Arquivo para Desagrado

Feedback honesto

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 18/06/2013 by Joe

Feedback 2

Se você tiver interesse genuíno em feedback honesto, saiba que está diante de um desafio tremendo.

O segredo é perguntar. Deve ficar claro que você busca ajuda e comentários construtivos, e não elogios ou respostas “certas”. Sim, elogios dizem o que deve continuar a ser feito, mas em geral vêm depois e não contribuem para o sucesso.

Se o que você quer é feedback honesto, saiba que é muito difícil. Concentre a pergunta exatamente no que quer saber. Assim, todos ficam à vontade para dizer alguma coisa que, imaginam eles, talvez você preferisse não ouvir.

As três perguntas mágicas que você deve fazer são as seguintes:

– “O que estou fazendo que lhe agrada?”

– “O que estou fazendo que lhe desagrada?”

– “O que não estou fazendo, mas você gostaria que eu fizesse?”

Se não tiver interesse de conhecer a verdade nua e crua, não pergunte. Fazer o contrário seria manipulação, um procedimento negativo que, além de inútil, não engana ninguém.

Lembre-se:

Se deseja realmente receber feedback honesto, aperfeiçoe as suas técnicas. Faça as perguntas certas (bem focadas).

Adapte as três perguntas mágicas à sua realidade. Pergunte:

– ”Como podemos melhorar?”

Escute.

Prove coerentemente, por meio de sinais verbais e não-verbais, que deseja conhecer a história pela visão do outro.

Anote opinões e, depois de suficiente ponderação, responda. Não dê respostas imediatas, a menos que seja essa a atitude adequada.

Se você fizer uma expressão de desagrado ao receber feedback honesto apontando algo de errado, a notícia vai repercutir em toda a empresa. Você deve querer a informação.

By Barnett C. Helzberg, JR, do livro “O que atraiu Warren Buffett”.

Anúncios

Você cria a sua realidade

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/07/2012 by Joe

Você cria sua experiência de vida física por meio de seus pensamentos. Literalmente, cada pensamento seu gera determinada criação.

Seus pensamentos, ao considerar seus anseios, movimentam a criação e o cumprimento de tudo o que você deseja. Do mesmo modo, seus pensamentos, ao considerar aquilo que você não quer, movimentam a criação e o cumprimento de tudo o que você não quer. O princípio é o mesmo.

Observe com atenção se seus pensamentos caminham em direção ao que você quer ou ao que você não quer – na direção do que o excita e o agrada, ou na que lhe desperta medo e desagrado. Todo pensamento tem poder criativo.

Se você analisar sua experiência de vida a partir desse novo ponto de vista, reconhecerá, imediatamente, como é o que vivenciou ou vivencia, ou seja, o que você trouxe para sua experiência de vida, pensamento por pensamento.

Cada pensamento tem poder e todos brotam da sua mente, mesmo sem a presença de emoção significativa. Assim, a manifestação será concreta. Mas eles não são iguais no que se refere à habilidade criativa ou a velocidade com que algo desejado (ou não) se transforma em realidade. Há um fator diferencial importante.

Os pensamentos que você vivencia com grande emoção são os mais poderosos: sejam positivos (na direção do que você deseja) e carregados de emoção positiva, sejam negativos (na direção do que você não deseja), portanto, cheios de emoção negativa. A força da emoção presente interfere na rapidez com que aquilo vai se concretizar.

Para resumir esse segmento do Processo Criativo: entenda que todo e qualquer pensamento cria, e quanto mais emoção estiver presente, mais rápida será a concretizarão do que foi idealizado.

Quando você entender inteiramente o que acabou de ler, ficará muito claro o que você atrai para sua vida. Nada melhor do que olhar para seu passado e lembrar o que criou para reconhecer, sem nenhuma exceção, que tudo teve origem nos seus pensamentos.

Quando você está deliberadamente decidindo que quer alguma coisa e tem absoluta consciência disso, a criação ocorre em sua plena forma, mas quando você pensa no que não quer e permanece concentrado nisso, também cria, embora seja por omissão,  no sentido exatamente oposto ao que realmente pretende ter.

By Jerry e Esther Hicks, do livro “A Chave do Segredo”.

%d blogueiros gostam disto: