Arquivo para Quadril

Não julgue pelas aparências

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 21/06/2013 by Joe

Não julgue pelas aparências

Um menino entrou numa loja de animais e perguntou o preço dos filhotes.

– “Entre R$ 300,00 e R$ 500,00”, respondeu o dono.

O garoto puxou, então, uns trocados do bolso e disse:

– “Mas, eu só tenho R$ 10,00 … Poderia ver os filhotes?”

O dono da loja chamou a mãe dos cachorrinhos, que veio correndo, seguida por cinco filhotinhos. Um dos cachorrinhos vinha mais atrás, com dificuldade, mancando. O menino apontou aquele bichinho e perguntou:

– “O que há de errado com ele?”

O proprietário do lugar explicou que ele tinha um problema no quadril e andaria daquele jeito para sempre. A criança se animou e disse com enorme alegria no olhar:

– “Esse é o cachorrinho que eu quero comprar!”

O dono da loja estranhou e retrucou:

– “Não, você não vai querer comprar esse. Mas, se quiser ficar com ele, eu lhe dou de presente”.

O menino emudeceu… olhou para o dono da loja e falou:

– “Eu não quero que você me dê aquele cachorrinho, pois ele vale tanto quanto qualquer um dos outros. Vou pagar o preço que me for pedido. Na verdade, eu lhe dou R$ 10,00 agora e R$ 1,00 por mês, até completar o valor total”.

Surpreso, o dono da loja contestou:

– “Mas este cachorrinho nunca vai poder correr pular e brincar com você como qualquer um dos outros…”

Sério, o menino levantou lentamente a perna esquerda da calça, deixando à mostra a prótese que usava para andar.

– “Veja. Eu também não corro muito bem e o cachorrinho vai precisar de alguém que entenda isso”.

Desconheço a autoria.

Zach Sobiech

Posted in Homenagem, Inspiração, Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/06/2013 by Joe

Zach Sobiech

O que você faria se descobrisse que tem uma doença terminal e só tem alguns meses de vida? Como você se despediria dos familiares e amigos?

Pior ainda: e se você tivesse apenas 17 anos?

Em novembro de 2009, Zach Sobiech, um jovem americano com apenas 14 anos, descobriu que tinha um tumor maligno que ataca os ossos, chamado osteossarcoma. Passou por diversas cirurgias, meses de sessões de quimioterapia, horas de fisioterapia, biópsias, etc, desde então.

Em 2012 ele descobriu que o câncer havia se espalhado pelo quadril e pulmões e que teria apenas poucos meses de vida. A doença havia vencido e não havia mais tratamentos…

Só a título de estatísticas, 400 casos de osteossarcoma são diagnosticados em jovens com menos de 20 anos por ano nos Estados Unidos.

Podemos dizer que os verdadeiros heróis são queles que convivem com uma doença e que lutam cada minuto que dispõem; são aqueles que sobrevivem, mas também, aqueles que, embora lutando e acreditando, não sobrevivem!

Foi o que aconteceu com Zack Sobiech que, após 3 anos de luta e de muitos tratamentos contra o câncer, lhe foi dito, no final do ano passado, que nada mais havia a fazer.

Com apenas 17 anos, ele não cruzou os braços e fez aquilo que mais gostava: música! Compôs uma canção (“Clouds”, Nuvens, em português) que correu o mundo e deixou um testemunho da sua história e do seu último ano de vida.

No último dia 20 de Maio, Zack morreu. Ele aproveitou o último ano para viver, sorrir, amar e despedir-se da sua família, namorada e amigos.

Seus pais criaram o Children´s Cancer Research Fund para pesquisa e tratamento de crianças com câncer

E ainda nos deixou uma linda mensagem:

– “Não espere que a morte chegue para começar a viver!”

No video abaixo, a história desse menino que nos deixou um exemplo de vida! Talvez a gente deva acreditar que anjos não morrem … apenas voltam para casa!

Aqui, a canção que correu o mundo e comoveu a todos:

By Joemir Rosa.

Por que príncipes viram sapos

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/10/2012 by Joe

Para entender por que nos decepcionamos com o ser amado, é preciso conhecer o processo de namoro: saber o que leva a nos encantarmos sentimentalmente com alguém.

O que faz uma pessoa até há pouco tempo desconhecida se tornar tão indispensável para nós que não imaginamos mais a vida sem ela? Não há como responder integralmente a esta pergunta, mas algumas conclusões parciais podem ser úteis para cometermos menos erros.

Em primeiro lugar, as pessoas se envolvem porque se acham incompletas. Se todos nós nos sentíssemos “inteiros” em vez de “metades”, não amaríamos, pois o amor é o sentimento que desenvolvemos por quem nos provoca aquelas sensações de aconchego e de algo completo que não conseguimos ter sozinhos. A escolha do parceiro envolve variáveis intrigantes, que vão do desejo de nos sabermos protegidos à necessidade de sermos úteis ou mesmo explorados.

A aparência física ocupa um papel importante nesta fase, sobretudo nos homens, que são mais sensíveis aos estímulos visuais. Muitos registram na memória figuras que os impressionaram e que servem de base para criar modelos ideais, com os quais cada mulher é confrontada. Pode ser a cor dos olhos, dos cabelos, o tipo de seio ou de quadril. São elementos que lembram desde suas mães até uma estrela de cinema. As mulheres também selecionam indicadores do homem ideal: deve ser esbelto ou musculoso, executivo ou intelectualizado, voltado para as artes e assim por diante. Todos esses ingredientes incluem elementos eróticos e se transformam, na nossa imaginação, em símbolos de parceiros ideais. De repente, julgamos ter encontrado uma quantidade significativa de tais símbolos naquela pessoa que passou pela nossa vida. E nos apaixonamos.

A fase de encantamento, no entanto, se fundamenta não só em aspectos ligados à aparência, mas também no que há por dentro. No entanto, uma outra situação pode ocorrer: conversamos com quem nos chamou a atenção e, devido à atração inicial e ao nosso enorme desejo de amar, tendemos a ver no seu interior as afinidades que sempre quisemos que existissem naquele que nos arrebata o coração.

Por exemplo: um rapaz franzino e intelectualizado é visto como emotivo, romântico, delicado, respeitoso e pouco ciumento. A moça se encanta com ele e espera que ele seja portador dessas qualidades. A isso chamamos idealização: acreditar que o outro tem características que lhe atribuímos. Sonhamos com um príncipe encantado – ou com uma princesa ideal – e projetamos todos os nossos desejos sobre aquela pessoa. E, quando passamos a conviver com ela, esperamos as reações próprias do ser que idealizamos.

Mas o que ocorre? É o indivíduo real que vai reagir e se comportar conforme suas peculiaridades. E é muito provável que nos decepcionemos – não exatamente por causa de suas características, mas porque havíamos despejado sobre ele fantasias de perfeição.

O erro nem sempre está no parceiro, e sim no fato de termos sonhado com ele mais do que prestado atenção no que ele realmente é. Eis aí um bom exemplo dos perigos derivados da sofisticação da mente, capaz de usar a imaginação de uma forma tão livre que a realidade jamais conseguirá alcançá-la.

By Dr. Flavio Gikovate.

%d blogueiros gostam disto: