Arquivo para Revestimento

A Sala de Âmbar

Posted in Livros with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 04/08/2013 by Joe

A Sala de ÂmbarLivro: A Sala de Âmbar
By Steve Berry
Editora Record

Um dos maiores tesouros da humanidade! Ao longo de décadas, historiadores e colecionadores de arte do mundo inteiro estiveram em busca da Sala de Âmbar.

Uma verdadeira obra-prima, composta por painéis de fino âmbar incrustados com inúmeras pedras preciosas, um tesouro avaliado em mais de 250 milhões de dólares, considerada a mais valiosa obra desaparecida do mundo.

A Sala de Âmbar foi construída de 1701 a 1709 por artesãos russos e alemães; milhares de pedaços de âmbar foram utilizados para criar os painéis de revestimento, como um mosaico.

Em 1716, o rei da Prússia, Fredrico I, ofereceu os painéis a Pedro, O Grande, imperador da Rússia, em sinal de amizade entre os reinados. Em 1941, as forças da Alemanha nazista invadiram Leninegrado. Os soldados alemães desmontaram a sala e levaram os painéis para o Palácio de Königsberg (atual Kaliningrado).

Alguns historiadores acreditam que a Sala de Âmbar foi queimada nos bombardeios do final da guerra. No entanto, o desaparecimento dela alimentou a imaginação dos caçadores de recompensas.

É nesse contexto que “A Sala de Âmbar” narra uma verdadeira corrida para a redescoberta desse tesouro, levando-nos a uma viagem pela Europa, visitando lugares históricos, sombris e exóticos.

Numa trama empolgante e ágil, a narrativa nos prende do começo ao fim, com muita aventura, mistério e intrigas, mesclando mitos e história que envolvem esse fabuloso tesouro!

Steve Berry vem no rastro de outros autores, como Dan Brown, onde ficção, arte e história são elementos que nos fazem viajar através de muita aventura, suspense, conspirações e realidade.

Tal qual os livros de Dan Brown (O Código Da Vinci, Anjos e Demônios, O Símbolo Perdido), “A Sala de Âmbar” é daquelas obras para se ler conectado à Internet, pesquisando no Google Street os locais e obras de arte citadas nos livros!

Leitura imperdível!

By Joemir Rosa.

Casa viva ou casa morta?

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27/01/2013 by Joe

Flores na janela

Sua casa é viva ou morta? A casa é feita de pedras, tijolos, madeira, portanto, não tem vida. Entretanto, existem casas que são mortas. Você as adentra e sente em todos os cômodos a inexistência de vida.

Sim, dentro delas habitam pessoas, famílias inteiras. Mas são aquelas casas em que quase tudo é proibido. Tudo tem que estar tão arrumado, ajeitado, sempre, que não se pode sentar no sofá porque se está arriscando sujar o revestimento novo e caro.

Casas em que o quarto das crianças é impecável. Todos os bichinhos de pelúcia, por ordem de cor e tamanho, repousam nas prateleiras.

Essas casas são frias…

Pequenas ou imensas, carecem do calor da descontração, da luz da liberdade e da iluminada possibilidade de dentro delas se respirar, cantar, viver. Por isso mesmo parecem mortas.

As casas vivas já demonstram, desde o jardim, que nelas existe vibração e alegria. No gramado, a bola quieta fala da existência de muitos folguedos. A bicicleta, meio deitada, perto da garagem, diz que pernas infantis até há pouco a movimentaram com vigor. Em todos os cômodos se reflete a vida.

No sofá, um ursinho de pelúcia denuncia a presença de um pequenino irrequieto que carrega a sua preciosidade por todos os cantos. Na saleta, livros, cadernos e lápis dizem dos estudos que se repetem durante horas. O dicionário aberto, um marcador de páginas assinalando uma mensagem preciosa falam de pesquisa e leitura atenciosa.

A cozinha exala a mensagem de que ali, a qualquer momento, pode chegar alguém e se servir de um copo d’água, um café, um pedaço de pão.

Os quartos traduzem a presença dos moradores. Cores alegres nas cortinas, janelas abertas para que o sol entre em abundância. Os travesseiros um pouco desajeitados deixam notar que as crianças os jogam, vez ou outra, umas contra as outras, em alegres brincadeiras.

Enfim, as casas vivas são aquelas em que as pessoas podem viver com liberdade. O que não quer dizer com desordem. As casas vivas são aquelas nas quais os seus moradores já descobriram que elas foram feitas para morar, mas sobretudo para se viver.

O desapego às coisas terrenas inicia nas pequeninas coisas. Se estabelecemos, em nosso lar, rígidas regras de comportamento para que tudo esteja sempre impecável, como se pessoas ali não vivessem, estamos demonstrando que o mais importante são as coisas, não as pessoas.

Manter o asseio, a ordem, é correto. Escravizar-se a detalhes, temer por estragos significa exagerado apego a coisas que, em última análise, somente existem em função das pessoas.

Transforme sua casa, pequena, de madeira, uma mansão, num lugar agradável de se retornar, de se viver, de se conviver com a família, os amigos, os amores. Coloque sinais de vida em todos os aposentos. Disponha flores nas janelas para que quem passe, possa dizer:

– “Esta é uma casa viva. É um lar!”

Desconheço a autoria.

%d blogueiros gostam disto: