Arquivo para Mágico

A árvore dos desejos

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 06/03/2014 by Joe

Árvore dos desejos

Era uma vez um homem que estava viajando e, acidentalmente, entrou no Paraíso.

No conceito indiano de Paraíso, existem árvores dos desejos. Você simplesmente senta debaixo delas, deseja qualquer coisa e, imediatamente, seu desejo é realizado – não há intervalo entre o desejo e sua realização.

O homem estava cansado e pegou no sono sob a árvore dos desejos. Quando despertou, estava com muita fome, e então disse:

– “Estou com tanta fome… desejaria conseguir alguma comida de algum lugar.”

Imediatamente apareceu comida vinda do nada – simplesmente uma deliciosa comida flutuando no ar. Ele estava tão faminto que não quis nem saber de onde ela viera. Começou a comer imediatamente e a comida era tão deliciosa…

Depois de ter saciado sua fome, olhou à sua volta. Agora estava satisfeito. Outro pensamento surgiu em sua mente:

– “Se ao menos eu conseguisse algo para beber…”

Como não há proibições no Paraíso, imediatamente apareceu um excelente vinho. Bebendo vinho relaxadamente na brisa fresca do lugar, sob a sombra da árvore, começou a pensar:

– “Mas… o que está acontecendo? O que está havendo? Como essa comida e essa bebida apareceram? Estou sonhando ou existem espíritos ao meu redor zombando de mim?”

E os espíritos apareceram! E eram ferozes, horríveis, nauseantes. Ele começou a tremer e um pensamento surgiu em sua mente:

– “Agora vou ser assassinado, com certeza!”

Conforme seu desejo, foi o que aconteceu…

Esta é uma antiga parábola de imenso significado. Sua mente é a arvore dos desejos – o que você pensa, mais cedo ou mais tarde se realiza. Às vezes, o intervalo é tão grande que você se esquece completamente que, de alguma forma, desejou aquilo; então não faz ligação com a fonte.

Mas se olharmos profundamente, perceberemos que todos os nossos pensamentos, medos e receios estão formando nossas vidas. Eles criam o nosso Inferno ou o nosso Paraíso. Criam nossos tormentos ou criam nossas alegrias. Eles criam o negativo ou criam o positivo. Todos aqui são mágicos. E todos estão fiando e tecendo um mundo mágico ao seu redor… e aí são apanhados! A aranha é pega em sua própria teia!

Ninguém o está torturando a não ser você mesmo. E, uma vez que isso seja compreendido, mudanças começam a acontecer. Então, você pode dar a volta, pode transformar seu Inferno em Paraíso! É simplesmente uma questão de pintá-lo a partir de um ângulo diferente.

Seu Paraíso depende apenas de você!

By Osho.

Desejo

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 16/02/2014 by Joe

Desejo

O desejo profundo, o desejo mais real é aquele de aproximar-se de alguém. A partir daí começam a ocorrer as reações, o homem e a mulher entram em jogo, mas o que acontece antes – a atração que os juntou – é impossível de explicar. É o desejo intocado, em seu estado puro.

Quando o desejo ainda está neste estado puro, homem e mulher se apaixonam pela vida, vivem cada momento com reverência, e conscientemente, sempre esperando o momento certo de celebrar a próxima bênção.

Pessoas assim não têm pressa, não precipitam os acontecimentos com ações inconscientes. Elas sabem que o inevitável se manifestará, que o verdadeiro sempre encontra uma maneira de mostrar-se.

Quando chega o momento, elas não hesitam, não perdem uma oportunidade, não deixam passar nenhum momento mágico porque respeitam a importância de cada segundo.

By Paulo Coelho, do livro “Onze minutos”.

O sexto sentido

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 05/02/2014 by Joe

Ipês amarelos

Os cinco sentidos são, a um tempo, seres da “caixa de ferramentas” e seres da “caixa de brinquedos”. Como ferramentas, os sentidos nos fazem conhecer o mundo. A cor vermelha no semáforo diz que é preciso parar o carro. O som da buzina chama a minha atenção para um carro que se aproxima. O cheiro estranho na cozinha me adverte de que o gás está aberto. Como brinquedos, os cinco sentidos me informam que o mundo está cheio de beleza. Eles são órgãos sexuais: com eles fazemos amor com o mundo. Dão-nos prazer e alegria!

Os cinco sentidos, para realizarem suas funções de poder e prazer, exigem a presença do objeto a ser conhecido ou a ser amado. Para sentir a beleza de um ipê florido é preciso que haja ipês floridos – como agora. Em julho os ipês rosa, em agosto os ipês amarelos, em setembro os ipês brancos. Já até sugeri que um músico compusesse uma sinfonia em três movimentos dedicada aos ipês.

Para se sentir a beleza triste do canto de um sabiá é preciso que haja um sabiá cantando. Para se sentir o perfume de um jasmim é preciso que haja um jasmim florido. Para se sentir o gosto bom de uma laranja é preciso que haja uma laranja. E para se sentir a delícia de um beijo é preciso que haja uma boca que me beije! Os cinco sentidos só fazem amor com coisas existentes, no presente. Eles vivem no “aqui” e no “agora”.

Mas há um sexto sentido dotado de propriedades mágicas, um sentido que nos permite fazer amor com coisas que não existem: esse sentido se chama “pensamento”.

Digo que o pensamento é um sentido mágico porque ele tem o poder de chamar à existência coisas que não existem e de tratar as coisas que existem como se não existissem. E é dele que surge a grandeza dos seres humanos. O pensamento nos dá asas, ele nos transforma em pássaros!

“Mas que realidade têm as coisas que não existem?”, poderão perguntar os filósofos. Aí serão os poetas que darão respostas aos filósofos. “Que seria de nós sem o socorro das coisas que não existem?”, perguntava Paul Valery. E Manoel da Barros acrescentaria: “As coisas que não existem são mais bonitas!”. Leonardo da Vinci pensava e desenhava máquinas que não existiam e que só poderiam existir num futuro distante. Mas que alegria aquelas entidades não existentes lhe davam! Por isso ele as guardava como segredos perigosos que, se conhecidos, poderiam levá-lo à Inquisição. Mas o prazer valia o risco!

Beethoven estava completamente surdo. No seu mundo os sons não existiam. Mas do silêncio dos sons que não existiam ele fez surgir, no seu pensamento, a Nona Sinfonia, que canta a alegria da vida.

Faz uns meses resolvi reler o livro “Cem Anos de Solidão”, do Gabriel Garcia Marques. Que amontoado de não-existentes! Invencionices de alguém que trata o existente como se não existisse. Pensei, de brincadeira, que ele deveria estar bêbado quando escreveu o livro, tantos são os absurdos maravilhosos que ele constrói. Uns tolos disseram que aquele livro era uma parábola sobre a América Latina. Ou seja, disseram que o livro falava sobre uma coisa que existia: o realismo fantástico de Gabriel Garcia Marques, depois de passar pelo crivo da hermenêutica, nada mais seria que uma crônica histórica disfarçada. Nada mais longe da verdade.

O livro “Cem Anos de Solidão” só existe no espaço imaginário do que não existe. E, apesar de saber que aquilo que estava escrito era mentira, que nunca acontecera porque era impossível que acontecesse, eu ri, sofri, vivi. Meu corpo fez amor com o inexistente. O que não existe nos faz viver. Não vivemos só de pão. Somos comedores de palavras. E as palavras operam em nós estranhas transformações. Quantas pessoas eu degolei com minha espada de samurai ao ler “Shogun”!

Que extraordinário exercício de alienação é a literatura! Mergulhados num livro, a realidade que nos cerca deixa de existir. Estamos inteiramente no mundo do pensamento. Se Marx estava certo ao afirmar que “o homem é o mundo do homem” então, na literatura, tornamo-nos criaturas dos muitos mundos da fantasia. Tornamo-nos personagens de uma estória inventada, “atores” de teatro.

Todo artista é um fingidor. Todo leitor tem de ser um fingidor. Fingir, brincar de fazer de contas, tratar as coisas que são como se não fossem e as coisas que não são como se fossem! É dessa loucura que surgem as mais belas criações da arte e da ciência.

Por isso eu me daria por feliz se a educação fizesse apenas isso: introduzir os alunos no mundo mágico do pensamento tal como ele acontece na literatura. Quem experimentou a magia do pensamento uma única vez não se esquece jamais!

By Rubem Alves.

A gaiola

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/01/2014 by Joe

A gaiola

Dentro de uma gaiola vivia um passarinho que tinha uma vida muito segura e tranquila. Era uma vida um pouco chata, sem muitas novidades, é verdade, mas a monotonia é o preço que se deve pagar pela segurança.

Nos limites de uma gaiola, os sonhos aparecem, mas logo morrem por não haver espaço para baterem asas. Só fica um grande buraco na alma, que cada um enche como pode.

Assim, restava ao passarinho ficar pulando de um poleiro para o outro, comer, beber, dormir e cantar. O seu canto era o aluguel que pagava ao seu dono pelo gozo da segurança da gaiola.

Do seu pequeno espaço, ele olhava os bem-te-vis, atrás dos bichinhos; os beija-flores, com seu mágico bater de asas; as rolinhas, arrulhando, fazendo amor; as pombas, voando como flechas. Ah! Ele queria ser como os outros pássaros, livres. Ah! Se aquela porta se abrisse…

Pois não é que, para sua surpresa, naquele dia o seu dono a esqueceu aberta? Agora ele poderia realizar todos os seus sonhos. Estava livre, livre, livre!

Ele saiu e voou para o galho mais próximo. Olhou para baixo e pensou: “Puxa! Como é alto! O chão da gaiola fica bem mais perto”. Sentiu um pouco de tontura. Teve medo de cair, e agachou-se no galho, para ter mais firmeza. Viu outra árvore mais distante, teve vontade de ir até lá, mas não estava seguro de que suas asas aguentariam, e agarrou-se ao galho mais firmemente ainda.

– “Ei, você!” – era uma passarinha – “Vamos voar juntos até aquela pimenteira? Ela está carregadinha de pimentas vermelhas e deliciosas. É preciso apenas prestar atenção no gato, que anda por lá!”

Ele ficou todo arrepiado só de ouvir o nome “gato”, e disse para a passarinha que não gostava de pimentas. A passarinha, então, procurou outro companheiro, já que ele decidiu continuar com fome.

Chegou o fim da tarde e a noite se aproximava. Onde iria dormir? Lembrou-se do prego amigo, na parede da cozinha, onde a sua gaiola ficava dependurada. Teve saudades dele.

Teria de dormir num galho de árvore, sem proteção? Gatos sobem em árvores? Eles enxergam no escuro? Tinha também que pensar nos meninos com seus estilingues, no dia seguinte.

Ele nunca imaginara que a liberdade fosse tão complicada. Teve saudades da gaiola… e voltou. Felizmente a porta ainda estava aberta. Em seguida chegou o dono e, percebendo a porta aberta, imediatamente a fechou e disse: “Passarinho bobo! Passarinho de verdade gosta mesmo é de voar!”.

Mas o passarinho preferiu voltar para sua “vidinha” tranquila e segura!

Assim são as pessoas … Têm medo de voar, de experimentar o mundo, de alçar voos mais altos e ilimitados. Vivem uma vida inteira dentro da “segurança” de suas gaiolas mentais, chatas, sem novidades, e infelizes! (Joemir Rosa).

By Rubem Alves.

Tudo pode mudar …

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 01/04/2013 by Joe

Amanhã será outro dia

Existe sim algo infinitamente maior pairando no ar, nas nossas vidas. Com toda certeza não podemos mais desperdiçar nossa vida! Chega de perder tempo, energia e oportunidades! Tudo isso aqui que vivemos é muito maravilhoso e mágico! Mas ao mesmo tempo vulnerável, efêmero…

Se ninguém é de ninguém, também é verdade que ninguém está só, certo? E nada nesse mundo acontece por acaso! É por isso e muito mais que existe a fé! É por isso que existe a esperança! É por isso que existem os sonhos!

Quantos leões você vai ter que matar no dia de hoje? Vença suas batalhas com o seu crescimento pessoal. Aqui está o segredo: crescer por dentro!

Mantenha viva a sua fé. Mantenha sua fé acesa como uma tocha para lembrar que cada dia é diferente e melhor, só dependendo de você mesmo! Cada dia é um novo dia, uma nova chance! Lembre-se que as pessoas que nos magoam são veículos de aprendizado! E por isso mesmo devem ser perdoadas! Seu objetivo é a evolução, não esqueça? Queira crescer! Deseje a você mesmo ser bem melhor do que ontem! Repito: existe algo infinitamente maior pairando bem em cima de sua cabeça!

E sonhe alto! Sonhe muito! Não permita mais que seus sonhos sejam trocados por lembranças… É assim que se envelhece: quando se tem mais lembranças do que sonhos! Volte a sonhar já! Pois a grande verdade é que você é a pessoa que escolhe ser.

Todos os dias você decide se continua do jeito que é ou se muda! Tudo pode ser mudado num piscar de olhos! Tudo!

Escolha agora o que você será amanhã! Afinal, amanhã será outro dia!!!

By Luis Carlos Mazzini.

A pedra da felicidade

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 03/04/2012 by Joe

Nos tempos das fadas e bruxas, um moço achou em seu caminho uma pedra que emitia um brilho diferente de todas as que ele já conhecera. Impressionado, decidiu levá-la para casa. Era uma pedra do tamanho de um limão e pertencia a uma fada, que a perdera por aqueles caminhos, em seu passeio matinal. Era a Pedra da Felicidade. Possuía o poder de transformar desejos em realidade.

A fada, ao se dar conta de que havia perdido a pedra, consultou sua fonte de adivinhação e viu o que havia ocorrido. Avaliou o poder mágico da pedra e, como a pessoa que a havia encontrado era um jovem de família pobre e sofredora, concluiu que a pedra poderia ficar em seu poder, despreocupando-se quanto à sua recuperação. Decidiu ajudá-lo.

Apareceu ao moço em sonho e disse-lhe que a pedra tinha poderes para atender a três pedidos: um bem material, uma alegria e uma caridade. Mas que esses benefícios somente poderiam ser utilizados em favor de outras pessoas. Para atingir o intento, cabia-lhe pensar no pedido e apertar a pedra entre as mãos.

O moço acordou desapontado. Não gostou de saber que os poderes da pedra somente poderiam ser revertidos em proveito dos outros. Queria que fossem para ele. Tentou pedir alguma coisa para si, apertando a pedra entre as mãos, sem êxito. Assim, resolveu guardá-la, sem muito interesse em seu uso.

Os anos se passaram e este moço tornou-se bem velhinho. Certo dia, rememorando seu passado, concluíu que havia levado uma vida infeliz, com muitas dificuldades, privações e dissabores. Tivera poucos amigos, porém, reconhecia ter sido muito egoísta. Jamais quisera o bem para os outros. Ao contrário, desejava que todos sofressem tanto quanto ele.

Reviu a pedra que guardara consigo durante quase toda sua existência. Lembrou-se do sonho e dos prováveis poderes da pedra. Decidiu, finalmente, usá-la, mesmo sendo em proveito dos outros.

Assim, realizou o desejo de uma jovem, disponibilizando-lhe um bem material. Proporcionou uma grande alegria a uma mãe revelando o paradeiro de uma filha há anos desaparecida e, por último, diante de um doente, condoeu-se de suas feridas, ofertando-lhe a cura.

Ao realizar o terceiro benefício, aconteceu o inesperado: a pedra transformou-se numa nuvem de fumaça e, em meio a esta nuvem, a fada, vista no sonho que tivera logo ao achar a pedra, surgiu dizendo:

– “Usaste a Pedra da Felicidade. O que me pedires, para ti, eu farei. Antes, devias fazer o bem aos outros, para mereceres o atendimento de teu desejo. Por que demoraste tanto tempo para usá-la?”

O homem ficou muito triste ao entender o que se passara. Tivera em suas mãos, desde sua juventude, a oportunidade de construir uma vida plena de felicidade, mas, fechado em seu desamor, jamais pensara que fazendo o bem aos outros colheria o bem para si mesmo.

Lamentando o seu passado de dor e seu erro em desprezar os outros, pediu comovido e arrependido:

– “Dá-me, tão somente, a felicidade de esquecer o meu passado egoísta.”

Desconheço a autoria.

Uma história de magia

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/03/2012 by Joe

Hoje, quero contar uma história mágica para você.

Havia certa vez um mágico, que sonhava com o glamour e reconhecimento de ser um dos maiores mágicos de seu país. No entanto, não tinha o talento necessário para ser realmente um grande mágico. Apenas sonhava com o sucesso, mas não aceitava o sacrifício necessário para percorrer um longo caminho até ele. Seu nome artístico era Mister Frakazzus.

Toda noite ele enfrentava o desafio de subir ao palco para fazer seus números, mas constantemente fracassava. Ora era seu coelho que fugia da cartola, ora os números preparados acabavam traindo o mestre, saindo tudo errado.

Assim, após mais uma noite de fracasso, Mister Frakazzus voltava para casa e se escondia, fechando-se em seu quarto escuro, como se estivesse no fundo de uma caverna. Não saía de lá por nada porque sentia medo das críticas, medo de se expor ao ridículo durante o dia.

Até que, numa noite, ao dormir, sonhou que poderia fazer outras mágicas, usando as falhas do seu show, para alegrar e divertir crianças e adultos.

Ao amanhecer, Frakazzus, resolveu transformar-se num belo e animado palhaço. Lavou a mágoa do coração, injetou entusiasmo na alma, preparou uma alegre e colorida fantasia e partiu para uma nova jornada.

Assim nasceu um novo mágico, um novo ser humano. Que faz magia no coração e na alma de crianças e homens! O que era fracasso como mágico, agora eram trapalhadas e diversão… alegria!

Assim nasceu o palhaço Pirulito Sorriso!

Tornando-se alguém que, com simples gestos, começou a fazer a diferença na vida de muitas pessoas.

Agora eu te pergunto: você por acaso conhece alguma história parecida com esta? Pois é, quantas pessoas tentam, uma vida toda, ser aquilo para o que não tem talento. Insistem e persistem em profissões que não têm nada a ver com seus dons.

Até um dia descobrirem, “por magia” ou com ajuda profissional, que precisam de um novo rumo em suas vidas.

Mas apenas a descoberta não é certeza da realização. Precisam conscientizar-se desta nova realidade. Conscientizar-se dos talentos verdadeiros que possuem e munir-se de coragem, determinação, força de vontade para enfrentar todos os novos desafios que a mudança exige. Perder o medo do erro. Arriscar-se um pouco mais. Ter ousadia. E, ainda, entregar-se a uma nova rotina de aprendizagem, preparação e treinamento constante.

Isso realmente é necessário porque, afinal, quem nos dias de hoje tem coragem de largar velhos paradigmas e reinventar sua própria vida? Coragem de escrever uma nova história. A sua própria história de vida!

É essa história que você constrói e escreve diariamente. Ela é a sua história de vida!

Para mostrar isso vou usar esta breve passagem: “A Magia do Show da Vida”.

O Show da Vida é o que acontece neste exato instante que você acaba de ler este texto, desde que você tome consciência da importância deste momento. Viva e sinta o momento. Ele é o seu momento!

Você pode fazer parte deste show, um show que também irá alegrar muitas pessoas. Poderá mudar a vida de muitas pessoas sendo o que você é, da melhor maneira possível!

Pare só por um instante tudo o que está fazendo e observe a si mesmo. Sinta a presença do seu corpo, da sua respiração. Observe atentamente o ambiente à sua volta.

Quem são as pessoas que estão aí perto? O que fazem e como interagem com você?

Pergunte-se: o que eu posso aprender com essas pessoas? Qual experiência elas podem trocar comigo?

Mas pense principalmente: o que eu tenho para oferecer de bom a cada uma dessas pessoas que se aproximam de mim?

Qual é o meu melhor que posso compartilhar com o mundo?

Esta é uma maneira simples de você descobrir a verdadeira razão da sua existência e cumprir de maneira magnífica a sua missão.

Ponto! Você acaba de descobrir como fazer o seu Show da vida!

Pense nisso! E comece hoje mesmo a mudar sua vida!

By Professor Sigmar Sabin.

%d blogueiros gostam disto: