Arquivo para Eu te amo

Nada te devo, nada me deves

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , on 25/05/2015 by Joe

Nada te devo, nada me deves

Amor é estado de graça e com amor não se paga!

Nada mais falso do que o ditado popular que afirma que “amor com amor se paga”.

O amor não é regido pela lógica das trocas comerciais. Nada te devo. Nada me deves.

Como a rosa que floresce porque floresce, eu te amo porque te amo!

By Rubem Alves.

Anúncios

Quebrando ovos

Posted in Humor, Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/04/2015 by Joe

Quebrando ovos

Chega um momento em que a relação precisa quebrar os ovos. É bom estar preparado.

Será como o trabalho doméstico: transparente. Lava-se louça, roupa, estende, retira os vincos com ferro, limpa casa, recolhe o lixo, arruma os brinquedos e os filhos nem reparam que tudo está novamente no lugar e no armário, apesar da bagunça feita recentemente. É óbvio que não vão agradecer. É o que chamo de passado secreto. Aconteceu, mas não merece memória.

Entretanto, a raiva fica: não fui valorizado e resta um desmemoriado mal-estar.

Minha namorada resolveu comer omelete. Ela já preparou o prato outras vezes em seu apartamento. Estava na minha casa e me antecipei na captura dos ingredientes, louco para agradá-la. Mas a minha menção de executar a tarefa a desagradou. Entenda, é o passado secreto. O ardiloso passado secreto. Com minha efusiva disposição, ela desconfiou de que eu não gostava de suas omeletes e que, somente agora, decorrido um ano, estava com coragem de falar.

Raciocinei que significava uma informação dispensável, meu modo era dourar os dois lados e o dela era envelopar a massa ao final, mas ela tratava o assunto com tamanha energia que até me assustou.

– “Quer que eu faça?”, perguntei.

– “Não gosta do jeito que faço?”

– “Gosto, é que eu mostraria minha predileção…”

– “Gosta nada, quem já fez omelete para você? Quer do jeito de quem? Confessa?”

– “De ninguém…”

– “Ora, vai nessa, qual é a receita? Com queijo ralado, requeijão, tomates fatiados? Por que nunca me disse que não gostava da minha omelete? Eu me sinto uma idiota…”

– “Eu gosto, só busquei uma maneira diferente!”

– “Que maneira?”

(Daí eu me danei)

Levamos mais tempo discutindo na tentativa de prevenir a discussão. A conversa durou duas horas. Duas horas sobre absolutamente nada, a não ser o medo do que não foi vivido junto. Se aliso seu umbigo, acreditará que repito um convite libidinoso com uma antiga namorada. Quanto mais a gente se entrega, maior é o pânico de estar sozinho na doação, de ser uma miragem afetiva. Tanto que, após desfiar um “eu te amo tanto”, não ouse nunca mais declarar “eu te amo” – é como se amasse menos.

O ciúme está dobrado em cada gesto, fazendo contas e pedindo estornos. Não há saída; passe manteiga na conversa, aqueça a frigideira e admire os ovos quebrados na pia.

Repare como o negócio é tinhoso. Durante as compras, no caixa, costumava perguntar se ela estava naquele momento com troco. Não falava dinheiro, mas troco. Uso troco para tudo. Para quê? Ela já formulou uma tese de que empregava o código com a ex. Igual sina em nossas rotas românticas. Relaxados, sozinhos e prontos para namorar, peço que ela me alcance o champanhe do balde:

– “Por favor, me passe a “champs”?”

– ““Champs”?”

Pronto! Feito o entrevero. Usava também esse dialeto com a ex.

O grave é que ela tem razão. Só não desejava brigar, ainda mais quando não tenho defesa. Ela poderia ser mais justa e me dar tempo para preparar uma mentira.

By Fabrício Carpinejar.

Todo relacionamento é uma viagem

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/03/2015 by Joe

Todo relacionamento é uma viagem

Porque todo relacionamento é uma viagem, nós planejamos, curtimos, e um dia – como outra terça-feira qualquer – a viagem acaba e temos que desfazer as malas quando chegamos, finalmente, em casa.

O “eu te amo”, se torna o “eu também”. Aos poucos você sente que o relacionamento começa a se metamorfosear numa vela de duas pontas, bonito para quem vê, inútil e fadado ao término inexorável. Você se sente horrível, como se a culpa disso tudo fosse sua, ou pior, da outra pessoa. Só que essa via-crúcis não cabe a você, ou a ninguém, percorrer.

O que aconteceu? Foi algo que eu fiz? Foi algo que ela fez? Será mesmo que existe uma validade para o amor? Eu amei? Ela amou? Será que fomos aquela pessoa para outra que não lembraremos no futuro? Sabe aquela pessoa que um dia veremos com filhos passeando no shopping? Procurando o caderno perfeito para a filha… ou no salão, levando o garoto para o primeiro corte de cabelo? Será que ela vai lembrar de mim sem a barba? Será que meu queixo ainda encaixa na saboneteira dela? Será que ela agora é feliz, como era no inicio de tudo? Ou se tornou aquela pessoa que não mais sorri com minha imitação do De Niro em Taxi Driver?

Eu vou lembrar, assim como lembro das minhas viagens. As boas e as ruins. Por mais que apaguemos as fotos, por mais que o voo de volta tenha sido turbulento, por mais que tenha sido sem graça o modo como me despedi, ou por mais que tenha sentido saudade quando voltei, eu lembrarei. Porque é disso que somos feitos. As experiências, os momentos, aquele primeiro passo ao encontro do desconhecido, e o último cansado, do habitual ao receio.

Enquanto escrevo isto, me ocorre que a peculiaridade da maioria das coisas que consideramos efêmeras é o modo como elas são, na verdade, inesquecíveis. Não importa a turbulência no fim da viagem, o trem de pouso funcionou, você sobreviveu a mais uma, e sempre sobreviverá.

Corações podem ser partidos, mas o coração é o mais forte dos músculos, capaz de pulsar durante toda a vida, setenta vezes por minuto, e não falhar quase nunca. Lembre-se disso na próxima vez que planejar uma viagem, independente do final – se houver – saiba que você chegará em casa cansado, assim como todas as outras vezes, que será difícil desfazer as malas e bem provavelmente você vai aprender a dar valor somente quando aquela camisa, temática, comprada desbotar… Mas valerá.

Afinal, Fernando Pessoa já disse: “Para viajar basta existir”.

By Gui Mendes.

Falta de ousadia

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/07/2014 by Joe

Ousadia

Quanto de nós se perde por falta de ousadia?

Perdemos oportunidades, não ousamos tentar por medo de errar. Perdemos afetos, não ousamos amar. Perdemos pessoas; não ousamos dizer “eu te amo”, “você é importante”.

Perdemos descobertas, não ousamos experimentar coisas novas!

Perdemos tempo; não ousamos dizer não, nem sim. Perdemos personalidade; não ousamos “sacudir o barco”, dizer o que realmente pensamos.

Perdemos vida, por não ousarmos viver. Sem uma certa dose de ousadia a vida nada mais é do que um tedioso corredor da morte.

Há que se diferenciar ousadia de comportamento impensado – e até mesmo estúpido. Ousar é uma arte.

Se você está pensando que ousar é dizer umas quantas verdades ao seu chefe, sem pensar nas consequências, está muito enganado! A ousadia frutífera tem dois pilares: a coragem e a inteligência.

Portanto, não venha se queixar se acabar jogando fora seu emprego, inspirado neste texto!

Desconheço a autoria.

Mandamentos da felicidade

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/05/2014 by Joe

Mandamentos da felicidade

Quem não quer ser feliz e bem sucedido? Todos querem. No entanto, somente 5% da população tem o poder de alcançar o potencial para vencer, enquanto 95% jamais atingirá os seus objetivos.

As pessoas de sucesso aprenderam a controlar seus pensamentos, emoções, ações e superaram crenças autodestrutivas. Elas descobriram (ou re-descobriram) seu espírito, missão, propósito e caminho na vida. E têm a coragem de definir objetivos e viver seus sonhos. Elas dominam o poder pessoal!

Quem toma posse do seu poder pessoal não espera que outra pessoa corresponda às suas expectativas, nem coloca a responsabilidade da sua felicidade nas mãos de quem quer que seja. É capaz de exercer a sua capacidade de escolha diante dos acontecimentos e decide que atitude tomar diante de cada situação.

Então qual é o segredo? Por que a prosperidade e a felicidade chegam para uns e não para outros?

É necessário aprender a se conhecer melhor e identificar qualidades e defeitos, como são as reações em determinadas situações e onde é possível melhorar. Existe uma infinidade de atitudes que, muitas vezes, deixamos de lado e não percebemos que contribuem para afastar nossa felicidade.

Creia, você é o único responsável pela sua imagem e, através de ações simples, você pode até mudar o rumo da sua vida. Basta treinar! Veja alguns mandamentos da felicidade que podem ajudar a mudar sua vida.

Ame

Não me refiro apenas ao amor entre homem e mulher ou entre pais e filhos. Mais do que isso, é o amor a todos os próximos: pessoas, animais, à natureza em geral. Parece que nos dias atuais este sentimento está meio esquecido, banalizado. Um casal não pode afirmar que existe amor se convive em clima de brigas e rupturas constantes. Tente ser feliz ao menos um pouco, todos os dias.

É ilusão achar que vai ser feliz amanhã ou no futuro, quando vier o aumento esperado, quando as contas estiverem todas pagas, quando a aposentadoria chegar… Novos desafios sempre surgirão. Não seja egoísta e individualista, dê a mão… Pratique o amor sempre!

Aceite

Aceite os outros do jeito como são. Assim como você, são pessoas únicas. Não aceitá-los pode resultar em atritos, raiva, e até em separação. Antes de criticar, primeiro olhe para os seus defeitinhos.

Sorria

Quando rimos há um desdobramento de nossa aura. Todos gostamos de conviver com pessoas sorridentes, bem humoradas, alto astrais. Se gostamos de estar perto de pessoas alegres, o mesmo vale para atrairmos os outros. Fale sorrindo, até mesmo pelo telefone. Você vai notar que a batalha do dia-a-dia não será tão dura quanto parece. A pessoa bem humorada consegue resolver com mais facilidade seus problemas, pois supera logo os momentos ruins.

Além disso, consegue emanar uma energia positiva nos ambientes em que se encontra. Aprenda a acordar de bom humor, diga “bom dia” com aquela vontade de que o seu dia seja maravilhoso.

Pense positivo

A medicina já provou que as pessoas otimistas vivem muito mais e melhor. Quem pensa positivo consegue superar mais facilmente os problemas, pois sabe que cedo ou tarde conseguirá o que quer. Assim não se estressa.

Pare de reclamar

Quem gosta de ficar perto de alguém que só reclama? Ninguém tem vocação para “muro das lamentações”, pois já tem problemas suficientes para ouvir os alheios. Além disso, quem reclama atrai todas as energias negativas do ambiente, pois fica indefesa, sem luz própria. Assim, além de não chegar a lugar algum, fica cada vez mais “carregada”. Quem quer construir alguma coisa vai à luta, não fica reclamando.

Brinque com as crianças

Estar perto de crianças, brincar com elas, ouvir o que dizem, é estar perto dos anjos. As crianças irradiam um sentimento sincero, puro e, quando amam, amam de verdade. Deve-se aprender com elas a recuperar a espontaneidade e a capacidade de divertir-se.

Cante e dance

A sabedoria popular já diz que “quem canta seus males espanta”. E não é para menos: quando se está contente é comum sair cantarolando pela casa, no chuveiro ou mesmo no trabalho. Isso levanta ainda mais o astral. Se estiver triste comece a cantar, saia para dançar, solte sua energia. Você vai se sentir bem melhor.

Abrace

Crie o hábito de abraçar fortemente as pessoas queridas, como parentes, filhos, amigos. No momento de um abraço sincero, há uma troca de energias e, de forma inconsciente, a pessoa abraçada capta o bom sentimento e o devolve, de forma simbólica, com a retribuição ao abraço.

Um outro hábito que faz muito bem é exteriorizar seu amor ao próximo, dizendo “eu te amo”. Não apenas para a pessoa amada, mas para os pais e filhos, principalmente. Quebre barreiras e fortaleça os laços. Se não consegue dizer pessoalmente, escreva.

Reze

A oração é a melhor forma de comunicação com Deus. Quem ora com bastante fé adquire mais autoconfiança para ir atrás dos seus desejos. Jamais duvide do poder da oração. Crie tempo para recarregar as baterias através da espiritualização, da meditação, da fé e da oração. É neste momento que, muitas vezes, surgem as saídas para as aflições.

Ajude

Ajudar os parentes, amigos e desconhecidos é um ato de amor. A ajuda pode ser um conselho, uma palavra, um gesto, uma atitude e até mesmo em dinheiro. Um ato de atenção para com um desconhecido gera uma força surpreendente capaz de abrir os nossos caminhos. O retorno só pode ser bom.

Abrace uma causa social. Você vai se sentir muito orgulhoso.

Perdoe

Pedir perdão é um ato humano e perdoar é divino. Guardar mágoas é alojar no coração um sentimento tão ruim pelas pessoas que rouba o espaço do amor. Há quem vive remoendo fatos ocorridos há tanto tempo que se esquece de viver a realidade. Fomos criados para evoluir. Cada um tem o livre arbítrio de aprender as lições da vida pela dor ou pelo amor.

Reconheça

Elogie atitudes ou o trabalho de quem convive com você. Crie o hábito de reconhecer o talento de cada um, pois no momento do elogio há uma troca de energias positivas. Parabenize pelas suas conquistas, nas datas especiais e festivas. Isso reforça o carinho que sente por elas.

Organize-se

Manter suas coisas organizadas, como objetos, papéis, roupas, é sinal de vida organizada.

Deseje

Tenha objetivos, imagine aquilo que você quer e vá a luta. A acomodação mata o indivíduo lentamente. Quem deixa de ter uma meta na vida fica estagnado, chato e sem energia. Não deixe nunca de sonhar…

Ame-se

Seja generoso com você. Ninguém é perfeito. Valorize algo de bom em você e admire-se ao máximo. Deixe que surjam sentimentos de amor por si mesmo. Se não, como poderá amar ao próximo? Valorize-se e respeite as suas fraquezas e fragilidades.

Agradeça

Todos os dias… por estar vivo, pelo que é, possui ou gostaria de conquistar. Pense positivo, segure firme as rédeas da sua vida e viva mais feliz!

By Marlene Heuser.

Urgência emocional

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 09/04/2014 by Joe

Urgência emocional

Se tudo é para ontem, se a vida engata uma primeira e sai em disparada, se não há mais tempo para paradas estratégicas, caímos fatalmente no vício de querer que os amores sejam igualmente resolvidos num átimo de segundo.

Temos pressa para ouvir “eu te amo”. Não vemos a hora de que fiquem estabelecidas as regras de convívio: somos namorados, ficantes, casados, amantes?

Urgência emocional. Uma cilada. Associamos diversas palavras ao amor: paixão, romance, sexo, adrenalina, palpitação. Esquecemos, no entanto, da palavra que viabiliza esse sentimento: paciência!

Amor sem paciência não vinga. Amor não pode ser mastigado e engolido com emergência, com fome desesperada.

É preciso degustar cada pedacinho do amor, no que ele tem de amargo e de saboroso, no que ele tem de duro e de macio. Os nervos do amor, as gorduras do amor, as proteínas do amor, as propriedades todas que ele tem.

É uma refeição que pode durar uma vida.

Mas, não… Temos urgência. Queremos a resposta do e-mail ainda hoje, queremos que o telefone toque sem parar, queremos que ele se apaixone assim que souber nosso nome, queremos que ela se renda logo após o primeiro beijo, e não toleraremos recusas, e não respeitaremos dúvidas, e não abriremos espaço na agenda para esperar.

Temos todo o tempo do mundo, dizem uns! Não há tempo a perder, dizem outros! A gente fica perdido no meio deste fogo cruzado, atingidos por informações várias, vivências diversas, parece que todos sabem mais do que nós, pobres de nós, que só queremos uma coisa nessa vida: sermos amados!

Podemos esperar por todo o resto: emprego, dinheiro, sucesso, mas não passaremos mais um dia sequer sozinhos. “te adoro”, dizemos sei lá pra quem… Para quem tiver ouvidos e souber responder. “Eu também”, que a gente está mais a fim de acreditar do que de selecionar.

Urgência emocional, pronto socorro do amor… Atiramos para todos os lados e somos baleados por qualquer um.

E o coração leva um monte de pontos por causa dessa tragédia: “pressa”.

By Martha Medeiros.

Modos de amar

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28/03/2014 by Joe

Modos de amar

Uma das frases que estamos acostumados a ouvir é: “Eu amo a meu modo”.

É claro que isso é dito em consequência das queixas e insatisfações do companheiro, que se sente pouco atendido em suas pretensões de carinho e atenção.

Será mesmo que existem vários modos de amar? Ou será que a hipótese é usada de má-fé para encobrir a falta da capacidade de amar?

Há pessoas que gostam – e necessitam – de relações afetivas próximas e intensas, ao passo que outras preferem relações mais frouxas. Quando duas pessoas com expectativas amorosas diferentes se unem, é claro que aquela que espera um relacionamento mais intenso fica insatisfeita, mesmo quando o parceiro se dedica a ela da forma mais leal e honesta. Acho que talvez seja mais adequado pensar em diferentes graus de intensidade amorosa, em vez de pensar em diferentes formas de amar.

Sim, porque esta última forma de raciocinar abre as portas para muitos tipos de comportamento claramente egoístas em que se podem usar palavras de natureza amorosa sem que elas venham acompanhadas de comportamentos compatíveis. Dizer “eu te amo” não custa nenhum tipo de esforço ou sacrifício. Se expressões desse tipo não vêm acompanhadas de atitudes próprias desta emoção, elas são pura demagogia.

Funciona mais ou menos assim: o demagogo diz que ama a seu modo e que isto não significa ter atitudes de dedicação e agrado em relação ao seu par. Por outro lado, ele espera do parceiro a renúncia e a generosidade próprias do modo de amar do outro. O processo envolve, pois, dois pesos e duas medidas, uma vez que as pessoas que amam a seu modo nunca se relacionam intimamente com outras pessoas que amam do mesmo modo que elas, preferindo pessoas que amam de um modo mais convencional.

Temos todas as razões do mundo para desconfiar das palavras, especialmente daquelas que não vêm acompanhadas de atitudes coerentes com elas. Acho melhor encontrarmos uma só forma de descrever o amor e definitivamente só considerarmos como capazes de amar aqueles que se comportam de acordo com o descrito. Ou seja, penso que a melhor forma de conceituar o amor seja considerar que aquele que ama se sente muito bem em agradar e paparicar a pessoa amada.

Uns farão sacrifícios maiores para isso do que outros, mas todos aqueles que amam de verdade sentem-se felizes interiormente quando são capazes de proporcionar alegria e felicidade ao amado. Amar é, então, gostar de agradar a pessoa amada, ficar feliz com sua felicidade, querer ver a pessoa prosperar. É fazer todo o possível para que estas coisas se realizem.

Agradar a pessoa amada significa fazer as coisas que a deixam satisfeita e, principalmente, que a fazem sentir-se amada. E o que agrada a outra pessoa não é, obrigatoriamente, o que nós achamos que vai agradar. É importante observar quem se ama, conhecer seus gostos e vontades. Não tem cabimento um homem dar uma jóia de presente a uma mulher que não gosta de jóias! Às vezes vale mais uma flor do que um anel de brilhantes.

Quando não existe esse tipo de troca num relacionamento, penso que não deveríamos usar a palavra amor para descrever o elo que une duas pessoas. Não é raro que um dos indivíduos seja do tipo que sempre gosta de paparicar o parceiro, ao passo que o outro é displicente, só gosta de receber agrados, “ama a seu modo”. Nesse caso, o que agrada ama, mas não está sendo amado, está sendo explorado. É co-autor de uma história de amor unilateral.

Não posso esconder as reservas que tenho em relação a esses tipos de relacionamento. Eles não fazem parte das verdadeiras histórias de amor, que são sempre trocas ricas e gratificantes para ambos os envolvidos. As verdadeiras histórias de amor acontecem quando duas pessoas amam do mesmo modo, e o sentimento provoca sempre uma enorme vontade de cuidar do amado.

By Flávio Gikovate, médico psiquiatra, psicoterapeuta e escritor.

%d blogueiros gostam disto: