Arquivo para Ponto

Crescimento espiritual

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , on 18/05/2015 by Joe

Evolução espiritual

Se conseguirmos chegar a um ponto em que não podemos deixar de sentir o sofrimento dos menos afortunados – onde a empatia se revela como uma prática espiritual primordial – estaremos chegando mais perto da condição mais divina de vida que tanto buscamos.

By Jeff Brown.

Anúncios

Saber perder

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10/09/2014 by Joe

Saber perder

Lembro-me muito bem das palavras de meus pais, ainda criança, ao término de qualquer campeonato em que eu era participante, quando de lá saía com uma medalha pendurada no pescoço, de qualquer outra cor diferente da dourada:

– “O importante é participar!”

– “Uma ova”, eu pensava. “Participar é coisa para perdedor, se estou no campeonato é para ganhar! Se não for dessa forma, por que estar lá?”

Eu, sempre perfeccionista, como se isso fosse uma grande virtude…

O perfeccionismo – e não me refiro ao distúrbio neurótico – mas o normal, pode ser um triunfo, quando visto pelos esforços para se atingir a excelência, mas se tornar maléfico, quanto à reação defensiva às críticas, e desastroso, quanto às exigências de padrões inatingíveis.

Ouvi algumas vezes um ditado popular, que utilizo sempre que preciso tomar decisões:

– “O ótimo é inimigo do bom”.

Outro ditado, que agora está na moda, traz uma mensagem próxima:

– “Menos é mais”.

Isso significa que estamos em constante mudança e evolução. Para tanto, é possível dizer que o tempo que se gasta com o propósito da perfeição pode ser mais bem aproveitado.

Até que se atinja a perfeição, oportunidades podem ser desperdiçadas em função do olhar centrado. Estatisticamente, um ponto fora da curva é chamado de especial e desconsiderado na análise de um processo.

Concomitantemente, é possível afirmar que no jogo do dinheiro não existe quem acerte todas as análises. É preciso saber perder. E estudos de finanças comportamentais apontam que a aversão à perda é um dos fatores que prejudicam a tomada de decisão mais coerente.

Com o passar do tempo, experiência, maturidade e educação financeira é que percebi a importância de se buscar a excelência, mas sem o medo do arrependimento por uma decisão equivocada. Aprendi que perder faz parte do jogo e é melhor assumir a perda, a sustentar, com orgulho, uma teoria que se mostra ineficaz.

As palavras do velho Lou, dirigidas ao aprendiz Bud Fox, chamaram a minha atenção em um dos mais famosos filmes sobre o mercado acionário, “Wall Street – Poder e Cobiça”, no momento em que o ambicioso jovem o procurou para tratar de um investimento que, de acordo com ele, era garantido:

– “Ambiciosos entram e saem no mercado em alta. Os responsáveis sobrevivem ao mercado em baixa”.

Sábio Lou! Sinto-me confortável em afirmar que devemos buscar uma medalha de ouro, ainda que, ao término da competição, não ocupemos o lugar mais alto do pódio. Competindo, ao menos corremos o risco de ganhar.

Perder não é nada bom, mas saber perder é, no mínimo, inteligente.

By Prof. Boro.

Somos muito pequenos

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 04/07/2014 by Joe

Somos muito pequenos

Quando olhamos o Universo, percebemos que somos criaturas muito pequenas!

Então, não se preocupe tanto com tantas coisas; aproveite cada momento, faça tudo o que você deseja fazer, amplie sua vista, amplie sua mente, amplie seus horizontes.

Não se prenda tanto a modelos que nos são impostos culturalmente: questione, indague, procure saber os porquês. E se eles não te satisfizerem, busque o seu próprio modelo. Trilhe novos caminhos! Mude!

Não se preocupe tanto com coisas que te aborrecem no dia a dia; viva sua vida com amor, segurança e paz no coração!

Agradeça todos os dias ao Universo pelo sol que te aquece e alimenta e pela oportunidade de estar vivo!

Curta o por do sol como o se fosse o fechar das cortinas de mais uma jornada!

Procure olhar as coisas sempre pelo lado positivo: pode ter certeza que sempre existe um lado positivo, mesmo quando os problemas parecerem tão grandes e você chegou ao fundo do poço!

Não esqueça que todo poço tem um fundo, todo poço tem uma corda. E quando estamos no fundo dele, a luz só vem de um ponto: do Alto! Então, nessa hora, é preciso reunir todas as forças, pegar a corda e começar a subida rumo à Luz. Você vai chegar lá em cima!

E mesmo que tudo pareça tão grande, acredite: ainda assim, tudo é muito pequeno.

Existe algo maior: a vida!

By Joemir Rosa.

Tempos de violência

Posted in Atualidade, Reflexão, Videos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/01/2014 by Joe

Tempos de violência

Estamos vivendo tempos de muita violência, de pouco amor e respeito ao próximo. E, principalmente, de poucos exemplos também.

Ver noticiário na televisão hoje em dia é submeter-se a uma verdadeira lavagem cerebral onde somos anestesiados pela violência, pouco a pouco, diariamente, e vamos nos acostumando com as barbáries que só víamos em filmes policiais. Hoje elas estão bem aqui do lado de fora de nossas portas.

E, não bastasse a realidade, ainda somos bombardeados constantemente por filmes, jogos, novelas, onde o que vale é matar, roubar, trair, levar vantagem em tudo, etc. Ótimos exemplos de que a vida não vale mais nada!

Crimes hediondos, assassinatos a sangue frio, pais e mãe matando filhos, filhos matando avós, bebês abandonados, estupros, racismo, homofobia, violência doméstica contra a mulher e a criança, tráfico de drogas e seres humanos, vandalismo, violência desmesurada em estádios de futebol, roubos, assaltos, acidentes nas estradas e ruas das cidades causados pelo excesso de bebidas e drogas, corrupção ativa e passiva, crimes políticos… a lista é enorme!

Valores que mudaram de rumo, falta deles, exemplos que deveriam vir da família, a falta dela, falta de amor e de respeito pelo próximo, por si próprio…

A pergunta que faço é: em que ponto da escalada da humanidade nos desviamos da verdadeira evolução? Em que momento se deu o u-turning?

Outro dia vi um desenho onde um filhotinho de macaco perguntava a seu pai:

– “Papai, o que são humanos?”

E o pai, com um olhar triste, respondeu:

– “São macacos sem rabos que pensam que são donos de tudo que existe na floresta. Constroem cavernas de pedras que quase chegam ao céu. Seus egos, sua ambição, não têm limites… Tomam mais terra do que precisam para viver, destroem as florestas, sujam os mares, poluem o ar…”

À medida que ia explicando, seu filhote ia ficando aterrorizado. E o pai continuava:

– “Humanos escravizam humanos e deixam parte da manada morrer de fome para que poucos tenham muito e sejam ricos. Constroem máquinas para matar humanos. Um dia, meu filho, os humanos se exterminarão… eles são macacos loucos…”

O filhote, olhar perdido e triste, olhou para o pai e disse:

– “Pai… não me deixe jamais ser humano, por favor!”

Talvez o ponto da virada tenha sido aí, quando os macacos começaram a evoluir para algo pior que a sua própria espécie. Talvez a fórmula tenha dado errado. Talvez o mundo teria sido bem melhor só com os macacos…

São muitos “talvez” que não nos respondem o que queremos saber: tem volta?

Eu, particularmente, acho que tem volta, sim, mas não sem antes passarmos por uma terrível peneira que irá separar o joio do trigo. E essa peneira será longa, terrível, violenta e levará ao quase extermínio dessa raça de macacos que não deu certo!

Um dia, num futuro longínquo, talvez um filho de ser humano, talvez conhecido por um outro nome qualquer, irá perguntar a seu pai:

– “Papai, o que são humanos?”

A resposta só o tempo dirá….

O vídeo abaixo é uma produção mexicana e foi veiculado nas TVs daquele país como uma forma de alerta para o que as crianças estão fazendo, seus comportamentos e atitudes, muito parecidos aos de adultos.

Serve também para percebermos que o que está realmente faltando… são bons exemplos!

By Joemir Rosa.

Seja persistente

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10/01/2014 by Joe

Seja persistente

Seja persistente! Ok, admito que falar é fácil, fazer que é difícil!

A sua meta pode estar ali, já fixada na sua mente, realmente é o que você quer e você também sabe que é uma coisa boa que vai lhe fazer feliz e realizado quando você a conquistar.

Mas entre o ponto de partida e a finalização da meta há um pequeno obstáculo: o percurso que você tem que fazer para conquistá-la. Às vezes, desistimos na primeira tentativa. Outras, na metade do caminho. Mas o pior é quando estamos quase atingindo o nosso objetivo e desistimos, cansados, a poucos passos da realização.

Nesse ponto é que entra a persistência. Você tem que ser persistente em tudo o que faz: no seu trabalho, em casa, nos relacionamentos, faça as coisas com vontade, não espere que a sua vida vá mudar de uma hora para outra sem que você faça um esforço verdadeiro, sem que você mude a forma como busca os seus objetivos.

Acima de tudo, seja persistente, motivado, não desista de seus objetivos e sonhos, você vai ver que vale a pena lutar por eles; afinal, você está lutando, acima de tudo, por você e todos aqueles que você ama.

Persistir é um processo simples. Abaixo, um pequeno roteiro para você seguir:

1. Qual seu próximo passo?

2. O que está impedindo esse passo?

3. Remova, despreze ou ignore o obstáculo.

4. Dê o seu passo.

5. Volte para a primeira etapa.

By Peter McWilliams.

Ultrapassando limites

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23/08/2013 by Joe

Ultrapassando limites

Corredores de longa distância referem-se a um determinado estado como “o muro”. Trata-se daquele período agonizante, ainda no começo da corrida, quando o corpo recusa-se a seguir.

Competidores experientes sabem que, uma vez ultrapassado “o muro”, as coisas tornam-se bem mais fáceis, e eles podem continuar seguindo em frente.

O próximo ponto é chamado de “o barato dos corredores” – uma total euforia que é sentida depois de transposto esse “muro”.

A situação é a mesma em relação a qualquer esforço, seja nos negócios, nos relacionamentos ou em outros tipos de projetos. É fácil começar algo. Você tem excitação e adrenalina suficientes. Quando você já estiver em ação, você começará a aproximar-se do “muro”. É aí que a maioria das pessoas desiste. É nesse momento que você estará frente à frente com os desafios mais difíceis. É isso que separa os vencedores de todo o resto.

Não desista!

Junte toda a sua força e sua vontade e obrigue-se a ultrapassar esse muro. Encare as dificuldades no início e continue em frente. Logo você terá ultrapassado o muro, e o seu progresso será rápido, chegando ao ponto da euforia. Isso é, certamente, melhor que desistir e ter de começar novamente.

Desconheço a autoria.

Credibilidade

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 08/08/2013 by Joe

Credibilidade

O que é credibilidade? É quando se diz e faz; prometeu, cumpriu. Palavra é compromisso: jamais, em tempo algum, prometa algo que você já tenha certeza que não vai cumprir!

Quando você promete sabendo que não vai cumprir, sua força interna recebe os reflexos da dúvida, da incerteza, da insegurança. Esse movimento interno de não cumprir o que prometeu exerce uma pressão desnecessária dentro de você, no seu ponto de equilíbrio.

Ponto de equilíbrio é resultado dos padrões aprendidos, culturalmente. Depende dos costumes, dos hábitos, das religiões e das artes que, mantidos pela tradição, estabelecem o que é verdade e o que é mentira; o que é certo e o que é errado. Se você prometeu, já sabendo que não irá cumprir, esse gesto forma um clima que vai trabalhar contrário à sua força interna. Muito mais grave ainda, prometeu-se para enganar, ou levar vantagens pessoais; enfim, por má-fé.

Credibilidade é você dizer modestamente o pouco que você pode fazer em qualquer circunstância e esse pouco cumprir. Se você não sabe se vai cumprir, não prometa, não garanta o compromisso. Tenha coragem de dizer: “Preciso de tempo para refletir, resolver pendências” ou “Ainda não posso fazer”. Se você não vai cumprir dentro do prazo combinado, avise antes e rápido. Não tenha vergonha de admitir: “Não dá, não posso, não vou conseguir”.

É engano imaginar que a nossa credibilidade cai quando se fala, antes do prazo combinado, que não vai dar. Afinal, imprevistos são imprevistos. O que não pode acontecer é você dizer: “Fulano, me desculpe por não ter cumprido nosso compromisso de ontem, você me perdoa?”

Agindo assim, é que sua credibilidade vai para o espaço.

By Paulo Zabeu, no livro “Cinco regras para vencer seus limites”.

%d blogueiros gostam disto: