Arquivo para Post

Nenhum homem é uma ilha

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31/07/2014 by Joe

Nenhum homem é uma ilha

Nestes tempos em que a violência impera por todo o planeta, em que mulheres são violentadas na Índia, crianças são bombardeadas dentro de escolas numa guerra estúpida, dezenas de conflitos dizimam populações inteiras na África, lembrei de um texto que li há alguns anos, em um blog, e resolvi republicá-lo aqui. Espero que vocês tenham o mesmo sentimento que eu tive ao ler.

By Joemir Rosa.

“Numa das preguiçosas tardes da minha adolescência, andando por uma rua do bairro de periferia em que vivia, encontrei jogado ao meio fio uma folha amarelada de caderno de desenho… Isso aconteceu há cerca de trinta anos. Mas ainda me lembro, como se fosse hoje, não sei explicar porque o fato jamais me deixou.

Na folha havia um desenho, feito em lápis de cor, com capricho de amador, uma ilha, dois coqueiros, o mar. No verso da folha, um poema de John Donne, poeta inglês do século XVI:

“Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo;
todo homem é um pedaço do continente, uma parte da terra firme.
Se um torrão de terra for levado pelo mar, a Europa fica diminuída,
como se fosse um promontório, como se fosse o solar dos teus amigos ou o teu próprio;
a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano,
e por isso não me perguntes por quem os sinos dobram;
eles dobram por ti.”

Segundo o nível de consciência que tinha naquele momento, achei que era uma “cartinha de amor”, uma “prenda”, daquelas que a gente faz para agradar a quem ama. Guardei John Donne comigo pelo resto de minha vida. E quando meu amor-próprio era atingido pela insensibilidade, alheia ou pessoal, eu pensava “os sinos dobram por mim”…

E quando as antigas obras me falaram da “Alma do Mundo” eu pensava: “nenhum homem é uma ilha”… E quando o mestre Jung falava sobre o “inconsciente coletivo” e a física quântica sobre “massa crítica”, eu pensava: “a Europa fica menor se um seixo for levado”… Os anos vão passando e não me canso de encontrar sabedoria neste poema; e hoje penso que, enquanto não entendermos que “a morte de qualquer homem me diminui”, os assassinos continuarão a nascer…

A criança maltratada na Índia é o reflexo da minha criança interior. A mulher violada no Congo é o reflexo da mulher violada por padrões sociais e preconceitos em mim. Todos nos envergonhamos quando ouvimos uma mulher contar que foi violentada, todos nos sentimos envergonhados quando lembramos da fome e dos maltratos às crianças…

Mas a nossa condição privilegiada nos dá oportunidade de transformar preconceito em acolhimento. Por toda a fome do mundo, precisamos deixar de consumir em excesso! Por todas as mulheres do mundo, precisamos parar de destruir nossos corpos com remédios para emagrecer e antidepressivos. Precisamos parar de chamarmos umas às outras de nomes chulos, que reforçam o poder do estuprador, do abusador…

Por todas as crianças do mundo, precisamos educar nossos filhos com ideais humanitários. Por toda a paz no mundo, precisamos nos desapegar de compromissos profissionais ou familiares que nos levam à infelicidade, à mentira e à guerra…

Por toda a humanidade, precisamos fazer do amor e da solidariedade nosso bem maior. Porque dentro de cada um de nós existe um ser que chora por todos nós…

Que a Deusa abençôe a todos!

By Gislaine Carvalho.

Ainda o lado B

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/02/2014 by Joe

Lado B

Ainda a respeito do post “Ter vida secreta é necessidade”, de ontem, recebi um comentário da minha grande amiga, Márcia B., o qual resolvi transformar em um post sobre o assunto, pela lucidez e visão de sua análise e maior abrangência que o próprio texto original ofereceu.

“Mais um post polêmico e que, com certeza, num comentário, não é possível abranger tudo o que ele provoca. E até por isso penso que o próprio texto se limitou a um enfoque da questão e nem sei se é o mais significativo. Nele, os casos apresentados denotam problemas emocionais/mentais. Há pessoas que têm estrutura pra viver, outras não, seja uma vida “simples”, seja uma vida “dupla”.

Mas vamos ao que me veio em mente ao lê-lo. Somos seres multifacetados. Há diversidade interior tanto ou mais que a física. Assim, dependendo da situação, da interação com o outro, do lugar, aflora esta ou aquela faceta. Isso não significa, necessariamente, várias personalidades. Há uma essência, uma personalidade, mas vários comportamentos, digamos assim, possíveis. Isso é natural, nato.

Todavia, somos “moldados” na unicidade, num padrão de comportamento, de “ser”, especialmente por vivermos em sociedade, sendo necessário seguir regras. Sufoca-se tudo o mais que, em algum lugar, continua existindo. Em algum momento, seja por qual motivo for, as outras facetas querem vir à tona: um sentir “diferente”, uma postura “diferente” e, então, freia-se. Surgem as dúvidas, os conflitos, as crises.

Se está numa relação, e não há a intimidade da conversa, mais grave se torna, porque não é só a pessoa e seus grilos, há o outro que não entende nem entenderá uma “mudança” de comportamento, uma “revelação”. O que é mais “fácil”? A fuga. Criar um ou mais personagens que permitam dar vazão a tudo que foi reprimido. Mas de uma forma dividida: no dia-a-dia sou assim, à noite sou assado, em casa sou assim, perto dos outros, assado.

Ok, fomos moldados dessa forma! Mas possuímos raciocínio e força para nos libertarmos, seja sozinhos, seja com auxílio. E outra, isso não acontece somente no aspecto sexual. Há quem tenha vergonha, por exemplo, de deixar transparecer a faceta criança, a afetividade, o encantamento, a emoção, o pular, o rodopiar de alegria, porque isso não combina com ser adulto e uma pessoa responsável e madura. Padrão. Assim como, dependendo de nosso estado de espírito, ouvimos esse ou aquele tipo de música, ou mesmo ao ouvir uma música faz modificar nosso humor, variamos nosso comportamento conforme o momento, e isso é natural.

Outro ponto: há uma frase de Mark Twain que diz, “Todo mundo é uma lua, com um lado oculto que nunca mostra para ninguém”. Temos nossa vida privada, reservada. Não preciso dizer a todos com quem e como me relaciono, ou como me divirto, ou o saldo da minha conta. Não é preciso haver um segredo inconfessável, mas há coisas que somente a nós diz respeito, temos essa liberdade em nos expor ou não. Não sei se é mérito dizer que a própria vida é um livro aberto, até porque somente cada um é que sabe, na verdade, o quão aberto é.

Para encerrar: é preciso a consciência da vastidão que somos, das inúmeras possibilidades, dos infinitos sonhos e viver e conviver bem com nossas facetas, de modo adequado, com espontaneidade, autenticidade e responsabilidade. É preciso ser livre naquilo que podemos ser. E assim, maduros e felizes, certamente não precisaremos fugir de nós mesmos”.

By Márcia B.

Testes de abreviação

Posted in Testes de inteligência with tags , , , , , , , , , , , , on 15/12/2013 by Joe

Testes de inteligência

Este teste é muito simples e envolve o uso de observação, conhecimentos e inteligência!

Instruções:

– Você deverá preencher a linha logo abaixo da dica seguindo o exemplo dado.
– Use apenas o Português e a acentuação correta.
– Não há diferenças entre letras maiúsculas e minúsculas.
– Não há limite de tempo
– Deixem suas respostas nos comentários.
– Seja honesto consigo mesmo e não olhe as respostas deixadas nos comentários.
– Sugiro que copiem o teste para o Bloco de Notas e respondam lá.

Exemplo:

24 H em um D
24 horas em um Dia

Testes de abreviação:

12 M em um A
____________

3 R em um T
____________

27 E da B do B
____________

3 D
____________

12 S do Z
____________

0 é a T em G C que A C
____________

7 C no A-I
____________

5 a 7 C no M
____________

6 F do S W
____________

666 é o N da B
____________

15 C H
____________

8 H em uma J de T
____________

2 G na A do S
____________

3 S do T P
____________

27 L do N T
____________

2 L de uma M
____________

40 D de Q
____________

6 é o M N P
____________

12 N em um R
____________

101 D
____________

4 C do A
____________

206 a 214 O no C H
____________

26 L do A
____________

8 P no S S
____________

52 T B em um P
____________

M: 1000 em A R
____________

8 B em um B
____________

3 C P
____________

1 é o N A do H
____________

7 P C
____________

################################

Deixe suas respostas nos comentários do post!

################################

Pontuação do jogo:

– 1 a 5: abaixo da média. Você parece estar muito cansado, né?
– 6 a 11: mais ou menos na média. Normal, mas você pode melhorar de verdade.
– 12 a 20: inteligente. Você está muito bem, talvez você consiga responder mais uma ou outra setença se tentar se esforçar mais.
– 21 a 26: muito inteligente. Parábens você mandou muito bem!
– mais de 26: gênio. Se você não trapaceou no teste, você está realmente acima da média e merece meus parábens!

By Joemir Rosa.

Bolo de sorvete com brigadeiro

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/08/2013 by Joe

Bolo de sorvete com brigadeiro

O inverno está quase no fim e em breve voltaremos aos dias mais quentes e secos.

Aliados a isso, os sorvetes são uma ótima opção para as altas temperaturas que enfrentaremos pelos próximos meses, até que o inverno dê o ar de sua graça de novo!

Sorvete é um alimento super saudável, além de ser muito delicioso! E, na minha opinião, é pra ser saboreado o ano inteiro, independente da estação e da temperatura.

Quem quiser saber a origem e a história desse alimento, clique aqui e leia tudo em um post que publiquei há algum tempo.

A receita de hoje vem aliar duas preferências nacionais: o sorvete e o brigadeiro!

Espero que gostem e deixem seus comentários!

Bolo de sorvete com brigadeiro

Ingredientes

1 lata de leite condensado
1 colher (sopa) de margarina
4 colheres (sopa) de chocolate em pó
1 xícara (chá) de leite
1 lata de creme de leite sem soro
1 e 1/2 litro de sorvete de creme
1 caixa de chocolates Bis picados

Modo de preparo

Em uma panela, misture o leite condensado, a margarina, o chocolate em pó e o leite. Leve ao fogo brando, mexendo sempre até dar ponto de brigadeiro mole. Desligue o fogo e misture o creme de leite.

Em uma forma com furo central, com 22 cm de diâmetro, coloque metade do sorvete e pressione. Leve ao freezer por 10 minutos.

Depois desse tempo, despeje o brigadeiro ainda quente e, por cima, coloque o restante do sorvete, pressionando mais uma vez. Leve ao freezer por 6 horas ou até o sorvete firmar novamente. Desenforme e cubra com o Bis picado.

Você pode usar o sorvete de sua preferência. O meu é o de coco. E o seu?

By Joemir Rosa.

Macarronada da mamma

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/07/2013 by Joe

Macarronada da mamma

Desde pequeno aprendi que domingo é dia daquela bela macarronada com a família, geralmente regada com um bom vinho, que meus pais me permitiam tomar diluído em um copo com Soda. E sempre havia convidados para essa pequena reunião familiar, que curtiam as delícias gastronômicas italianas preparadas por minha avó e minha mãe! Difícil achar alguém que não gostasse daquele macarrão da “mamma” ou da “nonna”…

Mas… esperem um pouco! Eu disse gastronomia italiana? Desculpem decepcioná-los, mas parece que a história não é bem assim…

Há várias versões para a história do macarrão. Uma das mais comuns é a de que essa massa tenha sido levada da China para o ocidente por volta de 1280, no século 13. E foi a partir daí que essa massa começou a ser difundida pela Europa e mais tarde para as Américas.

A crença de que o macarrão tenha sua origem na Itália deve-se, na verdade, ao molho de tomate, este sim uma invenção italiana. E daí para a macarronada foi um pulo.

Porém, existem indícios de que em civilizações antigas, muito antes dessa época, as pessoas consumiam uma espécie de massa fresca feita da mistura de cereais com água, que seria a origem do macarrão.

E mesmo sem saber com exatidão sua origem, o macarrão conquistou muitos adeptos e se tornou muito popular, por ser o mais fácil, prático e barato almoço de domingo para reunir toda a família.

E não é só com molho de tomate que se consome macarrão. Ele fica ótimo servido com vários tipos de molhos. O macarrão ao sugo é o mais tradicional, apenas com molho de tomate. Outro molho também muito apreciado é à bolonhesa, onde se adiciona carne moída ao molho de tomate. Sem contar os molhos brancos e o delicioso macarrão ao alho e óleo.

Hoje, porém, deixarei aqui uma deliciosa receita do tópico inicial deste post, ou seja, do famoso macarrão da mamma! Ah, sim … não esqueçam daquele bom vinho vinho tinto… italiano, de preferência!

Macarronada da mamma

Ingredientes

1 kg de macarrão tipo espaguete
•2 colheres (sopa) de sal
•água

Para o molho

2 colheres (sopa) de manteiga
•4 colheres (sopa) de azeite
•2 cebolas picadas
•2 talos de salsão picado
•4 dentes de alho picado
•200 g de carne moída
•200 g de linguiça calabresa em rodelinhas
•1 kg de tomate picado, sem pele nem sementes
1 xícara de vinho branco
•1 colher (chá) de açúcar
•2 folhas de louro
•1 colher (chá) de orégano
•2 xícaras (chá) de extrato de tomate
•queijo parmesão ralado a gosto

Modo de preparo

Derreta a manteiga com o azeite em uma panela e doure a cebola, o alho e o salsão. Adicione uma xícara de extrato de tomate e os tomates picados e mexa bem. Junte a carne moída, a linguiça e cozinhe por uns 20 minutos.

Após esse tempo, adicione o vinho branco e deixe borbulhar. Coloque o açúcar, o louro, o orégano e o extrato de tomate restante. Deixe cozinhar por mais uns 20 minutos em fogo brando.

Cozinhe o macarrão em três litros e meio de água fervente com sal, até que esteja al dente. Escorra, espalhe em uma travessa grande e adicione o molho. Misture bem, polvilhe o queijo ralado e sirva em seguida.

Uma dica importante: muita gente acha que o macarrão cozinha melhor se colocarmos um pouco de óleo à água, para não grudar. Não faça isso! O óleo cria uma película em torno do macarrão e, quando adicionar o molho de tomates, este “escorregará” e não ficará bem impregnado na massa. Para que o macarrão não grude, na hora do cozimento, utilize bastante água e separe o espaguete com a ajuda de um garfo longo!

By Joemir Rosa.

Nenhum homem é uma ilha …

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 03/09/2010 by Joe

Navegando por alguns blogs na internet eu me deparei com o post abaixo e me senti no dever de divulgá-lo, pela sensibilidade e consciência de sua autora! Espero que tenham o mesmo sentimento que me tocou …

“Numa das preguiçosas tardes da minha adolescência, andando por uma rua do bairro de periferia em que vivia, encontrei jogado ao meio fio uma folha amarelada de caderno de desenho… Isso aconteceu há cerca de trinta anos. Mas ainda me lembro, como se fosse hoje, não sei explicar porque o fato jamais me deixou.

Na folha havia um desenho, feito em lápis de cor, com capricho de amador, uma ilha, dois coqueiro, o mar. No verso da folha, um poema de John Donne, poeta inglês do século XVI:

“Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; cada homem é parte do continente, parte do todo; se um seixo for levado pelo mar, a Europa fica menor, como se fosse um promontório, assim como se fosse uma parte de seus amigos ou mesmo sua; a morte de qualquer homem me diminui, porque eu sou parte da humanidade; e por isso, não me pergunte por quem os sinos dobram, eles dobram por ti”

Segundo o nível de consciência que tinha no momento, achei que era uma “cartinha de amor”, uma “prenda”, daquelas que a gente faz para agradar a quem ama. Guardei John Donne comigo pelo resto de minha vida. E quando meu amor próprio era atingido pela insensibilidade, alheia ou pessoal, eu pensava “os sinos dobram por mim”…

E quando as antigas obras me falaram da “Alma do Mundo” eu pensava “nenhum homem é uma ilha” … e quando o mestre Jung falava sobre o “inconsciente coletivo” e a física quântica sobre “massa crítica”, eu pensava “a Europa fica menor se um seixo for levado”. Os anos vão passando e não me canso de encontrar sabedoria neste poema; e hoje penso que, enquanto não entendermos que “a morte de qualquer homem me diminui, os assassinos continuarão a nascer”…

A criança maltratada na Índia é o reflexo da minha criança interior. A mulher violada no Congo é o reflexo da mulher violada por padrões sociais e preconceitos em mim. Todos nos envergonhamos quando ouvimos uma mulher contar que foi violentada, todos nos sentimos envergonhados quando lembramos da fome e dos maltratos às crianças…

Mas a nossa condição privilegiada nos dá oportunidade de transformar preconceito em acolhimento. Por toda a fome do mundo precisamos deixar de consumir em excesso! Por todas as mulheres do mundo precisamos parar de destruir nossos corpos com remédios para emagrecer e antidepressivos. Precisamos parar de chamarmos umas as outras de nomes chulos, que reforçam o poder do estuprador, do abusador…

Por todas as crianças do mundo precisamos educar nossos filhos com ideais humanitários. Por toda a paz no mundo, precisamos nos desapegar de compromissos profissionais ou familiares que nos levam à infelicidade, à mentira e à guerra…

Por toda a humanidade precisamos fazer do amor e da solidariedade nosso bem maior. Porque dentro de cada um de nós existe um ser que chora por todos nós…

Que a Deusa abençôe a todos!

By Gislaine Carvalho, autora do blog www.eraumaoutravez.blogspot.com.

%d blogueiros gostam disto: