Arquivo para Ingredientes

Pavê de Nutella® com morangos

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , on 16/03/2013 by Joe

Pavê de Nutella e morangos

Como já comentei em receitas anteriores (Pavê de leite em pó, Pavês deliciosos, Pavê de morangos), o pavê é um delicioso doce de origem francesa, montado em camadas, cujo nome vem de “piso” ou “pavimento”.

Desta forma, é uma sobremesa que pode ser montada com os mais diversos ingredientes, de diversas formas, e servido em refratários, taças ou fora de qualquer forma.

E a receita de hoje é uma dessas variações, preparada com aquele delicioso creme de avelãs e cacau, e morangos picados! Muito fácil e rápido de preparar!!

Pavê de Nutella com morangos

Ingredientes

1 pote (200 gr) de Nutella®
1 lata de creme de leite sem soro
2 caixas de morangos
1 pacote de biscoito Champanhe
1/2 xícara (chá) de leite

Modo de preparo

Em uma tigela, bata muito bem a Nutella® e o creme de leite até formar um creme. Reserve.

Lave bem, seque e pique os morangos. Reserve.

Umedeça os biscoitos no leite.

Em taças individuais, ou em um refratário, alterne camadas do creme batido, biscoitos umedecidos e morangos. Leve para gelar.

Como os morangos são frutas mais sensíveis, a sobremesa deve ser consumida no mesmo dia.

By Joemir Rosa.

Batatinhas aperitivo

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/03/2013 by Joe

Batatinhas aperitivo

Dias de calor pedem bebidas geladas para amenizar as altas temperaturas! E, para acompanhar, nada melhor que um delicioso aperitivo, também conhecido como tira-gosto!

A origem do termo tira-gosto se perde no tempo. A criatividade e os ingredientes disponíveis é que iriam determinar a qualidade e o sabor desses “aceleradores” da fome!

Muitas receitas foram criadas, a maior parte delas dentro de casa e hoje, com a expansão dos barzinhos e de concursos anuais como o “Comida de Boteco”, é cada vez mais comum encontrarmos pratos mais elaborados, deliciosos!

Pena que os pratos mais clássicos acabam se perdendo no tempo, ou ficando restritos à bares e butecos nas periferias.

O que não podemos negar é que o tira-gosto é mesmo uma presença obrigatória como acompanhamento de uma cerveja bem gelada, por exemplo.

Já publicamos algumas receitas de pratos que funcionam bem como tira-gosto, como o bolinho de bacalhau, o falafel, a bloomin’ onion, só pra darmos alguns exemplos.

E hoje vamos nos ater a uma receita tradicional de tira-gosto, bem simples, mas muito saborosa!

Batatinhas aperitivo

Ingredientes

1 kg de batata bolinha
2 cebolas pequenas picadas
2 dentes de alho
½ xícara (chá) de azeite
sal a gosto
1 xícara (chá) de azeitonas pretas e verdes
2 colheres (sopa) de orégano
1 pimenta dedo-de-moça sem sementes, picadas

Modo de preparo

Lave bem as batatas e cozinhe-as com a casca em bastante água por 20 minutos ou até ficarem macias.

No liquidificador, bata a cebola, o alho, o azeite e uma pitada de sal, até obter uma pasta. Escorra a batata e, com ela ainda quente, adicione o tempero batido, as azeitonas, o orégano, a pimenta e sal. Mexa bem com cuidado para não quebrar as batatas.

Deixe esfriar, ponha em um recipiente bem fechado e armazene na geladeira até a hora de servir.

Podem ser servidas com salada verde ou como aperitivo.

By Joemir Rosa.

Receita para a beleza interior

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 16/11/2012 by Joe

Faça várias cirurgias plásticas.

Uma para corrigir o nariz empinado pelo orgulho e pela soberba.

Outra na correção da língua venenosa e ardilosa, e nos lábios que demarcam sua tristeza interior.

Drenagem linfática para retirar o orgulho, a inveja e a ingratidão.

Diversos peelings profundos na culpa e no remorso.

Faça uma dermoesfoliação nas cicatrizes deixadas pela falta de perdão e pelo ódio, assim como no rancor envelhecido.

Uma máscara facial para retirar as expressões de mágoas e ressentimentos, igualmente nas asperezas da insensibilidade no trato com as pessoas. Depois complete com uma hidratação de sorriso e a alegria.

Hidrate suas mãos todos os dias com a prática da solidariedade e da caridade.

Coloque lentes coloridas da misericórdia e da paciência, iluminando seu olhar.

Realize um implante de entusiasmo e atitude positiva.

Turbine sua humildade e o desinteresse por questões materiais.

Use botox para esticar a esperança e a fé.

Realce o cabelo com luzes da consciência tranquila e da paz de espírito.

Finalize com uma hidromassagem, usando sais da generosidade e pétalas da tolerância, que é bom para o coração e para a alma.

Todos esses ingredientes não são encontrados nas melhores lojas do ramo. Eles estão dentro de você!

Pense nisso! E seja feliz, muito feliz!!!

By Adilson Costa.

Mousse de limão

Posted in Receitas with tags , , , , , , on 06/10/2012 by Joe


Em posts anteriores eu publiquei receitas de mousses e a história dessa deliciosa sobremesa (utilize o Busca do Blog para acessar outras receitas). As variações são inúmeras, podendo ser preparadas com diversas frutas e ingredientes.

Podem, também, ser salgadas e servidas como entrada. Em qualquer caso, lembre-se que é servida sempre fria!

Hoje eu trago uma receita tradicional dessa sobremesa, bem simples, rápida e fácil de preparar.

Mousse de limão

Ingredientes

1 envelope de gelatina sabor limão
suco de 1 limão
1 lata de leite condensado
1 lata de creme de leite
rodelas e raspas de limão para decorar

Modo de preparo

Prepare a gelatina usando metade da água indicada na embalagem. Coloque em uma travessa e leve à geladeira até endurecer.

Depois, bata a gelatina, o suco de limão, o leite condensado e o creme de leite no liquidificador até ficar uma mistura homogênea. Coloque numa forma untada com um pouco de óleo. Leve à geladeira até ficar firme. Desenforme e decore com as raspas e fatias de limão.

Sugestão: você pode variar o sabor da gelatina e acrescentar suco de frutas do mesmo sabor escolhido.

By Joemir Rosa.

Por que príncipes viram sapos

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/10/2012 by Joe

Para entender por que nos decepcionamos com o ser amado, é preciso conhecer o processo de namoro: saber o que leva a nos encantarmos sentimentalmente com alguém.

O que faz uma pessoa até há pouco tempo desconhecida se tornar tão indispensável para nós que não imaginamos mais a vida sem ela? Não há como responder integralmente a esta pergunta, mas algumas conclusões parciais podem ser úteis para cometermos menos erros.

Em primeiro lugar, as pessoas se envolvem porque se acham incompletas. Se todos nós nos sentíssemos “inteiros” em vez de “metades”, não amaríamos, pois o amor é o sentimento que desenvolvemos por quem nos provoca aquelas sensações de aconchego e de algo completo que não conseguimos ter sozinhos. A escolha do parceiro envolve variáveis intrigantes, que vão do desejo de nos sabermos protegidos à necessidade de sermos úteis ou mesmo explorados.

A aparência física ocupa um papel importante nesta fase, sobretudo nos homens, que são mais sensíveis aos estímulos visuais. Muitos registram na memória figuras que os impressionaram e que servem de base para criar modelos ideais, com os quais cada mulher é confrontada. Pode ser a cor dos olhos, dos cabelos, o tipo de seio ou de quadril. São elementos que lembram desde suas mães até uma estrela de cinema. As mulheres também selecionam indicadores do homem ideal: deve ser esbelto ou musculoso, executivo ou intelectualizado, voltado para as artes e assim por diante. Todos esses ingredientes incluem elementos eróticos e se transformam, na nossa imaginação, em símbolos de parceiros ideais. De repente, julgamos ter encontrado uma quantidade significativa de tais símbolos naquela pessoa que passou pela nossa vida. E nos apaixonamos.

A fase de encantamento, no entanto, se fundamenta não só em aspectos ligados à aparência, mas também no que há por dentro. No entanto, uma outra situação pode ocorrer: conversamos com quem nos chamou a atenção e, devido à atração inicial e ao nosso enorme desejo de amar, tendemos a ver no seu interior as afinidades que sempre quisemos que existissem naquele que nos arrebata o coração.

Por exemplo: um rapaz franzino e intelectualizado é visto como emotivo, romântico, delicado, respeitoso e pouco ciumento. A moça se encanta com ele e espera que ele seja portador dessas qualidades. A isso chamamos idealização: acreditar que o outro tem características que lhe atribuímos. Sonhamos com um príncipe encantado – ou com uma princesa ideal – e projetamos todos os nossos desejos sobre aquela pessoa. E, quando passamos a conviver com ela, esperamos as reações próprias do ser que idealizamos.

Mas o que ocorre? É o indivíduo real que vai reagir e se comportar conforme suas peculiaridades. E é muito provável que nos decepcionemos – não exatamente por causa de suas características, mas porque havíamos despejado sobre ele fantasias de perfeição.

O erro nem sempre está no parceiro, e sim no fato de termos sonhado com ele mais do que prestado atenção no que ele realmente é. Eis aí um bom exemplo dos perigos derivados da sofisticação da mente, capaz de usar a imaginação de uma forma tão livre que a realidade jamais conseguirá alcançá-la.

By Dr. Flavio Gikovate.

Carne assada na cerveja preta

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 04/08/2012 by Joe

Sabe aquele dia que dá uma preguiça de ir pra cozinha e preparar um prato mais elaborado e demorado?

Pois bem … a receita de hoje vem para suprir esse dia!

Ela não tem história, não tem origem, não tem data! É uma daquelas deliciosas receitas caseiras, criadas por vovós ou titias que se dedicam à gastronomia com muito carinho e dedicação (sim, elas ainda existem!)!

Garanto que o prato fica saborosíssimo, apesar de sua simplicidade, podendo ter variações na sua preparação e ingredientes, ao gosto de cada um.

Então, mãos à obra … e bom apetite!

Carne assada na cerveja preta

Ingredientes

1 kg de carne bovina (acém é saborosa)
1 xícara (café) de molho de soja
1 colher (sopa) de açúcar
2 colheres (sopa) de azeite
1 copo de caldo de carne
1 copo de suco de laranja
1 copo de cerveja preta
300 g de batatas
300 g de cebola

Modo de preparo

Corte a carne em pedaços e tempere apenas com o molho de soja. Depois, em uma panela de pressão, espalhe bem o açúcar e arrume a carne sobre ele. Adicione o azeite e leve a panela ao fogo. Deixe a carne fritar, virando-a de vez em quando para que fique bem selada.

Quando a carne estiver dourada, adicione o suco de laranja, a cerveja preta e o caldo de carne. Tampe a panela e deixe cozinhar por uns 30 minutos, depois que levantar pressão, que é o tempo necessário para a carne ficar completamente cozida.

Enquanto isso, cozinhe as batatas cortadas em fatias em água com uma colher de óleo, não deixando que fiquem muito moles.

Quando a carne estiver pronta, com a panela ainda no fogo, agregue as batatas e as cebolas previamente descascadas. Tampe a panela e deixe mais 5 ou 10 minutos. A carne está pronta para ser servida.

Como acompanhamento, sugiro arroz branco e salada verde.

By Joemir Rosa.

Ingredientes para o amor

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , on 29/09/2011 by Joe

Fiquei com muita vontade de colocar o título deste texto de “Receita de Amor”. Acho que ficaria mais interessante, mas infelizmente não acredito em receitas para o amor e estaria começando com a consciência pesada. Então, resolvi dar apenas os ingredientes. A sua receita é você quem cria!

Há alguns anos, conversando com uma amiga psicóloga (Sandra Macedo) ela me disse que um relacionamento só poderia dar certo se estivesse baseado em três sentimentos. Eu, obviamente, imaginei que o primeiro seria o amor e os outros, nem teriam tanta importância. Qual não foi a minha surpresa quando ela citou os três ingredientes: admiração, respeito e confiança … e o amor ficou de fora!

Passei bastante tempo refletindo se concordava com o que ela havia dito e somente depois de alguns anos compreendi que, na verdade, aquela era a “fórmula” do amor. Ou seja, não é possível sentir e, principalmente, manter-se sentindo amor por uma pessoa caso não a admiremos, não a respeitemos e não confiemos nela!

Mas descobri que cada um de nós, quando usa essa “fórmula”, obtém o seu próprio resultado, dependendo também da combinação entre o que somos e o que o outro é! Isto é, eu posso confiar, admirar e respeitar um homem, mas nem por isso amá-lo como homem. Posso tê-lo apenas como amigo ou irmão.

Mas quando acontece uma alquimia entre a química contida em dois corações, aí sim sentimos o amor pulsar e expandir nossa existência como uma espécie de magia (embora o amor não tenha nada de mágico, mas sim de sublime)!

Na verdade, o que quero dizer é que existem muitas pessoas que acreditam estar vivendo o amor, quando na verdade estão alimentando algum outro tipo de sentimento muito aquém. Sentem-se tristes, desesperadas, perdidas, angustiadas e insistem em justificar todo esse pavor através da palavra “amor”. Sentem-se rejeitadas, desmerecidas e enganadas e, ainda assim, acreditam que amam!

Mas se essas pessoas parassem por um instante, se elas se desprendessem desses sentimentos tão dolorosos e respondessem, sinceramente, três perguntinhas, talvez descobrissem e se espantassem com o fato de que não estão vivendo o amor.

Faça o teste! Pense na pessoa que você acredita que ama. Pense na relação de vocês e responda:

1 – você admira essa pessoa? Admira o jeito dela, o caráter, a personalidade, a maneira como ela encara a vida, as atitudes dela diante dos problemas, diante das alegrias, enfim, você admira a alma dessa pessoa?

2 – você confia nessa pessoa? Você acredita que pode contar com ela, pode confiar no que ela diz? Está certo de que ela faz o possível para cumprir o que promete e está disposta a construir uma relação baseada na sinceridade e na verdade, por mais difícil que seja?

3 – você respeita essa pessoa? Considera o que ela pensa, o que ela sente e está disposta a aceitá-la, por mais diferente que ela possa ser de você? Você realmente consegue dar espaço para que ela seja como é, sem tentar o tempo todo fazer com que ela mude o seu jeito, as suas opiniões e o seu comportamento?

É … talvez você se surpreenda com suas próprias respostas. Talvez você descubra que o que sente não é amor, mas capricho, falta de auto-estima, medo de ficar sozinho, conveniência, acomodação, carência … Talvez você descubra que se acostumou com uma relação desgastante e cheia de desentendimentos, mas nunca se questionou sobre o que realmente quer.

Muitas pessoas preferem acreditar que não têm sorte no amor ou que é preferível ficar numa relação ruim a ficar sozinho, quando, na verdade, estão apenas com medo de tentar, com medo de sair em busca de um amor intenso, com medo de se livrar de uma pessoa que só lhes faz mal e perder o lugar de vítima!

É bem mais fácil ter argumentos para justificar um amor que não deu certo do que se arriscar a encontrar uma pessoa maravilhosa, companheira, sincera e profunda e ter de lidar com seus próprios defeitos, com suas próprias inseguranças e culpas.

Pois eu sugiro que você não aceite menos, não aceite pouco. Exija o melhor de você mesmo e do outro. Exija respeito, confiança e admiração. Sinta isso pela pessoa amada. Sinta isso, acima de tudo, por si mesmo! E se não puder, pare onde estiver e proponha-se a aprender e se preparar para o verdadeiro amor! Sempre há tempo … mas não demore muito!

By Rosana Braga.

Ingredientes para o amor

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , on 04/11/2009 by Joe

Ingredientes 22Fiquei com muita vontade de colocar o título deste texto de “Receita de Amor”. Acho que ficaria mais interessante, mas infelizmente não acredito em receitas para o amor e estaria começando com a consciência pesada. Então, resolvi dar apenas os ingredientes. A sua receita é você quem cria!

Há alguns anos, conversando com uma amiga psicóloga (Sandra Macedo) ela me disse que um relacionamento só poderia dar certo se estivesse baseado em três sentimentos. Eu, obviamente, imaginei que o primeiro seria o amor e os outros, nem teriam tanta importância. Qual não foi a minha surpresa quando ela citou os três ingredientes: admiração, respeito e confiança … e o amor ficou de fora!

Passei bastante tempo refletindo se concordava com o que ela havia dito e somente depois de alguns anos compreendi que, na verdade, aquela era a “fórmula” do amor. Ou seja, não é possível sentir e, principalmente, manter-se sentindo amor por uma pessoa caso não a admiremos, não a respeitemos e não confiemos nela!

Mas descobri que cada um de nós, quando usa essa “fórmula”, obtém o seu próprio resultado, dependendo também da combinação entre o que somos e o que o outro é! Isto é, eu posso confiar, admirar e respeitar um homem, mas nem por isso amá-lo como homem. Posso tê-lo apenas como amigo ou irmão.

Mas quando acontece uma alquimia entre a química contida em dois corações, aí sim sentimos o amor pulsar e expandir nossa existência como uma espécie de magia (embora o amor não tenha nada de mágico, mas sim de sublime)!

Na verdade, o que quero dizer é que existem muitas pessoas que acreditam estar vivendo o amor, quando na verdade estão alimentando algum outro tipo de sentimento muito aquém. Sentem-se tristes, desesperadas, perdidas, angustiadas e insistem em justificar todo esse pavor através da palavra “amor”. Sentem-se rejeitadas, desmerecidas e enganadas e, ainda assim, acreditam que amam!

Mas se essas pessoas parassem por um instante, se elas se desprendessem desses sentimentos tão dolorosos e respondessem, sinceramente, três perguntinhas, talvez descobrissem e se espantassem com o fato de que não estão vivendo o amor.

Faça o teste! Pense na pessoa que você acredita que ama. Pense na relação de vocês e responda:

1 – você admira essa pessoa? Admira o jeito dela, o caráter, a personalidade, a maneira como ela encara a vida, as atitudes dela diante dos problemas, diante das alegrias, enfim, você admira a alma dessa pessoa?

2 – você confia nessa pessoa? Você acredita que pode contar com ela, pode confiar no que ela diz? Está certo de que ela faz o possível para cumprir o que promete e está disposta a construir uma relação baseada na sinceridade e na verdade, por mais difícil que seja?

3 – você respeita essa pessoa? Considera o que ela pensa, o que ela sente e está disposta a aceitá-la, por mais diferente que ela possa ser de você? Você realmente consegue dar espaço para que ela seja como é, sem tentar o tempo todo fazer com que ela mude o seu jeito, as suas opiniões e o seu comportamento?

É… talvez você se surpreenda com suas próprias respostas. Talvez você descubra que o que sente não é amor, mas capricho, falta de auto-estima, medo de ficar sozinho, conveniência, acomodação, carência … Talvez você descubra que se acostumou com uma relação desgastante e cheia de desentendimentos, mas nunca se questionou sobre o que realmente quer.

Muitas pessoas preferem acreditar que não tem sorte no amor ou que é preferível ficar numa relação ruim a ficar sozinho, quando, na verdade, estão apenas com medo de tentar, com medo de sair em busca de um amor intenso, com medo de se livrar de uma pessoa que só lhes faz mal e perder o lugar de vítima!

É bem mais fácil ter argumentos para justificar um amor que não deu certo do que se arriscar a encontrar uma pessoa maravilhosa, companheira, sincera e profunda e ter de lidar com seus próprios defeitos, com suas próprias inseguranças e culpas.

Pois eu sugiro que você não aceite menos, não aceite pouco. Exija o melhor de você mesmo e do outro. Exija respeito, confiança e admiração. Sinta isso pela pessoa amada. Sinta isso, acima de tudo, por si mesmo! E se não puder, pare onde estiver e proponha-se a aprender e se preparar para o verdadeiro amor! Sempre há tempo … mas não demore muito!

By Rosana Braga

%d blogueiros gostam disto: