Arquivo para Intenções

Não precisa ser para sempre, mas precisa ser até o fim!

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 05/12/2014 by Joe

Não precisa ser para sempre

“Para sempre”, em minha opinião, é nada mais, nada menos que um dia depois do outro. Ou seja, é construção. Em princípio, não existe. Mas basta que façamos a mesma escolha sucessivamente e teremos construído o “para sempre”.

O que quero dizer é que o “sempre” não é magia, nem tampouco um tempo que pré-exista. Ele é consequência. Nada mais que consequência de uma sucessão de dias, vividos minuto por minuto.

Quanto ao amor, tem gente que acredita que só é de verdade se durar “até que a morte os separe”. Outras, como o grande Vinícius de Moraes poetizou, apostam no “que seja eterno enquanto dure”.

Eu, neste caso, admiro a coragem de quem vai até o fim, de quem se entrega inteiramente ao que sente, de quem se permite viver aquilo que seu coração pede até que todas as chamas se apaguem. Mais do que isso: até que as brasas esfriem e – depois de todas as tentativas – nada mais possa ser resgatado do fogo que um dia ardeu.

Claro que não estou defendendo a constância indefinida de atitudes desequilibradas, exageros desnecessários ou situações destrutivas. Mas concordo plenamente com o que está escrito no comovente “Quase”, de Sarah Westphal (muitas vezes atribuído a Luiz Fernando Veríssimo):

… “Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance, cujo fim é instantâneo ou indolor, não é romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar” …

Porque de corações partidos por causa de um amor vivido pela metade, as ruas estão cheias. Assim como de almas que perambulam feito pontos-de-interrogação, a se questionar o que mais poderiam ter feito para que o outro também estivesse presente, para que não fugisse tão furtivamente, tão covardemente, tão sordidamente.

É por isso que insisto: muito mais do que nos preocuparmos com o ‘para sempre’, precisamos começar a investir no “até o fim”, para que o “agora” tenha mais significado, para que as intenções, as palavras, as atitudes e todos os recomeços façam parte de uma história mais sólida, menos prostituída, que realmente valha a pena.

Então, questione-se: o coração ainda acelera quando o outro se aproxima? O peito ainda dói de saudade? O desejo ainda grita, perturbando o silêncio da noite? Não chegou ao fim! Não acabou.

Sei que, em alguns casos, motivos de força maior impedem um amor de ser vivido (e daí a separação pode ser sinal de maturidade), mas na maioria das vezes o que afasta dois corações é muito mais intolerância, ilusões ou autodefesas tolas do que algo que realmente justifique o lamentável desfecho.

O outro não quer? Desistiu? Acovardou-se? Ok! Por mais incoerente que pareça, é um direito dele. Esteja certo de que você fez o que estava ao seu alcance e depois… bem, depois recolha-se e pondere: “pros amores impossíveis, tempo”.

Tempo em que você terminará descobrindo que a vida tem seu jeito misterioso de fazer o amor acontecer, mas que – no final das contas – feliz mesmo é quem, apesar de tudo, tem coragem de ir até o fim!

By Rosana Braga.

Anúncios

A última que morre

Posted in Inspiração, Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 03/10/2014 by Joe

A última que morre

Atualmente há tanta informação para digerir que não sobra espaço na cabeça para questionar ditados já consagrados. Então, seguimos repetindo, dia após dia, frases que nos parecem definitivas, como “a esperança é a última que morre”, sem nos darmos conta de que elas não são definitivas coisa nenhuma. Por que manter um estado de ilusão eterno? Em certas circunstâncias, é muito bom perder a esperança.

Esperança não transforma o mundo. Não muda a sua vida. Apenas oferece um breve conforto, faz de conta que as coisas se arranjarão sozinhas através do pensamento positivo. Mas uma coisa é confiar em bons prognósticos, mentalizar situações agradáveis, e outra bem diferente é ficar esperando milagres. Sem querer ofender ninguém, a esperança se tornou obsoleta.

Você tem esperança de quê? De um mundo melhor, de um país mais justo? Ainda? Ok, gostaríamos que as coisas fossem diferentes, mas a diferença só se efetiva por meio de ações e reações. Quando você tem esperança, tudo o que precisa fazer é ficar sentado aguardando. Já quando ela morre, acaba a morosidade. Você vira a página, troca de capítulo, vai batalhar por outra coisa. Alguém que cansou de esperar é sempre mais produtivo.

Dificilmente analisamos as desistências por um foco salutar. Elas podem ser o combustível para o início de outro projeto, de um desejo novo. Nem tudo nasceu para dar certo. Algumas coisas são tortas por natureza, são boas uns 25%, e os outros 75% não tem pai-nosso que dê jeito. Ficar paralisado diante de algo que nunca vai mudar é estratégia de preguiçoso. Diante do que não muda, só há uma coisa a fazer: mudar a si mesmo, sacrificando as suas antigas e boas intenções.

Ter esperança de um mundo melhor é um sentimento megalômano. Desista de pensar no mundo, não seja tão ambicioso. Ele nunca vai ser muito melhor do que é, mas seu prédio pode ser, o seu local de trabalho pode ser, já que microcosmos não funcionam à base de esperança, e sim de realizações.

Não que eu proponha radicalizar. A gente pode ter um pouquinho de esperança, claro, desde que ela tenha um prazo de validade, não se transforme numa acomodação vitalícia. Tenha esperança até a página 10. Se a história não avança, não é preciso morrer decrépito segurando o mesmo livro na mão. Ele vai continuar chato, vai continuar engessando você.

O desejo é que deve ser o último a morrer. Ele, sim, merece o prestígio que a esperança, essa velha senhora, ainda pensa que tem.

By Martha Medeiros.

O caminho da loucura

Posted in Comportamento, Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/10/2014 by Joe

O caminho da loucura

Quase todos os seres humanos possuem uma característica típica da esquizofrenia: fazem continuamente as mesmas coisas e ficam à espera de resultados diferentes.

Todas as pessoas querem vidas melhores, mais saúde, melhores relacionamentos, mais abundância financeira, mas dia após dia fazem as mesmas coisas, à espera de um milagre, que nunca irá acontecer…

Sabe por que? Porque são loucas! Porque acreditam que vão mudar de vida sem buscar uma real transformação interna. O exterior é apenas um reflexo do que carregamos dentro de nós.

Porque acreditam que, se meditarem o suficiente, ou visualizarem coisas positivas serão abençoadas com milhares de coisas boas, sem que elas tenham a necessidade de mudar em si mesmas o que quer que seja.

Já reparou que, à sua volta, na natureza, nada permanece constante? Tudo muda continuamente. A mudança faz parte da natureza Divina. E, no entanto, você quer mudanças na sua vida, mas fica esperando que elas ocorram sem que você tenha que mudar para isso?

Seja bem-vindo à insanidade!

A maior parte das pessoas tem um sonho e faz planos para que este sonho se manifeste, e medita e cria quadros mentais, acreditando na lei da atração e… nada acontece!

Nada acontece porque a mudança tem que começar dentro de cada um primeiro! Um passo importantíssimo que mostra a verdade sobre sua decisão é a ação. Suas ações têm que estar em harmonia e alinhadas com o que você deseja alcançar.

Todo trabalho energético gera uma energia que, se não tiver uma ação para influenciar, se perde e se torna inútil. A ação é que demonstra a verdade. A ação é que faz a diferença. Como dizia Madre Thereza de Calcutá: “A menor das ações é mais nobre que a melhor das intenções.”

Tudo começa com os rótulos que colocamos sobre cada experiência do nosso cotidiano. Porém, qualquer experiência é sempre um aprendizado. O “bom” ou o “mau” é apenas um rótulo que você decide colocar. Todo julgamento é baseado no sistema de crenças que você carrega. E quem te garante que o seu sistema de crenças é o “certo”?

Ame cada experiência, se quiser atrair experiências melhores. Aceite, agradeça e esteja consciente da função Divina de cada situação.

Quem vive no presente com os olhos no passado descobrirá que não tem futuro.

Insanidade é fazer repetidamente as mesmas coisas e esperar resultados diferentes.

Pare de se queixar! Agradeça mais! Reclame menos! Aja de acordo com seus objetivos. Trabalhe com disciplina e consciência!

Desconheço a autoria.

A mudança

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23/09/2013 by Joe

Seja a mudança

A mudança que deseja ver no mundo pode e deve começar em você. Inicie por gestos de compaixão, doação, altruísmo, benevolência, fraternidade, divisão, compartilhamento e amor.

Comece por você, de maneira pequena, mas comece por você. Dê o primeiro passo, o primeiro gesto, o primeiro sorriso, a primeira oferta, a primeira e real vontade de mudar.

Não fique esperando grandes mudanças se você não fizer a primeira, pequena que seja, mas a primeira, a que vem de você de forma verdadeira e que poderá transformar uma vida, um instante, um pequeno sonho.

Descruze os braços e inicie por mudar a forma arcaica de pensar, a maneira antiga de se resguardar, o pensamento ultrapassado de permanecer no comodismo à espera de decisões alheias.

Quando mentalizamos que somos parte da mudança que desejamos para o mundo, tudo flui de maneira harmoniosa e frutífera, e o mundo se transforma, as pessoas nos acolhem, as energias descem sobre nosso viver e a natureza entoa hinos de gratidão.

Seja, portanto, a mudança que o mundo espera, e aprenda com isso que, quando a desfraldarmos primeiramente em nós, mudamos juntos e causamos um terremoto de boas, agradáveis e indecifráveis intenções.

Desconheço a autoria.

Viver é acreditar e realizar o impossível

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 07/08/2013 by Joe

Viver é acreditar no impossível

Faça um pacto com você mesmo: ao contrário de tentar adivinhar intenções, desfrute o sentimento verdadeiro de estar com outro.

É comum opor-se emoção e razão, mas poucas pessoas percebem que a maioria das emoções nascem justamente de pensamentos. São simples reações que ocorrem a partir da ideia que se faz da atitude do outro, seja no trabalho, em casa ou numa roda de amigos.

Atribui-se ao outro certas intenções e reage-se a elas. São diferentes dos sentimentos, que nascem da convivência do estar com o outro, e não da ideia que fazemos dele.

Quando sentimos raiva, por exemplo, não é que estejamos insatisfeitos com o que aconteceu a nós, mas sim com o que imaginamos que tenha sido a intenção de alguém:

“Estou com raiva porque acho que você não me respeitou”.

“Estou com raiva porque isso que você fez não é típico de quem ama”.

Será que a intenção do outro era mesmo desrespeitar?

Será que, porque fez isso, ela não o ama?

Conflitos de relacionamentos são quase sempre o resultado de interpretações errôneas, tentativas de adivinhar intenções e muito pouco o resultado do sentimento verdadeiro de estar com o outro.

Lidar com os sentimentos, os próprios e os dos outros, é uma arte. Precisa ser cultivada e treinada com qualquer outra arte. Portanto, agora, procure isentar seus relacionamentos de preconceitos ou pré-juízos. Procure aceitar os outros como eles são.

Para os outros dias de sua vida, faça um trato com você mesmo: vá de mente e coração limpos ao encontro das pessoas do seu convívio. Deseje estar com elas e esteja integralmente.

Ao contrário de tentar desvendar o propósito do outro com você, estabeleça consigo mesmo o seu propósito de estar aberto para a outra pessoa. E, se lhe parece difícil viver em harmonia com as pessoas à sua volta, acredite que sim.

E quando lhe disserem que algo em que você acredita é impossível, tenha paciência.

Talvez ele não saiba de verdade que a vida é o eterno ato de transformar o impossível em realidade.

Viver é acreditar e realizar o impossível.

Antes de Santos Dumont, ninguém achava possível fazer voar um aparelho mais pesado que o ar. Até que ele acreditou e, com determinação, criou o avião.

Com exceção de mudar o outro, tudo é possível.

Desde que alguém acredite, abandone seus preconceitos e se proponha a concretizá-lo.

By Roberto Shinyashiki.

Você sabe escutar?

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/06/2013 by Joe

Arte de ouvir

Recentemente, descobri que não sou um bom ouvinte e comecei a observar mais as pessoas nesse sentido. E constatei que muitas pessoas também têm tendência à chatice.

Sim, porque chato é aquele que sempre tem uma opinião sobre tudo e que acha que deve expressá-la a todo momento. O chato acredita que o outro não é capaz de dizer tudo o que é necessário e que a sua contribuição para o assunto ou para resolver o problema é fundamental e indispensável.

O chato não quer ouvir, não sabe ouvir, não suporta ouvir! Só quer falar e, justamente por isso, acaba perdendo momentos preciosos da vida, afastando-se de pessoas maravilhosas de seu convívio. E o pior: é rotulado, com razão, como arrogante!

É preciso exercitar a arte de ouvir porque, quem não ouve, não cresce; fica apenas com a bagagem que já possui.

Reconheça mais e considere os pensamentos e sentimentos das pessoas que convivem com você. Crie o hábito de perceber o que os outros querem realmente dizer. Dê uma chance às pessoas de colocarem por completo as suas ideias.

Saiba escutar! Aprenda a perceber as intenções e as necessidades dos outros. Seja mais humilde e ouça as pessoas, as suas verdades.

Coloque-se no agora e deixe claro para si mesmo o que foi dito pelo outro. Interesse-se pelos planos, pelos ideais, pelos problemas e pela vida de quem está diante de você, apenas tendo uma atitude de ouvir.

Tenha calma e abaixe a sua ansiedade quando estiver numa conversa. Fale, mas também ouça! Sorria mais também, viu? Desenvolva mais o seu bom humor e deixe mais à vontade quem conversa com você.

Desconheço a autoria.

A arte da guerra

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/05/2013 by Joe

A arte da guerra

Os bons guerreiros de antigamente primeiro se colocaram fora da possibilidade de derrota e depois esperaram a oportunidade de derrotar o inimigo.

A garantia de você não ser derrotado está em suas mãos; já a oportunidade de derrotar o inimigo é fornecida por ele mesmo. Vem daí o ditado: pode-se saber como conquistar sem ter a capacidade de fazê-lo!

A garantia contra a derrota implica táticas defensivas; a capacidade de derrotar o inimigo significa tomar a ofensiva. Manter-se na defensiva indica força insuficiente; atacar, uma superabundância de força.

O general hábil na defesa esconde-se nos recessos mais secretos da terra; o hábil em atacar o faz como um relâmpago, das maiores alturas do céu. De um lado temos a capacidade de nos proteger; do outro, de obter uma vitória completa.

Ver a vitória apenas quando ela está ao alcance da vista da ralé não é o máximo da superioridade. O verdadeiro mérito é planejar secretamente, deslocar-se como réptil, frustrar as intenções do inimigo e impedir seus planos. Afinal, erguer um fio de cabelo grisalho não é sinal de grande força; ver o sol e a lua não é sinal de olhar acurado; ouvir o ruído do trovão não é sinal de ouvido apurado.

O guerreiro vence os combates não cometendo erros. Não cometer erros é o que dá a certeza da vitória, pois significa conquistar um inimigo já derrotado.

By Sun Tzu, trecho de sua obra “A Arte da Guerra”.

%d blogueiros gostam disto: