Arquivo para Palavras

Relacionamentos são contratos

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 14/09/2015 by Joe

Relacionamentos são contratos 2

Não existe uma forma certa de se relacionar. Não existe um único jeito de ser feliz acompanhada. Cada pessoa é diferente. Cada casal é diferente. E, exatamente por isso, o que é bom para um pode ser horrível para o outro. Você está em um relacionamento, mas sabe bem o que foi que assinou?

Cada pessoa é moldada por diversas experiências. Da infância aos dias de hoje. São várias coisas que se acumulam, certezas que se engessam e dores que são jogadas para baixo do tapete. E a gente acha que todo mundo sabe quais são essas coisas que marcaram e o que é importante para a gente. Mas ninguém está dentro da nossa cabeça.

Quando você entra em um relacionamento está assinando o contrato que outra pessoa te ofereceu. Você sabe o que essa pessoa pensa sobre coisas importantes para você como liberdade, sexo, fidelidade, grana, família, futuro? Será que antes de “fechar negócio” não é melhor conversar e alinhar as expectativas?

Quando eu fico frustrada espero que meu companheiro me dê carinho. Quero abraços, que ele passe a mão no meu rosto, fique de mão dada e faça carinho com o dedo enquanto as mão estão juntas. Quero que ele me diga que está tudo bem, que eu sou incrível e que merda acontece com todo mundo. Mas como ele vai saber de tudo isso se eu não contar com todas as palavras e detalhes?

Nós sabemos o que esperamos das pessoas. Nós temos uma lista imensa de coisas que queremos que façam e outra daquilo que desejamos com toda a força que nunca aconteçam. E todas essas coisas mudam de pessoa para pessoa.

Tem gente que acha relacionamentos abertos um absurdo. Outras que gostam de sinceridade. E tem aquelas que acham que trair não é tão ruim assim. Há os inseguros, os ciumentos, os controladores. Há quem goste de carinho e quem não suporte o toque. Há quem queira ficar grudado e quem precise de espaço para respirar. Há todo tipo de gente no mundo.

Não vivemos em uma comédia romântica em que uma pessoa sabe direitinho o que a outra precisa – mesmo antes dela saber que precisa daquilo. Vivemos no mundo real, lugar em que todas as pessoas são cheias de traumas, medos e histórias. Por aqui a gente precisa conversar, trocar, deixar claro e não esperar que leiam nossas mentes. Não vivemos em um conto de fadas – ele, na verdade, não existe.

Assinar um contrato requer atenção, cuidado e entendimento de todas as cláusulas. Um relacionamento nada mais é do que um contrato entre duas pessoas que resolveram ficar juntas. É bom ler as letras miúdas no final da página.

By Carol Patrocínio para o Yahoo.

Anúncios

Vontade, pra que te quero?

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/08/2015 by Joe

Vontade pra que te quero

Durante aquela longa noite brasileira da ditadura militar, os caras, incomodados com os artigos escritos por um famoso jornalista, entraram na redação de seu jornal e quebraram tudo, inclusive esmagaram as suas mãos para que ele não pudesse mais escrever.

No dia seguinte, o jornalista voltou a publicar seus artigos, onde comentou algo como “eles acham que os jornalistas escrevem com as mãos”.

A gente sabe que não são apenas jornalistas que prescindem das mãos para escrever. Um dos maiores gênios da humanidade não escreve com as mãos. Nem poderia. Elas não têm movimentos. Nem suas mãos, nem seus pés. Nem o seu corpo. Stephen Hawkins, autor de várias obras científicas, é tetraplégico.

Mas não é só escrever que a gente faz sem precisar das mãos. A gente pode andar sem pés, enxergar sem olhos, ouvir sem ouvidos. A gente pode até voar sem asas. O ser humano pode tudo. E a prova disso é que uma das mais famosas obras que a humanidade já leu, e que descreve uma região onde tudo é beleza e harmonia, e onde são descritas paisagens belíssimas, pasmem, foi escrita por um deficiente visual.

Milton, autor de “O Paraíso Perdido”, não surpreende apenas por sua narrativa criativa, mas pela capacidade de ver uma beleza que nós, videntes, não enxergaríamos sem sua ajuda. Bobagem falar que Beethoven não escutava a música que fazia. Quer dizer, não escutava com os ouvidos materiais, mas os ouvidos de sua alma – benza-os Deus! – como distinguiam sons talvez inaudíveis para nós, ouvintes!

Mas, pensando bem, se deficiência física não é limitação para se fazer o que se quer, o que nos pode limitar? Seria a deficiência cerebral? Vejamos. Você já ouviu falar em “idiot-savants”? São pessoas como aquele personagem de “Rain Man”, filme baseado em uma história real. O personagem do filme possuía uma limitação cerebral que o impedia de muita coisa, mas que era um gênio do cálculo, fazendo operações complicadíssimas de raiz-quadrada e equações mais rapidamente, e tão corretamente, como as realizadas por calculadoras científicas.

Tem um desses “savants” na Inglaterra que é capaz de reproduzir, com exatidão, desenhando, qualquer coisa. Colocado durante alguns instantes diante de um castelo, pode reproduzí-lo, sem mais voltar a olhar para ele, com detalhes impressionantes e com uma qualidade fotográfica, exatamente na escala, toda a sua complicada arquitetura, inclusive detalhes como quais janelas estavam abertas ou fechadas e o seu número exato. Entretanto, perguntado sobre quantas janelas havia no castelo, ele não soube responder. Não sabia e não podia contar, dada a sua deficiência cerebral (ele não possui uma grande porção do cérebro). Mas as janelas desenhadas eram exatamente as 144 visíveis.

Um outro desses “savants” não consegue manter uma conversação coerente, mas tem ouvido absoluto: ouve qualquer peça musical, por mais complicada que seja, apenas uma vez, e a reproduz sem faltar uma nota sequer, ao piano.

E agora? Se deficiências físicas e cerebrais não constituem limites ao livre vôo para o sucesso, se as barreiras encontradas em um setor podem ser superadas de outra forma, o que impede uma pessoa – deficiente ou não – de atingir os seus objetivos de felicidade? É a falta de flexibilidade para encontrar outros caminhos. Só é infeliz quem não encontra opções para fazer de outro jeito, o que não pode fazer como os outros fazem. E o que os torna infelizes é teimar em fazer o que não podem.

É comum confundir teimosia com persistência. Se eu tenho mais de sessenta anos e não chego a 1,70 de altura, por que vou teimar em querer entrar para a seleção brasileira de basquete? Mas serei persistente se procurar descobrir outras escolhas esportivas que a vida me oferece para que eu possa fazer algo bem feito. Observe que todas as pessoas citadas aqui encontraram alternativas para fazer as coisas.

A felicidade é isso: é encontrar o jeito pessoal de fazer uma coisa do nosso jeito, dentro das limitações que a vida nos impõe. E gostar dessas alternativas. Descobrir o mundo criativamente, vendo opções onde antes só se viam impedimentos. E gostar dessas descobertas. Amar o seu jeito pessoal de ser, a sua criatividade e os seus sonhos.

Ou seja: a felicidade está na flexibilidade, com amor, deixando de lado aquele comportamento de criança que acha que o mundo acabou porque um brinquedo se quebrou, deixando de ver o quão divertido é consertar brinquedos quebrados e transformá-los em outros brinquedos até mais criativos e melhores.

Com flexibilidade, amor e, sobretudo, com vontade, se descobre porquê a vida nos fez especiais. E é com essa descoberta que podemos transmitir o recado que viemos dar aqui neste planeta. Porque só existe um deficiente realmente limitado: é o deficiente da vontade.

By Renato Mello.

Papel amassado

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 03/08/2015 by Joe

Papel amassado

Nenhuma folha em branco. Todas escritas. Algumas amassadas. O cesto acumula bolas de papel amarrotadas que, sem piedade, foram sendo descartadas uma a uma. Aquelas em que erro e corrijo e torno a cometer deslizes.

Frases iniciadas e interrompidas esquartejaram as palavras e deixaram sem sentido o que o pensamento queria expressar. Daí um gesto impaciente aperta, comprime e as põem de lado. Folhas de papel que rasuradas em sua limpidez se veem machucadas e inúteis.

Na verdade, elas fazem parte de todo um processo de criação. São os rascunhos, os ensaios, as tentativas de elaborar um texto. O exercício de transportar pensamentos, de registrar impressões como se a folha de papel fosse um pedaço de mármore pronto para o cinzel do escultor.

E uma folha de papel amarfanhada nunca mais será a mesma. Por mais que tentemos alisá-la, conservará as marcas, as cicatrizes.

Paralela a essa realidade, constato que somos capazes de amarrotar momentos, tal qual fossem feitos de papel, pela nossa intenção fracassada de criar algo melhor. Imprudentes, jogamos na cesta da vida alguns instantes que ficaram rasurados pela inabilidade de torná-los coerentes.

Tenho, também, conhecimento de sentimentos enrugados, machucados. Sentimentos que sofreram transformações porque foram apertados, esmagados. Aquele começo que teve fim mais rápido do que o previsível, aquela espera que se estendeu por um tempo mais longo do que o desejado, aquela rejeição, o ciúme desmedido, a inveja sufocante, aquela frustrante tentativa de agradar. Uma lista infindável poderia ser registrada aqui. Usem a imaginação…

É preciso ter fôlego de alpinista e mãos de pluma para apalpar sentimentos sem rasurá-los, machucá-los, amarrotá-los. Pois sentimentos são exatamente iguais a folhas de papel em branco, onde o que registramos fica plasmado para sempre. Impossível desfazer as ranhuras.

Minha cesta continua cheia de papéis amassados e na gaveta da alma guardo alguns sentimentos amarrotados. Em compensação, tenho escrito algumas páginas e sentido muito a vida, se não com menos erros, com certeza, com mais acertos.

E uma folha pálida me olha inquieta, enquanto balanço o lápis entre os dedos. Seu futuro é incerto.

Nenhuma folha em branco. Todas escritas. Algumas amassadas.

By Maria Alice Estrella.

Com quem ficar

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/06/2015 by Joe

Com quem ficar

Quando a gente quer muito uma pessoa, a gente se engana. A gente tenta encaixar aquele outro ser humano em posições que nunca foram dele. A gente clama ao universo para um sim em algo que já começou destinado ao não. A gente quer, e a gente bate o pé e faz pirraça feito criança para conseguir. Mas um dia a gente percebe que amor tem que ser uma via de mão dupla. Amor tem que ser fácil, tem que ser bom, tem que ser complemento, tem que ser ajuda. Amor que é luta é ego. Amor que rebaixa é dor. E, então, a gente aprende que amor que não é amor, não encaixa, não orna, não serve.

Fique com alguém que não tenha conversa mole. Que não te enrole. Que não tenha meias palavras. Que não dê desculpas. Que não bote barreiras no que deveria ser fácil e simples. Fique com alguém que saiba o que quer e que queira agora.

Fique com alguém que te assuma. Que ande com orgulho ao seu lado. Que te apresente aos pais, aos amigos, ao chefe, ao faxineiro da firma. Que segure a sua mão ao andar na rua. Que não tenha medo de te olhar apaixonadamente na frente dos outros.Fique com alguém que não se importe com os outros.

Fique com alguém que não deixe existir zonas nebulosas. Que te dê mais certezas do que perguntas. Que apresente soluções antes mesmo dos questionamentos aparecerem. Fique com alguém que te seja a solução dos problemas e não a causa.

Fique com alguém que não tenha traumas. Que não tenha assuntos mal resolvidos. Que saiba que para ser feliz, tem que deixar o passado passar.

Fique com alguém que só tenha interesse no futuro e que queira esse futuro com você.

Fique com alguém que te faça rir. Que te mostre que a vida pode ser leve mesmo em momentos duros. Que seja o seu refúgio em dias caóticos.

Fique com alguém que quando te abraça, o resto do mundo não importa mais. Fique com alguém que te transborde. Que te faça sentir que você vai explodir de tanto amor. Que te faça sentir a pessoa mais especial do universo. Fique com alguém que dê sentido à todos os clichês apaixonados.

Fique com alguém que faça planos. Que veja um futuro ao seu lado. Que te carregue para onde for. Que planeje com você um casamento na praia, uma casa no campo e um labrador no quintal.

Fique com alguém que apesar de saber que consegue viver sem você, escolhe viver com você.

Fique com alguém que não se esconda. Que não te esconda. Que cada palavra seja direta e clara. Que não dê brechas para o mal entendido. Que faça o que fala e fale o que faça. Fique com alguém cujas palavras complementam suas ações.

Fique com alguém que te admire. Que te impulsiona pra frente. Que te apoie quando ninguém mais acreditar em você. Que te ajude a transformar sonhos em realidade. Fique com alguém que acredite que você é capaz de tudo aquilo que queira.

Fique com alguém que você não precise convencer de que você vale a pena. Que não tenha dúvidas. Fique com alguém que te olhe da cabeça aos pés e saiba, sem hesitar, que é você e só você.

Fique com alguém que te faça olhar para trás e agradecer por não ter dado certo com ninguém antes. Fique com alguém que faça não existir mais ninguém depois.

Desconheço a autoria.

Alma com fome

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/06/2015 by Joe

Alma com fome

Quer saber o que eu penso? Você aguentaria conhecer minha verdade?

Pois, tome. Prove. Sinta. Eu tenho preguiça de quem não comete erros. Tenho profundo sono de quem prefere o morno. Eu gosto do risco. Dos que arriscam. Tenho admiração nata por quem segue o coração.

Eu acredito nas pessoas livres. Liberdade de ser. Coragem boa de se mostrar. Dar a cara a tapa! Ser louca, estranha, chata! Eu sou assim. Tenho um milhão de defeitos. Sou volúvel. Sou viciada em gente. Adoro ficar sozinha. Mas eu vivo para sentir.

Por isso, eu te peço. Me provoque. Me beije a boca. Me desafie. Me tire do sério. Me tire do tédio. Vire meu mundo do avesso! Mas, pelo amor de Deus, me faça sentir… Um beliscãozinho que for, me dê.

Eu quero rir até a barriga doer. Chorar e ficar com cara de sapo. Este é o meu alimento: palavras para uma alma com fome.

By Clarice Lispector.

O silêncio

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 14/04/2015 by Joe

O silêncio

“Nós os índios, conhecemos o silêncio. Não temos medo dele. Na verdade, para nós ele é mais poderoso do que as palavras. Nossos ancestrais foram educados nas maneiras do silêncio e eles nos transmitiram esse conhecimento.

“Observe, escute, e depois atue”, nos diziam.

Esta é a maneira correta de viver. Observar os animais para ver como cuidam de seus filhotes. Observar os anciões para ver como se comportam. Observar o homem branco para ver o que querem.

Sempre observe primeiro, com o coração e a mente quietos, e então aprenderás. Quanto tiveres observado o suficiente, então poderás atuar.

Com vocês, brancos, é o contrário. Vocês aprendem falando. Dão prêmios às crianças que falam mais na escola. Em suas festas, todos tratam de falar. No trabalho estão sempre tendo reuniões nas quais todos interrompem a todos, e todos falam cinco, dez, cem vezes. E chamam isso de “resolver um problema”.

Quando estão numa habitação e há silêncio, ficam nervosos. Precisam preencher o espaço com sons. Então, falam compulsivamente, mesmo antes de saber o que vão dizer.

Vocês gostam de discutir. Nem sequer permitem que o outro termine uma frase. Sempre interrompem. Para nós, isso é muito desrespeitoso e muito estúpido, inclusive.

Se começas a falar, eu não vou te interromper. Te escutarei. Talvez deixe de escutá-lo se não gostar do que estás dizendo. Mas não vou te interromper. Quando terminares, tomarei minha decisão sobre o que disseste, mas não te direi se não estou de acordo, a menos que seja importante.

Do contrário, simplesmente ficarei calado e me afastarei. Terás dito o que preciso saber. Não há mais nada a dizer.

Mas isso não é suficiente para a maioria de vocês. Deveríamos pensar nas suas palavras como se fossem sementes. Deveriam plantá-las, e permiti-las crescer em silêncio.

Nossos ancestrais nos ensinaram que a terra está sempre nos falando, e que devemos ficar em silêncio para escutá-la.

Existem muitas vozes além das nossas.

Muitas vozes…

Só vamos escutá-las em silêncio.

By Sabedoria Indígena.

A razão de viver

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/03/2015 by Joe

Razão de viver

– “O que estamos fazendo nesta Terra, Mestre?”

– “Sinceramente? Não sei. Já procurei em muitos cantos, em lugares iluminados e escuros; hoje estou convencido que ninguém sabe – apenas Deus.”

– “Não é uma boa resposta para um mestre.”

– “É uma resposta honesta. Conheço muita gente que irá explicar-lhe em detalhes a razão da existência. Não acredite, são pessoas ainda presas à antiga linguagem, e só acreditam nas coisas que tem explicação.”

– “Quer dizer que não há uma razão para viver?”

– “Você não entendeu o que estou dizendo. Eu disse que não sei a razão. Mas claro que existe um motivo para estar aqui, e Deus o conhece.”

– “Por que não nos revela?”

– “Revela a cada um de nós, mas numa linguagem que às vezes não aceitamos, porque ela não é lógica – e estamos por demais acostumados a receitas e fórmulas. O nosso coração sabe por que estamos aqui. Quem escutar o coração, seguir os sinais, e viver sua Lenda Pessoal, vai entender que está participando de algo, mesmo que não compreenda racionalmente. Diz a tradição que, no segundo antes da nossa morte, a gente se dá conta da verdadeira razão da existência. E, neste momento, nasce o Inferno e o Paraíso.”

– “Não entendi…”

– “O Inferno é, nesta fração de segundo, olhar para trás e saber que desperdiçamos uma oportunidade de honrar a Deus e dignificar o milagre da vida. O Paraíso é poder dizer, neste momento, “Cometi alguns erros, mas não fui covarde: vivi minha vida, e fiz o que devia fazer”. Tanto o Inferno como o Paraíso irão nos acompanhar por muito tempo, mas não para sempre.”

– “Como posso saber se estou vivendo minha vida?”

– “É quando, ao invés de amargura, você sente entusiasmo. Essa é a única diferença. De resto, há que respeitar o Mistério, e aceitar – com humildade – que Deus tem um plano para nós. Um plano generoso, que nos conduz em direção à Sua presença, e que justifica estes milhões de estrelas, planetas, buracos negros, etc., que estamos vendo nesta noite, no céu.”

– “É muito difícil viver sem uma explicação.”

– “Você pode explicar porque o homem necessita de dar e receber amor? Não. E você vive com isso, não vive? Não apenas você vive com isso, como é a coisa mais importante da vida: o amor. E não existe explicação nenhuma. Da mesma forma, tampouco há explicação para a vida. Mas existe uma razão para estarmos aqui, e você precisa ser humilde o suficiente para aceitar isso. Confie em minhas palavras: a vida de cada um dos seres humanos tem um sentido, embora ele cometa o erro de passar grande parte do seu tempo na terra buscando uma resposta, enquanto se esquece de viver.”

“Posso lhe dar um exemplo de uma época em que cheguei perto de entender tudo isso. Eu tinha comparecido à festa de comemoração dos 50 anos da minha formatura do ginásio. Ali, na escola onde estudei enquanto adolescente, encontrei muitos amigos. Bebemos, fizemos as mesmas piadas de meio século atrás.

“Em um dado momento, olhei para o pátio da escola. Então, me vi criança, brincando com eles, olhando a vida com surpresa e intensidade. De repente, aquela criança que eu fui pareceu ganhar forma e se aproximou se mim.

“Me olhou nos olhos e sorriu. Então, eu entendi que não havia traído os meus sonhos de infância. Que a criança que eu tinha sido um dia, ainda estava orgulhosa de mim. Que a mesma razão que eu tinha para viver quando criança, continuava viva em meu coração.

“Procure viver com a mesma intensidade de uma criança. Ela não pede explicações; mergulha em cada dia como se fosse uma aventura diferente e, de noite, dorme cansada e feliz.”

By Paulo Coelho, da série “Diálogos com o Mestre”.

%d blogueiros gostam disto: