

Para impressionar o pai da moça, o rapaz disfarçou-se de ajudante de padeiro e, passados alguns dias de trabalho, inventou um maravilhoso pão naturalmente fermentado e com frutas, de extrema delicadeza e de sabor especial. Sem falar na forma do pão, totalmente diferente, moldada no formato de uma cúpula de igreja. O jovem presenteou o futuro sogro com o pão.

O sucesso do pão foi imediato e a nova iguaria passou a ser conhecida como o pão da padaria do Toni, depois como pão do Toni e com o tempo, simplesmente, Panetone. Desse dia em diante, a padaria ganhou muito movimento, o que fez a família ficar rica.

A segunda versão diz que ele foi inventado pelo mestre-cuca Gian Galeazzo Visconti, primeiro duque de Milão, que preparou a iguaria para uma festa em 1395.

E a terceira versão conta que um certo Ughetto resolveu se empregar em uma padaria para poder ficar pertinho da sua amada, Adalgisa, filha do dono. Ali ele teria inventado o panetone, entre 1300 e 1400. Feliz com a novidade, o padeiro permitiu que Ughetto se casasse com Adalgisa. História mais ou menos parecida com a primeira versão.

Histórias à parte, a verdade é que o panetone realmente pegou e virou um dos símbolos da gastronomia natalina. De diversos sabores, recheios variados, adaptado às diferentes regiões do mundo, o panetone está sempre presente à mesa na noite de Natal!

A receita de hoje é muito simples, porém não menos saborosa, tendo o panetone como um dos ingredientes. Trata-se de uma sobremesa fácil de preparar e bem conveniente para estes dias e noites quentes de verão! Há algum tempo, eu publiquei uma outra receita, de um panetone recheado de sorvete, saborosíssimo e refrescante também!

Sorvetone

Ingredientes

Sorvete

2 latas de creme de leite sem soro
2 latas de leite condensado
400 ml de leite
2 colheres (sopa) de suco de limão
400 gramas de panetone picado

Calda

1 xícara (chá) de morangos picados
1/2 xícara (chá) de açúcar

Modo de preparo

No liquidificador, junte o creme de leite, o leite condensado, o leite e o suco de limão. Bata tudo até que fique um creme bem homogêneo e despeje em uma tigela grande.

Adicione o panetone picado, misturando tudo muito bem. Despeje em uma forma redonda grande, untada com um pouco de óleo. Cubra com filme plástico e leve ao freezer por, pelo menos, 12 horas.

Na hora de servir, coloque o morango picado e o açúcar em uma panela pequena e leve ao fogo, vá mexendo levemente até formar uma calda bem consistente.

Desenforme o sorvetone, cubra com a calda e sirva a seguir.

By Joemir Rosa.

De bem com a vida

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10/12/2012 by Joe

De bem com a vida

Uma coisa é certa: quando você está de bem com a vida, tudo ao seu redor lembra flores, tudo é mais perfumado, todos sorriem mais facilmente, os amigos aparecem de todos os lados, paixões brotam que nem feijão lançado ao chão, e a vida parece ser maravilhosa.

Você com certeza já ouviu frases como: ” dinheiro atrai dinheiro” ou: “quem tem sorte, ganha até dormindo”, essas afirmações são corretíssimas, já testadas e aprovadas pela vida.

A vida é como aquela amiga poderosa, dona de muitos recursos e que faz tudo para agradar aos amigos! Sabe aquela pessoa que todos querem ser amigo? Pois é, a vida é igualzinha a essa pessoa, porém com uma diferença: os poderes da vida são muito maiores e ela faz qualquer coisa para agradar quem está de bem com ela.

Mas, como é estar de bem com a vida num mundo onde existem tantas traições, tragédias sem fim, violência até não querer mais e gente cuspindo ódio por todo lado?

O segredo está em procurar as coisas que agradem ao seu espírito, fazer coisas que não violentam o seu entendimento, que não ferem o seu “lado gente”.

Se pensar em uma pessoa te lembra amargura e raiva, pra que pensar?

Se você insiste em uma relação que só traz dor e tristeza, pra que continuar?

Se você anda triste, chorando pelos cantos e nem sabe porque, por que não sorrir?

Se você anda desanimado, sem estímulo e nem sabe pra onde caminhar, por que parar?

Se você anda muito sozinho, cabisbaixo e infeliz, por que não mudar?

A vida espera com mil agrados aqueles que descobrirem que estar de bem com ela é um prazer, um grande barato que começa pelo simples fato de descobrir que a vida é bela sim, que é composta de mil dores sim, mas com um milhão de alegrias, cores, cheiros, sabores, pessoas.

Existem pelo menos mil maneiras de fazer diferente a mesma coisa que você faz todos os dias, assim como existem pelo menos um milhão de pessoas diferentes daquela que te magoou.

Abrace a vida com alegria e descubra o prazer das coisas simples!

Desconheço a autoria.

Nuea pad kanaa

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , on 10/09/2011 by Joe

O prato de hoje vem da gastronomia tailandesa, que está cada vez mais difundida e apreciada. O segredo dessa culinária milenar vai além do preparo dos pratos.

Conta-se que há dois séculos os tailandeses comiam sentados numa esteira ou tapete. No lugar de mesas eram usados grandes vasos de bronze com uma tampa, sobre as quais era colocada uma toalha vermelha. A carne era cortada em pequenos pedaços e o arroz colocado numa tigela funda no chão. Para servir a comida, utilizavam colheres de madrepérola. Os convidados não usavam facas nem garfos. Eles comiam fazendo pequenas bolas de arroz com os dedos e as mergulhavam nos pratos de acompanhamento.

Os talheres só foram introduzidos tempos depois pelos europeus. Esses costumes se modificaram, mas o rico sabor da culinária Thai continua o mesmo. O equilíbrio de sabores, aromas, texturas e cores é muito valorizado nessa cozinha. As refeições tailandesas são compostas por muitos pratos, todos levados à mesa ao mesmo tempo: uma sopa, uma salada, um prato picante (caril ou curry) e vários molhos em geral à base de “nam pla” (molho de peixe) onde são mergulhados vegetais ou frutos do mar. Tudo acompanhado de uma boa dose de arroz, considerado o alimento principal em muitos países da Ásia. O tipo mais comum é o arroz jasmim, que é mais perfumado e delicado.

As sobremesas são sempre compostas por frutas tropicais, como manga, abacaxi, coco, tamarindo (em suco) e outras. Os tailandeses comem com garfos, colheres e raramente usam facas, já que as carnes e os legumes vêm cortados em pequenos pedaços. Ao contrário do que muitos pensam, os pauzinhos (hashis) são utilizados somente para massas do tipo chinesa. A água e o chá são as bebidas mais comuns, embora o uísque tailandês com soda e uma boa dose de suco de lima seja apreciado em ocasiões festivas.

A culinária da Tailandia não só usa insetos como também muitos produtos de origem vegetal, tais como: cenoura, ervilha, brotos, salsão, erva-doce, etc; e também diversos tipos de carne (bovina, suina, caprina), e riquíssima em frutos do mar. Constituindo uma refeição rica em fibras e proteínas, com baixo teor de gordura e extremamente saborosa.

A receita de hoje, de origem Thai, é bem simples e fácil de preparar. O sabor tem um toque exótico de molhos apimentados, cujo resultado é saborosíssimo! Vale a pena experimentar!

Nuea pad kanaa

Ingredientes

250 g de filé mignon cortado em fatias ou pequenos pedaços
50 g de brócolis aferventado e cortado na diagonal
20 g de shitake cortado em tiras
2 colheres (sopa) de molho de ostras
azeite

Marinada

1 colher (sopa) rasa de açúcar
2 colheres (sopa) de saquê de cozinha
½ colher (chá) de óleo de gergelim torrado
1 alho picado

Modo de preparo

Prepare a marinada, misturando os ingredientes todos. Deixe o filé mignon nessa marinada por dez minutos. Em seguida passe uma fina camada de azeite numa panela wok ou numa caçarola grande e aqueça até enfumaçar. Frite o filé até selar os dois lados. Acrescente os brócolis e o shitake, e frite por mais 30 segundos. Tempere com molho de ostra e mexa por mais 30 segundos. Sirva acompanhado de arroz branco.

Bom apetite!

By Joemir Rosa.

Ciclo

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , on 04/02/2011 by Joe

Gaste seu amor. Usufrua-o até o fim. Enfrente os bons e os maus momentos, passe por tudo que tiver que passar, não se economize.

Sinta todos os sabores que o amor tem, desde o adocicado do início até o amargo do fim, mas não saia da história na metade.

Amores precisam dar a volta ao redor de si mesmo, fechando o próprio ciclo. Isso é que libera a gente para ser feliz de novo.”

By Martha Medeiros.

Panetone com sorvete

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , on 25/12/2010 by Joe

Numa rápida pesquisa na Internet sobre a origem do panetone, encontramos três diferentes versões.

A primeira delas tem origem em uma história de amor. Tudo teria começado no século 15, quando um jovem milanês chamado Toni, membro da família Atellini, se apaixonou pela linda filha do padeiro, que por sua vez não aprovava o namoro.

Para impressionar o padeiro, o rapaz disfarçou-se de ajudante de padeiro e, passados alguns dias de trabalho, inventou um maravilhoso pão naturalmente fermentado e com frutas, de extrema delicadeza e de sabor especial. Sem falar na forma do pão, totalmente diferente, moldada no formato de uma cúpula de igreja. O jovem presenteou o futuro sogro com o pão.

O sucesso do pão foi imediato e a nova iguaria passou a ser conhecida como o pão da padaria do Toni, depois pão do Toni e com o tempo, simplesmente, Panetone. Desse dia em diante a padaria ganhou muito movimento, o que fez a família ficar rica.

A segunda versão diz que ele foi inventado pelo mestre-cuca Gian Galeazzo Visconti, primeiro duque de Milão, que preparou a iguaria para uma festa em 1395.

A última versão conta que um certo Ughetto resolveu se empregar em uma padaria para poder ficar pertinho da sua amada, Adalgisa, filha do dono. Ali ele teria inventado o panetone, entre 1300 e 1400. Feliz com a novidade, o padeiro permitiu que Ughetto se casasse com Adalgisa. História mais ou menos parecida com a primeira versão.

Histórias à parte, a verdade é que o panetone realmente pegou e virou um dos símbolos da gastronomia natalina. De vários sabores, recheios variados, adaptado às diferentes regiões do mundo, o panetone está sempre presente à mesa na noite de Natal!

A receita de hoje é muito simples, porém não menos saborosa. Trata-se de uma sobremesa fácil de preparar e bem conveniente para estes dias e noites quentes de verão!

Vamos a ela!

Panetone com sorvete

Ingredientes

1 panetone de 1 kg
1 pote de sorvete de creme (ou de sua preferência)
1 lata de creme de leite
1 tablete de chocolate ao leite

Modo de preparo

Corte uma fatia da parte inferior do panetone e, com as mãos, retire uma boa quantia da parte interna do panetone, deixando uns 2 cm de espessura. Tome cuidado para não furar a casca.

Em uma tigela, misture a massa retirada com o sorvete (deixe o sorvete na geladeira algum tempo antes de misturá-lo com o panetone para que fique cremoso). Preencha o panetone com a mistura e recoloque a fatia cortada. Leve ao freezer.

Antes de servir, derreta o chocolate em barra em banho-maria e misture com o creme de leite. Distribua esse creme sobre o panetone, decorando a gosto, com nozes, cerejas ou damascos.

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: