Arquivo para Influência

Corrupção

Posted in Atualidade with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/08/2015 by Joe

Corrupção

O pensamento a seguir é de autoria da filósofa russo-americana Ayn Rand, judia, fugitiva da revolução russa, que chegou aos Estados Unidos na metade da década de 1920, mostrando uma visão com conhecimento de causa.

Será que nos lembra de alguma sociedade mais moderna?

Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada;

Quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores;

Quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você;

Quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em autosacrifício…

Então, poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada!

By Ayn Rand.

Anúncios

Para estar junto é preciso estar só

Posted in Reflexão, Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 18/02/2015 by Joe

É preciso estar só

Antes de estar com alguém, estamos junto com nós mesmos. E, eventualmente, temos medo do silêncio, acumulamos informação nas paredes, usamos ajuda para relaxar a mente, ficamos desconfortáveis na multidão. Evitamos nossa primeira companhia, buscando a resposta além, ansiando sentirmo-nos completos por uma promessa de felicidade.

Grande influência para nosso comportamento é o Romantismo, que nos visita nas comédias românticas, novelas, brinquedos de crianças e cantigas desde a primeira infância, e catequiza gerações desde Shakespeare a fazer das decisões da vida um drama, viver o presente ou desejar o fim de todo sofrimento. É a arte do sonho e da fantasia. Graças a ele, somos incentivados a ansiar nosso lugar ao sol. Mas, também devemos lembrar dos perigos de viver na terra das fadas, e negar a realidade.

Nascemos sós, com nossa consciência e o céu. E não há nada de estranho em estar no cinema desacompanhado. Precisamos nos compreender, para compreender o outro. Contemplar em silêncio os sons da cidade faz parte de integrar-se com o mundo, e aceitar que somos parte dele: quanto de você está presente na chuva lavando a calçada. Como você sente seus pés. Como sente o coração. Investir tempo para responder honestamente se você é feliz.

O maior estranhamento que podemos causar em alguém é perguntar o quanto ela é feliz. Contudo, poucas coisas são tão absolutas quanto a felicidade. Dizer que ela independe do dinheiro, do trabalho, não é novidade. Mas, vale reforçar que ela depende somente dos nossos olhos.

Dessa forma, não existe nenhum amor que nos torne completos. Porque a resposta não é essa. A resposta somos nós mesmos. Estar com alguém pode ser mais solitário que aceitar o fim. E crer que a felicidade virá junto com um Messias romântico prometido é frustrante.

Entramos inteiros ou partidos numa história, mudamos por próprio mérito para menos ou para mais, e é isso. O romantismo é saudável, mas quanto dele é um desespero por algo grandioso na vida, simplesmente para jogarmos a bola para alguém. O companheirismo de uma vida é, definitivamente, grandioso; que o diga Tarcísio Meira e Gloria Menezes, Jorge Amado e Zélia Gatai. Mas, e quando amamos estar apaixonados mais do que o objeto do nosso afeto. A maior prova está em “amor à primeira vista”, que é o cúmulo do não amor, e cujo sucesso depende inteiramente da sorte. Beleza, caráter, coragem, inteligência não são correlacionados, não é estatística. Insistimos em “riscos” desnecessários ao adotarmos estratégias levianas e depois lamentamos tanto azar. Por desespero de quê? Nutrimos relações destrutivas e sofremos por acabar destruídos.

Amar é estar em paz consigo mesmo. E estar em paz já é um grande desafio. Nenhuma resposta mágica aparece junto com o amor. Pelo contrário. Aparecem mais perguntas e desafios. Então, se você acha que sua rotina demanda muito, deveria evitar mais uma tribulação.

Se não, tornamo-nos vítimas de clichês e nada mais acontece.

Para estar junto é preciso primeiro saber estar só. Estar feliz consigo mesmo. Porque não é mérito de mais ninguém, que não você, como vai a sua vida. Companheiro ou santo nenhum têm poder de salvar nossas peles, podem dar o exemplo. Que tal?

Para estar junto é preciso primeiro respeitar o contorno do próximo. Não se fundir a ele e virar uma massa amorfa, com consciência coletiva. Casais são duas unidades juntas, mas são unidades.

O ser humano é tão rico e misterioso, devemos explorar nosso potencial e melhorar o mundo, e evitar caber numa caixinha etiquetada. Somos únicos e infinitos. Somos sós e completos. Ainda assim, escolhemos voar juntos. E isso é fantástico! Mas, para que a vista seja boa, é preciso criar força nas asas e dar nosso primeiro salto sós.

By Tamara Ferreira.

Otimismo

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/10/2014 by Joe

Otimismo

Sempre estava de bom humor e as suas palavras eram positivas e animadoras. Motivava aqueles que tinham a sorte de estar ao seu lado. Irradiava otimismo e, por isso, era muito agradável trabalhar com ele. Se alguém tinha alguma dificuldade, animava aquele que padecia a ver o lado positivo da situação.

Certo dia, sem meia tinta, perguntei-lhe abruptamente:

– “Como é possível que esteja sempre otimista? Como consegue ver a realidade constantemente de um modo tão positivo? Onde busca essa alegria que irradia à tua volta?”

A sua resposta, que me ficou gravada na memória e ainda hoje tem influência no meu modo de encarar a vida, foi a seguinte:

– “Todos os dias, quando me levanto de manhã, digo a mim mesmo que tenho duas opções para esse dia: deixar-me levar pelo mau humor ou, pelo contrário, esforçar-me por estar de bom humor. Como sou livre, escolho conscientemente a segunda opção.

“Quando me acontece algo de mal durante o dia, digo a mim mesmo que tenho duas opções: escolher o papel de vítima ou, pelo contrário, esforçar-me por aprender alguma coisa com aquilo que me aconteceu. Como sou livre, escolho conscientemente a segunda opção”.

Quando ouço alguém se queixar da vida, digo a mim mesmo que tenho duas opções: associar-me às suas lamentações ou, pelo contrário, esforçar-me por ver o lado positivo de cada situação. Como sou livre, escolho conscientemente a segunda opção.”

– “Mas isso não é tão fácil assim, é?” – respondi-lhe.

– “Também não é tão difícil como parece” – foi a sua contestação imediata. E continuou:

– “A vida é uma escolha constante. As atitudes que tomamos diante dela também o são. É uma decisão de cada um de nós escolher como viver a sua vida. E também é uma decisão de cada um de nós escolher a atitude que vai ter diante daquilo que nos acontece na nossa vida. Como somos livres, temos de escolher conscientemente a melhor opção.”

É verdade que esta história é demasiadamente fantasiosa. No entanto, é um relato que nos faz pensar que a nossa vida é, de algum modo, uma escolha constante.

Não façamos tragédias por tudo e por nada! A vida não é tão má como, às vezes, gostamos de a pintar!

Se há coisas que não nos correm bem, também há outras que são maravilhosas e que nem nos damos conta disso.

Ao olhar para o mundo que nos rodeia, não nos esqueçamos dessa bondade natural que possui por ter sido criado por Deus. Se a aceitarmos, desaparecerão muitos desânimos no nosso viver quotidiano, mesmo no meio das dificuldades.

E as pessoas à nossa volta nos agradecerão por serem contagiados por essa alegria de viver.

By Pe. Rodrigo Lynce de Faria.

Sabotadores invisíveis

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 26/03/2014 by Joe

Crenças limitantes

Muitas pessoas não conseguem ter o reconhecimento e o sucesso que elas gostariam. Às vezes, pessoas menos inteligentes e dedicadas conseguem ir bem mais longe!

Isso causa muita frustração porque parece muito injusto, não faz sentido que seja assim. Talvez você já tenha se sentido dessa forma. Entretanto, existem razões bem definidas que levam isso a acontecer. E essas causas vão muito além da inteligência racional e da questão do nosso esforço pessoal.

O fato é que você pode ter várias objeções inconscientes contra o seu crescimento. E essas objeções vão fazer você simplesmente se sabotar. São as crenças que você carrega que levam você pra direção contrária do sucesso e prosperidade. Existem inúmeras, centenas delas. Vou detalhar aqui algumas.

Uma objeção interna que você pode ter contra ter mais sucesso pode vir do pensamento: “Pessoas ricas e bem sucedidas trabalham muito e não tem paz interior”. O que é que o seu inconsciente faz então pra ajudar você? Ele trata de afastar você do sucesso. Afinal, ele está lhe protegendo pra que você não se torne alguém que só trabalha e não tem paz.

No nível racional você deseja crescer. Só que, no nível inconsciente você tem essa objeção. E o nosso inconsciente é muito poderoso, muito esperto. Até por que ele é bem mais vasto do que a parte consciente racional. Se você pensar na figura de um iceberg, a parte consciente é a que fica acima da água, enquanto que a parte inconsciente é representada pela parte submersa, muito maior.

A partir disso o seu inconsciente começa a trabalhar contra o seu sucesso. Ele vai influenciar nas suas escolhas, nas suas ações para que você não tenha chance de ser bem sucedido. A missão dele é proteger você a qualquer custo. E ele é muito bom nisso!

Se por acaso você entrar num caminho que pode levá-lo a ser bem sucedido, seu inconsciente vai dizer: “O que é que esse cara está fazendo? Ele vai ter sucesso e se ele fizer isso vai se tornar uma pessoa sem paz, eu tenho que impedir a todo custo”. E aí o inconsciente vai utilizar todas as armas para impedir você.

Ele pode fazer com que você sinta preguiça e falta de energia. Ele pode fazer você procrastinar as coisas importantes. Ele pode fazer você escolher um sócio que só vai trazer problema. Ele faz você gastar mais do que deveria para não ter como investir. Ele vai fazer você abrir um negócio no pior momento. Ou então vai dizer que agora não é o momento ideal, e fica repetindo isso para sempre. Sutilmente ele vai interferir em todas as suas decisões e ações para garantir que você não tenha sucesso. E então as coisas nunca andam conforme você gostaria, e parece tudo azar, má sorte…

E você se esforça, usa a sua inteligência, toda a sua força de vontade para tentar crescer, mas o que você não percebe é que tudo que você pensa e faz já vem impregnado com a influência do inconsciente. Cada objeção interna que você tem contra a prosperidade vira um jogador que trabalha no time da sabotagem. Cada crença limitante que você carrega reforça esse time.

Vá somando as crenças: dinheiro causa discórdia na família; o sucesso deixa você escravo dele; as pessoas só vão se aproximar por interesse; dinheiro é sujo; o dinheiro é o mal do mundo; o dinheiro muda as pessoas para pior.

Tem crenças ainda ligadas à espiritualidade: dinheiro afasta do caminho espiritual; pensar em crescimento material é coisa de pessoas egoístas que não evoluíram; para ser bom eu tenho que me doar o tempo todo, receber não é bom; só o espiritual é que é importante, etc.

Crenças ligadas à autoestima: eu não tenho capacidade; eu não posso; quem sou eu pra merecer; coisas boas não são pra mim, etc. E o seu inconsciente vai trabalhar para comprovar essas crenças que você guarda como verdades.

E tem muitas outras…

Quando você ve alguém que é muito competente e dedicado, mas que não tem um sucesso à altura, pode ter certeza, essa pessoa está cheia desses sabotadores invisíveis. E quando você ve alguém que nem tem tanta competência assim, mas que é bem sucedido, pode ter certeza, essa pessoa está muito mais liberta de crenças limitantes.

By Andre Lima, engenheiro, palestrante, ministra cursos presenciais e online sobre a EFT – Emotional Freedom Techniques, uma técnica revolucionária, simples e eficaz, para limpeza e cura de todos os tipos de emoções, pensamentos e crenças limitantes. E-mail: andre@eftbr.com.br.

Olhando para trás

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 08/01/2014 by Joe

Olhando para trás

Para se viver plenamente a vida é preciso olhar para a frente, mas para se compreender a vida é necessário olhar para trás.

Daqui a alguns anos, ao olhar para trás e contemplar o dia de hoje, como você se sentirá a respeito desse dia? Por acaso será relembrado como um dia para ser relembrado? Haverá alguma coisa no dia de hoje que fará com que venha a ser diferente de todos os demais? Mais importante ainda: você irá contemplar esse dia com alegria, ou com um peso no coração?

Existem muitas coisas no dia de hoje sobre as quais você não tem controle algum. Contudo, a realidade é que, a par disso, existem outras coisas que você pode controlar. Você tem hoje a oportunidade de tornar esta data memorável. E ainda mais: a chance de fazer com que esse dia venha a acrescentar valores preciosos não apenas à sua vida, mas também à vida de outras pessoas.

Pense: o que você faria hoje, capaz de contribuir para exercer uma influência realmente positiva sobre o resto da sua vida, e talvez inclusive muito além dela?

Hoje é a oportunidade de começar a fazer tal diferença.

Uma vez que o dia de hoje se encerre, nunca mais irá voltar. No entanto, pelo fato dele ainda estar presente, você tem diante de si um mundo de oportunidades. Esta é sua única chance de decidir e agir segundo a melhor, entre todas as possibilidades.

Sua reflexão em relação ao dia de hoje – daqui a alguns anos – irá depender da maneira com que você exercitar suas atitudes agora!

E você? Vai ficar parado aí lendo e apenas achando o texto ótimo ou vai começar a mudar de atitudes?

Desconheço a autoria!

Maledicência

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23/07/2013 by Joe

Maledicência

Toda pessoa não suficientemente realizada em si mesma tem a instintiva tendência de falar mal dos outros.

Qual a razão última dessa mania de maledicência? É um complexo de inferioridade unido a um desejo de superioridade: diminuir o valor dos outros dá-nos a grata ilusão de aumentar o nosso valor próprio.

A maioria dos homens não está em condições de medir o seu valor por si mesma. Necessita medir o seu próprio valor pelo desvalor dos outros. Esses homens julgam necessário apagar luzes alheias a fim de fazerem brilhar mais intensamente as suas próprias luzes. São como vagalumes que não podem luzir, senão por entre as trevas da noite, porque a luz das suas lanternas fosfóreas é muito fraca.

Quem tem bastante luz própria não necessita apagar ou diminuir as luzes dos outros para poder brilhar. Quem tem valor real em si mesmo não necessita medir o seu valor pelo desvalor dos outros. Quem tem vigorosa saúde espiritual não necessita chamar de doentes os outros para gozar a consciência da saúde própria.

As nossas reuniões sociais, os nossos bate-papos são, em geral, academias de maledicência. Falar mal das misérias alheias é um prazer tão sutil e sedutor – algo parecido com whisky, gin ou cocaína – que uma pessoa de saúde moral precária facilmente sucumbe a essa epidemia.

A palavra é instrumento valioso para o intercâmbio entre os homens. Ela, porém, nem sempre tem sido utilizada devidamente. Poucos são os homens que se valem desse precioso recurso para construir esperanças, balsamizar dores e traçar rotas seguras. Fala-se muito por falar, para “matar o tempo”.

A palavra, não poucas vezes, converte-se em estilete da impiedade, em lâmina da maledicência e em bisturi da revolta. Semelhantes a gotas de luz, as boas palavras dirigem conflitos e resolvem dificuldades. Falando, espíritos missionários reformularam os alicerces do pensamento humano. Falando, não há muito, Hitler hipnotizou multidões, enceguecidas que se atiraram sobre outras nações, transformando-as em ruínas.

Guerras e planos de paz sofrem a poderosa influência da palavra. Há quem pronuncie palavras doces, com lábios encharcados pelo fel. Há aqueles que falam meigamente, cheios de ira e ódio. São enfermos em demorado processo de reajuste. Portanto, cabe às pessoas lúcidas e de bom senso, não dar ensejo para que o veneno da maledicência se alastre, infelicitando e destruindo vidas. Pense nisso!

Desculpemos a fragilidade alheia, lembrando-nos das nossas próprias fraquezas. Evitemos a censura. A maledicência começa na palavra do reproche inoportuno. Se desejamos educar, reparar erros, não os abordemos estando o responsável ausente. Toda a palavra torpe, como qualquer censura contumaz, faz-se hábito negativo que culmina por envilecer o caráter de quem com isso se compraz. Enriqueçamos o coração de amor e banhemos a mente com as luzes da misericórdia divina. Porque, de acordo com o Evangelho de Lucas, “a boca fala do que está cheio o coração”.

Pensemos nisso!

By Huberto Rohden, do livro “A essência da amizade”.

Criando sua realidade

Posted in Ciência, Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/05/2013 by Joe

O poder criativo da mente

Desde as mais remotas civilizações, dos mais antigos pesquisadores, o homem sempre procurou conhecer o quinto elemento, o éter. Este recebeu diversos nomes diferentes de acordo com as civilizações do mundo, como Ki, Chi, Prana, Quinta Essência, entre tantos outros.

Estamos falando da energia cósmica, a força vital que é o princípio da vida no universo.

O objetivo deste texto não é entrar em um detalhamento científico profundo, mas apenas oferecer informações suficientes para que você compreenda que manipulamos essa força o tempo todo. Conscientes ou não, estamos a todo momento exercendo influência sobre a forma com que essa energia se manifesta e se propaga.

Você já pensou qual é a força que mantém os planetas, os sóis e as estrelas arranjados e distanciados da forma que estão? Você já parou para refletir sobre o que mantém o arranjo geométrico de cada molécula de qualquer substância química?

A resposta é simples: a energia cósmica!

Observe que não é novidade para ninguém um fato: neste universo tudo é energia. Porém, quando estudamos a fundo uma amostra de matéria, como por exemplo uma cadeira, percebemos, que na estrutura do material que formou o artefato encontramos moléculas, que por sua vez são constituídas de átomos. Estes são formados por elétrons, partículas em constante movimento. Portanto, o que temos como matéria na sua concepção básica trata-se de energia arranjada em diferentes formas.

A energia cósmica permeia todos os espaços vazios, sustentando o arranjo de cada estrutura. Sim, tudo é energia!

Até aqui temos uma definição básica bem conhecida. À partir daqui podemos reconhecer nitidamente que nossos pensamentos têm a capacidade de influenciar a matéria. Muitos fenômenos que ocorrem em nosso dia-a-dia acontecem em decorrência de estímulos provocados sobre a energia cósmica.

Quando provocamos alterações na vibração da matéria, podemos reconhecer os seguintes acontecimentos:

– Ao tocar a corda de um violão, sua oscilação provocará um movimento em determinada frequência e, em consequência, surgirá o som. Neste caso, o som é uma variação da vibração da energia cósmica.

– Aumentando o estímulo da vibração em um material, como uma barra de ferro, por exemplo, obteremos o calor.

– Gerando um estímulo de maior frequência ainda, em um filamento metálico, por exemplo, obteremos a luz.

Essas são apenas algumas formas de demonstrar diferentes manifestações dessa energia que constrói continuamente o universo.

E qual a relação dessa energia com a capacidade de criar nossa realidade?

Ocorre que um estímulo de maior frequência que a vibração da luz pode ser promovido pelo pensamento focado, concentrado.

Todo pensamento, quando bem definido, poderá oferecer uma vibração própria, com base na natureza de seus elementos. Na prática: o seu pensamento produz uma vibração que influencia diretamente a energia cósmica. Assim como a corda de um violão produz um som, seus pensamentos produzem uma vibração.

Toda matéria ou energia sentirá a influência de seus pensamentos. À partir disso, todos os pensamentos podem aproximar ou distanciar energias de mesmo padrão (mesma frequência) pelo princípio da atração magnética. Segundo alguns pesquisadores, é essa a força magnética que aproximou dois átomos de hidrogênio para darem início à formação física do mundo que conhecemos.

Portanto, entenda que a energia emitida por seus pensamentos pode alterar o estado natural de tudo, seja matéria ou energia. Depois disso, tanto matéria ou energia continuarão a atrair magneticamente mais elementos de mesma vibração, pois tudo no universo está interligado.

Esse é o começo de tudo, a fonte na qual se apoia toda a teoria acerca da força do pensamento positivo. Se ele pode alterar a energia cósmica que sustenta a vida no universo, obviamente poderá influenciar a ordem de qualquer matéria, independente de distância, tempo, direção, porque é a força de vida que está em tudo e age sobre todos.

Conhecendo essa lei natural e usando-a com discernimento e disciplina, podemos curar doenças, aproximar novidades, criar bem-aventurança, paz, harmonia, prosperidade e cultivar o amor, a mais sublime das variações da energia cósmica.

Com essa noção, nos resta aprender a criar pensamentos que despertem emoções intensas na direção de nossas metas. Essa energia gerada formará um padrão vibratório específico, como um campo de força ao seu redor. Pela ação dessa força de atração magnética, esse campo de energia (criado por você) passará a atrair elementos, materiais ou imateriais, físicos ou extra-físicos, de mesma frequência.

Daí a importância de quando você quiser algo para sua vida, que você feche os olhos e procure imaginar como seria se seu desejo já tivesse sido realizado. Para criar realidades que você deseja, antes você precisará criá-la em sua mente, em seus sentimentos. Quando conseguir sentir a sensação dos objetivos alcançados, mesmo que fisicamente ainda não esteja em suas mãos, você já terá dado início à sua criação consciente.

Essa é a chave de tudo!

By Bruno J. Gimenes, professor e palestrante.

%d blogueiros gostam disto: