Arquivo de Ingredientes

Quebrando ovos

Posted in Humor, Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/04/2015 by Joe

Quebrando ovos

Chega um momento em que a relação precisa quebrar os ovos. É bom estar preparado.

Será como o trabalho doméstico: transparente. Lava-se louça, roupa, estende, retira os vincos com ferro, limpa casa, recolhe o lixo, arruma os brinquedos e os filhos nem reparam que tudo está novamente no lugar e no armário, apesar da bagunça feita recentemente. É óbvio que não vão agradecer. É o que chamo de passado secreto. Aconteceu, mas não merece memória.

Entretanto, a raiva fica: não fui valorizado e resta um desmemoriado mal-estar.

Minha namorada resolveu comer omelete. Ela já preparou o prato outras vezes em seu apartamento. Estava na minha casa e me antecipei na captura dos ingredientes, louco para agradá-la. Mas a minha menção de executar a tarefa a desagradou. Entenda, é o passado secreto. O ardiloso passado secreto. Com minha efusiva disposição, ela desconfiou de que eu não gostava de suas omeletes e que, somente agora, decorrido um ano, estava com coragem de falar.

Raciocinei que significava uma informação dispensável, meu modo era dourar os dois lados e o dela era envelopar a massa ao final, mas ela tratava o assunto com tamanha energia que até me assustou.

– “Quer que eu faça?”, perguntei.

– “Não gosta do jeito que faço?”

– “Gosto, é que eu mostraria minha predileção…”

– “Gosta nada, quem já fez omelete para você? Quer do jeito de quem? Confessa?”

– “De ninguém…”

– “Ora, vai nessa, qual é a receita? Com queijo ralado, requeijão, tomates fatiados? Por que nunca me disse que não gostava da minha omelete? Eu me sinto uma idiota…”

– “Eu gosto, só busquei uma maneira diferente!”

– “Que maneira?”

(Daí eu me danei)

Levamos mais tempo discutindo na tentativa de prevenir a discussão. A conversa durou duas horas. Duas horas sobre absolutamente nada, a não ser o medo do que não foi vivido junto. Se aliso seu umbigo, acreditará que repito um convite libidinoso com uma antiga namorada. Quanto mais a gente se entrega, maior é o pânico de estar sozinho na doação, de ser uma miragem afetiva. Tanto que, após desfiar um “eu te amo tanto”, não ouse nunca mais declarar “eu te amo” – é como se amasse menos.

O ciúme está dobrado em cada gesto, fazendo contas e pedindo estornos. Não há saída; passe manteiga na conversa, aqueça a frigideira e admire os ovos quebrados na pia.

Repare como o negócio é tinhoso. Durante as compras, no caixa, costumava perguntar se ela estava naquele momento com troco. Não falava dinheiro, mas troco. Uso troco para tudo. Para quê? Ela já formulou uma tese de que empregava o código com a ex. Igual sina em nossas rotas românticas. Relaxados, sozinhos e prontos para namorar, peço que ela me alcance o champanhe do balde:

– “Por favor, me passe a “champs”?”

– ““Champs”?”

Pronto! Feito o entrevero. Usava também esse dialeto com a ex.

O grave é que ela tem razão. Só não desejava brigar, ainda mais quando não tenho defesa. Ela poderia ser mais justa e me dar tempo para preparar uma mentira.

By Fabrício Carpinejar.

Bom-bocado

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/10/2014 by Joe

Bom-bocado

Como já comentamos anteriormente em algumas receitas, a utilização de ovos – principalmente muitas gemas – é uma característica dos doces portugueses, normalmente aqueles criados pelas freiras, em conventos. Para agradar os nobres que as visitavam, usavam uma grande quantidade de gemas que sobravam – as claras eram utilizadas para manter as roupas delas sempre bem “engomadas”.

E muitos desses doces chegaram até o Brasil e foram sendo adaptados aos novos ingredientes: coco, queijos, mandioca, frutas típicas, etc. Entre essa grande quantidade, o bom-bocado é um desses doces que foi sendo adaptado aos gostos, costumes e ingredientes locais, indo parar nas mesas de festas de aniversários, batizados e até festas juninas.

Originalmente, era preparado com uma grossa calda de açúcar, à qual misturavam muitas gemas, farinha, manteiga, amêndoas trituradas, levando-se para assar em forminhas, em banho-maria.

Da receita original, restaram apenas os ovos, o açúcar e o leite. A farinha deu lugar ao fubá e à mandioca. O queijo foi trocado pelo coco (e até mantendo uma boa convivência), e as amêndoas sumiram da receita, uma vez que era um produto importado, muito caro para os nossos padrões.

Como era um doce vendido nas ruas do Rio de Janeiro pelas escravas que as sinhás liberavam para fazer pequenos negócios, logo caiu no gosto popular e começou a rivalizar com o doce original, produzido nas cozinhas senhoriais.

Por curiosidade, Pedro I era amante de furrundum, doce de cidra ralada, gengibre macerado e rapadura; Pedro II, se amarrava no de figo feito em tacho; Rui Barbosa elegia entre os preferidos o de batata; Deodoro, bom nordestino, não resistia à compota de caju; Juscelino empregava uma doceira especializada em baba-de-moça; Tancredo Neves revelava predileção por queijadinhas e quindins.

Na literatura, Jorge Amado fez da cozinha de Gabriela e de Dona Flor a extensão de sua mesa, onde quer que estivesse morando: são muitos os doces citados por ele e atribuídos às qualidades culinárias de suas inesquecíveis personagens. Já o bom-bocado aparece nas páginas de Machado de Assis.

E a receita de hoje é justamente a citada nas obras de Machado de Assis, muito prática e fácil de preparar, e é um exemplo de como o doce adaptou-se bem aos costumes e ingredientes locais!

Bom-bocado

Ingredientes

3¼ xícaras (chá) de açúcar
1¼ xícara (chá) de água
2½ xícaras (chá) de coco fresco ralado
½ xícara (chá) de queijo parmesão ralado
5 colheres (sopa) rasadas de manteiga
½ xícara (chá) de farinha de trigo
6 ovos

Modo de preparo

Em uma panela, leve a água e o açúcar ao fogo, mexendo sempre até o açúcar dissolver bem. Cozinhe bem até a calda ficar em ponto de fio. Retire do fogo, acrescente o coco, o queijo, os ovos batidos, a manteiga e vá adicionando a farinha, mexendo com cuidado para não empelotar.

Mexa sempre até que fique uma mistura bem homogênea. Deixe esfriar um pouco.

Depois, distribua em forminhas de empada untadas e asse no forno pré-aquecido até dourar.

Retire do forno, deixe amornar para que solte das forminhas (se for preciso, utilize a ponta de uma faca, com cuidado) e sirva em temperatura ambiente.

By Joemir Rosa.

Atum à moda oriental

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/09/2014 by Joe

Atum à moda oriental

O atum é um peixe muito nutritivo! É rico em proteínas de alta qualidade, excelente fonte de nutrientes importantes como o selênio, magnésio, potássio, complexo de vitamina B, ômega-3 e outros minerais.

Os benefícios dos ácidos graxos ômega-3 para a nossa saúde são muitos, principalmente para o nosso sistema cardio-vascular, auxiliando na prevenção de ataques cardíacos, evitando a formação de coágulos, melhorando o colesterol bom e combatendo o ruim. Também reduz os níveis de triglicerídeos, controlam a pressão alta e reduzem o risco de fibrilação atrial (tipo mais comum de arritmia cardíaca).

A vitamina B6 mais o ácido fólico ajudam a reduzir os níveis de homocisteína, altamente prejudiciais para as paredes das artérias, importante fator de risco para aterosclerose.

Não bastasse tudo isso, ainda faz bem para a saúde dos nossos olhos! Os ácidos graxos ômega-3 (olha eles aí novamente!) combatem a degeneração macular do olho e a síndrome do olho seco. Estudos mais recentes relatam que o consumo de atum ajuda na prevenção de câncer de mama, de ovários, pâncreas e outros órgãos do aparelho digestivo (inclusive boca, faringe, esôfago, estômago e cólon).

E, pra finalizar, o ômega-3 ainda ajuda a combater doenças do cérebro, como mal de Alzheimer, principalmente.

Depois dessa imensa lista de benefícios desse saboroso peixe, só nos resta trazer uma deliciosa receita para este sábado. Escolhi um prato muito fácil e rápido de preparar, à moda oriental e que inclui o atum entre seus ingredientes!

Espero que gostem!

Atum à moda oriental

Ingredientes

4 dentes de alho picados
4 colheres (sopa) de azeite de oliva
400 gramas de atum em postas
8 colheres (sopa) de sementes de gergelim
10 edamames (grãos de soja ainda na vagem) pré-cozidos
1/2 cenoura média bem picada
4 ramos de cebolinha picados
1/2 cebola fatiada
4 colheres (sopa) de vinagre de arroz
6 colheres (sopa) de vinagre balsâmico
1 tomate, sem sementes, em cubinhos
1/2 avocado médio, cortado em cubinhos
cebolinha fatiada

Modo de preparo

Em uma frigideira, frite o alho na metade do azeite. Reserve.

Em um prato, passe as postas de atum nas sementes de gergelim (reserve um pouco para decorar) até que fiquem cobertas por inteiro. Aqueça uma chapa de ferro ou frigideira com o azeite restante e sele as postas de atum, virando-as de um lado para o outro, por cerca de dois minutos. Reserve.

Com as mãos, esprema as vagens do edamame para retirar os feijões de soja. Em outra frigideira, em fogo baixo, aqueça a cenoura, a cebolinha, a cebola, o alho frito e os feijões de soja. Aos poucos, junte o vinagre de arroz e o balsâmico. Misture por um minuto. Acrescente o tomate e o avocado. Misture bem.

Em um prato, disponha a cebolinha fatiada e, por cima, as postas de atum. Cubra com o mix de vegetais e decore com as sementes de gergelim reservadas. Se preferir, sirva com arroz.

By Joemir Rosa.

Fricassé de carne moída

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/08/2014 by Joe

Fricassê de carne moída

Um dos meus pratos prediletos, de origem francesa, é o fricassé!

E como quase todas as receitas cujas origens se perdem no tempo, existem inúmeras variações, todas adaptadas às regiões, ao acesso a ingredientes normalmente encontrados e até ao gosto de cada um.

Depois do enorme sucesso do fricassé de frango com batata palha – uma das receitas mais buscadas no blog – hoje eu trago uma variação desse delicioso prato, cujo resultado final é bem cremoso, daqueles que se desmancham na boca!

Com base em algumas variações de receitas do fricassé de frango, apresento esta deliciosa versão: o fricassé de carne moída! Um pouco diferente da preparação da versão de frango, garanto que irá agradar a todos os paladares! Muito fácil e rápido de preparar!

Fricassé de carne moída

Ingredientes

1 colher de azeite
3 dentes de alho picados
2 cebolas pequenas picadas
500 gr de carne moída
sal e pimenta do reino a gosto
1 lata de milho verde com a água
1 copo de requeijão
1 lata de creme de leite
200 gr de mussarela ralada
100 gr de azeitonas verdes fatiadas
140 gr de batata palha

Modo de preparo

Em uma panela quente, coloque o azeite, o alho, uma cebola e refogue a carne moída até que fique dourada. Adicione o sal e a pimenta doreino, as azeitonas verdes fatiadas e misture bem.

No liquidificador, bata a o milho verde com a água, a outra cebola, o creme de leite e o requeijão, até obter um creme bem homogêneo.

Unte um pirex ou forma, disponha a carne refogada, espalhe bem o creme batido de forma uniforme. Em seguida, polvilhe a mussarela ralada sobre o creme e, em seguida, a batata palha.

Leve ao forno pré-aquecido por un 15 ou 20 minutos, até que o queijo esteja bem derretido.

Sirva com salada verde e/ou arroz branco.

By Joemir Rosa.

Frozen Hot Chocolate

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/07/2014 by Joe

Frozen Hot Chocolate

Em Nova York há um restaurante chamado Serendipity III que, na década de 1950, conquistou muitos fãs, como Marilyn Monroe, Grace Kelly, Tennessee Williams, Jackie Kennedy, Andy Warhol, e mais recentemente, Tom Cruise e Meg Ryan, entre outros. O site do restaurante tem até uma área contando a história e a passagem de celebridades por ali.

Mas a fama do restaurante explodiu mesmo quando ele apareceu, com muito destaque, no programa das “Favorite Things” da Oprah Winfrey. Foi nesse programa que Oprah recomendou o tradicional “Frozen Hot Chocolate” (Chocolate Quente Gelado).

A partir daí, virou uma febre, e cerca de 10 mil turistas e americanos consomem essa deliciosa sobremesa a cada mês!

A partir daí, virou uma febre, turistas e cidadãos americanos consomem milhares de litros dessa deliciosa sobremesa cremosa a cada ano!

Como a receita original é segredo do restaurante, muitos chefs e aventureiros começaram a testar ingredientes em diferentes quantidades até chegar próximo da famosa sobremesa!

Todd Wilbur é um chef que cria clones de receitas famosas americanas e chegou a um ótimo resultado.

Assim, hoje eu trago a receita dessa deliciosa sobremesa cremosa que faz tanto sucesso em Nova York! Espero que gostem!

Frozen Hot Chocolate

Ingredientes

1/3 de xícara (chá) de açúcar
1/3 de xícara (chá) de leite em pó desnatado
3 colheres (sopa) de cacau em pó
1 pitada de sal
1 xícara (chá) de leite
3 xícaras (chá) de cubos de gelo
chantilly a gosto para decorar
aparas de chocolate meio-amargo

Modo de preparo

Em um recipiente, coloque o açúcar, o leite em pó desnatado, o cacau, o chocolate em pó e a pitada de sal. Misture tudo muito bem.

Coloque o leite no liquidificador, despeje a mistura de ingredientes secos e os cubos de gelo. Bata bem em velocidade alta até que o gelo se desfaça completamente e obtenha uma mistura bem homogênea.

Despeje em taças ou copos altos, decore com o creme chantilly e as aparas de chocolate. Sirva com canudos.

By Joemir Rosa.

Pão de queijo

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 14/06/2014 by Joe

Pão de queijo

Muitas são as histórias sobre a possível origem do pão de queijo. Uma delas conta que seu início teria sido no interior de Minas Gerais, por volta do século XVIII. Outros contam que a receita já era preparada há mais tempo com a goma da mandioca no lugar do polvilho doce.

O que acontecia era que na época dos escravos, nas fazendas de Minas Gerais, era costume servirem café e pão para os senhores. Porém, a qualidade da farinha que chegava às fazendas naquela época era de péssima qualidade e as cozinheiras começaram a substituí-la pelo polvilho.

Como havia fartura de queijo nesse período – acabava até endurecendo e jogado fora – as cozinheiras começaram a ralar e utilizar na receita dos pães feitos com polvilho. Nasciam, então, os primeiros pães de queijo mineiros, conhecidos até os dias de hoje.

Todos os ingredientes utilizados para preparar a receita eram produzidos nas fazendas de Minas Gerais e os pães de queijo eram assados em fogão a lenha, servidos sempre quentinhos, já que, quando frio, eles endureciam como o queijo.

Com o tempo, essa delícia passou a fazer parte da rotina dos mineiros e criou-se o hábito de comê-lo sempre após as refeições, além de saboreá-lo com café. Daí para frente, a receita se espalhou para Goiás, depois por todo o país e, finalmente, ganharam o mundo.

Atualmente o pão de queijo é exportado para outros países como Estados Unidos, Portugal, Itália e Japão onde são muito apreciados.

A receita deste sábado é a mais tradicional possível, sendo que existem pequenas variações, dependendo da região ou de quem prepare!

Pão de queijo

Ingredientes

500 g de polvilho doce
5 ovos grandes
50 g de queijo parmesão ralado
50 g de queijo minas ralado
1 copo de leite
1 copo de água
3/4 copo de óleo
1 colher (sopa) rasa de sal

Modo de preparo

Coloque o leite, o sal, a água e o óleo para ferver. Quando levantar fervura, despeje lentamente sobre o polvilho, previamente colocado em um recipiente. Misture muito bem e deixe esfriar.

Quando a massa estiver fria, vá adicionando os ovos, um a um. Vá sovando bem a cada adição. A massa irá grudar nas mãos mesmo. Junte o queijo ralado e misture bem.

Faça bolinhas com as mãos untadas com óleo e vá colocando sobre uma assadeira forrada com papel manteiga. Deixe as bolinhas bem separadas uma das outras porque crescem bastante.

Leve ao forno quente pré-aquecido até corarem levemente. As bolinhas podem ser congeladas cruas e assadas congeladas mesmo!

Sugestão: em vez do queijo parmesão, use queijo Canastra ou Araxá.

By Joemir Rosa.

Costela suína ao molho barbecue

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 07/06/2014 by Joe

Costela suína ao molho barbecue

Sabe aquela costela ao molho barbecue, servida naquele famoso restaurante, cujo preço dá para preparar o triplo em casa, sem muito trabalho?

Pois é… a receita deste sábado é justamente esse prato, saborosíssimo e muito fácil de preparar! E, aproveitando que o Dia dos Namorados está próximo, este prato é ideal para um jantar romântico, regado a um bom vinho tinto e à luz de velas!

Que tal você – namorado ou namorada, marido ou esposa, amigo ou amiga – fazer uma surpresa, preparar este prato e mostrar que não é tão difícil assim entrar na cozinha e mostrar todos seus dotes culinários?

Naturalmente – e como eu sempre comento nas receitas – existem diferentes formas de se preparar esta costela e o molho barbecue. Esta receita é uma forma mais simples – sem a necessidade de levar a carne à churrasqueira – mas nem por isso menos saborosa.

O molho barbecue – abreviado para BBC, em inglês – é o nome genérico de uma variedade de molhos de sabor forte, habitualmente empregados em churrascos e outros pratos com base em carne assada. Menos frequentemente, acompanha outros alimentos, como por exemplo, a batata frita e certas pizzas, por vezes substituindo o molho de tomate.

A sua preparação inclui ingredientes doces e ácidos. Via de regra enfatiza-se o sabor defumado típico do churrasco. A receita varia, mas ingredientes típicos incluem o molho de tomate, vinagre, especiarias e adoçantes.

Seu uso como acompanhamento para carne de porco e de frango é particularmente tradicional nos Estados Unidos.

Bom… vamos à receita? É bem simples, basta seguir as etapas abaixo!

Costela suína ao molho barbecue

Ingredientes

1 kg de costela de porco
1 colher (sopa) de óleo
2 dentes de alho triturados
1 cebola pequena picada
4 colheres (sopa) de açúcar mascavo
150 ml de vinagre de vinho tinto
250 g de nolho de tomate pronto
100 ml de refrigerante de Cola
1 tablete de caldo de carne
pimenta do reino a gosto
uma pitada de noz-moscada
1 folha de louro
1/2 colher (sopa) de pó de café

Modo de preparo

Prepare e limpe a costela, tirando o excesso de gordura que recobre a carne. Não precisa salgar a carne pois o molho é bem temperado.

Em uma panela quente, coloque o óleo, deixe esquentar e comece a colocar os ingredientes: primeiro o alho (deixe fritar), a cebola (frite até ela amolecer), adicione o açúcar aos poucos e vá mexendo ate obter um caramelo. Em seguida, adicione lentamente o vinagre, sempre mexendo, e deixe ferver para que todo o álcool evapore.

Adicione o molho de tomate, o refrigerante de Cola, o tablete de caldo de carne, a pimenta do reino, a noz-moscada e a folha de louro. Vá mexendo até ferver. Por último, coloque o pó de café – que dará um sabor defumado ao molho – misture bem e deixe cozinhar até o molho reduzir. Ao final, deverá obter um molho com aspecto e consistência de catchup, pois assim a água se evapora totalmente e o sabor dos temperos fixa mais.

Pegue uma assadeira em que caiba a costela, forre com papel-alumínio de forma que o papel possa ser dobrado de cada lado da costela. Espalhe um pouco do molho sobre o papel, coloque a costela sobre ele e espalhe o restante do molho sobre a carne.

Dobre as beiradas do papel-alumínio, fechando bem e leve ao forno pré-quecido a 180 graus por uma hora (a proporção é, mais ou menos, de uma hora pra cada kilo de costela). Abra o papel alumínio e deixe mais meia hora para dar uma tostada na carne. Caso tenha sobrado molho, espalhe por cima. O ponto certo da carne é quando você puxar um ossinho da costela e ele se desprender sem dificuldade (em hipótese alguma, coma carne de porco mal passada).

Sirva com batatas assadas e legumes cozidos! Complete o clima com um bom vinho tinto!

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: