Arquivo para Macacos

Mercado de ações

Posted in Astral with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 21/12/2014 by Joe

Mercado de ações

Você sempre teve curiosidade de saber como funciona o mercado de ações na Bolsa de Valores? Saber o que faz com que determinadas ações subam ou caiam de preço? Entender como os grandes investidores manipulam o mercado com o único objetivo de multiplicar seus investimentos, mesmo que isso vá prejudicar muita gente?

Leia a história a seguir para ter uma ideia de como tudo isso funciona, de uma maneira simples, porém didática!!

Certa vez, num vilarejo, apareceu um homem anunciando aos aldeões que compraria macacos por $10 cada. Os aldeões, sabendo que havia muitos macacos na região, foram à floresta e iniciaram a caça aos macacos. O homem comprou centenas de macacos a $10 e então os aldeões diminuíram seu esforço na caça. Em seguida, o homem anunciou que agora pagaria $20 por cada macaco e os aldeões renovaram seus esforços e foram novamente à caça.

Logo, os macacos foram escasseando cada vez mais e os aldeões foram desistindo da busca. A oferta aumentou para $25 e a quantidade de macacos ficou tão pequena que já não havia mais interesse na caça.

O homem, então, anunciou que agora compraria cada macaco por $50! Entretanto, como iria à cidade grande, deixaria seu assistente cuidando da compra dos macacos.

Na ausência do homem, seu assistente disse aos aldeões:

– “Olhem todos estes macacos na jaula que o homem comprou. Eu posso vender por $35 a vocês e quando o homem retornar da cidade, vocês podem vender-lhe por $50 cada.”

Os aldeões, espertos, pegaram todas as suas economias e compraram todos os macacos do assistente… E eles nunca mais viram o homem ou seu assistente, somente macacos por todos os lados.

Agora você entendeu como funciona o mercado de ações???

Autoria desconhecida.

Dancem, macacos, dancem!

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 16/09/2014 by Joe

Dancem macacaos dancem

Existem bilhões de galáxias no Universo observável. Em cada uma delas existem centenas de bilhões de estrelas. Em uma dessas galáxias, orbitando em uma dessas estrelas se encontra um pequeno planeta azul. E este planeta é governado por um bando de macacos.

Mas esse macacos não pensam em si mesmos como macacos. Sequer pensam em si mesmos como animais. De fato eles adoram listar todas coisas que eles pensam separá-los dos animais: polegares opostos, autoconsciência, e usam palavras como Homo-erectus e Australopitecos.

Eles são animais, certo? São macacos! Macacos com tecnologia de fibra ótica digital de alta velocidade. Mas, ainda sim, macacos…

Quero dizer, eles são espertos, você tem que admitir isso. As Pirâmides, os arranha-céus, os jatos, a Grande Muralha da China, tudo isso é muito impressionante para um bando de macacos. Macacos cujo cérebro evoluiu a um tamanho tão ingovernável que agora é bastante impossível para eles ficarem felizes por muito tempo. Na verdade, eles são os únicos animais que pensam que deveriam ser felizes. Todos os outros animais podem simplesmente ser.

Mas não é tão simples assim para os macacos. Pois esses macacos são amaldiçoados com a consciência. E, assim, os macacos têm medo, os macacos se preocupam… Os macacos se preocupam com tudo, mas acima de tudo, com o que todos os outros macacos pensam, porque os macacos querem desesperadamente se encaixar com os outros macacos. O que é bem difícil porque a maioria dos macacos se odeia. Isto é o que realmente os separa dos outros animais: esses macacos odeiam! Odeiam macacos que são diferentes, odeiam macacos de lugares diferentes, macacos de cores diferentes…

Sabe, os macacos se sentem sozinhos, todos os 7 bilhões deles!

Alguns dos macacos pagam outros macacos para ouvir seus problemas. Afinal, os macacos querem respostas…

Os macacos sabem que vão morrer; então, fazem deuses e os adoram. Então, os macacos começam a discutir quem fez o melhor deus. E os macacos ficam irritados! E, então, é quando eles geralmente decidem que é uma boa hora de começar a matar uns aos outros. Então, os macacos fazem guerras, fazem bombas de hidrogênio. Os macacos têm o planeta inteiro preparado para explodir. Os macacos não sabem o que fazer…

Alguns macacos tocam pra uma multidão vendida de outros macacos. Eles fazem troféus e, então, os dão para si mesmos, como se isto significasse alguma coisa!

Alguns dos macacos acham que sabem tudo. Alguns dos macacos lêm Nietzsche. Os macacos discutem Nietzsche… Sem dar qualquer consideração ao fato de que Nietzsche… era apenas outro macaco!

Os macacos fazem planos, os macacos se apaixonam, os macacos fazem sexo. E, então, fazem mais macacos!

Os macacos fazem música. E, então, eles dançam…

– “Dancem, macacos, dancem!”

Os macacos fazem muito barulho. Os macacos têm tanto potencial… se eles pelo menos se dedicassem…

Os macacos raspam o pelo de seus corpos numa ostensiva negação de sua natureza de macaco. Eles constroem gigantes colmeias de macacos que eles chamam de “cidades”. Os macacos desenham um monte de linhas imaginárias sobre a Terra.

Os macacos estão ficando sem petróleo, o combustível da sua precária civilização. Os macacos estão poluindo e saqueando seu planeta como se não houvesse amanhã…

Os macacos gostam de fingir que está tudo bem. Alguns dos macacos realmente acreditam que o Universo inteiro foi feito para o seu próprio benefício…

Como você pode ver, eles são uns macacos atrapalhados. Eles são, ao mesmo tempo, as criaturas mais belas e mais feias da natureza!

Mas os macacos não querem ser macacos. Eles querem ser outra coisa… mas são!

By Ernest Cline, apenas outro macaco.

Tempos de violência

Posted in Atualidade, Reflexão, Videos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/01/2014 by Joe

Tempos de violência

Estamos vivendo tempos de muita violência, de pouco amor e respeito ao próximo. E, principalmente, de poucos exemplos também.

Ver noticiário na televisão hoje em dia é submeter-se a uma verdadeira lavagem cerebral onde somos anestesiados pela violência, pouco a pouco, diariamente, e vamos nos acostumando com as barbáries que só víamos em filmes policiais. Hoje elas estão bem aqui do lado de fora de nossas portas.

E, não bastasse a realidade, ainda somos bombardeados constantemente por filmes, jogos, novelas, onde o que vale é matar, roubar, trair, levar vantagem em tudo, etc. Ótimos exemplos de que a vida não vale mais nada!

Crimes hediondos, assassinatos a sangue frio, pais e mãe matando filhos, filhos matando avós, bebês abandonados, estupros, racismo, homofobia, violência doméstica contra a mulher e a criança, tráfico de drogas e seres humanos, vandalismo, violência desmesurada em estádios de futebol, roubos, assaltos, acidentes nas estradas e ruas das cidades causados pelo excesso de bebidas e drogas, corrupção ativa e passiva, crimes políticos… a lista é enorme!

Valores que mudaram de rumo, falta deles, exemplos que deveriam vir da família, a falta dela, falta de amor e de respeito pelo próximo, por si próprio…

A pergunta que faço é: em que ponto da escalada da humanidade nos desviamos da verdadeira evolução? Em que momento se deu o u-turning?

Outro dia vi um desenho onde um filhotinho de macaco perguntava a seu pai:

– “Papai, o que são humanos?”

E o pai, com um olhar triste, respondeu:

– “São macacos sem rabos que pensam que são donos de tudo que existe na floresta. Constroem cavernas de pedras que quase chegam ao céu. Seus egos, sua ambição, não têm limites… Tomam mais terra do que precisam para viver, destroem as florestas, sujam os mares, poluem o ar…”

À medida que ia explicando, seu filhote ia ficando aterrorizado. E o pai continuava:

– “Humanos escravizam humanos e deixam parte da manada morrer de fome para que poucos tenham muito e sejam ricos. Constroem máquinas para matar humanos. Um dia, meu filho, os humanos se exterminarão… eles são macacos loucos…”

O filhote, olhar perdido e triste, olhou para o pai e disse:

– “Pai… não me deixe jamais ser humano, por favor!”

Talvez o ponto da virada tenha sido aí, quando os macacos começaram a evoluir para algo pior que a sua própria espécie. Talvez a fórmula tenha dado errado. Talvez o mundo teria sido bem melhor só com os macacos…

São muitos “talvez” que não nos respondem o que queremos saber: tem volta?

Eu, particularmente, acho que tem volta, sim, mas não sem antes passarmos por uma terrível peneira que irá separar o joio do trigo. E essa peneira será longa, terrível, violenta e levará ao quase extermínio dessa raça de macacos que não deu certo!

Um dia, num futuro longínquo, talvez um filho de ser humano, talvez conhecido por um outro nome qualquer, irá perguntar a seu pai:

– “Papai, o que são humanos?”

A resposta só o tempo dirá….

O vídeo abaixo é uma produção mexicana e foi veiculado nas TVs daquele país como uma forma de alerta para o que as crianças estão fazendo, seus comportamentos e atitudes, muito parecidos aos de adultos.

Serve também para percebermos que o que está realmente faltando… são bons exemplos!

By Joemir Rosa.

Pudim de coco com creme de ameixa

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 05/01/2013 by Joe

Pudim de coco com creme de ameixa

O coqueiro – Cocos nucifera – é um membro da família Arecaceae (família das palmeiras). Geralmente é uma árvore que pode atingir até 30 m de altura e cujas origens são passíveis de discussão.

Enquanto alguns países reclamam o Sudeste Asiático (região peninsular) como o seu local de origem, outros colocam a sua origem no nordeste da América do Sul. Registros fósseis de mais de 15 milhões de anos da Nova Zelândia indicam aí a existência de pequenas plantas similares ao coqueiro. Fósseis ainda mais antigos foram também descobertos na Índia.

Qualquer que seja a sua origem, os cocos espalharam-se através dos trópicos, em particular ao longo da linha costeira tropical. Como o seu fruto é pouco denso e flutua, a planta é espalhada prontamente pelas correntes marinhas que podem carregar os cocos a distâncias significativas. A palmeira do coco prospera em solos arenosos e salinos nas áreas com luz solar abundante e pancadas de chuva regular, o que torna a colonização da costa relativamente fácil.

Já foram encontrados cocos transportados pelo mar tão ao norte como na Noruega, em estado viável, que germinaram subsequentemente em circunstâncias apropriadas. Entretanto, nas ilhas do Havaí, o coco é considerado como introdução, trazida primeiramente às ilhas há muito tempo por viajantes polinésios de sua terra natal no Sul do Pacífico.

O coco é um fruto seco simples, cuja casca é fibrosa e existe uma espécie de “caroço” interno. O termo “coco” teve sua origem dada pelos portugueses no território asiático de Malabar, na viagem de Vasco da Gama à Índia, a partir da associação da aparência do fruto, visto da extremidade em que a casca e os três poros de germinação assemelham-se à face de um “coco”, monstro imaginário com que se assusta as crianças (papão, ogro). Do português, o termo passou ao espanhol, francês e inglês “coco”, ao italiano “cocco”, ao alemão “Kokos” e aos compostos “coconut”, inglês, e “Kokosnuss”, alemão.

Em algumas partes do mundo, macacos treinados são usados na colheita do coco. Escolas de treinamentos para macacos ainda existem no sul da Tailândia. Todos os anos são realizadas competições para identificar o mais rápido colhedor.

Todas as partes do coco, salvo talvez as raizes, são úteis e as árvores têm comparativamente um alto rendimento (até 75 cocos por ano); ele então possui significativo valor econômico. De fato, em Sânscrito, o nome para o coqueiro é “kalpa vriksha”, o qual se traduz como “a árvore que fornece todas as necessidades da vida”.

Ou seja, do coqueiro e do coco, quase tudo é aproveitado:

O branco, parte gorda da semente, é comestível (fresco) e usado (seco e dissecado) em culinária;

A cavidade é cheia de “água de coco” que contém os açúcares que são usados como uma bebida refrescante, e na composição da sobremesa gelatinosa nata de coco. A água do coco é quase idêntica ao plasma do sangue e é conhecida por ter sido usada como um líquido endovenoso de hidratação quando há uma falta de líquido próprio para transfusão de sangue. A água do coco tem teores elevados de potássio, cloreto e cálcio, e é indicada nas situações em que se pretende o aumento destes eletrólitos.

Leite de coco (que tem aproximadamente 17% de gordura) é feito processando o coco ralado com água quente, que extrai o óleo e os compostos aromáticos;

O líquido obtido da incisão da base das inflorescências do coqueiro forma uma bebida conhecida em inglês por “toddy”; nas Filipinas chamada “tuba” e em Moçambique, “sura”;

Os botões da ponta de plantas adultas são comestíveis e são conhecidos como “cabaço de coco” (embora a colheita desta mate a árvore);

O interior da ponta crescente é chamado coração-da-palma ou “palmito” e é comido em saladas, chamadas às vezes “salada do milionário” (isto também mata a árvore);

“Copra” é a carne seca da semente, usada para preparar o óleo do coco;

O resíduo que fica depois de preparar o óleo é usado como ração para animais;

O tronco fornece madeira para construção;

As folhas fornecem materiais para cestas e palha de telhado;

A casca e a fibra do coco podem ser usados para combustível e são uma fonte boa do carvão de lenha; servem ainda em artesanato;

Nos teatros, usavam-se metades de casca de coco que, batidas, davam o som de cascos de cavalo;

A fibra pode ainda ser usada para o fabrico de cordas e tapetes, para enchimento de estofos e para o cultivo de orquídeas e outras plantas;

Havaianos usam o tronco ôco para dar forma a um cilindro, que pode servir como recipiente, ou mesmo canoas pequenas.

Bom, depois desta verdadeira aula sobre o coco, nada melhor do que saboreá-lo numa sobremesa fácil de preparar e muito saborosa! Espero que gostem!

Pudim de coco com creme de ameixa

Ingredientes

Coco gif300 g de ameixa preta sem caroços
1 xícara (chá) de água
1 litro de leite
1 vidro de leite de coco
100 g de coco ralado
6 colheres (sopa) de amido de milho
1 lata de leite condensado

Modo de preparo

Em uma panela, coloque a ameixa, a água e cozinhe até ficar macia. Depois que esfriar, bata no liquidificador até formar um purê. Reserve.

No liquidificador ainda, bata bem o leite, o leite de coco, o coco ralado, o amido de milho e o leite condensado. Transfira para uma panela, leve ao fogo e cozinhe, mexendo até engrossar.

Em uma forma própria para pudim, untada com óleo, coloque o pudim de coco e vá mesclando com a pasta de ameixa. Leve à geladeira até que fique firme. Desenforme na hora de servir e decore com coco ralado.

By Joemir Rosa.

O Resgate do Tigre

Posted in Livros with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/09/2012 by Joe

Livro: O Resgate do Tigre
By Colleen Houck
Editora Arqueiro

Fé. Confiança. Desejo. Até onde você iria para libertar a pessoa amada?

Neste segundo volume (veja detalhes do primeiro volume, A Maldição do Tigre, neste link) da Saga dos Tigres, a autora nos leva de volta a India e à jornada de Kelsey na busca pelos presentes da deusa indiana Durga, necessários para acabar com a maldição dos dois príncipes, que fez com que Dhiren e Kishan vivessem durante séculos aprisiona- dos na forma de tigres – um branco e outro negro.

Kelsey Hayes nunca imaginou que seus 18 anos lhe reservassem experiências tão loucas!

Além de lutar contra macacos d’água imortais e se embrenhar pelas selvas indianas, ela se apaixonou por Ren, um príncipe indiano amaldiçoado que já viveu 300 anos.

Agora que ameaças terríveis obrigam Kelsey a encarar uma nova busca – desta vez com Kishan, o irmão bad boy de Ren – a dupla improvável começa a questionar seu destino. A vida de Ren está por um fio, assim como a verdade no coração de Kelsey.

Um livro repleto de romance, ação e surpresas que fluem com uma velocidade incrível, tornando maravilhosa a leitura deste segundo volume! Sem contar os diversos momentos em que a autora nos apresenta detalhes sobre a cultura da China e da India, tudo de uma forma didática, sem ficar cansativo para o leitor.

Com o dobro de ação, aventura e romance, este livro oferece a seus leitores uma experiência arrebatadora da primeira à última página.

A épica Saga dos Tigres já foi lançada em 18 países e ocupou os primeiros lugares na lista dos mais vendidos do The New York Times e cujos direitos para adaptação cinematográfica já foram comprados pela Paramount.

“Colleen nos seduz com seu conto de fadas ágil e original que tem como exótico pano de fundo a cultura e a religião indianas.” – MTV.com.

By Joemir Rosa.

Homens e macacos

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/08/2012 by Joe

Alguns macacos estavam sentados num coqueiro, discutindo sobre coisas das quais tinham ouvido dizer. Disse um deles para os outros:

– “Há um rumor de que pode ser verdade que os seres humanos descendem da nossa nobre raça”.

Respondeu um outro:

– “Bem, essa ideia não tem nenhum fundamento! Nenhum macaco jamais desprotegeu sua fêmea ou deixou seus bebês famintos ou arruinou a vida deles”.

– “Há também uma outra coisa que nunca foi vista entre nós: macacos cercando um coqueiro e deixando os cocos apodrecerem, proibindo outros macacos de se alimentarem. Sabemos que, se a árvore fosse cercada, a fome faria outros macacos nos roubarem”.

– “Outra coisa que macacos jamais fizeram: sair à noite para roubar, usando porretes, facas ou armas, para tirar a vida de outros macacos”.

– “Sim! Se os humanos descendem dos primatas, deve ser de uma espécie muito rude. Vejam o que eles fazem com os lugares onde moram, derrubando sem dó tudo o que encontram, a sujeira que fazem e o fogo que põem nos arredores e nas matas. Sem contar os costumes estranhos que têm, jogando sujeira no ar que respiram, o que deve fazer com que fiquem muito violentos”.

– “Nós não fazemos nada disso, e quando pegam um de nós, colocam-nos atrás das grades. São ferozes mesmo!”

– “É, amigos … com certeza os humanos não descendem de nós”.

Desconheço a autoria, mas concordo plenamente! De quem será que o ser humano descende?

Como nasce um paradigma

Posted in Inspiração with tags , , , , , , on 15/07/2011 by Joe

Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula. No meio, uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas. Quando um macaco subia na escada para pegar as bananas, os cientistas jogavam um jato de água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco tentava subir a escada, os outros o puxavam e o enchiam de pancada. Algum tempo depois, nenhum macaco subia a escada, apesar da tentação das bananas.

Então, os cientistas substituíram um dos macacos por um novo. A primeira coisa que ele fez, ao entrar na jaula, foi tentar subir a escada, sendo imediatamente retirado pelos outros, que o surraram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo já não tentava mais subir a escada.

Um segundo macaco foi substituído e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado, com entusiasmo, da surra ao novato.

Um terceiro foi trocado e o mesmo aconteceu. Um quarto e, finalmente, o último dos veteranos foi substituído. Os cientistas, então, ficaram com um grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse pegar as bananas.

Se fosse possível perguntar a algum deles porque eles batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria:

“Não sei, mas as coisas sempre foram assim por aqui!”

Desconheço o autor.

“Apenas duas coisas são infinitas: o Universo e a estupidez humana! E eu não tenho tanta certeza do primeiro!” (Albert Einstein).

Não perca a oportunidade de questionar porque faz certas coisas na vida, sem pensar. Não aceite explicações do tipo “sempre foi assim”, pois quem sempre faz assim, sempre obtém os mesmos resultados que sempre obteve! Questione, indague, demodele-se … e mude!! (Joemir Rosa).

%d blogueiros gostam disto: