Arquivo para Noruega

Pudim de coco com creme de ameixa

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 05/01/2013 by Joe

Pudim de coco com creme de ameixa

O coqueiro – Cocos nucifera – é um membro da família Arecaceae (família das palmeiras). Geralmente é uma árvore que pode atingir até 30 m de altura e cujas origens são passíveis de discussão.

Enquanto alguns países reclamam o Sudeste Asiático (região peninsular) como o seu local de origem, outros colocam a sua origem no nordeste da América do Sul. Registros fósseis de mais de 15 milhões de anos da Nova Zelândia indicam aí a existência de pequenas plantas similares ao coqueiro. Fósseis ainda mais antigos foram também descobertos na Índia.

Qualquer que seja a sua origem, os cocos espalharam-se através dos trópicos, em particular ao longo da linha costeira tropical. Como o seu fruto é pouco denso e flutua, a planta é espalhada prontamente pelas correntes marinhas que podem carregar os cocos a distâncias significativas. A palmeira do coco prospera em solos arenosos e salinos nas áreas com luz solar abundante e pancadas de chuva regular, o que torna a colonização da costa relativamente fácil.

Já foram encontrados cocos transportados pelo mar tão ao norte como na Noruega, em estado viável, que germinaram subsequentemente em circunstâncias apropriadas. Entretanto, nas ilhas do Havaí, o coco é considerado como introdução, trazida primeiramente às ilhas há muito tempo por viajantes polinésios de sua terra natal no Sul do Pacífico.

O coco é um fruto seco simples, cuja casca é fibrosa e existe uma espécie de “caroço” interno. O termo “coco” teve sua origem dada pelos portugueses no território asiático de Malabar, na viagem de Vasco da Gama à Índia, a partir da associação da aparência do fruto, visto da extremidade em que a casca e os três poros de germinação assemelham-se à face de um “coco”, monstro imaginário com que se assusta as crianças (papão, ogro). Do português, o termo passou ao espanhol, francês e inglês “coco”, ao italiano “cocco”, ao alemão “Kokos” e aos compostos “coconut”, inglês, e “Kokosnuss”, alemão.

Em algumas partes do mundo, macacos treinados são usados na colheita do coco. Escolas de treinamentos para macacos ainda existem no sul da Tailândia. Todos os anos são realizadas competições para identificar o mais rápido colhedor.

Todas as partes do coco, salvo talvez as raizes, são úteis e as árvores têm comparativamente um alto rendimento (até 75 cocos por ano); ele então possui significativo valor econômico. De fato, em Sânscrito, o nome para o coqueiro é “kalpa vriksha”, o qual se traduz como “a árvore que fornece todas as necessidades da vida”.

Ou seja, do coqueiro e do coco, quase tudo é aproveitado:

O branco, parte gorda da semente, é comestível (fresco) e usado (seco e dissecado) em culinária;

A cavidade é cheia de “água de coco” que contém os açúcares que são usados como uma bebida refrescante, e na composição da sobremesa gelatinosa nata de coco. A água do coco é quase idêntica ao plasma do sangue e é conhecida por ter sido usada como um líquido endovenoso de hidratação quando há uma falta de líquido próprio para transfusão de sangue. A água do coco tem teores elevados de potássio, cloreto e cálcio, e é indicada nas situações em que se pretende o aumento destes eletrólitos.

Leite de coco (que tem aproximadamente 17% de gordura) é feito processando o coco ralado com água quente, que extrai o óleo e os compostos aromáticos;

O líquido obtido da incisão da base das inflorescências do coqueiro forma uma bebida conhecida em inglês por “toddy”; nas Filipinas chamada “tuba” e em Moçambique, “sura”;

Os botões da ponta de plantas adultas são comestíveis e são conhecidos como “cabaço de coco” (embora a colheita desta mate a árvore);

O interior da ponta crescente é chamado coração-da-palma ou “palmito” e é comido em saladas, chamadas às vezes “salada do milionário” (isto também mata a árvore);

“Copra” é a carne seca da semente, usada para preparar o óleo do coco;

O resíduo que fica depois de preparar o óleo é usado como ração para animais;

O tronco fornece madeira para construção;

As folhas fornecem materiais para cestas e palha de telhado;

A casca e a fibra do coco podem ser usados para combustível e são uma fonte boa do carvão de lenha; servem ainda em artesanato;

Nos teatros, usavam-se metades de casca de coco que, batidas, davam o som de cascos de cavalo;

A fibra pode ainda ser usada para o fabrico de cordas e tapetes, para enchimento de estofos e para o cultivo de orquídeas e outras plantas;

Havaianos usam o tronco ôco para dar forma a um cilindro, que pode servir como recipiente, ou mesmo canoas pequenas.

Bom, depois desta verdadeira aula sobre o coco, nada melhor do que saboreá-lo numa sobremesa fácil de preparar e muito saborosa! Espero que gostem!

Pudim de coco com creme de ameixa

Ingredientes

Coco gif300 g de ameixa preta sem caroços
1 xícara (chá) de água
1 litro de leite
1 vidro de leite de coco
100 g de coco ralado
6 colheres (sopa) de amido de milho
1 lata de leite condensado

Modo de preparo

Em uma panela, coloque a ameixa, a água e cozinhe até ficar macia. Depois que esfriar, bata no liquidificador até formar um purê. Reserve.

No liquidificador ainda, bata bem o leite, o leite de coco, o coco ralado, o amido de milho e o leite condensado. Transfira para uma panela, leve ao fogo e cozinhe, mexendo até engrossar.

Em uma forma própria para pudim, untada com óleo, coloque o pudim de coco e vá mesclando com a pasta de ameixa. Leve à geladeira até que fique firme. Desenforme na hora de servir e decore com coco ralado.

By Joemir Rosa.

Salada de bacalhau

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/12/2012 by Joe

Salada de bacalhau

Mundialmente apreciado, o bacalhau tem uma história que poderíamos dizer que é milenar.

Existem registros de processamento do bacalhau na Islândia e na Noruega datados do século IX. Os Vikings são considerados os pioneiros na descoberta do Cod gadus morhua, espécie que era farta nos mares que navegavam. Como não tinham sal, apenas secavam o peixe ao ar livre, até que perdesse quase a quinta parte de seu peso e endurecesse como uma tábua de madeira, para ser consumido aos pedaços nas longas viagens que faziam pelos oceanos.

Mas deve-se aos bascos – povo que habitava as duas vertentes dos Pirineus Ocidentais, do lado da Espanha e da França – o comércio do bacalhau. Os bascos conheciam o sal e existem registros de que, já no ano 1000, realizavam o comércio do bacalhau curado, salgado e seco. Foi na costa da Espanha, portanto, que o bacalhau começou a ser salgado e depois seco nas rochas, ao ar livre, para que o peixe fosse melhor conservado.

O pescado possui baixo teor de gordura e é rico em proteínas de elevado valor biológico. Contém altos teores de vitaminas A, E, B6 e B12, sódio, cálcio, fósforo, magnésio e de Ômega 3. Abaixo você confere algumas dos principais nutrientes encontrados no bacalhau e seus respectivos benefícios para a saúde:

Ácidos graxos do Ômega 3: este elemento possui um forte efeito protetor para a saúde do coração e importante função no desenvolvimento de cérebro.

Ômega 3: melhora a concentração, a memória, as habilidades motoras, aumenta a motivação, diminui os triglicérides, diminui a pressão sanguínea, previne o batimento cardíaco irregular, aumenta a fluidez do sangue e ainda neutraliza o stress.

Vitamina A: tem ação protetora sobre a visão, pele e mucosas.

Vitamina E: melhora a oxigenação celular, ajuda nas dores menstruais, aumenta a energia muscular e é essencial em processos de cura.

Vitamina B12: age sobre os glóbulos vermelhos, células nervosas, equilíbrio hormonal, na beleza da pele e também ajuda o sistema de imunização do corpo e no controle dos níveis de glicose no sangue.

Cálcio: necessário para a contração dos músculos, contração e expansão das artérias, secreção de hormônios e enzimas e envio de mensagens através do sistema nervoso.

Magnésio: ajuda na contração muscular e metabolismo energético.

Sódio: importante eletrólito para a transmissão nervosa, contração muscular e equilíbrio de fluidos no organismo.

Fósforo: possui papel muito importante na formação de ossos e dentes, intervindo também nas reações químicas em que se libera energia.

O hábito brasileiro de saborear bacalhau é herança da colonização portuguesa, que começou a se disseminar a partir do descobrimento do Brasil. Mas somente com a chegada da corte portuguesa e dos comerciantes lusos no país, no início do século XIX, que o consumo do pescado foi impulsionado e difundido entre a população.

A primeira importação oficial do produto aconteceu em 1843. Hoje, cerca de 95% do bacalhau consumido no Brasil tem sua origem na Noruega.

Neste final de ano de temperaturas altíssimas, nada melhor do que um prato nutritivo, muito saudável e refrescante na passagem de ano!

Espero que gostem!!

Salada de bacalhau

Ingredientes

1 kg de bacalhau em postas dessalgadas
2 xícaras (chá) de leite
1 ¼ kg de batatas
3 maçãs verdes
1 pimentão amarelo em rodelas
1 pimentão vermelho em rodelas
12 azeitonas sem caroço
4 ovos cozidos
1 cebola pequena ralada
cheiro-verde picado
azeite a gosto

Modo de preparo

Coloque o bacalhau de molho no leite por cerca de duas horas. Isso o deixará mais macio. Depois desse prazo, escorra o leite e ferva o peixe na água por 50 minutos.

Escorra novamente (reserve a água), desfie-o em lascas grandes e reserve. Na água reservada, cozinhe as batatas em rodelas. Escorra e reserve.

Retire o miolo das maçãs e corte-as com a casca em fatias finas. Corte em rodelas os pimentões e dê uma escaldada com água quente para que fiquem crocantes. Parta as azeitonas ao meio, os ovos cozidos em rodelas, e reserve tudo.

Em uma panela, refogue a cebola ralada no azeite e depois salpique o cheiro-verde.

Passe as lascas de bacalhau por esse refogado e reserve.

Unte uma travessa grande com azeite e disponha as batatas, o bacalhau, as maçãs, os pimentões, as azeitonas e os ovos. Regue generosamente com azeite e sirva na temperatura ambiente.

By Joemir Rosa.

Bolinhos de bacalhau

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , on 07/04/2012 by Joe

Semana Santa chegou e o feriado de Páscoa leva à mesa dos brasileiros o bacalhau, esse peixe saboroso, rico em vitaminas e sais minerais indispensáveis para uma alimentação saudável.

O pescado possui baixo teor de gordura e é rico em proteínas de elevado valor biológico. Contém altos teores de vitaminas A, E, B6 e B12, sódio, cálcio, fósforo, magnésio e de Ômega 3. Abaixo você confere algumas das principais substâncias encontradas no bacalhau e seus respectivos benefícios para a saúde:

Ácidos graxos do Ômega 3: este elemento possui um forte efeito protetor para a saúde do coração e importante função no desenvolvimento de cérebro.

Ômega 3: melhora a concentração, a memória, as habilidades motoras, aumenta a motivação, diminui os triglicérides, diminui a pressão sanguínea, previne o batimento cardíaco irregular, aumenta a fluidez do sangue e ainda neutraliza o stress.

Vitamina A: tem ação protetora sobre a visão, pele e mucosas.

Vitamina E: melhora a oxigenação celular, ajuda nas dores menstruais, aumenta a energia muscular e é essencial em processos de cura.

Vitamina B12: age sobre os glóbulos vermelhos, células nervosas, equilíbrio hormonal, na beleza da pele e também ajuda o sistema de imunização do corpo e no controle dos níveis de glicose no sangue.

Cálcio: necessário para a contração dos músculos, contração e expansão das artérias, secreção de hormônios e enzimas e envio de mensagens através do sistema nervoso.

Magnésio: ajuda na contração muscular e metabolismo energético.

Sódio: importante eletrólito para a transmissão nervosa, contração muscular e equilíbrio de fluidos no organismo.

Fósforo: possui papel muito importante na formação de ossos e dentes, intervindo também nas reações químicas em que se libera energia.

O hábito brasileiro de saborear bacalhau é herança da colonização portuguesa, que começou a se disseminar a partir do descobrimento do Brasil. Mas somente com a chegada da corte portuguesa e dos comerciantes lusos no país, no início do século XIX, que o consumo do pescado foi impulsionado e difundido entre a população. A primeira exportação oficial do produto aconteceu em 1843. Hoje, cerca de 95% do bacalhau consumido no Brasil tem sua origem na Noruega.

A receita de hoje é a de um prato tradicional, saborosíssimo, porém, com toque totalmente português em sua preparação.

Bolinho de bacalhau

Ingredientes

750 g de bacalhau
1,5 kg de batata
50g de salsinha
4 dentes de alho picado
1 cebola grande picada
4 colheres de sopa de amido de milho
2 ovos
Pimenta branca e sal a gosto

Modo de preparo

Comece a preparação desta receita três dias antes. Passe o bacalhau em água corrente da torneira para tirar o sal que tem por cima, coloque em uma bacia com água e deixe na geladeira por três dias. Durante esse período, mude a água duas a três vezes por dia.

Depois desse período de dessalga, cozinhe-o só na água, tendo o cuidado de não deixar passar do ponto. Ou seja, não precisa estar muito cozido; quando levantar fervura já está no ponto. Em seguida, tire a espinha, a pele e desfie bem.

Cozinhe as batatas e depois amasse-as bem, junte com o bacalhau desfiado, os temperos, os ovos e o amido de milho. Misture tudo muito bem de modo que a massa fique um pouco grossa, sem ficar mole, para dar liga.

Utilizando duas colheres de sopa, molde os bolinhos passando de uma colher para a outra e frite em óleo muito quente por uns cinco minutos, para dar um choque. Retire da fritura com uma escumadeira e coloque em um prato forrado com papel-toalha. Sirva quente!

By Joemir Rosa.

Bolinhos de bacalhau

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , on 26/02/2011 by Joe

Mundialmente apreciado, a história do bacalhau é milenar. Existem registros de processamento do bacalhau na Islândia e na Noruega no Século IX. Os Vikings são considerados os pioneiros na descoberta do cod gadus morhua, espécie que era farta nos mares que navegavam. Como não tinham sal, apenas secavam o peixe ao ar livre, até que perdesse quase a quinta parte de seu peso e endurecesse como uma tábua de madeira, para ser consumido aos pedaços nas longas viagens que faziam pelos oceanos.

Mas deve-se aos bascos, povo que habitava as duas vertentes dos Pirineus Ocidentais, do lado da Espanha e da França, o comércio do bacalhau. Os bascos conheciam o sal e existem registros de que, já no ano 1000, realizavam o comércio do bacalhau curado, salgado e seco. Foi na costa da Espanha, portanto, que o bacalhau começou a ser salgado e depois seco nas rochas, ao ar livre, para que o peixe fosse melhor conservado.

Quanto ao bolinho de bacalhau, um dos mais antigos e deliciosos petiscos que a humanidade já conheceu, ninguém sabe ao certo contar como surgiu. Sabe-se que surgiu em Portugal, criado pelas mãos talentosas das competentes e criativas cozinheiras portuguesas, para serem saboreados inicialmente como entrada dos pratos principais. Depois passou a ser grande companheiro dos apreciadores dos melhores vinhos do Porto nos bares luzitanos, e mais tarde a receita espalhou-se pela Europa e, felizmente, por todo o mundo.

Aqui no Brasil é um petisco dos mais apreciados. É saboreado acompanhando qualquer tipo de bebida, mas principalmente,  a cerveja.

A receita abaixo é considerada a original, existindo outras variações com hortelã e Vinho do Porto, por exemplo.

Espero que apreciem e comentem os resultados e possíveis variações no preparo!

Bolinhos de bacalhau

Ingredientes

600 gr de bacalhau demolhado
400 gr de batatas cozidas e espremidas
2 dentes de alho amassados
1 gema de ovo
quanto baste de sal
quanto baste de salsinha picada
2 colheres de azeite de ótima qualidade
quanto baste de farinha de trigo (caso necessário)
óleo de soja para fritar
1 pimentão vermelho pequeno
1 clara de ovo batida

Modo de preparo

Para demolhar o bacalhau, primeiro lave-o bem água corrente (gelada de preferência). Depois, deixe-o por 2 horas, aproximadamente, em água gelada. Escorra e repita o procedimento por mais 2 horas. Em seguida coloque o bacalhau em água fervente e deixe levantar fervura. Escorra e espere esfriar. Em seguida desfie o bacalhau.

Cozinhe as batatas na água que ferveu o bacalhau, escorra e esprema. Misture as batatas espremidas, o bacalhau desfiado, a gema de ovo, a clara batida, o alho, o azeite e a salsinha picada. Misture bem e corrija o sal. Caso a massa não esteja dando liga, coloque um pouco de farinha de trigo (mas só em caso de necessidade mesmo). Modele os bolinhos e reserve.

Em uma panela coloque o óleo e deixe aquecer bem. Depois coloque o pimentão e deixe dourar. Retire o pimentão e frite os bolinhos de bacalhau nesse mesmo óleo. Isso dará um sabor todo especial aos bolinhos!!!

Sirva como aperitivo acompanhado por cerveja ou um ótimo vinho verde!!

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: