Arquivo para Fécula

Sagu

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 09/02/2013 by Joe

Sagu de vinho

A receita deste sábado faz-nos lembrar das visitas à casa da vovó, onde, entre outras delícias, ela nos servia um doce cheio de bolinhas brancas gelatinizadas, coloridas pela adição de sucos de frutas ou vinho!

Um doce delicioso, muito conhecido e encontrado no cardápio de sobremesas de qualquer restaurante e na culinária Brasileira.

O Sagu é uma fécula extraída de várias espécies de palmeiras conhecidas como saguzeiros, e feito a partir do amido processado que há no interior do tronco dessas plantas.

Os navegadores portugueses que transitavam entre América e Ásia associaram a palavra sagu à goma (amido) que os índios brasileiros extraíam da mandioca, a qual chamam de tapioca. Como a palavra tapioca designa também uma iguaria específica, estabeleceu-se que a fécula da mandioca granulada em formato de pequenas pérolas seria chamada “sagu” no português do Brasil.

Nessas idas e vindas, os exploradores portugueses espalharam o plantio da mandioca na Ásia e Oceania, onde se consome o das palmeiras. No português de Portugal, a expressão sagu designa apenas a fécula das palmeiras.

O sagu que consumimos no Brasil é feito de amido de mandioca e, além de dar um bom mingau com leite, transforma-se em saborosas sobremesas, e também pode ser misturado em outras receitas com peixe. Ou até pode ser utilizado como aromatizantes de ambiente.

A receita deste doce que trazemos hoje é especial e muito deliciosa. Servido com um creme de baunilha, torna-se ainda mais saboroso.

Sagu de vinho

Ingredientes

2 litros de água fervente
3 canelas em pau
12 cravos da índia
2 xícaras de sagu
750 ml de vinho tinto suave
1½ xícara de suco de uva integral
½ xícara de açúcar
2 gemas
12 colheres de sopa de açúcar
2 colheres de chá de essência de baunilha
1 litro de leite
3 colheres de amido de milho

Modo de preparo

Coloque a água para ferver e acrescente a canela e o cravo. Quando estiver fervendo, adicione o sagu e cozinhe por 20 minutos em fogo médio.

Escorra bem o sagu utilizando um escorredor de arroz ou macarrão e lave bem com água fresca para tirar toda a goma.

Coloque, em uma panela, em fogo médio, o vinho, o suco de uva, a ½ xícara de açúcar e o sagu já lavado. Quando levantar fervura, cozinhe por 10 minutos. Vá mexendo sempre para não grudar no fundo.

Retire do fogo, deixe esfriar em temperatura ambiente por uns 30 minutos e leve à geladeira por 4 horas.

Equanto isso, prepare o creme. Bata os ovos com as 12 colheres de açúcar até ficar como uma gemada clara. Acrescente a essência de baunilha e bata mais um pouco.

Em uma panela grande, coloque uns 900 ml do leite e a gemada. À parte, junte o amido de milho aos 100 ml de leite restantes e misture bem. Despeje na panela com o leite e a gemada e mexa até encorpar. Quando estiver mais firme, retire do fogo, deixe esfriar um pouco e leve à geladeira por 3 horas.

Sirva o sagu com o creme de baunilha.

By Joemir Rosa.

Pudim de tapioca

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/01/2013 by Joe

Pudim de tapioca

A tapioca é uma iguaria tipicamente brasileira cuja origem vem dos índios tupi-guarani, que produziam uma goma feita com a fécula da mandioca. Ela também é conhecida como goma da mandioca, goma seca, polvilho doce, entre outros nomes.

O nome “tapioca” vem do tupi “tipi’oka” e significa “coágulo”. A palavra se refere ao processo pelo qual o amido é transformado em algo comestível.

Os povos tupi-guaranis, que ocupavam a faixa litorânea leste do território brasileiro desde o sul até o norte, foram os responsáveis pelo domínio comestível da mandioca, que, produzida sob o sistema da agricultura de subsistência, era a base da alimentação do Brasil até a chegada de Pedro Álvares Cabral.

Logo após os primeiros anos do descobrimento, os colonizadores portugueses na Capitania Hereditária de Pernambuco descobriram que a tapioca servia como bom substituto para o pão. A tapioca logo se espalhou pelos demais povos indígenas, como os Cariris no Ceará e os Jês, na Amazônia oriental. Posteriormente se transformou na base da alimentação dos escravos no Brasil. Tudo isso serviu para transformar a tapioca, hoje, num dos mais tradicionais símbolos da culinária por quase todo o nordeste.

Além do jeito tradicional de se preparar a tapioca (espalhando o polvilho doce numa chapa ou frigideira aquecida, onde ele se coagula e vira uma espécie de panqueca que pode ser recheada com coco, queijo e leite condensado), podemos prepará-la de outras formas, como um delicioso pudim!

Como sempre, uma receita fácil de preparar e que tem um ar de pudim de leite condensado! E tão saboroso quanto!!

Pudim de tapioca

Ingredientes:

Pudim

2/3 de xícara (chá) de tapioca
2 xícaras (chá) de leite desnatado
1 garrafa de leite de coco (200 ml)
3 ovos
1 xícara (chá) de leite em pó desnatado
4 colheres (sopa) de açúcar
1/2 coco ralado
1 pitada de sal

Calda

1 colher (sopa) de açúcar
1/3 de xícara (chá) de água

Modo de preparo

Prepare a calda, colocando o açúcar e a água no fundo de uma forma de 20 cm de diâmetro com buraco no meio. Leve ao fogo até virar uma calda caramelizada, espalhe bem e reserve.

Deixe a tapioca de molho no leite desnatado por 15 minutos e reserve.

No liquidificador, em velocidade máxima, bata o leite de coco, 2 gemas, 1 ovo inteiro, o leite em pó, o açúcar, o coco ralado, o sal e a tapioca.

Em uma batedeira, bata as claras com uma pitada de sal até obter picos firmes. Junte à mistura da tapioca hidratada no leite. Aqueça o forno em temperatura alta. Despeje a mistura na forma previamente caramelizada. Leve ao forno em banho-maria por 1 hora, ou até que fique bem firme. Quando esfriar, desenforme e sirva gelado.

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: