Arquivo para Distância

A trilha do bezerro

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 11/08/2015 by Joe

A trilha do bezerro

Certo dia, um bezerro precisou atravessar uma floresta virgem para voltar ao seu pasto. Sendo um animal irracional, abriu uma trilha tortuosa, cheia de curvas, subindo e descendo colinas.

No dia seguinte, um cão que passava por ali usou essa mesma trilha torta para atravessar a floresta. Depois foi a vez de um carneiro, líder de um rebanho, que fez seus companheiros seguirem pela trilha torta.

Mais tarde, os homens começaram a usar esse caminho: entravam e saíam, viravam à direita, à esquerda, abaixando-se, desviando-se de obstáculos, reclamando e praguejando até com um pouco de razão… mas não faziam nada para mudar a trilha.

Depois de tanto uso, esta acabou virando uma estradinha onde os pobres animais se cansavam sob cargas pesadas, sendo obrigados a percorrer em três horas uma distância que poderia ser vencida em, no máximo, uma hora, caso a trilha não tivesse sido aberta por um bezerro.

Muitos anos se passaram e a estradinha tornou-se a rua principal de um vilarejo e, posteriormente, a avenida principal de uma cidade. Logo, a avenida transformou-se no centro de uma grande metrópole e por ela passaram a transitar diariamente milhares de pessoas, seguindo a mesma trilha torta feita pelo bezerro centenas de anos antes…

Bom, essa historinha nos mostra que os homens têm a tendência de seguir como cegos pelas trilhas dos bezerros de suas mentes e se esforçam de sol a sol repetindo o que os outros já fizeram.

Tenho certeza que o Universo deve ficar muito chateado vendo a cegueira humana, em que homens caminham por estradas tortuosas sem perceberem que elas se enchem de obstáculos que poderiam ser evitados caso eles procurassem novos caminhos.

A repetição cega de caminhos trilhados anteriormente nem sempre nos leva aos nossos destinos de forma rápida e tranquila. Entenda-se por repetição cega, a falta de questionamentos, de procurar saber os porquês das coisas, das crenças, dos valores, dos caminhos…

Vamos pensar um pouco mais, ser mais ativos, ter mais atitudes e deixar de seguir caminhos e rotas na escuridão da ignorância servil!

Desconheço a autoria… então, botei a minha colher e complementei (Joemir Rosa)!

Anúncios

Vida é movimento

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/10/2014 by Joe

Vida é movimento

Viver é uma oportunidade única!

Uma jornada individual que se reinicia todos os dias, repleta de possibilidades e escolhas.

O bom aprendiz caminha atento e agradece ao acordar a cada manhã; enxerga a beleza que se disfarça na simplicidade onde flui a paz; entende que os resultados de hoje foram as opções de ontem; aprende a se refazer nas pequenas conquistas; aprecia o hoje antes do incerto amanhã, porque sabe que não é o tempo que passa, mas nós que passamos…

Vida é movimento e saber viver é uma arte!

Há uma longa distância entre sentir-se vivo e apenas existir. O mundo interior dá sinais de alerta, mas a rotina exterior o contesta. Seguimos na confusão da vida sem notar quando começamos a nos perder de nós mesmos, até que venha a saudade num dia qualquer, para nos lembrar de como éramos.

Assim, começa para muitos a busca íntima do resgate pessoal. Para manter o rumo durante o percurso não basta determinação: tem que ter coragem, saber arriscar e ousar.

Pedras atrapalham, mas também nos ensinam porque surgiram; nem sempre se pode removê-las, mas contorná-las é possível desde que os olhos se mantenham no horizonte, onde estão as metas, sonhos e ideais.

Recomeçar sempre que for preciso é permitir-se uma nova chance. Datas não servem para marcar o início, apenas para protelar. O melhor momento para o que deve ser feito é – e sempre será – “agora”. Quem espera não realiza, apenas se deixa levar!

Aproveite seu caminho a cada passo, sinta-se livre em si mesmo, redescubra o prazer e a leveza em simplesmente ser. Cultive a paz no espírito e relacione-se com seu Criador, porque Ele acredita em você… enquanto o mantém respirando.

No fundo, o que importa é “fazer valer a pena”!

By Mônica Comenale.

Confie na sua intuição

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/09/2014 by Joe

Confie na sua intuição

Era uma vez um homem perdido no deserto, prestes a morrer de sede. De repente, ele encontrou uma velha cabana abandonada e, com dificuldade, se acomodou numa pequena sombra dela.

Passados alguns minutos viu uma velha bomba d’água, bem enferrujada, a poucos metros de distância.

Ele se arrastou até lá, começou a bombear, mas nada aconteceu. Então, o homem notou, ao lado da bomba, uma velha garrafa cheia d’água, com uma mensagem que dizia:

“Você primeiro precisa preparar a bomba colocando nela toda a água desta garrafa. Por favor, encha novamente a garrafa antes de partir”.

Ele se viu num dilema. Despejar a água na velha bomba ou beber a água e desprezar a mensagem? Com relutância, ele despejou toda a água da garrafa na bomba. Começou a bombear e, de repente, um fio de água apareceu, depois um pequeno fluxo e finalmente água fresca e cristalina jorrou com abundância. Ele bebeu da água ansiosamente. Em seguida, voltou a encher a garrafa para o próximo viajante e escreveu uma pequena nota na mensagem original:

“Creia-me, funciona! Você precisa dar toda a água, antes de poder obtê-la de volta em abundância”.

Para alcançarmos o sucesso temos que assumir riscos e também confiar em nossa intuição.

Pense nisso!

By Alexandre Rangel, autor de “O que podemos aprender com os gansos”.

Colo

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/06/2014 by Joe

Colo

Pra dar colo é preciso pegar no colo? Nem sempre.

Há pessoas que dão colo com as palavras, com o que elas carregam e transmitem. Elas reconfortam sem presença física, estando, apesar disso, presentes.

É possível se dar a alguém, ser importante, fazer-se importante, às vezes mesmo com um gesto aparentemente banal.

Estamos atravessando uma era em que as pessoas se encontram muito mais profundamente que antes. Elas se acarinham, se amam, se sustentam, amenizam a solidão e ajudam a curar feridas e secar lágrimas.

Distância? Não existe!

Não é bem assim, ela existe, mas não percebemos. Eu estou aqui e estou aí ao mesmo tempo, da mesma maneira como meus amigos estão em toda parte e dentro de mim. A gente só alcança o que está perto, não?

Jesus atravessou séculos e ainda hoje nos pega no colo, ainda hoje falamos com Ele, choramos o calvário e a crucificação. Ainda hoje nos sentimos amados e podemos seguir Seu exemplo.

Quando você quiser abraçar alguém, dar colo, reconfortar e seus braços não alcançarem essa pessoa, dê um telefonema, escreva uma carta, envie um e-mail!

Seu carinho vai chegar da mesma forma, com o mesmo calor.

Nunca duvide disso!

By Letícia Thompson.

Amor virtual

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/06/2014 by Joe

Amor virtual

Acredito em amor virtual. Não adianta se valer do ceticismo da carne e dizer que a distância engana, que as pessoas não se conhecem, que pode haver desfeita e desilusão.

Acredito em amor virtual. Pois nada é mais expansivo e verdadeiro do que se conhecer pela linguagem. Nada é mais íntimo e pessoal do que se doar pela linguagem.

Não serei convencido da frieza do relacionamento na web, da articulação de fachadas e pseudônimos, da ironia e dos subterfúgios denunciados nos chats. O que acontece na internet reproduz a vida com seus defeitos e virtudes, não se pode exagerar na desconfiança. O amor virtual é tão real quanto o sangue. Não preciso enxergar o sangue para verificar se ele corre. O amor virtual trabalha com a expectativa e a ansiedade. Como um teatro que se faz de improviso, com a ardência de ser aceito aos poucos, sem o temor e os avisos em falso do rosto.

Na correspondência há a esperança de ser amado e de entreter as dores. A esperança aceita tudo, transforma todo troco em investimento. Um gesto de redobrada atenção, uma resposta alentada, uma frase diferente, um cuidado excessivo, a cordialidade do eco… e o amor se instala!

Não há o julgamento pelas aparências (que se assemelha a uma execução sumária), mas o julgamento em função do que se imagina ser, do que se deseja, do que se acredita. São raros os momentos em que se pode fechar os olhos para adivinhar. Adivinhar é delicioso – é se dedicar com intensidade às impressões mais do que aos fatos.

Alguns dirão que é alienação permanecer horas e horas teclando ou conversando diante de uma câmera e do computador. Mas é envolvimento, amizade, compromisso. É pressentir o cheiro, formigar os ouvidos, seduzir devagar. Não conheço paixão que não ofereça mais do que foi pedido.

Quem reclamava da ausência de preliminares deve comemorar o amor virtual? Nunca se teve tanta preliminar nas relações, rodeios, educação. Fica-se excitado por falar. Devolve-se à fala seu poder encantatório de persuadir. Afora o espaço democrático: um conversa e o outro responde. Findou o temporal de um perguntar para outro fingir que está ouvindo.

No amor virtual, a linguagem é o corpo. Dar a linguagem é entregar o que se tem de mais valioso. É esquecer as roupas na corda para escutar a chuva. É recordar de memórias imprevistas como do tempo em que se ajudava à mãe a contornar com o garfo a massa do capeletti. Conversa-se da infância, dos fundos do pátio, do que ainda não se tinha noção, sem ficar ridículo ou catártico. Abre-se a guarda para olhares demorados nos próprios hábitos. A autocrítica se converte em humor; a compreensão, em cumplicidade. É uma distração para concentrar. Uma distração para dentro. Vive-se com mais clareza para contar e se narrar.

Amor virtual é conhecer primeiro a letra, para depois conhecer a voz. A letra é o quarto da voz.

By Fabrício Carpinejar, jornalista e escritor.

Assumir riscos e confiar

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 05/03/2014 by Joe

Assumir riscos

Era uma vez um homem perdido no deserto, prestes a morrer de sede. De repente, ele encontrou uma velha cabana abandonada e, com dificuldade, se acomodou numa pequena sombra dela.

Passados alguns minutos, viu uma velha bomba d’água, bem enferrujada, a poucos metros de distância.

Ele se arrastou até lá, começou a bombear, mas nada aconteceu. Então, o homem notou, ao lado da bomba, uma velha garrafa cheia d’água, com uma mensagem que dizia:

“Você primeiro precisa preparar a bomba, colocando nela toda a água desta garrafa. Por favor, encha novamente a garrafa antes de partir”.

Ele se viu num dilema. Despejar a água na velha bomba ou beber a água e desprezar a mensagem? Com relutância, ele despejou toda a água da garrafa na bomba. Começou a bombear e, de repente, um fio de água apareceu, depois um pequeno fluxo e finalmente água fresca e cristalina jorrou em abundância.

Ele bebeu da água ansiosamente. Em seguida, voltou a encher a garrafa para o próximo viajante e escreveu uma pequena nota na mensagem original:

“Creia-me, funciona! Você precisa dar toda a água, antes de poder obtê-la de volta em abundância”.

Para alcançarmos o sucesso temos que assumir riscos e também confiar em nossa intuição.

Pense nisso!

By Alexandre Rangel, autor de “O que podemos aprender com os gansos”.

Você é o que semeia

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/02/2014 by Joe

Ondas concêntricas

Certa vez, contei uma mentira a um homem. Ele respondeu-me assim:

– “Todas as decisões que devo tomar serão baseadas nas suas palavras.”

Desde então, eu só disse a verdade.

Certa vez, reclamei de um presente que recebi, porque não era o que eu queria. Aquela que me presenteou percebeu o desapontamento em meus olhos e disse-me isto:

– “Escolhi o presente mais valioso que poderia encontrar, porque achei que você deveria ter um deste.”

Desde então, fico muito alegre com cada presente que recebo.

Certa vez, um homem contou-me um segredo, o qual eu sussurrei baixinho no ouvido de um outro amigo. O homem disse-me isto, depois de ouvir seu segredo repetido:

– “A razão pela qual contei-lhe o segredo foi porque confiei em você, não em seu amigo.”

Desde então, não confio assim tão facilmente.

Certa vez, dei um presente a uma amiga e ela chorou. Me desculpei por ser um presente tão pequeno, mas era o que eu podia comprar. E ela me respondeu:

– “Não há nada de errado com o presente, estou emocionada porque você lembrou-se de mim!”

Desde então, eu dou presentes frequentemente.

Estava tentando apenas ser eu mesmo, passando despercebido sem chamar atenção. E me foi dito isto:

– “O fato de você não se adequar faz com que você fique fora de tudo.”

Desde então, eu penso sobre isto. Penso, existo… penso, somos!

Você é um agente muito importante na existência, não vivemos aqui sozinhos. Cada movimento que você faz cria uma onda no oceano do outro. Cada vez que você respira afeta todo o ar em volta de quem está com você. Cada palavra que você expressa bate no ouvido de alguém. Aquilo que você toca é sentido por outra pessoa. Aquilo que você faz, certamente afetará alguém.

O que não faz, ou deixa de fazer, também afetará pessoas.

Nós nunca sabemos a distância realmente alcançada por algo que falamos ou fazemos até que nos retorne. Todas as coisas na vida formam círculos e estamos no meio deles, quer os vejamos ou não!

E tudo que devemos fazer é criar agradáveis ondas, aquelas que envolvem calorosamente tudo em torno de você, e que voltam suaves, fazendo, por sua vez, que você crie, cada vez mais, ondas agradáveis.

Aquilo que o homem semear, com certeza também colherá.

Desconheço a autoria.

%d blogueiros gostam disto: