Arquivo para Executivo

Por que príncipes viram sapos

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/10/2012 by Joe

Para entender por que nos decepcionamos com o ser amado, é preciso conhecer o processo de namoro: saber o que leva a nos encantarmos sentimentalmente com alguém.

O que faz uma pessoa até há pouco tempo desconhecida se tornar tão indispensável para nós que não imaginamos mais a vida sem ela? Não há como responder integralmente a esta pergunta, mas algumas conclusões parciais podem ser úteis para cometermos menos erros.

Em primeiro lugar, as pessoas se envolvem porque se acham incompletas. Se todos nós nos sentíssemos “inteiros” em vez de “metades”, não amaríamos, pois o amor é o sentimento que desenvolvemos por quem nos provoca aquelas sensações de aconchego e de algo completo que não conseguimos ter sozinhos. A escolha do parceiro envolve variáveis intrigantes, que vão do desejo de nos sabermos protegidos à necessidade de sermos úteis ou mesmo explorados.

A aparência física ocupa um papel importante nesta fase, sobretudo nos homens, que são mais sensíveis aos estímulos visuais. Muitos registram na memória figuras que os impressionaram e que servem de base para criar modelos ideais, com os quais cada mulher é confrontada. Pode ser a cor dos olhos, dos cabelos, o tipo de seio ou de quadril. São elementos que lembram desde suas mães até uma estrela de cinema. As mulheres também selecionam indicadores do homem ideal: deve ser esbelto ou musculoso, executivo ou intelectualizado, voltado para as artes e assim por diante. Todos esses ingredientes incluem elementos eróticos e se transformam, na nossa imaginação, em símbolos de parceiros ideais. De repente, julgamos ter encontrado uma quantidade significativa de tais símbolos naquela pessoa que passou pela nossa vida. E nos apaixonamos.

A fase de encantamento, no entanto, se fundamenta não só em aspectos ligados à aparência, mas também no que há por dentro. No entanto, uma outra situação pode ocorrer: conversamos com quem nos chamou a atenção e, devido à atração inicial e ao nosso enorme desejo de amar, tendemos a ver no seu interior as afinidades que sempre quisemos que existissem naquele que nos arrebata o coração.

Por exemplo: um rapaz franzino e intelectualizado é visto como emotivo, romântico, delicado, respeitoso e pouco ciumento. A moça se encanta com ele e espera que ele seja portador dessas qualidades. A isso chamamos idealização: acreditar que o outro tem características que lhe atribuímos. Sonhamos com um príncipe encantado – ou com uma princesa ideal – e projetamos todos os nossos desejos sobre aquela pessoa. E, quando passamos a conviver com ela, esperamos as reações próprias do ser que idealizamos.

Mas o que ocorre? É o indivíduo real que vai reagir e se comportar conforme suas peculiaridades. E é muito provável que nos decepcionemos – não exatamente por causa de suas características, mas porque havíamos despejado sobre ele fantasias de perfeição.

O erro nem sempre está no parceiro, e sim no fato de termos sonhado com ele mais do que prestado atenção no que ele realmente é. Eis aí um bom exemplo dos perigos derivados da sofisticação da mente, capaz de usar a imaginação de uma forma tão livre que a realidade jamais conseguirá alcançá-la.

By Dr. Flavio Gikovate.

Paciência

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 11/08/2011 by Joe

Ahhh, se vendessem paciência nas farmácias e supermercados … muita gente iria gastar boa parte do salário nessa mercadoria tão rara hoje em dia.

Por muito pouco a madame que parece uma “lady” solta palavrões e berros que lembram as antigas “trabalhadoras do cais”…  E o bem comportado executivo? O “cavalheiro” se transforma numa “besta selvagem” no trânsito que ele mesmo ajuda a tumultuar …

Os filhos atrapalham, os idosos incomodam, a voz da vizinha é um tormento, o jeito do chefe é demais para sua cabeça, a esposa virou uma chata, o marido uma “mala sem alça”. Aquela velha amiga uma “alça sem mala”, o emprego uma tortura, a escola uma chatice, o cinema se arrasta, o teatro nem pensar, até o passeio virou novela …

Outro dia vi um jovem reclamando que o banco dele pela internet estava demorando a dar o saldo, eu me lembrei da fila dos bancos e balancei a cabeça, inconformado …

Vi uma moça abrindo um e-mail com um texto maravilhoso e ela deletou sem sequer ler o título, dizendo que era longo demais.

Pobres de nós, meninos e meninas sem paciência, sem tempo para a vida, sem tempo para Deus. A paciência está em falta no mercado e, pelo jeito, a paciência sintética dos calmantes está cada vez mais em alta.

Pergunte para alguém que você saiba que é “ansioso demais”, onde ele quer chegar? Qual é a finalidade de sua vida? Surpreenda-se com a falta de metas, com o vazio de sua resposta.

E você? Onde você quer chegar? Está correndo tanto para quê? Por quem? Seu coração vai agüentar? Se você morrer hoje de infarto agudo do miocárdio o mundo vai parar? A empresa que você trabalha vai acabar? As pessoas que você ama vão parar?

Será que você conseguiu ler até aqui?

Respire, acalme-se …

O mundo está apenas na sua primeira volta e, com certeza, no final do dia vai completar o seu giro ao redor do sol, com ou sem a sua paciência…

By Paulo Roberto Gaefke.

Marketing

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , on 27/07/2011 by Joe

Nos Estados Unidos a maioria das residências tem por tradição manter na frente um lindo gramado. E para este serviço há diversos jardineiros autônomos que fazem a manutenção desses jardins.

Um dia, um executivo de marketing de uma grande empresa americana contratou um desses jardineiros. Chegando em casa o executivo viu que estava contratando um garoto de apenas 18 anos de idade e ficou surpreso. Quando o garoto terminou o serviço, solicitou ao executivo a permissão para utilizar o telefone. O executivo, encantado com a educação do garoto, prontamente atendeu ao pedido e, muito curioso com a atitude do garoto, não pode deixar de escutar a conversa.

O garoto havia ligado para uma senhora e perguntava:

– “A senhora está precisando de um jardineiro?”

– “Não. Eu já tenho um”, respondeu a senhora.

– “Mas, além de aparar, eu também tiro o lixo.”

– “Isso o meu jardineiro também faz.”

– “Eu limpo e lubrifico todas as ferramentas no final do serviço”, disse o garoto.

– “Mas isso o meu jardineiro também faz.”

– “Eu faço a programação de atendimento o mais rápido possível.”

– “O meu jardineiro também me atende prontamente.”

– “O meu preço é um dos melhores.”

– “Não, muito obrigada! O preço do meu jardineiro também é muito bom.”

Quando o garoto desligou o telefone, o executivo lhe perguntou:

– “Você perdeu um cliente?”

– “Não”, respondeu o garoto, “eu sou o jardineiro dela. Eu apenas estava verificando o quanto ela estava satisfeita com o meu serviço.”

Para você que hoje tem metas a cumprir e precisa de muita determinação para que seus objetivos sejam alcançados, lembre-se que para conseguir atingir o que quer é preciso ter uma prestação de serviço extraordinária.

Como é que você está tratando o seu cliente interno e o seu cliente externo? Você já mediu a satisfação dos seus clientes com relação aos seus serviços?

Você … bem, você sabe o que pode, o que deve e o que tem que fazer!

Que suas atitudes hoje possam ser o marketing da sua vida.

Desconheço o autor.

O poder das palavras

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28/06/2011 by Joe

Em um lugar por onde passavam muitas pessoas, um mendigo costumava sentar-se na calçada e, ao lado, colocava uma placa com os dizeres:

“Vejam como sou feliz! Sou um homem próspero, sei que sou bonito, sou muito importante, sou um sucesso, tenho uma bela residência, vivo confortavelmente, sou saudável e bem humorado”.

As pessoas que passavam o olhavam, intrigadas; outras o achavam doido e outras até davam-lhe dinheiro. Todos os dias, antes de dormir, ele contava o dinheiro e notava que a cada dia a quantia era maior.

Numa bela manhã, um importante e arrojado executivo, que já o observava há algum tempo, aproximou-se e lhe disse:

“Você é muito criativo! Não gostaria de colaborar numa campanha da minha empresa?”

“Vamos lá. Só tenho a ganhar!”, respondeu o mendigo.

Após um caprichado banho e com roupas novas, foi levado para a empresa. Daí para frente, sua vida foi uma sequência de sucessos e, depois de um certo tempo, ele tornou-se um dos sócios majoritários.

Numa entrevista coletiva à imprensa, ele esclareceu como conseguira sair da mendicância para tão alta posição. Contou ele:

– “Bem … houve época em que eu costumava me sentar nas calçadas com uma placa ao lado, que dizia: ‘Sou um nada neste mundo! Ninguém me ajuda! Não tenho onde morar! Sou um homem fracassado e maltratado pela vida! Não consigo um mísero emprego que me renda alguns trocados ! Mal consigo sobreviver’. As coisas iam de mal a pior quando, certa noite, achei um livro e nele atentei para um trecho que dizia:

‘Tudo que você fala a seu respeito vai se reforçando. Por pior que esteja a sua vida, diga que tudo vai bem. Por mais que você não goste de sua aparência, afirme-se bonito. Por mais pobre que você seja, diga a si mesmo, e aos outros, que você é próspero’.

Aquilo me tocou profundamente e, como nada tinha a perder, decidi trocar os dizeres da placa para:

‘Vejam como sou feliz! Sou um homem próspero, sei que sou bonito, sou muito importante, sou um sucesso, tenho uma bela residência, vivo confortavelmente, sou saudável e bem humorado’.

A partir desse dia, tudo começou a mudar; a vida me trouxe a pessoa certa para tudo que eu precisava, até que cheguei onde estou hoje. Tive apenas que entender o Poder das Palavras.

O Universo sempre apoiará tudo o que dissermos, escrevermos ou pensarmos a nosso respeito e isso acabará se manifestando em nossa vida como realidade. Enquanto afirmarmos que tudo vai mal, que nossa aparência é horrível, que nossos bens materiais são ínfimos, a tendência é que as coisas fiquem piores ainda, pois o Universo as reforçará. Ele materializa em nossa vida todas as nossas crenças”.

Naquele momento, uma repórter, ironicamente, questionou:

“O senhor está querendo dizer que algumas palavras escritas numa simples placa modificaram a sua vida?”

Respondeu o homem, cheio de bom humor:

“Claro que não, minha ingênua amiga! Primeiro eu tive que acreditar nelas!”

Desconheço a autoria.

Marketing

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , on 22/09/2009 by Joe

MarketingNos Estados Unidos a maioria das residências tem por tradição manter na frente um lindo gramado. E, para este serviço, há diversos jardineiros autônomos que fazem reparos nesses jardins. Um dia, um executivo de Marketing de uma grande empresa americana contratou um desses jardineiros.

Chegando em casa, o executivo viu que estava contratando um garoto de apenas 18 anos de idade e ficou surpreso. Quando o garoto terminou o serviço, solicitou ao executivo a permissão para utilizar o telefone. O executivo, encantado com a educação do garoto, prontamente atendeu ao pedido e, muito curioso com a atitude do garoto, não pode deixar de escutar a conversa.

O garoto havia ligado para uma senhora e perguntava:

– “A senhora está precisando de um jardineiro?”

– “Não. Eu já tenho um”, respondeu a senhora.

– “Mas, além de aparar, eu também tiro o lixo.”

– “Isso o meu jardineiro também faz.”

– “Eu limpo e lubrifico todas as ferramentas no final do serviço”, disse o garoto.

– “Mas isso o meu jardineiro também faz.”

– “Eu faço a programação de atendimento o mais rápido possível.”

– “O meu jardineiro também me atende prontamente.”

– “O meu preço é um dos melhores.”

– “Não, muito obrigada! O preço do meu jardineiro também é muito bom.”

Quando o garoto desligou o telefone, o executivo lhe perguntou:

– “Você perdeu um cliente?”

– “Não”, respondeu o garoto, “eu sou o jardineiro dela. Eu apenas estava verificando o quanto ela estava satisfeita com o meu serviço.”

Para você que, hoje, tem metas a cumprir e precisa de muita determinação para que seus objetivos sejam alcançados, lembre-se que, para conseguir atingir o que quer, é preciso ter uma prestação de serviço extraordinária.

Como é que você está tratando o seu cliente interno e o seu cliente externo? Você já mediu a satisfação dos seus clientes com relação aos seus serviços? Você …?

Bem, você sabe o que pode, o que deve e o que tem que fazer…

Que suas atitudes, hoje, possam ser o Marketing da sua vida.

Autoria desconhecida.

%d blogueiros gostam disto: