Arquivo para Gado

Picanha parrilla

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/12/2014 by Joe

Picanha parrilla

Em primeiro lugar, um aviso: se você é vegetariano clique aqui!

Agora, sim, vamos falar de churrasco!

Não se sabe exatamente a origem do churrasco, mas presume-se que a partir do domínio do fogo na pré-história, o homem passou a assar a carne de caça quando percebeu que o processo a deixava mais macia. Com o tempo, as técnicas foram aperfeiçoadas, principalmente entre os caçadores e criadores de gado, dependendo sempre do tipo de carne e lenha disponíveis.

Na América do Sul, a primeira grande área de criação de gado foi o pampa, extensa região de pastagem natural que compreende parte do território do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil, além da Argentina e Uruguai. Foi ali que os vaqueiros, conhecidos como gaúchos, tornaram o prato famoso e típico.

A carne assada era a refeição mais fácil de se preparar quando se passava dias fora de casa, bastando uma estaca de madeira, uma faca afiada, um bom fogo e sal grosso, ingrediente abundante que é utilizado como complemento alimentar do gado.

A partir dali o costume cruzou as regiões e se tornou um prato nacional, multiplicando-se as formas de preparo, o que gera entre os adeptos muita discussão sobre o verdadeiro churrasco, como por exemplo, a utilização de lenha ou carvão, de espeto ou grelha, temperado ou não, com sal grosso ou refinado, de gado, suíno, aves ou frutos do mar.

O correto é afirmar que não existe fórmula exata, uma vez que cada região desenvolveu um tipo diferente de carne assada, mas, sem dúvida alguma, a imagem mais famosa no Brasil é o churrasco preparado pelos gaúchos, expressão que virou nome do cidadão nascido no estado do Rio Grande do Sul.

Dizem que a palavra churrasco não nasceu nessas paragens, sendo muito mais antiga, anterior à presença dos romanos na Península Ibérica, e que nos chegou vinda de “sukarra” (chamas de fogo, incêndio), formada por “su” (fogo) e “karra” (chama).

Este vocábulo apareceu primeiramente em castelhano sob a forma “socarrar” e ao longo dos séculos derivaram-se diversas variantes dialetais na Espanha. Na Argentina e no Uruguai o churrasco típico é chamado “asado“, e é o prato nacional de ambos os países. Tradicionalmente é feito na grelha com uso de lenha, mas também se usa carvão pela praticidade.

Os gaúchos alimentavam-se sobretudo de churrasco no pão, que está na origem do asado rio-platense. Na Argentina, o asado tradicional dos Pampas estendeu-se a toda a população, e hoje, devido à qualidade e ao preço baixo, é consumido por todas as classes sociais. É até comum ver operários preparando o prato na rua na hora do almoço.

No Brasil, churrasco se refere a toda carne assada na churrasqueira ou no estilo fogo de chão, quase sempre em grandes espetos na região sul, e grelha nas outras regiões. O tempero varia conforme o gosto e o costume local, podendo ser simplesmente sal grosso ou refinado, até as mais elaboradas fórmulas. De longe, a carne preferida é a bovina, mas também são muito apreciadas as carnes de origem suína, ovina, de aves, além de embutidos, como a linguiça.

Não vou dar aqui nenhuma fórmula para um churrasco perfeito, pois sei que todo mundo tem a sua. Por outro lado, vou sugerir um prato delicioso e muito fácil de preparar no fogão mesmo, de forma muito rápida. A picanha parrilla é um prato cuja origem pode ser atribuída aos uruguaios. Deve ser preparada com a carne cortada em pedaços altos e preparada com muito carinho!

Antes de começar, porém, algumas dicas importantes:

Picanha1. Uma boa peça de picanha deve ter em torno de 1,2 kg até 1,5 kg, no máximo.

2. Ao preparar a carne, jamais esprema com o garfo.

3. Também não fure a carne achando que, com isso, o tempero vai entrar na carne.

Isso posto, vamos à receita!!

Picanha parrilla

Ingredientes

1 peça de 1,2 kg de picanha
300 ml de vinho tinto de mesa
1 colher sopa de cominho
1 maço de tomilho fresco
3 dentes de alho
1/2 colher sopa de pimenta do reino em grãos
2 colheres sopa de sal grosso
3 colheres sopa de azeite extra-virgem

Modo de preparo

Soque o alho, as folhinhas de tomilho, o cominho e o sal em um socador até obter uma pasta. Corte a picanha em bifes de, mais ou menos, dois dedos de altura e esfregue o tempero em pasta nos dois lados da carne. Coloque-os dentro de um saco plástico limpo. Adicione a pimenta em grãos e o vinho, retire todo o ar do saco plástico, dando um nó, e deixe marinar por, pelo menos, de 4 a 6 horas.

Aqueça o azeite numa frigideira grossa e larga até ficar bem quente. Disponha os bifes nela, com alguma folga entre eles. Assim que fritarem por fora (deixe “selar” a carne), vire-os, doure mais um pouco e abaixe o fogo. Isso deve conservar a carne macia e suculenta por dentro.

Mais alguns minutos até a carne chegar ao ponto que você gosta e pronto. Retire da frigideira, deixe os bifes descansarem no prato por alguns poucos minutinhos e sirva com salada verde e batatas assadas com ervas. E depois não esqueçam de comentar o que acharam da receita, ok?

Bom apetite!

By Joemir Rosa.

O verdadeiro Eu

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 01/06/2014 by Joe

Verdadeiro Eu

Osho, mestre da meditação, disse-nos que é através dela que nos tornamos conscientes do nosso verdadeiro Eu.

Disse ele:

“O verdadeiro Eu é perigoso: perigoso para a Igreja estabelecida, perigoso para o Estado, perigoso para as massas, perigoso para a tradição, porque, uma vez que um Homem conheça o seu verdadeiro Eu, torna-se num indivíduo.”

“Deixa de pertencer à psicologia das massas; não será supersticioso e não será explorado, e não poderá ser conduzido como o gado, não poderá ser dirigido e nem comandado. Viverá de acordo com a sua luz; viverá a partir da sua interioridade.”

By Osho.

Para uma vida melhor

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 14/10/2013 by Joe

Para uma vida melhor

Um granjeiro pediu a um sábio que o ajudasse a melhorar o rendimento de sua granja. O sábio escreveu algo em um papel, o colocou numa caixa, entregou ao granjeiro e disse:

– “Leve esta caixa por todos os lados de sua granja, três vezes ao dia, durante um ano”.

E assim fez o granjeiro. Pela manhã, ao ir ao campo levando a caixa, encontrou um empregado dormindo, quando deveria estar trabalhando. Acordou-o e chamou sua atenção. Ao meio-dia, foi ao estábulo, encontrou o gado sujo e os cavalos ainda sem sua alimentação. À noite, indo à cozinha, deu-se conta de que estavam desperdiçando os alimentos.

A partir daí, ao percorrer a granja de um lado para outro com seu amuleto, encontrava coisas que deveriam ser corrigidas…

No final do ano, como combinado, disse ao sábio:

– “Deixe a caixa comigo mais um ano. Minha granja melhorou desde que estou com o amuleto!”

O sábio riu e abriu a caixa que continha um papel com a seguinte frase:

“Se queres que as coisas melhorem, deves acompanhá-las a cada instante, e bem de perto”.

By Alan Watts, filósofo e teólogo.

Picanha ao molho de mostarda

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/05/2013 by Joe

Picanha ao molho de mostarda

A picanha é um tipo de corte de carne bovina tipicamente brasileira. A origem do nome “picanha” vem de uma vara comprida utilizada pelos boiadeiros do Rio Grande do Sul e Mato Grosso para tocar o gado. Esta vara, chamada picaña (em espanhol), possuía um ferrão na ponta e servia para picar o gado na parte posterior da sua região lombar.

Com o passar do tempo esta região do animal passou a ser chamada picaña e posteriormente picanha. Recentemente, o aumento da variedade de cortes de carnes suínas originado de ações promovidas pelos suinocultores, fez surgir um novo corte para os apreciadores deste tipo de carne, que recebeu o nome de picanha suína.

Quando assada no espeto, a picanha é temperada com sal grosso, levada ao braseiro até que esteja dourada e servida em lascas cortadas de forma a “descascar” a peça ainda no espeto. Em seguida, retorna ao braseiro para chegar ao ponto de novamente ser cortada e servida.

Algumas pessoas, porém, acreditam que a peça não deve ser perfurada, pois o suco da carne tende a escapar pelo furo feito pelo espeto.

Na grelha, a picanha deve ser cortada em bifes grossos, temperados com sal grosso e dourados em ambos os lados, por, mais ou menos, 5 ou 10 minutos, até que fique com aquela aparência crocante. Em seguida, faz-se novos cortes em cada posta, desta vez na transversal.

Outro modo de preparo é em bifes de aproximadamente 2 cm. Coloca-se sal grosso 10 minutos antes de ir a grelha. Tira-se o excesso de sal e doura-se dos dois lados até o ponto desejado.

A receita de hoje, porém, foge do tradicional modo churrasco de preparar e leva esse delicioso corte ao fogão, temperado com um delicioso molho de mostarda! Ótimo para estes dias frios e chuvosos!

Picanha ao molho de mostarda

Ingredientes

1 kg de picanha
1 cebola grande picada
3/4 de xícara de mostarda marrom de boa qualidade
1/2 xíc. de azeite de oliva
2 colheres (sopa) de alho picado
2 colheres (sopa) de suco de limão
1 colher (sopa) de sementes de mostarda
2 colheres (sopa) de salsinha desidratada
1 folha grande de louro esmigalhada
1/2 colher (chá) de cominho
sal a gosto
pimenta-do-reino preta em pó a gosto
1/2 xícara de creme de leite (ou iogurte natural)

Modo de preparo

Corte a picanha em bifes de mais ou menos 2 cm de largura. Misture muito bem todos os ingredientes, exceto o creme de leite. Envolva toda a carne nesse tempero e deixe marinar por pelo menos 1 hora. O ideal é preparar de um dia para o outro e deixar a carne temperada na geladeira. Assim a carne fica mais macia e com mais sabor.

Em uma frigideira antiaderente grande, coloque os bifes junto com a marinada e deixe cozinhar em fogo bem baixo e sem tampa. A carne vai soltar água. Vire os bifes e deixe cozinhar do outro lado.

Quando a carne estiver cozida, aumente o fogo bem para alto doure um pouco os bifes dos dois lados. Neste processo, a cebola vai dar uma fritada também.

Desligue o fogo, junte o creme de leite e misture tudo muito bem.

Sirva com salada verde e/ou arroz.

By Joemir Rosa.

Maminha assada com creme de cebola

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27/04/2013 by Joe

Maminha assada com creme de cebola

Já contamos aqui, em posts passados, que a origem do churrasco ocorreu a partir do domínio do fogo pelo homem, na pré-história, quando percebeu que a carne da caça ficava mais macia e mais saborosa a partir do seu cozimento.

O tempo foi passando e as técnicas foram sendo apuradas, o homem começou a criar seu próprio gado para consumo e troca por outros produtos e bens de consumo.

Foi nos pampas gaúchos que surgiram as primeiras grandes criações de gado, pela extensa pastagem natural que compreende parte do estado do Rio Grande do Sul, Argentina e Uruguai.

E, com isso, o churrasco foi se consolidando como uma forma de alimentação prática, saborosa e muito rápida de preparar: bastava uma estaca de madeira, uma boa faca bem afiada, sal grosso (ingrediente abundante por se tratar de complemento alimentar do gado) e fogo!

A partir dali o costume se espalhou por todas as regiões e se tornou um prato nacional, variando as formas de preparo, os temperos, os acompanhamentos e muita discussão sobre a utilização de lenha ou carvão, sal grosso ou refinado, espeto ou grelha, carne de gado, suino ou aves, etc.

Como não existe fórmula certa, o correto é afirmar que cada um deve preparar segundo seu gosto, as tradições de sua região!

O prato que trago hoje é uma variação na forma de preparo da carne, desta vez não diretamente no fogo, mas assada no forno e regada com um delicioso creme de cebolas! Para variar, muito fácil de preparar e saborosíssima!!!

Maminha assada com creme de cebola

Ingredientes

1,5 kg de maminha em um pedaço
6 dentes de alho picados
sal e pimenta do reino a gosto
1 xícara (chá) de caldo de carne

Molho

2 cebolas grandes picadas
2 colheres (sopa) de manteiga
1 colher (sobremesa) de farinha de trigo
1 colher (café) de sal
1 colher (café) de pimenta-do-reino moída na hora
lata de creme de leite

Modo de preparo

Tempere a carne com o alho, o sal, a pimenta e o caldo de carne. Cubra com papel-alumínio e deixe na geladeira por 1 hora.

Depois desse tempo, retire da geladeira e, ainda coberta, asse no forno pré-aquecido a 200 °C durante 1 hora e 30 minutos, regando de vez em quando com a marinada. Retire o papel-alumínio e deixe dourar.

Prepare o molho, passando a cebola no processador ou, se preferir, no liquidificador. Em uma panela, derreta a manteiga, junte a cebola e polvilhe a farinha de trigo. Refogue até dourar. Tempere com o sal e a pimenta, misture bem e adicione o creme de leite, cozinhando em fogo brando até engrossar.

Na hora de servir, fatie a carne e sirva com o molho por cima.

By Joemir Rosa.

Por que os países são diferentes?

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 06/07/2011 by Joe

Investigações demonstram que a diferença entre os países pobres e os ricos não é a idade. Isto pode ser demonstrado por países como Índia e Egito, que tem mais de 2.000 anos e ainda são muito pobres.

Por outro lado, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, que apenas 150 anos atrás eram desconhecidos, hoje são países desenvolvidos e ricos. A diferença entre países pobres e ricos tampouco está nos recursos naturais disponíveis.

O Japão possui um território limitado, 80% montanhoso, inadequado para a agricultura e a criação de gado, mas é a segunda economia mundial. Este país é como uma imensa fábrica flutuante, importando matéria-prima de todo o mundo e exportando produtos manufaturados.

Outro exemplo é a Suíça, que não produz cacau, mas  tem o melhor chocolate do mundo. Em seu pequeno território cria animais e cultiva o solo durante apenas quatro meses no ano. Não obstante, produz laticínios da melhor qualidade. É um país pequeno que oferece uma imagem de segurança, ordem e trabalho, transformando-o no caixa-forte do mundo.

Executivos de países ricos que se relacionam com países pobres evidenciam que não existe diferença intelectual realmente significativa. A raça, a cor da pele tampouco são importantes: imigrantes qualificados como preguiçosos em seus países de origem são a força produtiva de países europeus ricos.

Onde está, então, a diferença?

A diferença é a atitude das pessoas, moldada no decorrer dos anos pela educação e pela cultura.

Ao analisar a conduta das pessoas nos países ricos e desenvolvidos, constatamos que a grande maioria segue os seguintes princípios de vida:

1. A ética, como princípio básico.
2. A integridade.
3. A responsabilidade.
4. O respeito às leis.
5. O respeito pelos direitos dos demais cidadãos.
6. O amor pelo trabalho.
7. O esforço para economizar e investir.
8. O desejo de superar.
9. A pontualidade.

Nos países pobres apenas uma minoria segue esses princípios básicos em sua vida diária.

Não somos pobres porque nos faltam recursos naturais ou porque a natureza foi cruel conosco. Somos pobres porque nos falta atitude. Nos falta vontade para cumprir e assumir esses princípios de funcionamento das sociedades ricas e desenvolvidas.

Somos assim por querer tomar vantajem sobre tudo e todos.

Somos assim por ver algo que está mal e dizer: “deixa como está”!

Devemos ter atitudes e memória viva. Só assim mudaremos o Brasil de hoje!

Provavelmente você é uma dessas pessoas que faz a diferença e luta para mudar nossa sociedade corrupta e sem princípios. Mas não esqueça que ainda existem muitos necessitando entender que a falta de princípios é a raiz da miséria.

Os pensamentos geram atitudes.
Atitudes geram hábitos.
Hábitos geram um estilo de vida.
Estilo de vida é o reflexo do caráter.
O caráter de um povo é o reflexo daquilo que ele pensa.
E seus representantes no governo, por isto, não pensam diferente.

Nós somos o que pensamos e não o que pensamos que somos.

By Jorcelangelo L. Conti.

Vaca atolada

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , on 14/05/2011 by Joe

A Vaca Atolada é um prato típico da comida caipira brasileira cuja origem remonta aos tropeiros que carregavam carne mergulhada na gordura em seus embornais, o que garantia alimento por um bom tempo, sem deteriorar.

Ao longo das trilhas colhiam mandioca, que era misturada e cozida junto com as carnes, obtendo assim uma comida forte e saudável para os dias mais frios da serra.

Quando eles iam da serra para as Minas Gerais, passavam por terrenos irregulares e íngremes. No período das chuvas, os terrenos ficavam em lama, e o gado, que empurrava as carroças, ficava encalhado e não prosseguia. Como transportavam carne e tinham que se alimentar quando encalhavam, preparavam esse prato com mandioca e carne de vaca, ao qual chamaram de Vaca Atolada.

No entanto, a receita de Vaca Atolada era tradicionalmente feita com costelas de boi, uma carne que não era aproveitada para compor a comida dos viajantes, e nem servia para fazer o charque ou carne seca. Mas provavelmente é que era uma comida preparada após o abate do gado, cozinhando as costelas e sua gordura com pedaços de aipim e cebolas.

A receita de hoje é isso: um prato simples, caipira, tradicional, mas muito, muito saboroso! Típico daqueles que a vovó fazia!!

Vaca atolada

Ingredientes

1 ½ kg de costela de vaca cortada em pedaços
1 kg de mandioca cortada em cubos
2 cebolas grandes cortadas em rodelas
3 colheres (sopa) de óleo
8 dentes de alho espremidos
3 tomates picados, sem pele e sem sementes
2 folhas de louro
2 tabletes de caldo de carne
1 ½ litro de água
1 tomate sem semente picado
sal a gosto
algumas gotas de pimenta malagueta
cheiro verde picado

Modo de preparo

Tempere a carne com alho e sal. Em uma panela de pressão sem a tampa, coloque o óleo, leve ao fogo e vá colocando aos poucos a carne para dourar. Caso sua panela de pressão seja pequena, frite a metade, reserve e depois frite a outra metade. A carne deve ficar bem dourada, bem frita, porém sem queimar. É muito importante que ela fique bem dourada por todos os lados.

Em seguida adicione a cebola e o alho para dar uma dourada, sempre mexendo. Acrescente os tomates picados, os dois tabletes de caldo de carne dissolvidos em  água fervente, o suficiente para cobrir a carne, as duas folhas de louro, a pimenta dedo-de-moça picada, feche a panela e deixe cozinhar. Quando começar a chiar, deixe cozinhar por 40 minutos.

Uma vez cozida a carne, coloque a mandioca em pedaços para cozinhar dentro da panela. Se precisar, coloque um pouco mais de água. Caso a mandioca custe a cozinhar, coloque mais água para dar um “susto” nela, como se diz lá em Minas Gerais, que ela cozinha. O caldo da costela vai ficar um pouco mais grosso, mas delicioso! Fique sempre atento para ver se não precisa de mais água para evitar que grude no fundo da panela.

Na hora de servir adicione cheiro verde picado à panela! Arroz e salada verde completam a mesa!

Com o frio que começa a chegar, este prato promete aquecer e alimentar!!

Enjoy!!!

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: