Arquivo para Exposição

Impressionismo: Paris e a Modernidade

Posted in Arte with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 09/09/2012 by Joe

Está em exposição em São Paulo, a mostra “Impressionismo: Paris e a Modernidade”, trazendo 85 obras-primas do acervo do Museu d’Orsay de Paris.

A exposição ocupa todos os espaços do Centro Cultural Banco do Brasil e reflete a história da pintura ocidental no período que compreende a metade do século XIX e início do século XX, dividida em módulos temáticos que apresentam as obras de Camille Pissaro, Claude Monet, Edgar Degas, Edouard Manet, Henri Toulosse-Lautrec, Paul Cézanne, Paul Gauguin, Pierre-Auguste Renoir e Vincent Van Gogh, entre outros mestres.

O CCBB passou por melhorias internas e externas, tudo para deixar a atmosfera da exposição muito próxima à parisiense daquela época. A Prefeitura de São Paulo promoveu a troca de lâmpadas da região da Praça da Sé e do Largo São Bento, estimulando a visitação noturna à região, que é rica em museus, centros culturais e igrejas.

Na parte interna, o visitante encontra uma atmosfera o mais próxima possível da Paris do século XIX, onde o visitante encontra o café com cardápio, uniformes dos funcionários e música ambiente que nos remete à França.

A mostra fica em São Paulo até o dia 07 de Outubro, quando irá para o Rio de Janeiro, onde ficará até Janeiro.

O Centro Cultural Banco do Brasil fica na Rua Álvares Penteado, 112, no centro de São Paulo, próximo à estação Sé do metrô. O horário para visitação é das 10h às 22h (de terças às quintas), das 10h às 23h às sextas e das 8h às 23h aos sábados e domingos. A entrada é franca.

No video abaixo, um pequena mostra da exposição, além de dicas e informações sobre os impressionistas.

By Joemir Rosa.

Medos reais e imaginários

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/08/2012 by Joe

Todos sentimos medo. É normal e é bom, pois o medo é que nos protege da exposição a perigos e nos preserva a vida. Trata-se de uma condição psicológica previsível, desejada e saudável.

No entanto, todos nós ouvimos, em várias fases de nossa vida, conselhos para “não ter medo”. Coisas do tipo: “vou apagar a luz, mas não tenha medo, a mamãe está no quarto ao lado”; “não tenha medo da prova, você vai se sair bem”; “vá para a entrevista e não tenha medo, o entrevistador não morde”. Lembra-se? E quando alguém deseja falar no afirmativo diz: “tenha coragem”, o que não é o mesmo que não ter medo, e sim ter capacidade para enfrentá-lo e vencê-lo.

O medo é definido como um fenômeno psicológico com forte caráter afetivo, marcado pela consciência de um perigo ou de um mal. Mas, preste atenção: o medo nasce do perigo, mas também das incertezas. E nas incertezas pode morar um perigo real, mas o mais provável é que more um perigo imaginário.

Males da modernidade. Vivemos uma era de incertezas e, portanto, do medo escondido nelas. Se você tem sentido os efeitos da desconfiança com relação à política, à economia, à paz mundial, está sofrendo do mesmo mal que milhões de outras pessoas que lêem o jornal ou assistem ao noticiário e são assaltados pelas notícias do desaquecimento da economia, da falta de empregos, da insegurança que não é apenas física, mas também social, moral e emocional. Os medos morais, de perder o emprego, do dinheiro não chegar, da crise aumentar, são até maiores, porque mais presentes do que os medos físicos, dos assaltos, do terrorismo, das epidemias.

Para viver melhor temos que aprender a separar os dois: o medo do perigo do medo da incerteza. E depois disso temos que aprender a lidar com as incertezas, diminuindo seu sentido abstrato. Equivale a dizer: transformar as incertezas em situações conhecidas, portanto, sob controle. Para tanto, aumentar a percepção, a informação, o conhecimento e a cultura geral são os melhores atalhos.

Se você tem medo, por exemplo, de perder o emprego, há coisas que podem ser feitas para diminuir esse medo, pois, pense um pouco, ele habita o território das incertezas.

Se, por outro lado, você tem certeza que está fazendo tudo o que pode, da melhor maneira possível, para atender às necessidades de sua empresa, não precisa ter medo. Mais do que isso: se você tem certeza que está ajudando sua empresa a atender às exigências do mercado também da melhor forma possível, seu medo será ainda menos consistente.

No entanto, digamos que, apesar de fazer o melhor pela empresa e a empresa fazer o melhor pelo mercado, ainda assim você perdeu o emprego. É hora de acionar outra certeza: a de que você fez o melhor pelo seu emprego, mas fez mais ainda pela sua empregabilidade. Atualização, comunicação, flexibilidade, contatos, saúde, cultura abrangente. Pronto, o mundo continua conturbado e injusto, mas não é mais uma imensa incerteza, pois sempre haverá espaço para pessoas preparadas, capazes e autoconfiantes.

Robinson Crusoe, amadurecido por sua experiência, isolado na ilha, teria comentado com o amigo Sexta-Feira: “se há uma coisa que aprendi aqui, é que o medo do perigo é sempre muito maior do que o próprio perigo”.

Não podemos simplesmente não ter medo. Seria imprudência. Mas podemos desenvolver a coragem para lidar com ele. E o aumento da consciência, da verdadeira noção da realidade, sobre nós e sobre o mundo atual, creia, é o melhor caminho.

By Eugênio Mussak.

Efeito dominó

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 11/01/2012 by Joe

Você só precisa ter forças para derrubar 1 dominó nos próximos 30 segundos. Escolha seu próximo dominó agora e derrube-o.

Porque quando o primeiro dominó é derrubado, ele se encarrega de derrubar o segundo, que se encarrega de derrubar o terceiro, que se encarrega de derrubar o quarto, que se encarrega…  de criar os resultados da sua vida. E, dentro de algum tempo, as pessoas olharão para você e sua vida e dirão: quanta sorte ele, ou ela, tem, como é brilhante, veja suas realizações, deve haver algo de especial nessa pessoa.

Aqueles que te observam dirão isso de você, ou de seu departamento, ou de sua empresa, ou de sua família, ou de seu casamento (idealmente, de todas essas áreas), mas você sabe que tudo o que fez foi derrubar meia duzia de dominós certos. Foram os dominós que fizeram o trabalho para você.

Basta escolher um dominó, uma decisão, por dia e as estatísticas começam a trabalhar para você. Escolha seu próximo dominó agora e derrube-o.

Você decide começar a fumar. Uma decisão. Um dominó. Os dominós começam a derrubar outros e você já tem sua vida reduzida em 10 anos, suas chances de ter uma morte dolorosa disparam, você repelirá potenciais amores, seus dentes amarelarão… e cada uma dessas ações provocará outras mudanças na vida. Claro que estou me prendendo aos números médios, não aos dominós imprevisíveis que sempre existem. Escolha seu próximo dominó agora, e derrube-o.

Você decide ler um livro sobre um assunto qualquer. Aqueles conhecimentos são vários dominós que irão influenciar suas posicões e decisões por muitos anos e que, por sua vez, derrubarão outros dominós… tornando você uma pessoa completamente diferente.

Você vai a uma palestra, troca um cartão, e isso pode influenciar a próxima década de vida. Você decide convidar seu filho para uma exposição, e a vida dele pode mudar para sempre. No momento em que você decidiu ler este texto, você derrubou um dominó. Cada edição que você lê pode derrubar outros dominós, mas seu dominó mais importante foi a primeira decisão. Convidar outra pessoa, para ler este texto é derrubar um dominó para ela. Escolha seu próximo dominó agora e derrube-o.

Todas as pequenas decisões que você toma são dominós. Mesmo que imperceptíveis, no momento em que são tomadas, tais decisões ganham força imperiosa com o passar dos anos. Sem mágica, somente com matemática.

Por isso, empresas praticamente iguais em certo momento, se tornam diferentes no curso do tempo. Algumas falindo, outras crescendo. Por isso, pessoas praticamente iguais, quando crianças, se tornam adultos radicalmente diferentes. Por isso, a vida das pessoas tem uma biografia tão variada. Escolha seu próximo dominó agora e derrube-o.

Assistir um programa de televisão é derrubar um dominó. Não assistir, também é. Assinar uma revista é derrubar um dominó. Cancelar uma assinatura também é. Namorar, ou casar, com uma pessoa é derrubar um dominó. Não namorar, ou casar com ela, também é. Escolha seu próximo dominó agora e derrube-o.

Torrar seu dinheiro em jogo é um dominó. Resolver não gastá-lo assim, e pagar um curso, também é. Votar em um candidato é um dominó. Não votar nele, ou nela, também é um dominó.

Você não pode decidir o final de sua vida, mas pode decidir o começo. E o começo, não importa sua idade, é hoje, agora… nos próximos 30 segundos.

Escolha seu próximo dominó agora… e derrube-o!

By Aldo Novak, coach & conferencista, diretor da Academia Novak do Brasil.

%d blogueiros gostam disto: