Arquivo para Física quântica

Novo paradigma para um novo tempo

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 04/02/2015 by Joe

Novo paradigma para um novo tempo

Estamos em um novo milênio. Alguns de nós têm sido conscientes de que uma determinada forma de pensar e atuar desembarcou na mudança climática, no consumismo que empobrece aos pobres e na ausência dos valores que geram plenitude!

Dizem por aí que aqueles que não contemplam sua história estão condenados a repeti-la e, embora o começo do novo milênio marcou um ponto de reflexão para começar a fazer as coisas de forma diferente, só a vontade e a decisão pessoal e intransferível de ir além dos mapas da realidade que tínhamos concebido até agora poderão superar os limites que nos pusemos para encontrar novas soluções aos conflitos que assolam o mundo.

Se pretendermos trocar “a realidade”, é lícito perguntar-se:

– “O que é a realidade? O que abrange, onde termina e onde começa?”

A física quântica vem nos complicar um pouco mais as coisas afirmando que a realidade observada depende da condição do observador. Esta ideia proposta já faz muitos séculos pelos místicos foi magistralmente resumida pelo linguista Korzybsky ao dizer: “o mapa não é o território”. Se o mapa mental fosse tão exato como o território ocuparia exatamente o mesmo lugar, com o qual não seria funcional, não nos caberia na mochila.

Cada pessoa confecciona em sua mente um mapa funcional “da realidade” atendendo às experiências e sucessos que considera mais relevantes, ou os que nós costumamos registrar. Deste modo, sintetizamos “a realidade” em um mapa controlável que vai condicionar o que percebemos, o que recordamos, como o relacionamos e, portanto, como valorizamos o vivido.

Segundo a linguística, há três formas básicas de síntese mental para que a realidade se converta em um mapa de bolso: o princípio da generalização, da omissão e da distorção. Dito de outra forma, todos nós sem exceção, para gerar explicações sobre o que está se passando em nosso mundo, recorremos a: generalizar ideias com base na nossa experiência; omitir certa parte da informação e relacionar e encadear sucessos; e distorcer, segundo nosso próprio critério.

O mapa da compreensão do Universo e do comportamento das partículas elementares que conformam a matéria proposto pela ciência atual diz-nos que não existe separação entre as partículas, que tudo é energia em distintos graus vibratórios e que toda separação é ilusória. Como diz David Bohm:

– “A comunicação entre partículas muito distantes é possível porque, na realidade, não estão separadas”.

E Paul Davies afirma:

– “O Universo (e todo o contido nele) não está formado por um conjunto de partes separadas, mas sim, existe uma espécie de unidade universal”.

Acredito que todos havemos escutado estas teorias que constituem o novo paradigma, mais amplo, para explicar o Universo e as relações dos objetos entre si. Se aplicarmos este mesmo mapa para pensarmos no Ser humano, suas relações com outros e com a natureza, o conceberíamos como uma Unidade constituída por infinidade de “partículas” aparentemente separadas, embora unidas entre si, em constante comunicação!

O antigo modelo da civilização grega concebe o ser humano constituído por três planos de manifestação: soma ou corpo físico, psique que é o conjunto de intelecto e emoções (chamada alma e/ou mente) e pneuma, o plano mais sutil (ao que chamamos espírito). Neste antigo modelo, se descreve à psique constituída por uma matéria flexível e de grande plasticidade que cumpre a função de conexão entre soma e pneuma, o corpo e o espírito.

Este mapa do ser humano esteve presente em todas as colocações físicas e humanistas das civilizações antigas e, embora tenha sido abandonado por nossa civilização ocidental faz poucos séculos, começou a ser recuperado parcialmente no início dos anos 50 com o conceito de que o homem é uma unidade psicossomática.

Ao longo da história, e dependendo das teorias emergentes em cada época, se sintetizou “a realidade” generalizando algumas ideias e omitindo e distorcendo – relacionando – outras. Havemos generalizado a importância do pneuma omitindo o soma e a psique (Idade Média) ou havemos relacionado soma e psique omitindo o nous (positivismo).

Para elaborar uma teoria controlável, generalizamos um modelo de relações que sempre limitará de alguma forma nossa compreensão, mas será controlável. Isto é vital para nos darmos conta de que o que pensamos sobre a realidade é uma síntese e não é tão infalível, é um mapa útil com todas as limitações de um mapa de bolso que merece a pena ser revisado e analisado para saber que parâmetros temos generalizado, omitido e distorcido.

Einstein insistia em que não se pode resolver nenhum problema do mesmo nível de consciência no que se criou. É hora de ampliar nosso mapa da realidade para procurar novos pensamentos e ações ante o grande desafio do século XXI. Cada um terá que fazer sua própria análise para re-elaborar seu mapa, ocupar seu lugar e efetuar as ações oportunas em consequência.

Minha re-elaboração pessoal adquiriu o paradigma da ciência atual para acreditar que todos e tudo está interconectado e unido por uma energia comum, que meus pensamentos, sentimentos e ações têm consequências em todo o planeta. Este mapa mental me tem feito pôr muita atenção e carinho aos pensamentos, sentimentos e ações do dia a dia, sabendo que posso projetar consolo para Nova Orleans e que posso limpar o planeta desencardindo minhas próprias ações.

Também ressoa em mim essa realidade interconectada do pneuma-psico-somático apontada nos gregos e acredito que todos os campos têm incidência uns sobre os outros, que somos capazes de adoecer e sanar com nossos pensamentos, emoções e experiências espirituais e que o trabalho corporal me aproxima do centro psicológico e à experiência espiritual.

Se quiser trocar “a realidade”, talvez seja interessante compreender primeiro como elaborou teu próprio mapa mental, o que procura generalizar, omitir, relacionar/distorcer. Talvez este seja o primeiro passo para gerar novas ações, novos modelos para um tempo novo.

Desconheço a autoria.

Anúncios

Nenhum homem é uma ilha

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31/07/2014 by Joe

Nenhum homem é uma ilha

Nestes tempos em que a violência impera por todo o planeta, em que mulheres são violentadas na Índia, crianças são bombardeadas dentro de escolas numa guerra estúpida, dezenas de conflitos dizimam populações inteiras na África, lembrei de um texto que li há alguns anos, em um blog, e resolvi republicá-lo aqui. Espero que vocês tenham o mesmo sentimento que eu tive ao ler.

By Joemir Rosa.

“Numa das preguiçosas tardes da minha adolescência, andando por uma rua do bairro de periferia em que vivia, encontrei jogado ao meio fio uma folha amarelada de caderno de desenho… Isso aconteceu há cerca de trinta anos. Mas ainda me lembro, como se fosse hoje, não sei explicar porque o fato jamais me deixou.

Na folha havia um desenho, feito em lápis de cor, com capricho de amador, uma ilha, dois coqueiros, o mar. No verso da folha, um poema de John Donne, poeta inglês do século XVI:

“Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo;
todo homem é um pedaço do continente, uma parte da terra firme.
Se um torrão de terra for levado pelo mar, a Europa fica diminuída,
como se fosse um promontório, como se fosse o solar dos teus amigos ou o teu próprio;
a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano,
e por isso não me perguntes por quem os sinos dobram;
eles dobram por ti.”

Segundo o nível de consciência que tinha naquele momento, achei que era uma “cartinha de amor”, uma “prenda”, daquelas que a gente faz para agradar a quem ama. Guardei John Donne comigo pelo resto de minha vida. E quando meu amor-próprio era atingido pela insensibilidade, alheia ou pessoal, eu pensava “os sinos dobram por mim”…

E quando as antigas obras me falaram da “Alma do Mundo” eu pensava: “nenhum homem é uma ilha”… E quando o mestre Jung falava sobre o “inconsciente coletivo” e a física quântica sobre “massa crítica”, eu pensava: “a Europa fica menor se um seixo for levado”… Os anos vão passando e não me canso de encontrar sabedoria neste poema; e hoje penso que, enquanto não entendermos que “a morte de qualquer homem me diminui”, os assassinos continuarão a nascer…

A criança maltratada na Índia é o reflexo da minha criança interior. A mulher violada no Congo é o reflexo da mulher violada por padrões sociais e preconceitos em mim. Todos nos envergonhamos quando ouvimos uma mulher contar que foi violentada, todos nos sentimos envergonhados quando lembramos da fome e dos maltratos às crianças…

Mas a nossa condição privilegiada nos dá oportunidade de transformar preconceito em acolhimento. Por toda a fome do mundo, precisamos deixar de consumir em excesso! Por todas as mulheres do mundo, precisamos parar de destruir nossos corpos com remédios para emagrecer e antidepressivos. Precisamos parar de chamarmos umas às outras de nomes chulos, que reforçam o poder do estuprador, do abusador…

Por todas as crianças do mundo, precisamos educar nossos filhos com ideais humanitários. Por toda a paz no mundo, precisamos nos desapegar de compromissos profissionais ou familiares que nos levam à infelicidade, à mentira e à guerra…

Por toda a humanidade, precisamos fazer do amor e da solidariedade nosso bem maior. Porque dentro de cada um de nós existe um ser que chora por todos nós…

Que a Deusa abençôe a todos!

By Gislaine Carvalho.

Por que a lei da atração não funciona para mim?

Posted in Inspiração, Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/03/2014 by Joe

A Lei da Atranção não funciona para mim

Em vários posts passados, escrevi sobre a “Lei da Atração”, sobre o livro “O Segredo”, “A Força do Pensamento” e diversos outros que nos falam e ensinam técnicas para alcançarmos aquilo que desejamos na vida. A própria Física Quântica nos prova que podemos construir nossa realidade de acordo com nossos desejos (use o BUSCA do blog para saber mais sobre esses temas).

Porém, muita gente tem me perguntado porque, apesar de treinar e treinar e treinar essas técnicas diariamente, não conseguem atingir seus objetivos, porque a Lei da Atração parece não funcionar para elas. Então, aproveito a oportunidade para listar os dez principais motivos que podem estar impedindo a realização de tantos sonhos. Leiam com atenção e pratiquem, mas pratiquem muito seguindo os conselhos abaixo!

By Joemir Rosa.

—————————————————————————————————————————————————————————————–

Os dez principais motivos para você não estar conseguindo atrair o que quer:

1. Você possui crenças negativas sobre você

Alguns aspectos nos fazem determinar características ruins para nós mesmos e essas muitas vezes são irreais e nos impossibilitam de chegar aonde queremos. Por exemplo: você pode até querer ser milionário, mas acredita que não é esforçado o suficiente para manter um negócio grande, pois muitas vezes desistiu de projetos por medo. Ou, você até acredita ser esforçado, mas seu tio alguma vez lhe disse que você é muito “molenga” e você deixou aquilo entrar no seu ser.

A primeira coisa que você precisa entender para mudar isso é: nada é, tudo está. Você não é “molenga”. Você pode até ter estado assim, mas o seu eu não é, pois somos criações do Universo, e ele não falha. Então, dissolva qualquer crença negativa sobre você mesmo, pensando sempre assim:

– “Eu não sou nada, o que eu acredito ser é pura fantasia da minha mente, eu posso ser o que eu quiser, eu vou explorar o meu melhor, o meu melhor”.

2. Você não se aceita

Comumente associamos felicidade a um estereótipo. Acreditamos que a felicidade está em ser um tipo específico de pessoa ou alcançar uma certa posição, mas muitas vezes estamos equivocados. Por exemplo: você assiste a um filme onde tem uma mulher alta, com os cabelos lisos e loiros, que trabalha numa grande empresa no centro da cidade e fica para lá e para cá o dia inteiro. Você por outro lado, tem uma estatura baixa, os cabelos ondulados e adora trabalhar em um ambiente calmo e silencioso, movimento para você só na hora dos exercícios! Em vez de se aceitar e procurar fazer algo construtivo dentro das suas características, você tenta ser como a mulher do filme.

Você faz as técnicas para atrair um emprego em uma grande empresa, alisa e pinta seus cabelos e usa salto alto para ficar tão alta como ela. Mas será que é isso que lhe fará feliz? E se você tentasse atrair um trabalho em que você ocupe seu tempo com algo que lhe agrade?

3. Você não está assumindo o que você realmente quer

Da mesma forma que você pode ter criado estereótipos de quem quer ser, você deve ter criado um do que os outros acham certo. Não é por que seu pai foi bem sucedido na carreira dele, que você precisa fazer o mesmo que ele. Não é por que sua irmã casou aos vinte anos que você precisa casar também. Não é por que a sociedade só é feliz tendo carro, casa e celulares modernos, que você precisa ter também. Não é porque o mundo acha que o certo para você é “x” que será.

O que você quer?

Descubra o que vai fazer você feliz, independente do que os outros vão pensar. Quando você aplicar as técnicas para atrair o que realmente te trará a felicidade, vai ficar muito mais fácil de atrair, pois como já dizia o velho ditado: “O que é teu vem fácil”. Para melhorar esse aspecto, faça o seguinte exercício:

Feche os olhos, respire bem fundo, acalme sua alma e faça-se a seguinte pergunta:

– “Se eu fosse para uma cidade distante, onde ninguém me conhecesse, onde eu não tivesse que provar nada para ninguém, onde eu tivesse a oportunidade de começar do zero, o que eu faria?” O que você responder é o mais próximo de quem você é, e do que você realmente quer.

4. Você até espera o melhor do Universo, mas não se dá o melhor

Você quer que o Universo te traga um amor, mas você não se ama. Você quer que o Universo te traga alguém que cuide de você, mas você não se cuida. Você quer que o Universo lhe traga abundâncias financeiras, mas você não se permite comprar nada que lhe agrade.

Descubra o que você sabe fazer de melhor por você e, mesmo que seja algo bem pequeno, faça, pois independente do que seja, será o seu melhor, e o Universo te responderá com o melhor dele.

A lei da atração não responde apenas aos nossos pensamentos e sentimentos, ela também nos traz de volta as nossas atitudes.

5. Você não confia na sua parte

Uma das coisas que eu mais vejo são pessoas que não confiam no que estão fazendo. Elas começam a mudar os seus pensamentos, realizam técnicas, leem livros, mas não acreditam que estão fazendo certo. Essas pessoas sempre acham que estão erradas ou que ainda não estão 100%, então qual é o resultado? O Universo também não lhes dá os 100%.

Faça o que você aprendeu – o seu melhor – e confie ao Universo o resto.

6. Você quer fazer tudo sozinho e não confia nada ao Universo

Talvez essa seja uma das maiores dificuldades das pessoas. A fé no nosso planeta anda muito abalada por causa de crenças erradas de quem é Deus e de como ele age. Não confiamos realmente que ele nos dará alguma coisa, pois muitas vezes pedimos e não recebemos.

O que precisamos entender aqui é que não estamos pedindo nada e sim agindo em prol do que queremos de uma maneira diferente que aprendemos. E essa maneira nos diz que Deus ou Universo (não importa como você chama) caminha ao nosso lado, nos dando, conforme nos damos. Portanto, acredite de coração que a vida realmente se movimenta a seu favor quando você está a seu favor.

E, sim, ela te traz oportunidades, pessoas, coisas, etc., tudo o que você precisar para a sua felicidade e para sua evolução. Para aumentar a sua fé, você pode fazer o seguinte: tudo o que você for fazer – absolutamente tudo! – pense que você está fazendo com o Universo. Eu e o Universo vamos arrumar um emprego. Eu e o Universo vamos atrair um relacionamento para a minha vida. Eu e o Universo vamos sempre trazer o melhor para a nossa vida.

7. Você não está abrindo espaço para acontecer

Um erro muito comum que eu vejo é que as pessoas ficam tão obcecadas em realizar as técnicas que elas não dão espaço para o que elas querem se materializar. Exemplo: há dez dias você faz diariamente uma técnica de afirmações positivas. Você já está se sentindo super bem, possuidora do que você quer, criando uma energia super positiva, mas, ao terminar cada técnica, você já está planejando qual vai fazer amanhã para reforçar. Ou seja, você não acredita realmente que no espaço de tempo de hoje para amanhã, o que você quer possa se materializar.

É muito importante manter-se todos os dias positivo, mas mais importante ainda é abrir espaço para acontecer. Para resolver isso, faça suas técnicas e largue para lá! Como eu gosto de dizer: desapegue! Assim, você estará abrindo espaço para a concretização do que já é seu, mas ainda apenas não se manifestou.

8. Você está obcecado por algo muito específico

Você quer amor, mas só pode ser o amor de fulano. Você quer um emprego, mas tem que ser o emprego tal. Agora me responda: quem sabe realmente o que pode ser magnífico na sua vida? O Universo ou você? Mais uma vez eu sugiro: desapegue! Desapegue e peça ao Universo sempre o melhor, o mais abundante, o mais extraordinário! E confie, ele sempre trará o perfeito para você. E, talvez, o melhor seja o amor do fulano ou o emprego tal.

Mas também aceite que, se não for, será algo mil vezes melhor!

9. Você está sentindo com a mente e não com a alma

Acreditar com a cabeça em alguma coisa é até fácil. Convencemos nossa mente de algo novo muito rapidamente. Mas nosso sistema de crenças, aquele que fica no subconsciente ( aqueles que acreditam em vidas passadas dizem que essas crenças veem até de outras vidas) está entulhado de porcarias a nosso respeito e a respeito da vida.

Acredite na felicidade, mas acredite com muita fé, vá lá ao fundo da sua alma e substitua essas crenças velhas!

10. Você não aplica suas vibrações no dia a dia

Um sinal de que não acreditamos com a alma é que não aplicamos nosso positivismo no dia a dia. É altamente comum acontecer o seguinte: você faz suas técnicas todos os dias por 20 minutos. Durante aquele tempo, você vê a maravilha que a vida é, você consegue se conectar profundamente com o Universo. Mas, ao se desligar e ir viver a sua vida, você se enche de negativismo novamente.

Você assiste ao telejornal e fica vendo aquelas desgraças todas enquanto pensa e comenta com o seu colega como o mundo está perdido. Quando acontece alguma situação desesperadora, você já logo fica nervoso e nem lembra que pode contar com o Universo para te ajudar. Nas suas conversas, você só reclama, reclama que não tem isso, que não tem aquilo, etc. Quando você anda pelo shopping, olha tudo procurando pelo preço e reclama que está tudo caro, afirmando para si que não pode comprar nada daquilo. Quando você vê um casal feliz, sente tristeza por não ter o mesmo.

Simples: lá no fundo de sua alma, você não acredita que tudo vai melhorar. Você faz as técnicas da lei da atração na esperança de que talvez mude, mas não acredita realmente.

Para mudar isso aplique o seu positivismo em todos os segundos do seu tempo. Não veja nada ruim na TV enquanto você não conseguir separar que aquilo é dos outros e não seu. Se você precisa se informar, leia rapidamente no jornal ou na Internet as notícias. Quando estiver em uma encruzilhada da vida, relaxe e confie que o Universo vai te ajudar a resolver o melhor caminho a seguir. Converse sempre sobre coisas boas! Olhe tudo o que você quer com olhos de possuidor. Repare nos casais felizes percebendo que aquele amor também é seu por direito!

Esses são os dez erros que eu consertei em mim e que me fizeram conseguir alcançar muitos objetivos com a Lei da Atração. Espero que ajude vocês também.

Não se esqueçam: nada é, tudo está se formando, faça com que se forme a seu favor!

Desconheço a autoria.

Nenhum homem é uma ilha …

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 03/09/2010 by Joe

Navegando por alguns blogs na internet eu me deparei com o post abaixo e me senti no dever de divulgá-lo, pela sensibilidade e consciência de sua autora! Espero que tenham o mesmo sentimento que me tocou …

“Numa das preguiçosas tardes da minha adolescência, andando por uma rua do bairro de periferia em que vivia, encontrei jogado ao meio fio uma folha amarelada de caderno de desenho… Isso aconteceu há cerca de trinta anos. Mas ainda me lembro, como se fosse hoje, não sei explicar porque o fato jamais me deixou.

Na folha havia um desenho, feito em lápis de cor, com capricho de amador, uma ilha, dois coqueiro, o mar. No verso da folha, um poema de John Donne, poeta inglês do século XVI:

“Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; cada homem é parte do continente, parte do todo; se um seixo for levado pelo mar, a Europa fica menor, como se fosse um promontório, assim como se fosse uma parte de seus amigos ou mesmo sua; a morte de qualquer homem me diminui, porque eu sou parte da humanidade; e por isso, não me pergunte por quem os sinos dobram, eles dobram por ti”

Segundo o nível de consciência que tinha no momento, achei que era uma “cartinha de amor”, uma “prenda”, daquelas que a gente faz para agradar a quem ama. Guardei John Donne comigo pelo resto de minha vida. E quando meu amor próprio era atingido pela insensibilidade, alheia ou pessoal, eu pensava “os sinos dobram por mim”…

E quando as antigas obras me falaram da “Alma do Mundo” eu pensava “nenhum homem é uma ilha” … e quando o mestre Jung falava sobre o “inconsciente coletivo” e a física quântica sobre “massa crítica”, eu pensava “a Europa fica menor se um seixo for levado”. Os anos vão passando e não me canso de encontrar sabedoria neste poema; e hoje penso que, enquanto não entendermos que “a morte de qualquer homem me diminui, os assassinos continuarão a nascer”…

A criança maltratada na Índia é o reflexo da minha criança interior. A mulher violada no Congo é o reflexo da mulher violada por padrões sociais e preconceitos em mim. Todos nos envergonhamos quando ouvimos uma mulher contar que foi violentada, todos nos sentimos envergonhados quando lembramos da fome e dos maltratos às crianças…

Mas a nossa condição privilegiada nos dá oportunidade de transformar preconceito em acolhimento. Por toda a fome do mundo precisamos deixar de consumir em excesso! Por todas as mulheres do mundo precisamos parar de destruir nossos corpos com remédios para emagrecer e antidepressivos. Precisamos parar de chamarmos umas as outras de nomes chulos, que reforçam o poder do estuprador, do abusador…

Por todas as crianças do mundo precisamos educar nossos filhos com ideais humanitários. Por toda a paz no mundo, precisamos nos desapegar de compromissos profissionais ou familiares que nos levam à infelicidade, à mentira e à guerra…

Por toda a humanidade precisamos fazer do amor e da solidariedade nosso bem maior. Porque dentro de cada um de nós existe um ser que chora por todos nós…

Que a Deusa abençôe a todos!

By Gislaine Carvalho, autora do blog www.eraumaoutravez.blogspot.com.

Operação Cavalo de Tróia

Posted in Livros with tags , , , , , , , , , , on 13/12/2009 by Joe

Livro: Operação Cavalo de Tróia
By J.J. Benitez
Editora Mercuryo

Operação Cavalo de Tróia é uma coletânea de dossiês que foram divulgados em oito livros do autor J. J. Benítez que narra uma missão da USAF onde um modulo chamado “berço” é levado ao ‘passado’ com o propósito de comprovar a existência de Jesus Cristo. A missão é batizada de “Operação Cavalo de Tróia” e, como de costume das forças militares Norte Americanas, não são revelados grandes detalhes dos meios científicos utilizados para a ‘reversão de massa’ que permitisse a viagem “no tempo”. Apenas algumas referências a “novos conceitos da física quântica vindos da Europa”. Conceitos, obviamente, sigilosos também.

Um major, de nome não revelado, e um piloto voltam no tempo até a época de Jesus Cristo e presenciam muitos fatos narrados na Biblia que, na verdade, é tomada como referência, uma vez que contém as datas e eventos da época. Fornecem, também, dados da sociedade da época: costumes, leis (principalmente as leis do judaísmo), crenças (judaicas e pagãs), geografia, ambiente, etc. O major, que durante a viagem adota o nome de Jasão, é escolhido para a operação pelo seu ceticismo e imparcialidade, mas quando encontra Jesus – o Mestre – é tocado profundamente por sua mensagem e a narrativa ganha um tom delicado e humano.

Os detalhes da vida de Jesus, assim como as conversas onde Ele fala abertamente sobre sua origem divina e sobre o que é a sua missão na Terra, deixam claro que a Igreja Católica teria passado longe da mensagem original. A diferença entre os acontecimentos presenciados pelo Major e os narrados nos textos sagrados é enorme, mas compreensível. Segundo as próprias observações da personagem, os evangelistas nem sempre estavam presentes aos acontecimentos que narraram anos depois e, mesmo quando estiveram, sua formação cultural não permitia que compreendessem totalmente os acontecimentos.

Segundo esta obra, a mensagem de Jesus fala de um Deus-pai – sempre bom e generoso. Um Deus que não exige templos e nem rituais. Algo que precisa ser vivenciado para ser compreendido, e que não pode ser comprovado, como desejavam os militares (e a ciência).

Confesso que esta obra (ainda inacabada, pois o Volume 9 só deverá ser lançado em 2010 aqui no Brasil) foi uma das que mais me tocaram, seja pelo conteúdo histórico, mas principalmente pelo Jesus homem que fica delineado em toda a obra. Muito diferente daquele Jesus “inventado” para nos pregar lições nem sempre fundamentadas no Amor e na Verdade.

Quando da sua visita ao Brasil, em 1996, tive a oportunidade de participar de um evento com o autor, J.J.Benitez, por ocasião do lançamento do volume 5 de sua obra, com quem pude conversar por alguns segundos e ganhar uma dedicatória.

No evento Benitez manteve o segredo de sempre, toda vez que é indagado sobre a veracidade ou não dos fatos narrados na sua obra maior: “Esta obra é fruto de muita pesquisa!”, é a única frase com a qual comenta “Operação Cavalo de Tróia”.

Prefiro não entrar em mais detalhes para não estragar o prazer e as surpresas que estes oito volumes nos apresentam. Só lendo para entender o que milhões e milhões de leitores em todo o planeta já captaram!

Vale a pena a leitura desde o primeiro volume!

* Cavalo de Tróia 1: Jerusalén
* Cavalo de Tróia 2: Masada
* Cavalo de Tróia 3: Saidan
* Cavalo de Tróia 4: Nazaret
* Cavalo de Tróia 5: Cesarea
* Cavalo de Tróia 6: Hermón
* Cavalo de Tróia 7: Nahum
* Cavalo de Tróia 8: Jordán

By Joe (fontes: Wikipedia e site do autor)

%d blogueiros gostam disto: