Arquivo para Recheio

Torta aerada de liquidificador

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/04/2014 by Joe

Torta de liquidificador

A sugestão deste sábado não tem história e nem artistas vinculados. Porém, ela é ótima para um lanche de fim de tarde ou um sábado à noite, para quem quer fugir um pouco daquela pizza nossa de cada fim de semana.

A receita é bem simples e é preparada no liquidificador. O que diferencia esta receita de outras tantas é a massa, que fica bem leve e aerada. O recheio fica a critério de cada um, podendo variar de acordo com a vontade e o gosto de cada pessoa. Eu curto muito o recheio de frango e também o de carne moída refogada. Outras opções são: sardinhas, palmito, camarão com catupiry, queijo, presunto e orégano ou legumes.

Se alguém tiver outras sugestões de recheios, pode deixar nos comentários, não esquecendo o modo de preparar, ok?

Vamos à receita!

Torta de liquidificador

Ingredientes

Massa

2 xícaras (chá) de leite
1/2 xícara (chá) de azeite de oliva
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
2 ovos
1 tablete de caldo de galinha
1 colher (sopa) de açúcar
20 gr de fermento biológico seco instantâneo
queijo parmesão ralado grosso

Recheio

1 peito de frango desossado (em torno de 800 gr)
1 colher de azeite
2 cebolas picadas
4 dentes de alho picados
sal a gosto
pimenta do reino a gosto
1 lata de ervilhas ou milho
1 tomate grande picado, sem sementes
1 xícara de leite
1 copo de requeijão (sugiro sabor cheddar)
salsa e cebolinha picados

Modo de preparo

Massa: coloque o leite numa panela e leve ao fogo até amornar. Retire do fogo e despeje no liquidificador. Adicione o azeite (reserve 1 colher de sopa), a farinha de trigo, os ovos, o sal e o açúcar. Bata até obter uma mistura homogênea. Acrescente o fermento e bata apenas por alguns segundos. Cubra o copo do liquidificador com filme plástico e deixe descansar entre 45 e 60 minutos, até a massa dobrar de volume. Se o copo de liquidificador for de 1 litro, sugiro dividir a massar em outro recipiente pois ela cresce bastante e fica bem aerada.

Recheio: cozinhe o peito de frango em panela de pressão e depois desfie bem. Em uma panela, com uma colher de azeite, refogue o alho e as cebolas. Adicione o frango desfiado e refogue bem, acertando o sal e a pimenta. Adicione a ervilha (ou milho), os tomates e misture tudo. Cuide para que o recheio não fique seco. Adicione a salsa e cebolinha picados e reserve.

Pré-aqueça o forno à temperatura média (180ºC).

Numa panela pequena coloque o requeijão e o leite, leve ao fogo baixo e dissolva tudo muito bem até obter um creme. Despeje sobre o frango reservado e misture bem. Com o azeite de oliva reservado, unte uma assadeira de 30 cm de diâmetro e polvilhe com farinha de trigo. Em seguida, despeje metade da massa e distribua uniformemente o recheio. Cubra com o restante da massa, polvilhe com o queijo parmesão ralado e leve ao forno por 50 minutos, ou até a torta dourar. Retire do forno, fatie e sirva.

Vinho tinto ou cerveja são ótimos acompanhamentos!

By Joemir Rosa.

Coxinha de frango picante

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/11/2013 by Joe

Coxinha de frango picante

Este salgadinho, muito apreciado por todos nas festas de aniversários, casamentos e nos butecos espalhados por todos os recantos do nosso país, tem sua origem perdida no tempo e na memória do povo brasileiro.

A primeira história nos conta que seria uma derivação dos croquetes europeus. O seu recheio de frango ou galinha é muito popular na culinária francesa; porém, a introdução do catupiry é tipicamente brasileira.

A segunda, publicada no livro “Histórias e Receitas”, de Nadir Cavazin, nos conta que o filho da Princesa Isabel e do Conde D’Eu, uma criança que foi afastada da corte por ter supostos problemas mentais, tinha o frango como prato favorito, mas só comia as coxas. E aconteceu que, um dia, por não ter coxas e frangos suficientes, a cozinheira decidiu transformar um frango inteiro em coxas, desfiando-o e preparando-o como recheio de uma massa de farinha de trigo. O menino aprovou o resultado, e a Imperatriz Tereza Cristina, quando foi visitá-lo, não resistiu, saboreou a guloseima, e gostou tanto que solicitou que o mestre da cozinha imperial aprendesse a receita. Assim, a coxinha ganhou a nobreza.

A terceira história conta que a coxinha teria sido criada em 1810 em uma cidade do sul do Amazonas chamada Tefé. Conta que um grupo de seringueiros foi atacado por índios, e que eles teriam fugido e deixado para trás as galinhas que criavam. Os índios, em comemoração pela vitória, resolveram cozinhar as galinhas e envolvê-las em massa à base de farinha de mandioca.

E a última história nos conta que a coxinha teria sido inventada pelos escravos, que, na falta de alimentos, juntavam os restos de comida, retiravam os ossos das galinhas, envolviam em uma massa e fritavam.

Seja qual for a verdadeira origem deste salgadinho, algumas coisas são certas: ele é delicioso, faz parte da gastronomia brasileira e é impossível comer um só!

E, como todos os pratos, existem inúmeras variações no preparo, dos ingredientes e dos acompanhamentos.

A receita de hoje é focada justamente numa dessas variações, preparada com um recheio deliciosamente picante que vai agradar a todos que já apreciam este aperitivo!

Coxinha de frango picante

Ingredientes

Massa

1 kg de mandioca cozida e amassada
1 colher (sopa) de manteiga
2 ovos
1 xícara (chá) de queijo parmesão ralado
farinha de trigo suficiente para dar o ponto

Recheio

1 kg de peito de frango picado na ponta da faca
1 cebola média ralada
1/3 xícara (chá) de óleo de milho
2 colheres (sopa) de óleo de gergelim torrado
1 colher (sopa) de curry em pó
1 colher (sopa) de folhas de manjericão picadas
1 colher (sopa) de gengibre bem picado ou ralado
1 xícara (chá) de caldo de frango
3 colheres (sopa) de açúcar mascavo
sal e pimenta a gosto
farinha de rosca suficiente para empanar

Modo de preparo

Massa

Leve ao fogo uma panela, coloque a manteiga, a mandioca amassada, os ovos, o queijo e vá adicionando a farinha de trigo, mexendo sempre para que fique uma massa homogênea e vá cozinhando até dar o ponto certo. Este ponto é quando ela desgrudar do fundo da panela. Reserve.

Recheio

Tempere o frango picado com sal e pimenta. Reserve.

Em outra panela, refogue a cebola no óleo de milho, adicione o curry e o óleo de gergelim e misture bem. Junte o frango e refogue.

Adicione as folhas de manjericão, o caldo, o gengibre e o açúcar. Cozinhe em fogo médio até secar o excesso de líquido, deixando o recheio apenas úmido. Acerte o sal e a pimenta.

Montagem

Molde as coxinhas com a massa, coloque o recheio e passe na farinha de rosca. Frite por imersão, em óleo bem quente.

Sirva como aperitivo, acompanhado de uma cerveja bem gelada!

By Joemir Rosa.

Suflê de queijo gruyère

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/06/2013 by Joe

Suflê de queijo gruyère

De origem francesa, o suflê (ou soufflé) foi bem-recebido no Brasil. Acredita-se que a primeira receita tenha sido criada em meados do século 19, talvez até antes, pelo chef francês Antonin Carême. Sobre ele dizia-se que era “o chef dos reis e o rei dos chefs”. Desde então, essa delícia corre o mundo em mil e uma variações.

O termo “soufflé” significa “inchado” ou “soprado” e, por isso, uma das regras básicas do prato é servi-lo imediatamente após sair do forno. Se não for veloz, ele perde consistência e murcha. O suflê pode ser doce ou salgado, feito com diversos tipos de recheio. Vale queijos, legumes, carnes, frutos do mar, chocolate e frutas.

O prato à base de clara de ovos e leva algum farináceo para dar liga e o recheio principal escolhido. As claras batidas em neve são adicionadas no último momento e delicadamente se incorporam à massa. Ao ser colocado no forno bem quente, as bolhas de ar contidas nas claras se dilatam fazendo a mistura inflar e crescer. Chega a ultrapassar a altura das forminhas de porcelana (ramequins), causando assim o efeito “colarinho”.

No prato de hoje, você confere uma receita prática de suflê, com um dos mais deliciosos recheios: o queijo gruyère!

Suflê de queijo gruyère

Para o molho bechamel

1/2 litro de leite
1 1/2 colher (sopa) de manteiga
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
sal e pimenta-do-reino à gosto
uma pitada de noz-moscada

Para a massa

350 gramas de queijo do tipo gruyère ralado grosso
3 colheres (sopa) de manteiga
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
1 receita de molho bechamel
sal a gosto
2 gemas
6 claras
2 colheres (chá) de queijo parmesão ralado fino

Modo de preparo

Molho bechamel

Em uma panela, ferva o leite. Em outra panela, derreta a manteiga e junte a farinha mexendo. Aos poucos, incorpore o leite à mistura, mexendo sempre. Adicione o sal, a pimenta e a noz-moscada e ferva por mais dois minutos. Reserve.

A massa

Em uma frigideira, derreta o queijo gruyère parcialmente na manteiga. Acrescente a farinha e misture por dois minutos. Junte o molho bechamel e tempere com sal. Deixe ferver, mexendo sempre. Adicione as gemas, sem parar de mexer, e cozinhe até a mistura engrossar. Reserve.

Na batedeira, bata as claras até ficarem firmes e junte à massa. Transfira para dois ramequins com capacidade para 600 ml cada um, untados com manteiga. Polvilhe com o parmesão e leve ao forno pré-aquecido a 240 ºC por dez minutos. Sirva quente assim que sair do forno.

By Joemir Rosa.

Tarte Tatin

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/04/2013 by Joe

Tarte Tatin

A Tarte Tatin é uma torta de frutas típica francesa, que nasceu de um tremendo erro culinário cometido por duas irmãs, Stephanie e Caroline Tatin. Contam que, após da morte de seu pai, elas assumiram o negócio da família, o Hotel Tatin, na cidade de Lamotte-Beuvron a 173 km de Paris, no Vale do Loire.

O local já era famoso na região devido à sua perfeita torta de maçãs que se caracterizava por uma cobertura crocante, composta por maçãs macias e caramelizadas.

Um belo dia – lá pelos idos de 1889 – em que havia muito movimento, Stephanie, uma das irmãs, colocou as maçãs no forno, esquecendo-se de colocar a massa sobre elas. Quando percebeu o seu erro, tentou recuperar o prato cobrindo as maçãs com a massa. Quando tirou a torta do forno e viu o resultado … ficou satisfeita e serviu a torta ainda quente. Foi um sucesso imediato!

E foi assim que nasceu uma das mais importantes relíquias gastronômicas da França no que diz respeita à doceria.

A cidade de Lamotte-Beuvron leva tão a sério este legado gastronômico que tornou a torta famosa, que tornou-se a sede de uma confraria que defende a tradição, divulgando a receita e promovendo o consumo entre os amantes desta iguaria: La Confrerie des Lichonneux de Tarte Tatin.

O recheio original desta torta é composto por três ingredientes: maçã, manteiga e açúcar. Hoje em dia existem algumas variações da receita original, mas são todas igualmente deliciosas!

Atualmente a famosa torta é, normalmente, acompanhada por uma generosa bola de sorvete que ressalta ainda mais a sua deliciosa textura.

Tarte Tatin

Ingredientes

Massa

200 g de farinha de trigo
100 g de manteiga gelada
2 colheres (sopa) de açúcar
1 pitada de sal
1 a 3 colheres (sopa) de água gelada

Recheio

6 maçãs-verdes
½ limão
120 g de manteiga
32 g (chá) de açúcar
40 ml de licor Cointreau

Modo de preparo da massa

Corte a manteiga em cubinhos de cerca de 1 cm. Caso não for usar imediantamente, volte à geladeira. É importante que ela esteja gelada para que o resultado seja uma massa crocante.

Em uma tigela, coloque a farinha, o açúcar, o sal e misture bem com as mãos até obter uma farofa. Em seguida, junte os cubos de manteiga e misture rapidamente, sem desmanchar completamente a manteiga.

Vá adicionando uma colherada de água gelada por vez, conforme a necessidade, e misturando apenas até a massa ficar lisa e homogênea, porém, sem ficar grudenta. Evite trabalhar demais a massa, pois ela acaba ficando menos crocante. O segredo é deixar pontinhos de manteiga aparentes, sem serem incorporados à farinha. Faça uma bola, embrulhe em papel-filme e leve à geladeira por umas 2 horas. Caso prefira, prepare esta massa com um dia de antecedência, deixando que fique na geladeira por umas 24 horas.

Modo de preparo do recheio

Descasque as maçãs com uma faquinha bem afiada e retire as sementes. Corte as maçãs na vertical em 4 partes e regue com o suco de ½ limão. Em uma panela, coloque o açúcar e a manteiga e leve ao fogo médio até que a mistura escureça um pouco. Em seguida, baixe o fogo e coloque as maçãs. Adicione o licor e deixe cozinhar por uns 10 minutos ou até que as maçãs estejam macias. Desligue o fogo.

Preaqueça o forno a 180 ºC.

Montagem

Em uma forma redonda, coloque um pouco da calda formada na panela no fundo da forma e, em seguida, distribua as maçãs por toda a forma. Depois, coloque o restante da calda que ficou na panela por cima das maçãs.

Retire a massa da geladeira. Com o auxílio de um rolo abra a massa com uma espessura fina (cerca de 3 mm). Com cuidado, coloque a massa sobre as maçãs e corte os excessos com uma faquinha.

Com a ajuda de um garfo, force as bordas da massa para baixo, lembrando-se que a torta será virada depois de assada. Leve a torta ao forno preaquecido e deixe assar por 25 minutos, ou até que a massa fique dourada. Retire a torta do forno e deixe esfriar um pouco (não deixe esfriar muito, pois corre o risco dela grudar na forma)

Para desenformar a torta coloque um prato sobre a forma, segure bem e vire de uma vez. Sirva a seguir com sorvete de baunilha ou creme.

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: