Arquivo para Grãos

Pequenos gestos

Posted in Inspiração, Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/03/2013 by Joe

Sorrindo

É curioso observar como a vida nos oferece resposta aos mais variados questionamentos do cotidiano! Vejamos:

– A mais longa caminhada só é possível passo a passo…

– O mais belo livro do mundo foi escrito letra por letra…

– Os milênios se sucedem, segundo a segundo…

– As mais violentas cachoeiras se formam de pequenas fontes…

– A imponência do pinheiro e a beleza do ipê começaram ambas na simplicidade das sementes…

– Não fosse a gota e não haveria chuvas…

– O mais singelo ninho se fez de pequenos gravetos e a mais bela construção não se teria efetuado senão a partir do primeiro tijolo…

– As imensas dunas se compõem de minúsculos grãos de areia…

– Como já refere o adágio popular, nos menores frascos se guardam as melhores fragrâncias…

– É quase incrível imaginar que apenas sete notas musicais tenham dado vida à “Ave Maria”, de Bach, e à “Aleluia”, de Hendel…

– O brilhantismo de Einstein e a ternura de Tereza de Calcutá tiveram que estagiar no período fetal e nem mesmo Jesus, expressão maior de Amor, dispensou a fragilidade do berço…

Assim também o mundo de paz, de harmonia e de amor com que tanto sonhamos só será construído a partir de pequenos gestos de compreensão, solidariedade, respeito, ternura, fraternidade, benevolência, indulgência e perdão, dia após dia…

Ninguém pode mudar o mundo, mas podemos mudar uma pequena parcela dele: esta parcela que chamamos de “Eu”.

Não é fácil e nem rápido…

Mas vale a pena tentar!

Comece por sorrir mais!

By Profª. Rita Alonso.

Kafta de forno

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/06/2010 by Joe

No ano passado, nesta data, eu comentava sobre os relacionamentos que as pessoas buscam, projetam, e como isso, na maioria das vezes, acaba virando uma arma contra os valentes “guerreiros”!

A busca por parceiros que se enquadram em moldes, muitas vezes ultrapassados, impostos por uma sociedade hipócrita, que “exige” relações estáveis e duradouras a qualquer custo, algumas delas que terminam de forma trágica!

Acredito que, ano após ano, vamos vendo os mesmos “filmes” sendo reprisados, numa eterna roda-viva sem finais felizes, a não ser o terror da solidão, da decepção, da falta de esperança e da tristeza.

Bom … quem quiser saber mais, faça uma visita ao post do ano passado para ler o texto completo.

Hoje não quero falar de relacionamentos, nem reflexões sobre a vida, nem filosofar sobre o futuro das pessoas. Afinal … hoje é sábado!!! E sábado é dia de boa gastronomia, de comer bem, de curtir uma boa companhia, um vinho gostoso pra aquecer o corpo e o coração!

Antes, um pouquinho de história …

Sabemos que os árabes e seus descendentes tiveram a acolhida no Brasil facilitada pela existência de uma identidade cultural entre os dois povos provocada pela colonização portuguesa, pois Portugal trazia forte influência desses povos incorporada a seus hábitos. A herança trazida no terreno da comida foi sem dúvida das mais estimulantes.

Eles estão entre as poucas culturas que estabeleceram uma grande afinidade entre a sua milenar comida e a estrutura familiar. Cabe às mulheres a função de providenciar o alimento, preparando iguarias saborosas e inesquecíveis. Para os proprietários de restaurantes árabes, o melhor elogio que podem receber é, sem dúvida, a afirmação de que o prato que lhe foi servido é “quase tão bom quanto o de minha mãe”!

O povo árabe tem a tradição de comer com vontade e satisfação e, segundo o costume, não é de bom-tom recusar pedidos para que se repita os pratos, mesmo comendo mais do que se pretenda.

Alguns dos hábitos alimentares se solidificaram, como a importância dada aos grãos, a utilização de temperos e especiarias, a importância da coalhada, entre outros. A partir disso, infinitas combinações foram criadas e consumidas com prazer. Os kibes e esfihas, por exemplo, são consumidos por um número incalculável de brasileiros de todas as origens.

A receita de hoje é uma variação de um prato delicioso, bem temperado e de baixa caloria: a Kafta. Normalmente, este prato é preparado sob a forma de espetos, a carne bem temperada, e grelhados.

Hoje vou colocar uma receita mais prática, rápida (afinal, Dia dos Namorados, ninguém quer gastar horas numa cozinha, certo?), deliciosa e ótima para aqueles casais (ou toda a família) que resolverem ficar em casa neste sábado gelado.

Kafta de forno

Ingredientes

1 kg de alcatra moída duas vezes
1 cebola ralada
meia xícara (chá) de salsa
caldo de um limão
2 dentes de alho socados
2 tomates em rodelas
2 cebolas em rodelas
sal e canela em pó a gosto
azeite
manteiga

Modo de preparo

Misture muito bem a carne, a cebola ralada, a salsa, o alho, o sal e o limão. Tempere com um pouco de canela e regue com azeite. Espalhe tudo em uma assadeira muito bem untada com manteiga.

Cubra com rodelas de tomate e cebola. Regue novamente com azeite, distribua pedaços de manteiga e leve para assar em forno pré-aquecido. Sirva a receita com pão sírio, acompanhado de molho de salsa.

Molho de salsa

Ingredientes

2 colheres (sopa) de salsinha picada
2 colheres (sopa) de cebolinha picada
1 pitada de sal
1 colher (chá) de azeite de oliva
1 colher (café) de suco de limão

Modo de preparo

Muito simples: misture bem todos os ingredientes e sirva.

Feliz Dia dos Namorados e Namoradas!!!

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: