Arquivo para Maria

Azar ou sorte, eis a questão!

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 05/11/2012 by Joe

Não acredito em sorte, acredito em pessoas que dão sorte aos outros – e não tenho como negar, algumas trazem azar. Sou da opinião de que definimos destinos. Podemos ser pedra no caminho ou ponte sobre águas; fim de picada ou avenida de possibilidades; péssima memória ou saudade sorridente; causa de úlcera ou ombro amigo; responsáveis, de alguma forma, por rostos felizes ou por taquicardias. Curamos e produzimos stress. Massageamos contusões e ferimos autoestima. Ensinamos a dar a volta por cima e enlameamos.

Fomos criados para nos tornar criadores. Daí, na breve história da cultura, termos conseguido nos especializar em obstáculos. Se a carne for dura, aprendemos a cozinhar. Se ver os mortos apodrecendo a céu aberto aumenta a dor da perda, aprendemos a enterrá-los. Se mover uma carga se mostra dificultoso, aprendemos a utilidade da roda. Mas tem o outro lado. Quando ir e vir incentiva a liberdade, erguemos porteiras. Para aumentar domínios, organizamos exércitos. Para intimidar e fazer valer interesses egoístas, invocamos a chancela de Deus.

Muitos embaraços do futuro nascem do querer. Por onde andará Maria, que feri? Por onde andará José, que decepcionei? Os meninos que o presbítero da igreja navalhou tiveram qual sorte? Em que medida a professora do beabá foi responsável pela sensibilidade do poeta? O que dizer do trauma da menina que o pai bolinou? Quem inspirou aquele santo homem nos tempos de criança?

A palavra falada, a reação impensada, o elogio espontâneo, o comentário en passant, tudo serve na construção do amanhã. Não há como abandonar o porvir a um quietismo ingênuo. Ninguém pode se escusar sob um fatalismo, tipo “o que será, será”.  Alguém pode rir ou sofrer porque vidas se tangenciaram.

As estrelas não afetam a sorte das pessoas – elas estão longe demais – com a mesma força que uma pessoa, tão próxima. Azar ou sorte, eis a questão, diz respeito a todos.

By Ricardo Gondim.

Natal na era digital

Posted in Humor with tags , , , , , , , , , , , , , , on 25/12/2011 by Joe

Todas as histórias que envolvem o Natal, desde o anúncio de que Maria ficaria grávida até o nascimento de Jesus, passando pela visita dos três reis magos, são muito bem conhecidas de todos.

Mas já pararam para pensar como seriam todas essas histórias nos dias de hoje? Com a Internet, celulares, Facebook, Twitter, YouTube, Google Maps, Wikipedia, GMail, Foursquare, Amazon, etc, será que o espírito natalino continuaria sendo o mesmo?

Aposto que sim! Os tempos mudam, o sentimento continua o mesmo!

Vejam o video que nos mostra como seria o Natal Digital!!

By Joemir Rosa.

Uma mulher de verdade

Posted in Homenagem with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 08/03/2011 by Joe

Uma mulher de verdade não precisa de asas, nem combustível.
Para chegar onde quer, ela sobe alto, caminha longe.
Vai ao lugar mais impossível
Não vai amanhã, ela vai hoje.

Uma mulher de verdade não precisa de roupas belas
Não usa máscaras para fingir o que não é e agradar
Ela encanta pela sua essência, sorriso e olhar.
Ela chama atenção porque ela é dela!

Uma mulher de verdade se junta para compartilhar.
Não se anula, não sufoca, não duvida.
Ela sabe amar, doar.
Sabe viver a sua vida.

Uma mulher de verdade se conhece e se permite
Ela ousa, arrisca, ama e se apaixona sem limite
Fala de amor com seu amado
Mostra seus desejos ao eleito de seu lado.

Uma mulher de verdade é uma mulher comum
Ela confia na sua intuição e a segue.
É uma sacerdotisa da lua e
celebra as pequenas coisas de uma forma incomum.

Ela cozinha, fala com os animais e molha suas plantas.
Põe a mão de seu amado entre as suas
E mostra a ele suas curvas e ancas
Mostra seu inferno, o paraíso e todas suas ruas.

Uma mulher de verdade se refaz todo dia.
Embora se refugie dentro de sua boca comprimidos,
o silêncio, seco, sexo, saliva e sofrimento de Maria
Ela renasce Deusa num mundo de reprimidos… todo dia!

By Carolina Salcides.

Natal Digital

Posted in Humor with tags , , , , , , , , , , , , , , on 26/12/2010 by Joe

Todas as histórias que envolvem o Natal, desde o anúncio de que Maria ficaria grávida até o nascimento de Jesus, passando pela visita dos três reis magos, são muito bem conhecidas de todos.

Mas já pararam pra pensar como seriam todas essas histórias nos dias de hoje? Com a Internet, celulares, Facebook, Twitter, YouTube, Google Maps, Wikipedia, GMail, Foursquare, Amazon, etc, será que o espírito natalino continuaria sendo o mesmo?

Aposto que sim! Os tempos mudam, o sentimento continua o mesmo!

Vejam o video que nos mostra como seria o Natal Digital!!

By Joe.

Onze minutos

Posted in Livros with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/10/2010 by Joe

Livro: Onze Minutos
By Paulo Coelho
Editora Planeta do Brasil

Neste livro Paulo Coelho fala de amor e da intensa relação entre corpo e alma. Inspirou-se na vida de uma prostituta brasileira na Suíça para criar a personagem principal do livro, Maria, e assim falar sobre o lado sagrado do sexo.

A Maria da ficção é nordestina e teve uma adolescência pontuada por frustrações no sertão. Ela decide economizar e realizar seu sonho de conhecer o Rio de Janeiro.

Na praia de Copacabana ela conhece um empresário suíço que faz promessas de levá-la para a Europa e torná-la uma estrela. Maria acredita e se muda para a desconhecida Genebra tendo em mãos um contrato assinado. Se ela o tivesse lido com atenção, talvez tivesse percebido a armadilha a tempo – um trabalho semi-escravo de dançarina numa casa noturna. Em pouco tempo ela acaba se tornando prostituta.

“Onze minutos” é um livro que fala de amor, essa palavra tão desgastada, maltratada em sua essência pelos atos humanos cotidianos. É um livro que fala da intensa relação entre corpo e alma, e como atingir a perfeita união e o sentimento duradouro, assim como de sonhos e prostituição.

“Onze Minutos” não se propõe a ser um manual sobre o homem e a mulher diante do mundo ainda desconhecido da relação sexual. É uma análise do meu próprio percurso, sem pretender julgar aquilo que vivi. Custou muito até que eu aprendesse que o encontro físico de dois corpos é mais que uma simples resposta a alguns estímulos físicos. Na verdade, ele carrega consigo toda a carga cultural da humanidade.

Escrevi este livro para ver se podia dizer, se eu tive coragem de aprender tudo o que a vida quis me ensinar a respeito  (Paulo Coelho).

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: