Arquivo para Dívidas

O princípio da fartura

Posted in Inspiração, Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/09/2012 by Joe

A razão pela qual ninguém pode dizer quantas maçãs existem numa semente é que a resposta é: infinitas!

Sem fim. É nisso que consiste o princípio da fartura: infinidade.

Parece um paradoxo, porque nós, como formas humanas, parecemos começar e terminar num período de tempo específico e, portanto, a infinidade não faz parte de nossa experiência em forma.

Mas é difícil imaginar que o Universo tenha fronteiras ou que ele simplesmente termine em algum lugar. Se termina, o que há no fim, e  o que há do outro lado do que é o fim?  Assim, sugiro que o Universo não tem fim e que não há um fim para o que você pode ter para si mesmo quando este princípio tornar-se parte de sua vida.

Já vimos que uma grande parte do que somos como seres humanos não tem forma, e que esta parte, os pensamentos, não tem limites. E disso eu deduzo que nós também somos infinitos. Consequentemente, a fartura, com sua ausência de fronteiras e limites, é a própria senha do Universo. Aplica-se a nós todos tanto quanto a tudo o mais no Universo.

Deveríamos ser conscientes da abundância e da prosperidade e não fazer da escassez a pedra angular de nossas vidas. Se temos uma mentalidade de escassez, significa que acreditamos em escassez, que avaliamos nossas vidas em termos de suas carências. Se nos fixamos na escassez, estamos colocando energia no que não temos, e esta continua a ser a nossa experiência de vida.

O tema da história da vida de tantas pessoas:

“Eu  simplesmente não tenho o suficiente”.

“Como posso acreditar em fartura quando meus filhos não têm nem as roupas de que precisam?”.

“Eu seria muito mais feliz se tivesse…”

As pessoas acreditam que vivem uma vida de escassez porque não têm sorte, em vez de reconhecerem que seu sistema de crenças está enraizado no pensamento de escassez. E assim, enquanto viverem com uma mentalidade de escassez, isto é o que atrairão às  suas vidas. Tudo que seria necessário para eliminar esta condição de vida já está aqui neste mundo em que vivemos e respiramos. Todos os dias. Onde mais poderia estar?

A verdade é que existe o bastante para todos no Universo, e somos parte deste Universo infinito. Quando, sinceramente, acreditarmos neste princípio, nós o veremos funcionar para nós de milhares de maneiras diferentes. Todas as pessoas que conheci, que passaram de uma vida de escassez para uma de fartura, descobriram como acreditar e viver este princípio. E digo todas as pessoas mesmo, inclusive eu. Mas como nos livramos de uma mentalidade de escassez?

O primeiro passo para descartar uma mentalidade de escassez é compreender e dar graças por tudo que você é e tudo que você tem.

É assim mesmo – agradeça, mas não de uma maneira inexpressiva. Aprecie verdadeiramente o milagre que é você. O fato de estar vivo. De ter olhos, ouvidos, pés, e de estar aqui neste exato instante, neste sonho maravilhoso. Faça um esforço para  começar a se concentrar no que você tem, e não naquilo que lhe falta.

Nada falta. Como poderia te faltar alguma coisa num Universo perfeito?

Quando você começa a se concentrar em ser agradecido por tudo que tem – a água que bebe, o sol que o aquece, o ar que respira e tudo que é uma dádiva de Deus – você estará usando seus pensamentos (sua essência inteira) para se fixar na abundância e na sua humanidade.

Lembre-se de que você é uma célula única no corpo da humanidade, e esta célula requer harmonia interior a fim de cooperar com as células adjacentes.

Quando você assim proceder, sua energia mudará para o milagre de você estar aqui.

Enquanto estiver concentrado no milagre que você é e no milagre de tudo que o cerca, você não pode estar concentrado no que não é e no que parece estar faltando no seu mundo. À medida que praticar ser agradecido, vá aumentando a lista pelas coisas pelas quais você agradece.

Amigos e família. Roupas e alimentos. Qualquer dinheiro que tenha. Todos os seus bens, tudo que tenha surgido em sua vida para você usar enquanto está aqui.

Enfim, toda e qualquer coisa!

O lápis, o garfo, a cadeira, tudo. Comece a se concentrar no quanto você é agradecido por ter todas estas coisas em sua vida agora, quando precisa delas. Pense nelas como suas para usar temporariamente antes de devolvê-las para à Circulação.

Quando estiver pronto para iniciar o processo de ser agradecido por todos e tudo que surgem em sua vida, bem como apreciar sua própria humanidade, você estará no caminho para eliminar a mentalidade da escassez.

Tudo em que você focaliza seus pensamentos, se expande!

Leia de novo.

Tudo em que você focaliza seus pensamentos, se expande!

É perfeitamente lógico. Tudo que você tende a  pensar é o que você se concentra e é o que você cria mais. Por exemplo, se você tem algumas dívidas e algum capital e todo o  seu foco é o que você tem, você expandirá seu capital.

Se o  capital é de apenas quinhentos reais e suas dívidas são de cinco mil, e você se concentra no dinheiro que tem, você começará a fazer alguma coisa com ele. O que quer que faça com ele de maneira positiva ajudará a expandí-lo.

Ao contrário, se você concentra todos os seus pensamentos no seu endividamento, sempre lembrando a si mesmo o quanto é pobre, fazendo disso o foco de sua vida emocional, será precisamente isso o que expandirá!

Isso é perfeitamente claro quando se trata de pequenas doenças. Se você se concentra em seu resfriado, sempre falando nisso, sempre se queixando a todos com quem encontra o quanto se sente mal, você expandirá o que está sufocando.

Isto é, sua energia fluirá para o resfriado de que você tanto se orgulha. Mas se você se concentra na grande parte de você que não está doente e diz às outras pessoas o quanto se sente bem, você expandirá seu bem-estar .

Nós agimos segundo nossos pensamentos. Estes pensamentos literalmente se tornam nossa experiência diária de vida. Em consequência, se você despende uma grande parte da energia de sua vida concentrando-se em escassez, isto é o que você vai expandir em sua vida.

Para vivenciar somente a fartura, você na verdade tem que, deliberadamente, resistir à concentrar-se em escassez.

Quando você vive e respira prosperidade, e age com a crença de que existe um enorme suprimento de tudo, e de que todos temos o direito a ter tudo que podemos ter, você começa ativamente a tratar a si e os outros desta forma.

Este princípio aplica-se à aquisição de riqueza, felicidade pessoal, saúde, atividades intelectuais e tudo o mais.

Está relacionado à antiga promessa bíblica:

“Ao que tem, mais deve ser dado”.

Realmente dá certo. Este Universo é um empreendimento incomensuravelmente grande, grande demais para que qualquer um de nós comece a percebê-lo da perspectiva dos limites do nosso corpo.

A fartura reina por toda a parte.

Os únicos limites que temos são os que alimentamos com nossa crença nestes mesmos limites.

By Wayne Dyer.

Fugas

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/08/2012 by Joe

Muita gente anda vivendo por viver, parece que anda fugindo de si mesma, com medo de encarar a realidade.

Que adianta o apartamento enorme se a alma está vazia; que adianta o carro luxuoso se o medo te acompanha? Que adianta o celular último tipo se quem você quer não te liga; que adianta a promoção se o emprego não te traz satisfação?

Que adianta o namoro de anos se não existe mais alegria; pra que esse casamento de fachada, se você já sabe de todas as traições?

Que adianta essa oração na hora do desespero, se Deus esteve sempre presente e você nunca o procurou?

De que adianta essa cara fechada, se nós não temos nada a ver com seus problemas? Que adianta chutar o cachorro, se ele nem te conhece e você vai continuar doente?

Que adianta o remédio para pressão, se você continua fumando; que adianta o conselho, se você continua agindo à sua maneira; que adianta o guia, se você está cego?

Que adianta o choro, se o amor acabou; que adianta a comida, se a fome passou; pra que o calmante, se ele não te acalma; que adianta gastar tanto no casamento que já nasce cheio de dúvidas, e o pior, cheio de dívidas?

Melhor seria viver simplesmente a vida e toda a sua beleza, estudar por prazer, trabalhar no que gosta, mesmo ganhando menos, ficar só e ter a melhor companhia, porque antes só do que mal acompanhado.

Viver em um casebre limpo e arejado onde todos se falam, se beijam e se abraçam, onde uma casa vira lar.

Melhor andar a pé que morrer de nervoso ao volante no trânsito, e para ser mais feliz, melhor é amar com simplicidade, as pessoas, os animais, a natureza, tudo sem frescura;  não ter vergonha de abraçar e demonstrar o seu amor, como crianças que abraçam as árvores com ingenuidade, que conversam com as plantas, com seus cachorrinhos, e que ouvem as respostas que nós, adultos tão esclarecidos, não conseguimos ouvir, e por isso estamos morrendo cada dia um pouco, lentamente, na tristeza que nos consome, no vazio de querer sempre mais daquilo que nem sabemos o que é.

Pare, pense e mude.

Ainda dá tempo de ser simplesmente feliz. Só depende da sua atitude, só depende de você e o dia é hoje.

Pense nisso!

By Paulo Roberto Gaefke.

A sabedoria da dor

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/07/2012 by Joe

Não faça da sua dor uma máscara, que coloque em seu rosto a “marca da vítima”, do pobre coitado, da “infeliz de Maria”. Isso só afasta as pessoas e as oportunidades.

Por vezes, a vida, com sua “lousa amorosa”, vem trazendo novas lições, novos caminhos, e nós, presos ao que passou, ao que mal começou, ficamos parados na ilusão do tempo, e sofremos além da conta.

Enterre seus mortos, mas deixe-os lá.

Na tumba que serve de abrigo para os ossos, porque, Platão já sabia e afirmava, seus mortos não estão no túmulo, estão além da sua visão, mas perto da sua alma, da sua percepção, seus mortos vivem no seu coração.

Faça da sua dor um aprendizado. Tire proveito das lições que o desengano promove, aprenda a reconhecer os sinais do amor, comece a enxergar os problemas de longe, fuja das situações embaraçosas, amores mal resolvidos, pessoas com mais problemas que você, dívidas que podem ser evitadas, compromissos que não te pertencem.

Viva uma vida com sabedoria, e assim, encontrará, a alegria, mãe de toda a felicidade.

É tempo de reencontrar a paz perdida, se afundar no travesseiro sem nenhum medo, com a plenitude de saber ser merecedor, de tudo o que é bom, inclusive o amor!

By Paulo Roberto Gaefke.

Crise? Que crise?

Posted in Atualidade with tags , , , , , , on 17/03/2010 by Joe

Vejam vocês como os bancos criaram todos os problemas.

Numa pequena vila e estância na costa sul da França, chove, e até então nada de especial acontece. A crise sente-se. Todos na vila devem a toda gente, todos carregados de dívidas.

Um belo dia, um rico turista russo, chega à recepção do pequeno hotel local. Pede um quarto e coloca uma nota de 100 euros sobre o balcão, pede uma chave do quarto e sobe ao 3º andar para inspecionar o quarto que lhe indicaram, na condição de desistir se lhe não agradar.

O dono do hotel pega a nota de 100 euros e corre ao fornecedor de carne, a quem deve os mesmos 100; o açougueiro pega o dinheiro e corre ao fornecedor de leitões para pagar também os 100 que devia há algum tempo. Este, por sua vez, corre ao criador de gado que lhe vendera a carne e liquida sua dívida; e este por sua vez corre a entregar os 100 euros a uma prostituta que lhe cedera serviços a crédito. Esta recebe o dinheiro e corre ao hotel a quem devia, também, 100 euros pela utilização casual de quartos à hora para atender clientes.

Neste momento o russo rico desce à recepção e informa ao dono do hotel que o quarto proposto não lhe agrada, pretende desistir e pede a devolução dos 100 euros. Recebe o dinheiro e sai.

Não houve, nesse movimento de dinheiro, qualquer lucro ou valor acrescido. Contudo, todos liquidaram as suas dívidas e estes elementos da pequena vila costeira encaram agora otimisticamente o futuro.

O problema embolou quando inventaram os bancos que começaram a “vender” dinheiro! Ou seja, não existe crise, mas, sim, banqueiro que não está ganhando o que queria.

Autoria desconhecida.

%d blogueiros gostam disto: