Arquivo para Repressão

A lição do erro

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/08/2015 by Joe

Lição do erro

Um discípulo perguntou ao mestre:

– “Mestre, por qual razão quando fazemos alguma coisa, quase nunca conseguimos acertar da primeira vez, e muitas vezes temos de repetí-la várias vezes até que a façamos da maneira certa?”

E o mestre respondeu:

– “É simples! Para aprendermos as várias maneiras de como não fazer alguma coisa”.

Essa lição tão simples pode ter um significado muito profundo em nossas vidas. O medo que temos de errar é, em geral, o medo de sermos rejeitados. Ou por alguém (nosso chefe, nossa família, amigos, pela sociedade), ou por nós mesmos quando fomos muito reprimidos na infância e carregamos essa repressão pela vida afora.

Porém, a partir do momento em que aceitamos o medo da rejeição como alguma coisa que não é nossa, mas que nos foi, de certa forma, colocada goela abaixo (ou melhor, inconsciente abaixo) na vida, podemos aprender coisas fabulosas dela.

Henry Ford dizia:

– “O erro e a derrota são a oportunidade de começar novamente de uma forma mais inteligente”.

Se substituirmos as palavras erro e derrota pela palavra rejeição, talvez fique mais fácil aceitarmos nossas derrotas e erros, não mais como fracassos, mas como lições de vida.

Napoleon Hill dizia:

– “Cada adversidade traz em si uma semente de igual ou maior benefício”.

Sempre focalize no benefício. Lembre-se: aquilo em que focarmos nossa energia é o que mais irá crescer em nossa vida. Qual dos dois, a adversidade ou o benefício você quer que sejam maiores em sua vida?

É exatamente essa a filosofia aplicada pelas pessoas que conseguem grandes feitos, ou mesmo pelas pessoas comuns, mas que conseguem ter uma vida equilibrada entre erros e acertos.

Lembre-se da história tão conhecida de Thomas Edison enquanto trabalhava no desenvolvimento de uma lâmpada elétrica. Lá pelas cinco mil tentativas mal sucedidas, um dia um jovem jornalista o entrevistou, perguntando:

– “Sr. Edison, o senhor já falhou 5.000 vezes. Por que o senhor continua perdendo o seu tempo tentando descobrir uma coisa que não dá certo?”

Ao que Edison respondeu:

– “Meu jovem, você não entendeu. Eu não falhei 5.000 vezes. Eu descobri 5.000 maneiras de não fazer um bulbo acender com a eletricidade. Se eu continuar tentando, logo irei esgotar o estoque de maneiras erradas de fazer isso e encontrarei a maneira correta”.

Bem, caro leitor, você provavelmente está usando algum tipo de luz para ler este artigo. Caso seja a luz de uma lâmpada elétrica, não é tão bom saber que Edison preferiu vencer o medo da rejeição e aprender com ela do que, simplesmente, jogar a toalha?

Ao seu sucesso e autoestima lá em cima!

By Wilson Meiler.

Alfabeto emocional

Posted in Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/03/2014 by Joe

Alfabeto emocional - GIF

O Dr. Juan Hitzig estudou as características de alguns longevos saudáveis e concluiu que, além das características biológicas, o denominador comum entre todos eles está em suas condutas e atitudes.

– “Cada pensamento gera uma emoção e cada emoção mobiliza um circuito hormonal que terá impacto nos trilhões de células que formam um organismo”, explica.

As condutas “S” – serenidade, silêncio, sabedoria, sabor, sexo, sono, sorriso – promovem a secreção de serotonina. Enquanto as condutas “R” – ressentimento, raiva, rancor, repressão, resistências – facilitam a secreção de cortisol, um hormônio “corrosivo” para as células, que acelera o envelhecimento.

As condutas “S” geram atitudes “A” – ânimo, amor, apreço, amizade, aproximação. As condutas “R”, pelo contrário, geram atitudes “D” – depressão, desânimo, desespero, desolação.

Aprendendo esse alfabeto emocional lograremos viver mais tempo e melhor, porque o “sangue ruim” (muito cortisol e pouca serotonina) deteriora a saúde, oportuniza as doenças e acelera o envelhecimento. O bom humor, pelo contrário, é a chave para a longevidade saudável.

Tenha uma excelente vida, plena de serotonina!

By Dr. Richard Schulze, do livro “Common Sense Health and Healing”.

Emoções

Posted in Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22/10/2013 by Joe

Emoções

Diferentemente dos animais, nós dispomos de uma forma de expressar o que vai na nossa alma: as palavras. É óbvio que, sendo a emoção um fenômeno com importante componente corporal, as palavras por si só não bastam para comunicá-las. Mas certamente são auxiliares valiosos.

Mas, infelizmente, somos condicionados, desde cedo, a não falar sobre o que sentimos, principalmente se esse sentimento for percebido como algo que nos inferioriza. Tudo pode estar minado por dentro, mas deve-se fazer todo o esforço do mundo para se exibir uma fachada de normalidade.

Confessar medos e fraquezas é visto como perigoso para o “prestígio pessoal” e pode parecer um sinal de insegurança. Paradoxalmente, são justamente as pessoas mais seguras e confiantes que têm menor receio de confessar seus temores e falhas.

Uma das mais antigas descobertas da humanidade indica que o ato de confessar o que sentimos é bom para o corpo e para a alma. A tristeza compartilhada e a dor revelada diminuem as tensões geradas pela angústia e pelas perdas. Mas a importância e o benefício de falar sobre os sentimentos não se restringe apenas à dor. É necessário também externar e compartilhar as coisas boas.

Enfim, a questão é que a repressão das emoções – e de sua expressão verbal – não pode ser seletiva; deve-se “por para fora” todos os sentimentos; falar o que realmente se sente, reagir, sentir e externar afeto ou mágoa. Se a emoção não se libera, agarra-se aos órgãos, perturbando seu funcionamento.

O desgosto que se pode exprimir por gemidos e lágrimas é rapidamente esquecido; já o sofrimento mudo remói incessantemente o coração e termina por abatê-lo.

By Dr. Marco Aurélio Dias da Silva, no livro “Quem ama não adoece”.

Força de vontade

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 08/07/2013 by Joe

Força de vontade

Quando você tem que vencer um limite, uma dificuldade, como por exemplo, ficar acordado até mais tarde, aprender uma nova lição, cumprir uma obrigação, tentar uma vaga na faculdade, pleitear um aumento de salário, conquistar um novo amor, comprar uma casa nova, parar de fumar, etc., você está exercitando a sua força de vontade.

A força de vontade é o instrumento do agir. Ela deriva do que alguns estudiosos chamam de instinto, e desenvolve mecanismos para que você consiga conquistar seus objetivos e ideais, desenvolve a iniciativa própria. A força de vontade, aliada à inteligência, é um grande instrumento, é um impulso comandado pelo apelo do querer, das necessidades mentais!

Mas a força de vontade pode ser sufocada ou inibida por repressões, decepções, comodismo, falta de estímulo ou de motivação. Um exemplo são os gordinhos compulsivos. Eles precisam emagrecer porque comem demais e o que não devem, mesmo sem fome ou apetite. Mas não conseguem. Falta força de vontade. Mas quando eles recebem um estímulo que desperta o “querer” emagrecer, eles acionam a força de vontade e conseguem.

A força de vontade pode ser acionada a qualquer tempo para entrar em ação, sempre que você estiver motivado ou estimulado. Ela pode trazer a disciplina e o sucesso.

Concluindo: força de vontade é o poder de ação do querer, projetando o ser para o movimento.

Desconheço a autoria.

Alfabeto emocional

Posted in Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 06/02/2012 by Joe

O Dr. Juan Hitzig estudou as características de alguns idosos saudáveis e concluiu que, além das características biológicas, o denominador comum entre todos eles está em suas condutas e atitudes.

– “Cada pensamento gera uma emoção e cada emoção mobiliza um circuito hormonal que terá impacto nos trilhões de células que formam um organismo”, explica.

As condutas “S” – serenidade, silêncio, sabedoria, sabor, sexo, sono, sorriso – promovem secreção de serotonina, um hormônio que ajuda a elevar o nosso nível imunológico, protegendo nossas células.

Já as condutas “R” – ressentimento, raiva, rancor, repressão, resistências, repreensão – facilitam a secreção de cortisol, um hormônio “corrosivo” para as células, que acelera o envelhecimento, além de “detonar” nosso sistema imunológico.

As condutas “S” geram atitudes “A” – ânimo, amor, apreço, amizade, aproximação. As condutas “R” pelo contrário geram atitudes “D” – depressão, desânimo, desespero, desolação.

Aprendendo esse alfabeto emocional lograremos viver mais tempo e melhor, porque o “sangue ruim” (muito cortisol e pouca serotonina) deteriora a saúde, oportuniza as doenças e acelera o envelhecimento. O bom humor, pelo contrário, é a chave para a longevidade saudável.

Tenha uma excelente vida, plena de serotonina!

By Dr. Richard Schulze, do livro “Common Sense Health and Healing”.

A lição do erro

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/09/2010 by Joe

O discípulo perguntou ao mestre:

– “Mestre, por qual razão quando fazemos alguma coisa, quase nunca conseguimos acertar da primeira vez, e muitas vezes temos de repetí-la várias vezes até que a façamos da maneira certa?”

Ao que o mestre respondeu:

– “É simples! Para aprendermos as várias maneiras de como não fazer alguma coisa”.

Essa lição tão simples pode ter um significado muito profundo em nossas vidas. O medo que temos de errar é, em geral, o medo de sermos rejeitados. Ou por alguém (nosso chefe, nossa família, amigos, pela sociedade), ou por nós mesmos quando fomos muito reprimidos na infância e carregamos essa repressão pela vida afora.

Porém, a partir do momento em que aceitamos o medo da rejeição como alguma coisa que não é nossa, mas que nos foi, de certa forma, colocada goela abaixo (ou melhor, inconsciente abaixo) na vida, podemos aprender coisas fabulosas dela.

Henry Ford dizia:

– “O erro e a derrota são a oportunidade de começar novamente de uma forma mais inteligente”.

Se substituirmos as palavras erro e derrota pela palavra rejeição, talvez fique mais fácil aceitarmos nossas derrotas e erros, não mais como fracassos, mas como lições de vida.

Napoleon Hill dizia:

– “Cada adversidade traz em si uma semente de igual ou maior benefício”.

Sempre focalize no benefício. Lembre-se: aquilo em que focarmos nossa energia é o que mais irá crescer em nossa vida. Qual dos dois, a adversidade ou o benefício você quer que sejam maiores em sua vida?

É exatamente essa a filosofia aplicada pelas pessoas que conseguem grandes feitos, ou mesmo pelas pessoas comuns, mas que conseguem ter uma vida equilibrada entre erros e acertos.

Lembre-se da história tão conhecida de Thomas Edison enquanto trabalhava no desenvolvimento de uma lâmpada elétrica. Lá pelas cinco mil tentativas mal sucedidas, um dia um jovem jornalista o entrevistou, perguntando:

– “Sr. Edison, o senhor já falhou 5.000 vezes. Por que o senhor continua perdendo o seu tempo tentando descobrir uma coisa que não dá certo?”

Ao que Edison respondeu:

– “Meu jovem, você não entendeu. Eu não falhei 5.000 vezes. Eu descobri 5.000 maneiras de não fazer um bulbo acender com a eletricidade. Se eu continuar tentando, logo irei esgotar o estoque de maneiras erradas de fazer isso e encontrarei a maneira correta”.

Bem, caro leitor, você provavelmente está usando algum tipo de luz para ler este artigo. Caso seja a luz de uma lâmpada elétrica, não é tão bom saber que Edison preferiu vencer o medo da rejeição e aprender com ela do que, simplesmente, jogar a toalha?

Ao seu sucesso e autoestima lá em cima!

By Wilson Meiler.

Alfabeto emocional

Posted in Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/05/2010 by Joe

O Dr. Juan Hitzig estudou as características de alguns longevos saudáveis e concluiu que, além das características biológicas, o denominador comum entre todos eles está em suas condutas e atitudes.

– “Cada pensamento gera uma emoção e cada emoção mobiliza um circuito hormonal que terá impacto nos trilhões de células que formam um organismo”, explica.

As condutas “S” – serenidade, silêncio, sabedoria, sabor, sexo, sono, sorriso – promovem secreção de serotonina. Enquanto as condutas “R” – ressentimento, raiva, rancor, repressão, resistências – facilitam a secreção de cortisol, um hormônio “corrosivo” para as células, que acelera o envelhecimento.

As condutas “S” geram atitudes “A” – ânimo, amor, apreço, amizade, aproximação. As condutas “R” pelo contrário geram atitudes “D” – depressão, desânimo, desespero, desolação.

Aprendendo esse alfabeto emocional lograremos viver mais tempo e melhor, porque o “sangue ruim” (muito cortisol e pouca serotonina) deteriora a saúde, oportuniza as doenças e acelera o envelhecimento. O bom humor, pelo contrário, é a chave para a longevidade saudável.

Tenha uma excelente vida, plena de serotonina!

By Dr. Richard Schulze, do livro “Common Sense Health and Healing”.

%d blogueiros gostam disto: