Arquivo para Desenho

Borboletas

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 04/08/2015 by Joe

Borboletas

Uma borboleta voa e você levanta a cabeça para segui-la. Tenta acompanhá-la com olhares, não somente pela graça do seu voo, mas por seu significado físico e poético.

A borboleta é o símbolo mais perfeito do ócio artístico e da liberdade criadora. Fascina porque é bela e livre.

As borboletas são independentes. Não existe ciúme entre elas, nenhuma controla o voo da outra, não existe desenho prévio para o tipo de voo que vão voar quando saem a passeio. Não fazem planos para os voos do dia seguinte, não acumulam coisas, não carregam nada nas costas, não se casam e nem se prometem coisas absurdas.

Por isso as borboletas fascinam. Por isso as pessoas querem seguir as borboletas. Voar como elas. Ser como elas.

By Edson Marques, trecho de seu livro “A Teoria do Acaso”.

Torta Ratatouille

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/12/2014 by Joe

Torta Ratatouille

Para quem nunca tinha ouvido falar em Ratatouille e pensava que o desenho levava esse nome porque se tratava de uma história de ratos, aqui vai uma breve história do prato.

O Ratatouille é uma receita típica da culinária francesa, da região da Provença, de meados do século XVII e que pode ser servida tanto quente quanto fria, sozinha ou como acompanhamento.

O nome significa “picar” ou “triturar”, mas também podemos entender como sendo um “ragout” de legumes ou berinjela. Num Ratatouille não podem faltar berinjelas nem tomates, mas os demais ingredientes ficam mais ao gosto de cada um, podendo ser utilizados pimentões, abobrinhas, cenouras, etc.

A receita de hoje mistura esse clássico francês com a leveza das tortas primaveris, resultando num prato bem saboroso que pode ser servido na ceia de Natal.

Espero que curtam a receita e aproveito para desejar a todos um Feliz Natal junto a seus familiares e amigos, sempre com muita luz, paz, harmonia e saúde!

Torta de Ratatouille

Ingredientes

Massa

1 ovo
100g de manteiga gelada
1 colher (chá) de sal
1¼ de xícara (chá) de farinha de trigo

Modo de preparo

Em uma tigela grande, junte a farinha e o sal e misture. Corte a manteiga em cubos e transfira para a tigela. Usando as pontas dos dedos, misture até formar uma farofa, sem deixar a manteiga dissolver completamente. Dessa forma, a massa ficará crocante.

Acrescente o ovo e trabalhe a massa apenas até formar uma bola. Envolva com papel filme e leve à geladeira por, no mínimo, uma hora. Se preferir, prepare a massa no dia anterior.

Recheio

Ingredientes

1 berinjela pequena
1 abobrinha média
3/4 de xicara (chá) de tomate-cereja ou sweet-grape
1 talho de alho-poró sem as folhas verdes
1 pimentão amarelo
1 cebola média
4 dentes de alho
sal e pimenta-do-reino moída na hora (a gosto)
8 colheres (sopa) de azeite

Modo de preparo

Pré-aqueça o forno a 220ºC. Em uma tábua, corte a berinjela em rodelas de 1 cm e descarte as pontas. Se a berinjela for grande, corte as fatias ao meio. Transfira para uma tigela, cubra com água e misture com uma colher de chá de sal. Esse truque serve para amenizar o gosto amargo do legume. Reserve.

Enquanto isso, prepare os outros legumes. Lave, seque e fatie as abobrinhas em rodelas de 1 cm também, descartando as pontas. Corte os tomates-cereja ao meio e fatie o alho-poró finamente. Além disso, corte o pimentão ao meio, descartando as sementes, corte as metades em tiras e as tiras em cubos. Descasque a cebola e corte em quatro partes e descasque os dentes de alho.

Retire a berinjela da água, deixe escorrer bem e distribua em uma assadeira retangular grande. Regue com três colheres de sopa de azeite e leve ao forno pré-aquecido para assar por 15 minutos. Retire a assadeira do forno e junte os outros legumes. Tempere com sal e pimenta-do-reino, regue com bastante azeite e misture delicadamente.

Coloque a assadeira novamente no forno por 30 minutos. Retire e baixe a temperatura do forno para 180ºC.

Montagem

Ingredientes

2 ramos de tomilho fresco
2 ramos de alecrim fresco
1 gema (para pincelar)
1 colher (chá) de água

Modo de preparo

Cerca de 15 minutos antes de terminar o tempo para pré-assar os legumes, retire a massa da geladeira. Separe uma forma redonda, de fundo removível, com cerca de 24 cm de diâmetro.

Em uma bancada, polvilhe um pouco de farinha e, com um rolo de macarrão, abra a massa em formato arredondado até ficar com cerca de 0,5 cm de espessura. Separe o fundo da forma. Para transferir a massa, enrole-a no rolo de macarrão e desenrole sobre o fundo da forma, deixando as bordas para fora.

Retire a assadeira do forno. Debulhe os ramos de tomilho e alecrim e junte aos legumes, misturando delicadamente. Em seguida, coloque os legumes sobre a massa e dobre as bordas por cima.

Em uma tigelinha, misture bem a gema com água. Pincele a massa e leve ao forno por 45 minutos ou até dourar. Sirva quente ou em temperatura ambiente.

By Joemir Rosa.

Nenhum homem é uma ilha

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31/07/2014 by Joe

Nenhum homem é uma ilha

Nestes tempos em que a violência impera por todo o planeta, em que mulheres são violentadas na Índia, crianças são bombardeadas dentro de escolas numa guerra estúpida, dezenas de conflitos dizimam populações inteiras na África, lembrei de um texto que li há alguns anos, em um blog, e resolvi republicá-lo aqui. Espero que vocês tenham o mesmo sentimento que eu tive ao ler.

By Joemir Rosa.

“Numa das preguiçosas tardes da minha adolescência, andando por uma rua do bairro de periferia em que vivia, encontrei jogado ao meio fio uma folha amarelada de caderno de desenho… Isso aconteceu há cerca de trinta anos. Mas ainda me lembro, como se fosse hoje, não sei explicar porque o fato jamais me deixou.

Na folha havia um desenho, feito em lápis de cor, com capricho de amador, uma ilha, dois coqueiros, o mar. No verso da folha, um poema de John Donne, poeta inglês do século XVI:

“Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo;
todo homem é um pedaço do continente, uma parte da terra firme.
Se um torrão de terra for levado pelo mar, a Europa fica diminuída,
como se fosse um promontório, como se fosse o solar dos teus amigos ou o teu próprio;
a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano,
e por isso não me perguntes por quem os sinos dobram;
eles dobram por ti.”

Segundo o nível de consciência que tinha naquele momento, achei que era uma “cartinha de amor”, uma “prenda”, daquelas que a gente faz para agradar a quem ama. Guardei John Donne comigo pelo resto de minha vida. E quando meu amor-próprio era atingido pela insensibilidade, alheia ou pessoal, eu pensava “os sinos dobram por mim”…

E quando as antigas obras me falaram da “Alma do Mundo” eu pensava: “nenhum homem é uma ilha”… E quando o mestre Jung falava sobre o “inconsciente coletivo” e a física quântica sobre “massa crítica”, eu pensava: “a Europa fica menor se um seixo for levado”… Os anos vão passando e não me canso de encontrar sabedoria neste poema; e hoje penso que, enquanto não entendermos que “a morte de qualquer homem me diminui”, os assassinos continuarão a nascer…

A criança maltratada na Índia é o reflexo da minha criança interior. A mulher violada no Congo é o reflexo da mulher violada por padrões sociais e preconceitos em mim. Todos nos envergonhamos quando ouvimos uma mulher contar que foi violentada, todos nos sentimos envergonhados quando lembramos da fome e dos maltratos às crianças…

Mas a nossa condição privilegiada nos dá oportunidade de transformar preconceito em acolhimento. Por toda a fome do mundo, precisamos deixar de consumir em excesso! Por todas as mulheres do mundo, precisamos parar de destruir nossos corpos com remédios para emagrecer e antidepressivos. Precisamos parar de chamarmos umas às outras de nomes chulos, que reforçam o poder do estuprador, do abusador…

Por todas as crianças do mundo, precisamos educar nossos filhos com ideais humanitários. Por toda a paz no mundo, precisamos nos desapegar de compromissos profissionais ou familiares que nos levam à infelicidade, à mentira e à guerra…

Por toda a humanidade, precisamos fazer do amor e da solidariedade nosso bem maior. Porque dentro de cada um de nós existe um ser que chora por todos nós…

Que a Deusa abençôe a todos!

By Gislaine Carvalho.

A dupla face da realidade

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/07/2014 by Joe

Nova velha

Outro dia, lendo um jornal, um artigo de Marcelo Gleiser trazia a seguinte frase: “A realidade é definida pelo modo como interagimos com ela”.

Lembrei de um desenho antigo, que revela duas faces ao mesmo tempo: a da moça e a da velha. Visualizar uma ou outra depende do ponto de vista. Nossa percepção imediata revela somente um lado da realidade – aquela que conseguimos enxergar.

A forma como lidamos com nossas relações fazem parte do que consideramos real também. Uma pessoa ferida, amargurada após relações que não deram certo, certamente terá uma visão diferente daquela que tem a mocinha confiante, que entra na igreja de braço dado com o pai.

Por isso é tão necessário ter cuidado com aquilo que transmitimos aos outros – principalmente aos mais novos – a partir de nossos paradigmas ou percepções (nem sempre tão legítimas), mas que fazem parte da nossa realidade, não da realidade universal.

Aquilo que vejo pode não ser o que é; e talvez uma mente jovem, sem grandes traumas, tenha maior capacidade de enxergar o que realmente é, ao invés daquilo que podemos acreditar que seria.

A vida não é fácil, e muitas vezes é injusta. Por isso, é tentador nos moldarmos de forma distorcida. Blindamos nossa estrutura e nos protegemos com excesso de cuidado. Nosso pecado é intervir nas páginas em branco daqueles que amamos, transmitindo nossos medos – muitas vezes desnecessários. Mas a vida se encarrega de sacar suas próprias cartas. E torcemos para que nossos mapas de conexões neurais façam conexões saudáveis, leves, carregadas de poesia e fé…

By Fabíola Simões, em “A dupla face da realidade”.

Tempos de violência

Posted in Atualidade, Reflexão, Videos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/01/2014 by Joe

Tempos de violência

Estamos vivendo tempos de muita violência, de pouco amor e respeito ao próximo. E, principalmente, de poucos exemplos também.

Ver noticiário na televisão hoje em dia é submeter-se a uma verdadeira lavagem cerebral onde somos anestesiados pela violência, pouco a pouco, diariamente, e vamos nos acostumando com as barbáries que só víamos em filmes policiais. Hoje elas estão bem aqui do lado de fora de nossas portas.

E, não bastasse a realidade, ainda somos bombardeados constantemente por filmes, jogos, novelas, onde o que vale é matar, roubar, trair, levar vantagem em tudo, etc. Ótimos exemplos de que a vida não vale mais nada!

Crimes hediondos, assassinatos a sangue frio, pais e mãe matando filhos, filhos matando avós, bebês abandonados, estupros, racismo, homofobia, violência doméstica contra a mulher e a criança, tráfico de drogas e seres humanos, vandalismo, violência desmesurada em estádios de futebol, roubos, assaltos, acidentes nas estradas e ruas das cidades causados pelo excesso de bebidas e drogas, corrupção ativa e passiva, crimes políticos… a lista é enorme!

Valores que mudaram de rumo, falta deles, exemplos que deveriam vir da família, a falta dela, falta de amor e de respeito pelo próximo, por si próprio…

A pergunta que faço é: em que ponto da escalada da humanidade nos desviamos da verdadeira evolução? Em que momento se deu o u-turning?

Outro dia vi um desenho onde um filhotinho de macaco perguntava a seu pai:

– “Papai, o que são humanos?”

E o pai, com um olhar triste, respondeu:

– “São macacos sem rabos que pensam que são donos de tudo que existe na floresta. Constroem cavernas de pedras que quase chegam ao céu. Seus egos, sua ambição, não têm limites… Tomam mais terra do que precisam para viver, destroem as florestas, sujam os mares, poluem o ar…”

À medida que ia explicando, seu filhote ia ficando aterrorizado. E o pai continuava:

– “Humanos escravizam humanos e deixam parte da manada morrer de fome para que poucos tenham muito e sejam ricos. Constroem máquinas para matar humanos. Um dia, meu filho, os humanos se exterminarão… eles são macacos loucos…”

O filhote, olhar perdido e triste, olhou para o pai e disse:

– “Pai… não me deixe jamais ser humano, por favor!”

Talvez o ponto da virada tenha sido aí, quando os macacos começaram a evoluir para algo pior que a sua própria espécie. Talvez a fórmula tenha dado errado. Talvez o mundo teria sido bem melhor só com os macacos…

São muitos “talvez” que não nos respondem o que queremos saber: tem volta?

Eu, particularmente, acho que tem volta, sim, mas não sem antes passarmos por uma terrível peneira que irá separar o joio do trigo. E essa peneira será longa, terrível, violenta e levará ao quase extermínio dessa raça de macacos que não deu certo!

Um dia, num futuro longínquo, talvez um filho de ser humano, talvez conhecido por um outro nome qualquer, irá perguntar a seu pai:

– “Papai, o que são humanos?”

A resposta só o tempo dirá….

O vídeo abaixo é uma produção mexicana e foi veiculado nas TVs daquele país como uma forma de alerta para o que as crianças estão fazendo, seus comportamentos e atitudes, muito parecidos aos de adultos.

Serve também para percebermos que o que está realmente faltando… são bons exemplos!

By Joemir Rosa.

Frango Xadrez

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/10/2012 by Joe

A gastronomia chinesa se popularizou por quase todo o mundo. Em qualquer cidade do planeta encontramos, pelo menos, um restaurante chinês.

E entre os pratos mais tradicionais está o Frango Xadrez. O nome é uma criação brasileira e, provavelmente, vem do desenho formado pelos componentes do prato, principalmente os pimentões coloridos, cebolas e frango cortados em quadrados.

Esse prato é derivado do bisavô chinês chamado 宮保鸡丁onde o penúltimo caracter (鸡) representa frango. Na linguagem ocidental, o prato ganha um nome mais fácil de escrever: Frango Kung Pao ou Gong Bao. Daí para Frango Xadrez foram anos e anos de história da gastronomia chinesa no Brasil.

Conta a história que o prato tem sua origem na província de Si Chuan, situada na parte ocidental da China. Dentre os ingredientes que permanecem na receita até hoje estão  o frango, o molho de soja (shoyu) e o amendoim. Os demais ingredientes podem variar de acordo com a região e o gosto dos povos.

Um ítem indispensável na cozinha oriental é a panela wok (鑊), pois permite o preparo deste prato (e de outros) de forma muito prática e rápida. Muito útil até mesmo para o preparo de outras receitas e pratos não orientais.

A receita abaixo é uma versão que mais se adapta ao paladar do brasileiro, mesmo que alguns ingredientes não sejam do gosto da maioria. Algumas variações são encontradas, dependendo do restaurante, como a adição de broto de bambu, por exemplo.

De qualquer forma, trata-se de um prato saboroso, fácil e rápido de preparar, com um toque exótico de temperos. Para agilizar o preparo, deixe todos os ingredientes cortados de antemão.

Espero que gostem!

Frango Xadrez

Ingredientes

1 kg de peito de frango, sem osso e sem pele cortado em pedaços
1 pimentão verde médio cortado em quadrados de 2 cm
1 pimentão vermelho médio cortado em quadrados de 2 cm
3 cebolas grandes cortadas em cruz
2 colheres (sopa) de ketchup
1 xícara (chá) de shoyu
1 colher (sopa) de gengibre ralado
1 xícara (chá) de amendoim torrado sem casca
300 gramas champignon cortados em fatias grossas
1 colher (sopa) de amido de milho
1 colher (sopa) de óleo
sal a gosto

Modo de preparo

Corte o frango em pequenos cubos. Em seguida, na panela wok (se não tiver uma, use uma frigideira grande e funda), aqueça o óleo e frite o frango até que esteja branco por fora. Adicione a cebola, o shoyu, o gengibre e o ketchup. Prove e acerte o sal.

Quando o frango estiver cozido, acrescente os pimentões coloridos. Deixe cozinhar um pouco e acrescente o champignon. Dilua o amido de milho em um pouco de água e adicione à panela, mexendo bem para incorpar o molho. Por fim, coloque o amendoim.

Sirva imediatamente acompanhado de arroz branco, cozido apenas em água e sal, pois o frango já é bem temperado.

Bom apetite!

By Joemir Rosa.

Os Fantásticos Livros Voadores de Mr. Morris Lessmore

Posted in Videos with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 29/04/2012 by Joe

Um curta-metragem de animação, ganhador do Oscar em 2012 na categoria, é uma fábula que tem componentes do Mágico de Oz e Buster Keaton, inspirado nos estragos do furacão Katrina.

A história começa com um furacão que arranca as casas do chão e as palavras impressas dos livros, numa alusão clara à onda digital. Destaque para o momento em que, na mesa de operação, o velho livro carcomido tem uma parada cardíaca e só ressuscita quando o Sr. Lessmore começa a lê-lo!

A animação é uma mistura de técnicas (stop-motion, animação computadorizada e desenho), produzida pelo Moonbot Studios, com direção de Willian Joyce e Brandon Oldenburg para produzir uma bonita declaração de amor aos livros de papel.

Chamem as crianças, aumentem o som (a trilha sonora é muito boa) e curtam cada minuto dessa animação, comovente, repleta de sentimentos e bem humorada, que nos mostra o valor dos livros e a importância da leitura! Ahhh … e não se preocupem com o idioma porque não tem nenhuma palavra em outro idioma!

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: