Arquivo para Pousada

L’omelette de la Mère Poulard

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , on 03/12/2011 by Joe

A história do omelete perde-se no tempo. Dizem que surgiu na antiga Pérsia. Ovos batidos eram misturados com ervas picadas, fritos até ficarem firmes, e depois cortados em pedaços, para formar um prato conhecido como ‘kookoo’.

Acredita-se que essa receita chegou até a Europa através do Oriente Médio e da África do Norte, onde foi sofrendo adaptações e originou a “frittata” italiana, a “tortilla” espanhola e a “omelette” francesa.

Conta-se que na França, em 1888, uma senhora chamada Annette Poulard montou uma pousada junto com seu marido, no Monte Saint-Michel, na Normandia. A pousada chamava-se L’ Auberge Saint-Michel Tête D’ Or e lá eram recebidos viajantes famintos e cansados. Uma mesa bem grande, sempre posta, ao lado da lareira onde ela cozinhava, acolhia os visitantes, de braços abertos. Mère Poulard, como era conhecida, era muito simpática e hospitaleira e sempre preparava pratos nutritivos e bem saborosos. Fazia uma “quiche normande” que era muito conhecida nas redondezas.

Contudo, o que tornou Mère Poulard famosa até os dias de hoje, foi a invenção da célebre omelete. Ela queria um prato que sustentasse, fosse rápido no preparo e saboroso.

Sabe-se que ela usava o que havia de melhor: “fines herbes” dos terrenos da Bretanha e Normandia, ovos de sua granja e manteiga feita por ela. Mas havia um segredo! Uns diziam que era o separar da gema e da clara; outros, que ela colocava um cálice de creme de leite fresco, e até há quem diga que umas gotas de “bordeaux” era adicionado à receita.

Ninguém saberá jamais!

Quando alguém perguntava o segredo, Mme. Poulard respondia: “Nada como o calor da lenha queimada…”

Até hoje só sabemos alguns rumores de como Mme. Poulard fazia sua omelete. A felicidade proporcionada por ela com a calorosa cozinha oferecida a transformou em rainha nos corações dos felizardos hóspedes. A herança que essa mulher deixou tem inspirado até hoje os grandes chefs de cuisine.

Algumas receitas foram preparadas e testadas e – dizem! – se aproximam bastante da receita preparada por Mère Poulard. Acho que vale a pena experimentar a receita abaixo, uma das mais repetidas nas pesquisas que fiz. Eu, particularmente, gostei bastante do resultado. Espero que vocês também curtam!

L’omelette de la Mère Poulard

Ingredientes

150 ml de leite
30 gramas de manteiga sem sal
4 ovos inteiros
sal a gosto
ervas finas a gosto
30 gramas de farinha de trigo
1/2 colher (café) de bicarbonato
1 colher de sopa de manteiga (para untar a assadeira)
100 gramas de queijo prato ralado
70 gramas de parmesão ralado

Modo de preparo

Bata bem os ovos com o bicarbonato até ficarem cremosos e brancos. Ferva o leite, adicione a manteiga até dissolver e, ainda quente, incorpore aos ovos batidos, sempre batendo bem. Em seguida adicione o sal, as ervas finas e a farinha de trigo e misture tudo muito bem até dissolver a farinha.

Unte com manteiga uma assadeira pequena que possa ir ao forno. Acrescente metade da massa. Adicione metade dos queijos (prato e parmesão) ralados, coloque o restante da massa e, em seguida, a outra metade dos queijos por cima.

Leve ao forno, pré-aquecido a 180 graus, por uns 10 minutos até dourar nas laterais. Retire do recipiente e dobre ao meio. Sirva com salada verde, arroz ou até mesmo com molho de tomate e manjericão.

Algumas variações na receita podem ser feitas, como a adição de outras ervas e temperos ao gosto de cada um.

By Joemir Rosa.

Pequenas coisas

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , on 13/09/2011 by Joe

Um fósforo, uma bala de menta, uma xícara de café e um jornal: estes quatro elementos fazem parte de uma das melhores histórias sobre atendimento que conhecemos!

Um homem estava dirigindo há horas e, cansado da estrada, resolveu procurar um hotel ou uma pousada para descansar. Em poucos minutos, avistou um letreiro luminoso com o nome: Hotel Venetia. Quando chegou à recepção, o hall do hotel estava iluminado com luz suave. Atrás do balcão, uma moça de rosto alegre o saudou amavelmente:

– “Bem-vindo ao Venetia!”.

Três minutos após essa saudação o hóspede já se encontrava confortavelmente instalado no seu quarto e impressionado com os procedimentos: tudo muito rápido e prático.

No quarto, uma discreta opulência: uma cama impecavelmente limpa, uma lareira, um fósforo apropriado em posição perfeitamente alinhada sobre a lareira para ser riscado. Era demais! Aquele homem, que queria um quarto apenas para passar a noite, começou a pensar que estava com sorte.

Mudou de roupa para o jantar (a moça da recepção fizera o pedido no momento do registro). A refeição foi tão deliciosa como tudo o que tinha experimentado naquele local, até então. Assinou a conta e retornou para o quarto.

Fazia frio e ele estava ansioso pelo fogo da lareira. Qual não foi a sua surpresa! Alguém havia se antecipado a ele, pois havia um lindo fogo crepitante na lareira. A cama estava preparada, os travesseiros arrumados e uma bala de menta sobre cada um. Que noite agradável aquela!

Na manhã seguinte, o hóspede acordou com um estranho borbulhar vindo da salinha. Saiu da cama para investigar. Simplesmente uma cafeteira ligada por um timer automático, estava preparando o seu café e, junto, um cartão que dizia: “Sua marca predileta de café. Bom apetite!”. Era mesmo! Como eles podiam saber desse detalhe? De repente, lembrou-se: no jantar perguntaram qual a sua marca preferida de café.

Em seguida, ele ouve um leve toque na porta. Ao abrir, havia um jornal. “Mas, como pode?! É o meu jornal preferido! Como eles adivinharam?” Mais uma vez lembrou-se de quando se registrou: a recepcionista havia perguntado qual jornal ele preferia.

O cliente deixou o hotel encantado. Feliz pela sorte de ter ficado num lugar tão acolhedor. Mas, o que esse hotel fizera mesmo de especial? Apenas ofereceram um fósforo, uma bala de menta, uma xícara de café e um jornal.

Nunca se falou tanto na relação empresa-cliente como nos dias de hoje. Milhões são gastos em planos mirabolantes de marketing e, no entanto, o cliente está cada vez mais insatisfeito, mais desconfiado. Mudamos o layout das lojas, pintamos as prateleiras, trocamos as embalagens, mas esquecemo-nos das pessoas. O valor das pequenas coisas conta, e muito. A valorização do relacionamento com o cliente. Fazer com que ele perceba que é um parceiro importante!

Isto vale também para nossas relações pessoais (namoro, amizade, família, casamento) … enfim, pensar no outro como ser humano é sempre uma satisfação para quem doa e para quem recebe. Seremos muito mais felizes, pois a verdadeira felicidade está nos gestos mais simples de nosso dia-a-dia e que, na maioria das vezes, passam despercebidos.

Desconheço a autoria.

L’omelette de la Mère Poulard

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , on 10/04/2010 by Joe

A história do omelete perde-se no tempo. Dizem que surgiu na antiga Pérsia. Ovos batidos eram misturados com ervas picadas, fritos até ficarem firmes, e depois cortados em pedaços, para formar um prato conhecido como ‘kookoo’.

Acredita-se que essa receita chegou até a Europa através do Oriente Médio e da África do Norte, onde foi sofrendo adaptações e originou a “frittata” italiana, a “tortilla” espanhola e a “omelette” francesa.

Conta-se que na França, em 1888, uma senhora chamada Annette Poulard montou uma pousada junto com seu marido, no Monte Saint-Michel, na Normandia. A pousada chamava-se L’ Auberge Saint-Michel Tête D’ Or e lá eram recebidos viajantes famintos e cansados. Uma mesa bem grande, sempre posta, ao lado da lareira onde ela cozinhava e acolhia os visitantes, de braços abertos.  Mère Poulard, como era conhecida, era muito simpática e hospitaleira e sempre preparava pratos nutritivos e bem saborosos. Fazia uma “quiche normande” que era muito conhecida nas redondezas.

Contudo, o que tornou Mère Poulard famosa até os dias de hoje, foi a invenção da célebre omelete. Ela queria um prato que sustentasse, fosse rápido no preparo e saboroso.

Sabe-se que ela usava o que havia de melhor, “fines herbes” dos terrenos da Bretanha e Normandia, ovos de sua granja e manteiga feita por ela. Mas havia um segredo! Uns diziam que era o separar da gema e da clara; outros, que ela colocava um cálice de creme de leite fresco e até há quem diga que umas gotas de “Bordeaux” era adicionado à receita.

Ninguém saberá jamais!

Quando alguém perguntava o segredo, Mme. Poulard respondia: “Nada como o calor da lenha queimada…”

Até hoje só se sabem alguns rumores de como Mme. Poulard fazia sua omelete.

A felicidade proporcionada por ela com a calorosa cozinha oferecida a transformava em rainha nos corações dos felizardos hóspedes. A herança que essa mulher deixou tem inspirado até hoje os grandes chefs de cuisine.

Algumas receitas foram preparadas e testadas e – dizem! – se aproximam bastante da receita preparada por Mère Poulard. Acho que vale a pena experimentar a receita abaixo, uma das mais repetidas nas pesquisas que fiz. Eu, particularmente, gostei bastante do resultado. Espero que vocês também curtam!

L’omelette de la Mère Poulard

Ingredientes

150 ml de leite
30 gramas de manteiga sem sal
4 ovos inteiros
sal a gosto
30 gramas de farinha de trigo
1/2 colher (café) de sal de frutas (ou bicarbonato)
1 colher de sopa de manteiga (para untar a assadeira)
100 gramas de queijo prato ralado
70 gramas de parmesão ralado

Modo de preparo

Bata bem os ovos com o sal de frutas até ficarem cremosos e brancos. Ferva o leite, adicione a manteiga até dissolver e, ainda quente, incorpore aos ovos batidos, sempre batendo bem. Em seguida adicione o sal e a farinha de trigo e misture tudo muito bem até dissolver a farinha.

Unte com manteiga uma assadeira pequena que possa ir ao forno. Acrescente metade da massa. Adicione metade dos queijos (prato e parmesão) ralados, coloque o restante da massa e, em seguida, a outra metade dos queijos por cima.

Leve ao forno, pré-aquecido a 180 graus, por uns 10 minutos até dourar nas laterais. Retire do recipiente e dobre ao meio. Sirva com salada, arroz ou até mesmo com molho de tomate e manjericão.

Algumas variações na receita podem ser feitas, como a adição de ervas finas e outros temperos ao gosto de cada um.

By Joe.

Pequenas coisas

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , on 20/11/2009 by Joe

Um fósforo, uma bala de menta, uma xícara de café e um jornal: estes quatro elementos fazem parte de uma das melhores histórias sobre atendimento que conhecemos!

Um homem estava dirigindo há horas e, cansado da estrada, resolveu procurar um hotel ou uma pousada para descansar. Em poucos minutos, avistou um letreiro luminoso com o nome: Hotel Venetia. Quando chegou à recepção, o hall do hotel estava iluminado com luz suave. Atrás do balcão, uma moça de rosto alegre o saudou amavelmente:

– “Bem-vindo ao Venetia!”.

Três minutos após essa saudação o hóspede já se encontrava confortavelmente instalado no seu quarto e impressionado com os procedimentos: tudo muito rápido e prático.

No quarto, uma discreta opulência: uma cama impecavelmente limpa, uma lareira, um fósforo apropriado em posição perfeitamente alinhada sobre a lareira para ser riscado. Era demais! Aquele homem, que queria um quarto apenas para passar a noite, começou a pensar que estava com sorte.

Mudou de roupa para o jantar (a moça da recepção fizera o pedido no momento do registro). A refeição foi tão deliciosa como tudo o que tinha experimentado naquele local, até então. Assinou a conta e retornou para o quarto.

Fazia frio e ele estava ansioso pelo fogo da lareira. Qual não foi a sua surpresa! Alguém havia se antecipado a ele, pois havia um lindo fogo crepitante na lareira. A cama estava preparada, os travesseiros arrumados e uma bala de menta sobre cada um. Que noite agradável aquela!

Na manhã seguinte, o hóspede acordou com um estranho borbulhar vindo da salinha. Saiu da cama para investigar. Simplesmente uma cafeteira ligada por um timer automático, estava preparando o seu café e, junto, um cartão que dizia: “Sua marca predileta de café. Bom apetite!”. Era mesmo! Como eles podiam saber desse detalhe? De repente, lembrou-se: no jantar perguntaram qual a sua marca preferida de café.

Em seguida, ele ouve um leve toque na porta. Ao abrir, havia um jornal. “Mas, como pode?! É o meu jornal preferido! Como eles adivinharam?” Mais uma vez lembrou-se de quando se registrou: a recepcionista havia perguntado qual jornal ele preferia.

O cliente deixou o hotel encantando. Feliz pela sorte de ter ficado num lugar tão acolhedor. Mas, o que esse hotel fizera mesmo de especial? Apenas ofereceram um fósforo, uma bala de menta, uma xícara de café e um jornal.

Nunca se falou tanto na relação empresa-cliente como nos dias de hoje. Milhões são gastos em planos mirabolantes de marketing e, no entanto, o cliente está cada vez mais insatisfeito, mais desconfiado. Mudamos o layout das lojas, pintamos as prateleiras, trocamos as embalagens, mas esquecemo-nos das pessoas. O valor das pequenas coisas conta, e muito. A valorização do relacionamento com o cliente. Fazer com que ele perceba que é um parceiro importante!

Isto vale também para nossas relações pessoais (namoro, amizade, família, casamento) … enfim, pensar no outro como ser humano é sempre uma satisfação para quem doa e para quem recebe. Seremos muito mais felizes, pois a verdadeira felicidade está nos gestos mais simples de nosso dia-a-dia e que, na maioria das vezes, passam despercebidos.

Desconheço a autoria.

%d blogueiros gostam disto: